SpaceX perde Starship SN11

De novo, um teste do protótipo Starship terminou com a destruição do veículo depois de um voo aparentemente sem falhas. O teste teve lugar no dia 30 de Março de 2021 e resultou na perda do veículo SN11.

O teste da Starship SN11

O principal objectivo do teste em voo do veículo SN11 era o de repetir os três testes anteriores, mas conseguindo o objectivo final da aterragem a uma velocidade suficientemente lenta para garantir a integridade física do veículo e assim evitar a sua destruição.

Antes da realização deste voo, uma série de testes foram necessários para preparar o veículo, nomeadamente a realização de testes estácticos dos seus motores. Uma tentativa inicial de levar a cabo um destes testes (a 21 de Março) – com a ignição dos três motores Raptor durante alguns segundos para a obtenção de dados de desempenho – foi abortado. O teste seria realizado com sucesso a 28 de Março. Anteriormente, o SN11 já tinha realizado os testes operacionais das suas superfícies aerodinâmicas bem como do sistema de controlo a reacção RCS (Reaction Control System) que seria utilizado para manobrar o veículo em voo.

O SN11 é o oitavo voo de teste dos veículos Starship da SpaceX sucedendo ao Starhopper, que levou a cabo um voo de 20 metros a 25 de Julho de 2019 e um voo de 150 metros a 27 de Agosto; ao SN5, que realizou um voo de 150 metros a 4 de Agosto de 2020; ao SN6, um novo voo de 150 metros a 3 de Setembro; ao SN8, que realizou um voo de 12,5 km a 9 de Dezembro; ao SN9, que realizou um voo de 10 km a 2 de Fevereiro de 2021; e ao SN10, que realizou um voo de 10 km a 3 de Março.

Os testes anteriores completaram as fases de voo sem problemas, mas apenas o veículo SN10 conseguiu aterrar, se bem que de forma catastrófica, pois levou à sua destruição minutos depois. Isto aconteceu porque o motor Raptor n.º 1 não desenvolveu a força necessária provavelmente devido à contaminação parcial por hélio proveniente do denominado «header tank». Por outro lado, somente três dos dispositivos de aterragem se fixaram. No impacto com o solo deu-se a destruição dos restantes dispositivos de aterragem e da saia do motor. Isto resultou num incêndio nesta área que aparentemente teria sido extinto minutos após a aterragem. Porém, minutos depois a Starship SN11 explodia na plataforma.

O voo da Starship SN11

Assim, com tudo pronto para o seu voo, mas com um intenso nevoeiro, os motores da Starship SN11 foram accionados às 1300UTC. O veículo elevou-se sobre a Plataforma A da Starbase, em Boca Chica, e iniciou o seu voo vertical com o objectivo de atingir 10 km de altitude.

A T+2m 16s, e seguindo um plano de voo pre-determinado, dá-se a desactivação do motor Raptor n.º 3, prosseguindo o voo vertical com somente dois motores em funcionamento. A T+3m 14s, e a uma altitude de cerca de 8 km, o motor Raptor n.º 2 é desactivado, deixando o veículo SN11 somente com um motor em funcionamento até atingir os 10 km de altitude a T+4m. Nesta fase, a potência do motor Raptor n.º 1 vai sendo diminuída para manter a altitude. De notar que ao longo do seu voo os motores do sistema RCS localizados em vários pontos do veículo, ajudam a estabilizar a sua atitude ao mesmo tempo que ajustam a sua rotação para uma posição vertical no final do voo e em preparação da aterragem.

A T+4m 20s, o motor Raptor n.º 1 é desactivado. Por esta altura, dá-se a transição para os header tanks. A Starship é então nivelada para uma posição horizontal para inicial uma queda livre controlada. Nesta fase de voo, a SpaceX levou também a cabo um teste do escudo de protecção térmica localizado na fuselagem do veículo.

Após uma queda livre de cerca de 90 segundos, o veículo inicia uma manobra de orientação para se colocar na posição vertical e activa dois dos seus motores por volta de T+6m. A uma altitude de cerca de 500 metros, todos os motores Raptor são accionados. Nesta fase, e se todos os motores estivessem a funcionar como previsto, o motor n.º 1 seria de imediato desactivado para a fase de aproximação do solo. A T+6m 8s, os motores Raptor n.º 2 e n.º 3 reduziam a velocidade do veículo e corregeriam o seu ângulo de aproximação.

A T+6m 24s, e após proceder à abertura e fixação dos seis dispositivos de aterragem e de proceder à retracção dos flaps dianteiros, a Starship SN11 deveria levar a cabo uma aterragem suave.

No entanto, a T+5m 48m algo correu mal. As imagens mostram a activação de um dos motores Raptor, mas a transmissão de imagem da SpaceX é interrompida. Os sons que se escutam a seguir parecem indicar a destruição do veículo antes da aterragem. Imagens posteriores mostraram um clarão sobre a plataforma de aterragem e a queda de destroços, indicando a perda da Starship SN11.

Elon Musk, fundador da SpaceX, revelou que o motor Raptor n.º 2 teve problemas durante a fase de ascensão e que não teria atingiu a pressão operacional na sua câmara de combustão durante a aterragem, apesar de tal não ser necessário. A SpaceX irá levar a cabo uma investigação ao acidente e proceder às alterações necessárias ao veículo SN15.

Imagens: NASASpaceflight.com e SpaceX



O Boletim Em Órbita não tem fins lucrativos e é mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando seu bloqueador de anúncios em www.orbita.zenite.nu

Comente este post