Tectónica recente em Marte

Estas trincheiras proeminentes foram formadas por falhas que separaram a superfície do planeta há menos de 10 milhões de anos.


Cerberus Fossae em contexto

As imagens foram obtidas pela Mars Express da ESA, a 27 de Janeiro, e capturam parte do sistema Cerberus Fossae na região Elysium Planitia, perto do equador marciano.

As fossae – que significa “valas” ou “trincheiras” em latim – estendem-se por mais de mil quilómetros do noroeste ao sudeste.

Estas cortam através de crateras de impacto e colinas ao longo do caminho, bem como planícies vulcânicas de 10 milhões de anos, indicando a relativa juventude da sua formação.

Variam em largura, tipicamente de algumas dezenas de metros até mais de um quilómetro de largura, e acredita-se que sejam feições tectónicas originadas de falhas que separam as camadas superiores da superfície.

Podem estar relacionadas com injecções de lava em profundidade que deformam a superfície acima, talvez originária do trio de vulcões localizados a noroeste.

Vista em perspectiva da Cerberus Fossae

Poços de colapso arredondados, observados na parte norte (norte é à direita na imagem colorida principal), indicam um estágio inicial de afundamento da superfície; noutros lugares, podem ser observadas características arredondadas que se conectam para criar rachaduras mais longas.

Os cientistas que estudam esta região especularam que as fracturas poderiam romper a crosta a uma certa profundidade, permitindo que a lava ou a água subterrânea escapassem para a superfície.

Para o oeste, como é possível observar na imagem do contexto, o canal de saída de Athabasca Valles conecta-se com o sistema de fossas.

Vista em perspectiva da Cerberus Fossae

O material escuro, visto na maior cratera no norte (à direita) e ao redor de algumas das rachaduras, é areia soprada pelo vento através da superfície marciana.

A Mars Express comemora 15 anos em órbita, este ano, e os cientistas estão, esta semana, a discutir alguns dos destaques da missão no Congresso Europeu de Ciências Planetárias, em Berlim, na Alemanha.

Visão topográfica da Cerberus Fossae

Durante a sua vida útil, já obteve mais de 40.000 imagens de Marte e das suas duas luas com a câmara estéreo de alta resolução, além de imagens de contexto com a sua Câmara de Monitorização Visual. Também recolheu um vasto conjunto de dados com o seu conjunto de instrumentos científicos que estão a analisar o planeta a partir da sua ionosfera, atmosfera e interacção com o vento solar, até à sua sub-superfície, com radar.

Explore todos os dados disponíveis da Mars Express no Arquivo de Ciência Planetária da ESA.

Cerberus Fossae em 3D
Notícia e imagens: ESA
Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

 

%d blogueiros gostam disto: