Thomas Pesquet, da ESA, o primeiro europeu a viajar num Dragon para a Estação Espacial

O astronauta da ESA Thomas Pesquet foi oficialmente designado para o segundo voo operacional da cápsula Crew Dragon da SpaceX, a ser lançada na primavera de 2021, a partir do Cabo Canaveral, EUA, para a Estação Espacial Internacional.

Estou entusiasmado por ser o primeiro europeu a voar na nova geração de naves tripuladas dos EUA,” diz Thomas. “Será mais interessante para mim comparar com o meu primeiro voo como piloto da Soyuz e trazer essa experiência para a equipa.

$video.data_map.short_description.content

“A aeronave Dragon é uma máquina moderna com novos recursos surpreendentes. Por outro lado, a Soyuz tem um histórico inacreditável que nos permitiu chegar à Estação Espacial Internacional durante muitos anos. É um privilégio voar nos dois.

Com Thomas a ser o primeiro astronauta europeu a voar para a Estação Espacial Internacional num veículo Crew Dragon, isto mostra que, mesmo ao usar uma sonda comercial construída nos EUA, o carácter internacional dos voos espaciais humanos ainda se mantém. A estreita colaboração entre os parceiros da Estação Espacial NASA, JAXA, CSA, Roscosmos e ESA eram fortes no passado, continuam muito fortes hoje e continuarão a sê-lo no futuro,” diz o Director-Geral da ESA, Jan Wörner. “Estou ansioso para ver os astronautas europeus novamente num ambiente onde não existem fronteiras – a Estação Espacial Internacional.”

Thomas Pesquet trains on systems for the SpaceX Crew Dragon

Estas novas missões são graças ao forte compromisso com o programa de exploração europeu concretizado pelos ministros do Space19+ em Sevilha,” acrescenta David Parker, Director de Exploração Humana e Robótica da ESA.

Com um aumento de 30% no investimento anual, pretendemos que todos os membros actuais do Corpo Europeu de Astronautas façam uma segunda missão na Estação Espacial, no devido tempo.”

Revelado o nome vencedor

Gif of Thomas Pesquet's Alpha mission patch

A segunda missão de Thomas à Estação Espacial Internacional será chamada Alpha. Isto ocorre depois de Alpha Centauri, o sistema estelar mais próximo da Terra, seguindo a tradição francesa de nomear missões espaciais após estrelas ou constelações.

O nome foi escolhido entre mais de 27.000 inscrições enviadas para um concurso da ESA, no qual o nome Alpha foi sugerido 47 vezes. O primeiro a enviar esse nome foi Christelle de Larrard de Mios, Gironde, França.

Christelle receberá um emblema de missão ‘pilotada’ que orbitará a Terra na bagagem de Thomas na sua missão. Os outros 46 vencedores receberão emblemas de missão não pilotada, mas originais, como prémios de segundos-classificados.

Havia muitas razões para escolher Alpha como um nome de missão,” diz Thomas. “Conecta-se à minha primeira missão, Proxima, pois as estrelas pertencem ao mesmo sistema próximo à Terra e, portanto, transmitem a mesma ideia de proximidade (como a investigação espacial para pessoas na Terra) e uma ideia de continuação do meu trabalho. Alpha, uma letra grega, é também amplamente usada em matemática, ciências e tecnologia. E, como a primeira letra do alfabeto, muitas vezes é sinónimo da excelência que tentamos alcançar na exploração espacial.”

Alpha foi também a denominação original da Estação Espacial Internacional e ainda é usada hoje como indicativo de chamada de rádio. A palavra é pronunciada da mesma forma em quase todas as línguas, para um nome de missão simples, mas significativo.

Parabéns Christelle e os outros 46!” conclui Thomas.

Desenho do Emblema

Mission patch for ESA astronaut Thomas Pesquet's Alpha mission

O emblema Alpha foi projectado pelos artistas gráficos da ESA e apresenta um lançamento de um foguetão – o momento mais dramático de todas as missões espaciais. Ao redor do emblema, existem 17 faixas coloridos que representam os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas.

No topo, a Estação Espacial Internacional está estilizada nas cores da bandeira francesa. Dez estrelas brilham ao fundo, evocando a constelação de Centaurus e o número de cidadãos franceses que voaram para o espaço.

Thomas já começou a treinar para a sua nova aeronave no simulador e para a estadia de seis meses na Estação Espacial Internacional, de modo a actualizar as habilidades e garantir o melhor aproveitamento do seu tempo no espaço. Durante a sua última missão, Proxima, participou em mais de 60 experiências europeias, mais de 200 no total, e estabeleceu um recorde para o número de horas gastas em ciência numa semana.

A tripulação da Expedição 50/51 ainda encontrou tempo para fazer seis caminhadas espaciais, lançar 36 nanossatélites, realizar algumas operações robóticas e, no seu tempo livre, tirar milhares de fotos da Terra de tirar o fôlego.

Com os olhos no futuro

ESA astronauts Matthias Maurer and Thomas Pesquet training at NASA's Johnson Space Center

A próxima missão promete ser ainda mais cheia de acção, à medida que a tripulação aumenta de seis para sete membros em média – porque as cápsulas da tripulação dos EUA agora podem voar quatro astronautas para o espaço, um a mais que um Soyuz – e grandes actualizações no laboratório da Europa que darão acesso mais rápido a experiências em microgravidade para investigadores da Terra.

A ESA também conseguiu adquirir uma missão adicional à Estação Espacial Internacional em 2021 para o primeiro voo do astronauta da ESA Matthias Maurer. Os detalhes dessa missão ainda não foram estabelecidos, mas, por enquanto, Matthias está a treinar como reserva para Thomas.

A Estação Espacial Internacional está a comemorar 20 anos de presença humana no espaço ainda este ano, mas mesmo após duas décadas de presença humana contínua na órbita da Terra, o voo espacial não é tarefa fácil,” diz Frank De Winne, Comandante da Expedição 21 da Estação Espacial e Director do Centro Europeu de Astronautas em Colónia, Alemanha.

Esta missão é a primeira em que um europeu voa para a Estação Espacial no Crew Dragon, tornando-a ainda mais especial, enquanto garante que a investigação para o benefício da humanidade continua sempre acima das nossas cabeças.”

A missão Alpha será a primeira vez que um astronauta europeu é lançado dos EUA em quase uma década, depois que Roberto Vittori que viajou no Vaivém Espacial Endeavour para a Estação Espacial Internacional para entregar o Espectrómetro Magnético Alpha AMS-02, em 2011.

Siga Thomas, o seu treino e missão nas redes sociais, através do site thomaspesquet.esa.int.

Para mais informações, entre em contacto com: media@esa.int

ESA Newsroom and Media Relations Office – Ninja Menning
Email: media@esa.int
Tel: +31 71 565 6409

Redes Sociais

Siga Thomas, o seu treino e missão nas redes sociais, através do site thomaspesquet.esa.int.
Siga a exploração humana e robótica da ESA em @esaspaceflight no Twitter.
As hashtags oficiais são #MissionAlpha e #ExploreFarther

Notícia e imagens: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90



O Boletim Em Órbita não tem fins lucrativos e é mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando seu bloqueador de anúncios em www.orbita.zenite.nu

Comente este post