SpaceX lança missão Transporter-1

A SpaceX levou a cabo o lançamento da missão Transporter-1 às 1500UTC do dia 24 de Janeiro de 2021 transportando 143 satélites tirando partido da flexibilidade do seu lançador Falcon-9. O lançamento teve lugar a partir do Complexo de Lançamento SLC-40 do Cabo Canaveral SFS e a janela de lançamento tinha uma duração de 22 minutos.

Este tipo de missões partilhadas permite o lançamento de pequenas cargas a preços mais baixos do que são usualmente praticados no mercado internacional do lançamento de satélites, acomodando dezenas de pequenos satélites que podem ser colocados em diferentes órbitas.

Para esta missão a SpaceX utilizou o foguetão Falcon 9-106 (B1058.5) cujo primeiro estágio foi recuperado com sucesso após uma aterragem na plataforma flutuante Of Course I Still Love You. Por outro lado, as duas carenagens foram também recuperadas com sucesso.

Na missão Transporter-1 a SpaceX tirou partido da capacidade de carga do seu lançador e das características da missão para colocar em órbita dez satélites para a sua rede global de fornecimento de Internet de alta velocidade, a Starlink. Mais informações sobre a Starlink e os seus satélites pode ser lida aqui. Estes foram os primeiros satélites Starlink (Starlink v0.9 R1-1 a Starlink v0.9 R1-10) a serrem colocados numa órbita polar.

Adiamento a 23 de Janeiro

O lançamento estava previsto para ter lugar às 1440UTC do dia 23 de Janeiro, mas acabaria por ser adiado devido às más condições meteorológicas no Cabo Canaveral SFS.

No entanto, a contagem decrescente só foi interrompida a T-30s para assim se conseguir a obtenção de dados técnicos.

A carga Transporter-1

Para além da carga Starlink, os satélites colocados em órbita (CubeSats, micro-satélites e estruturas de transporte de carga) foram o QPS-SAR 2 (Izanami), Capella-3 (Capella Whitney-1), Capella-4 (Capella Whitney-2), ICEYE-X8, ICEYE-X9, ICEXE-X10, XR-1, GHGSat-C2 (Hugo), Hawk-2A, Hawk-2B, Hawk-2C, SHERPA-FX 1 (estrutura de transporte de carga), ION-SCV 2 (ION SCV Laurentius), Charlie, ASELSAT, PIXL-1 (CubeL), SOMP-2b, IDEASSat, YUSAT-1, UVSQ-SAT, V-R3 (3 satélites), Flock-4s (1) a Flock-4s (48), Kepler (8 satélites), Astrocast-1 (5 satélites), SpaceBEE (36 satélites), PTD-1, Lemur-2 (130) a Lemur-2 (137), Prometheus-2 (10), ARCE-1A, ARCE-1B, ARCE-1C.

Esta carga estavam divididas por diferentes sistemas de transporte / missões dedicadas na missão Transporter-1:

  • Missão Eyries-1 da NanoRacks (transportando 9 satélites) – Lemur-2 (130) a Lemur-2 (137) e o GHGSat-C2 (Hugo);
  • Missão Zeitgeist da Exolaunch no EXOport-2 (transportando 30 satélites) – Charlie, SOMP-2b, PIXL-1 (CubeL), ICEYE-X8, ICEYE-X9, XR-1 e os 36 satélites SpaceBEE;
  • SHERPA-FX 1 (transportando 13 satélites juntamente com três cargas fixas) – Hawk-2A, Hawk-2B, Hawk-2C, PTD-1, QPS-SAR 2 (Izanami), Astrocast-1 (5 satélites), ARCE-1A, ARCE-1B, ARCE-1C, Prometheus-2 (10) e as cargas fixas ELROI, EyeStar-Tag e Celestis-17;
  • Missão PULSE da D-Orbit (transportando 20 satélites) – Flock-4s (8 satélites) e SpaceBEE (12 satélites);
  • Missão ISILaunch-34 (Kepler) – Flock-4s (4 satélites), Kepler (8 satélites), UVSQ-SAT, ASELSAT, YUSAT, IDEASSat, Hiber-4;
  • Missão ISILaunch-34 (Planet) – Flock-4s (36 satélites);
  • Estrutura de transporte Mercury – V-R3x (3 satélites);
  • Os restantes satélites são transportados em adaptadores de carga próprios no segundo estágio do foguetão lançador, como por exemplo dois satélites ICEYE no EXOport-1.

Como é usual os satélites estavam colocados no topo do segundo num conjunto que na sua parte inferior continha os satélites Starlink v0.9. Sobre estes satélites estava colocada um adaptador de carga com três anéis ESPA em cima e que eram designados (de baixo para cima) A, B e C. Os satélites estavam colocados em dispositivos (dispensadores) em quatro pontos em torno de cada anel ESPA. Um outro dispensador estava colocado no anel C. O segundo estágio estava equipado com um dispensador colocado na sua parte posterior junto do motor Merlin.

QPS-SAR 2 Izanami

QPS-SAR é uma serie de pequenos satélites de observação terrestre de alta resolução utilizando tecnologia SAR na banda X que são desenvolvidos e operados pelo Instituto QPS (iQPS).

Estes satélites são precursores de uma constelação de 36 unidades e estão equipados com uma antena de 3.6 metros de diâmetro e uma massa de apenas 10 kg. Os satélites podem distinguir objectos de apenas 1 metro e identificar automóveis na estrada. Os satélites QPS-SAR têm uma massa de cerca de 100 kg e estão equipados com duas asas solares para o fornecimento de energia que é armazenada em baterias internas.

O primeiro satélite, o QPS-SAR 1 Izanagi foi colocado em órbita a 11 de Dezembro de 2019 por um foguetão PSLV-QL a partir do Centro Espacial Satish Dawan SHAR, Ilha de Sriharikota.

Capella 3 (Capella Whitney 1) e Capella 4 (Capella Whitney 2)

A Capella Space está a desenvolver uma série de satélites SAR, Capella, que deverão constituir uma constelação de trinta unidades em órbita. Com uma massa de cerca de 100 kg, os satélites irão fornecer imagens com uma resolução superior a 0,5 metros com grande contraste, alta resolução e baixo ruído. Os satélites Capella estão equipados com uma antena de 3.5 metros em forma de rede reflectora.

O primeiro satélite foi colocado em órbita a 31 de Agosto de 2020 por um foguetão Electron/Photon a partir do Centro de Lançamentos de Máhia, Nova Zelândia.

Os satélites ICEYE X

Os satélites ICEYE-X fazem parte de uma constelação de microssatélites equipados com radar SAR (Synthetic Aperture Radar), desenvolvidos pela empresa finlandesa de startups ICEYE. Os satélites foram projetados para fornecer imagens de SAR em tempo quase real. Os satélites são veículos operacionais baseados no desenho do ICEYE X2.

A empresa está a trabalhar para lançar e operar uma constelação de micro satélites que possuem a sua própria tecnologia de sensor de SAR compacta e eficiente. O instrumento de radar de imagem ICEYE pode fazer imagens através das nuvens, mau tempo e escuridão.

Os satélites ICEYE X4 e ICEYE X5 foram colocados em órbita a 5 de Julho de 2019 a partir do Cosmódromo de Vostochniy por um foguetão Soyuz-2.1b/Fregat, enquanto que os satélites ICEYE X6 e ICEYE X7 foram colocados em órbita a 28 de Setembro de 2020 por um foguetão Soyuz-2.1b/Fregat a partir do Cosmódromo GIK-1 Plesetsk.

XR-1

A R2 Space está a desenvolver oito satélites SAR XR para constituir uma constelação que será operada pelo Governo dos Estados Unidos. A empresa foi fundada em 2018 para fornecer tecnologia de satélite de ponta para serviços de vigilância de inteligência e reconhecimento para o Governo dos Estados Unidos.

Os satélites XR são cópias Norte-americanas dos satélites ICEYE Finlandeses. Casa satélite XR possui um perfil com dimensões 0,66 x 0,51 x 0,40 metros, com uma massa total de 90 kg (85 kg sem combustível). Todos os satélites XR deverão ser idênticos.

O satélite Hiber-4

A série de satélites Hiber-4 são baseados no modelo CubeSat-3U e serão operados pela Hiber Global (anteriormente designada Magnitude Space) numa constelação de satélites de comunicações. A constelação será inicialmente constituída entre 18 a 14 veículos e posteriormente expandida para 50 satélites.

Os satélites são projectados para fornecer conectividade para os sensores e dispositivos IoT que funcionam com uma grande limitação de energia e não são sensíveis aos tempos de latência.

Esta segunda geração de satélites CubeSat-3U da Hiber têm metade do tamanho dos protótipos Hiber-1 e Hiber-2. A carga a bordo é construída pela Hiber Global e integrada nos satélites na ISIS.

A Hiber está a planear iniciar os seus serviços com os satélites protótipos iniciais e tem como objectivo colocar em órbita mais satélites em 2020 para aumentar a qualidade dos seus serviços.

O satélite Hiber-1 (HiberOne) foi colocado em órbita a bordo de um foguetão PSLV-CA a 29 de Novembro de 2018, enquanto que o segundo protótipo, Hiber-2 (HiberTwo) foi colocado em órbita a 3 de Dezembro de 2018 a bordo de um foguetão Falcon-9.

GHGSat-C2 (Hugo)

Baseado na plataforma Nemo-V1 da UTIAS Space Flight Laboratory (SFL), os satélites GHGSat (Greenhouse Gas Satellite Demonstrator) são pequenos satélites de 15 kg construídos para a GHGSat Global Emissions Monitoring, uma empresa de monitorização ambiental sediada em Montreal, Canadá.

Estes são satélites de monitorização de gases de efeito estufa que transportam um avançado espectrómetro de imagem SWIR hiperespectral em miniatura para monitorizar reservatórios de restos e aterros sanitários e emissões de pilhas em queima. Os satélites transportam um instrumento secundário para medição de nuvens e aerossóis por forma a melhorar as recuperações do instrumento principal.

A plataforma Nemo-V1 é a próxima evolução da tecnologia Gryphon Bus (GNB) e fornece uma base para futuros nanosatélites de alto desempenho do SFL. A plataforma tem uma estrutura primária medindo 20 x 20 x 40 cm e é capaz de gerar energia de pico de até 80 W. Um mínimo de 30 W está disponível para a carga útil, o que permite que a plataforma suporte um transmissor de alta velocidade de última geração. O Nemo-V1 foi projetado com uma massa total de 15 kg, dos quais 9 kg são dedicados à carga útil, podendo ser configurado para controle total de três eixos com estabilidade de orientação de até 1 arcmin.

O primeiro satélite da série, o GHGSat-D (Claire), foi colocado em órbita a 22 de Junho de 2016 por um foguetão PSLV-XL a partir do Centro Espacial Satish Dawan SHAR, Ilha de Sriharikota, seguindo-se o GHGSat-C1 (Iris) a 3 de Setembro de 2020 lançado por um foguetão Vega desde o CSG Kourou, Guiana Francesa.

Os satélites Hawk

Os satélites Hawk-2A, Hawk-2B e Hawk-2C, fazem parte da rede HawkEye 360 que é uma rede em desenvolvimento de inteligência global civil que usará tecnologia de radiofrequência (RF) para monitorizar o transporte aéreo, terrestre e marítimo e auxiliar em emergências, que são essencialmente uma missão civil SIGINT (Signal Intelligence).

A constelação de pequenos satélites colocada na órbita terrestre baixa recolherá informações sobre sinais de rádio específicos em todo o mundo para fornecer um mapeamento e análise de alta frequência de rádio. A constelação, uma vez operacional, poderá permitir aplicações comerciais, como permitir que clientes governamentais e corporativos monitorizem dinamicamente as redes de transporte por via aérea, terrestre e marítima. Para reguladores do governo, empresas de telecomunicações e emissoras de satélite, o sistema HawkEye 360 foi projectado para monitorizar o uso do espectro de RF para identificar áreas de interferência. O sistema também poderá ser usado para desempenhar um papel crucial na detecção e localização de sinalizadores de emergência activos, melhorando os tempos de resposta que são críticos em cenários de risco de vida.

Os satélites Hawk foram desenvolvidos pela Deep Space Industries, com o modelo de satélite a ser desenvolvido pela SFL e a carga a ser desenvolvida pela GOMSpace.

SHERPA-FX 1

Desenvolvido pela Spaceflight Inc., o SHERPA-FX é uma estrutura não propulsiva de transporte e colocação em diferentes órbitas de pequenos satélites em voo livre após se separar do último estágio do foguetão lançador. É baseada na plataforma ION mk01 e tem uma massa de 150 kg.

A primeira missão deste sistema, o SHERPA-FX 1, transporta os satélites QPS-SAR 2, Umbra-SAR 2001, Hawk 2A, Hawk-2B, Hawk-2C, vários satélites Astrocast-1, PTD-1, ARCE-1A, ARCE-1B, ARCE-1C e Prometheus-2 (10). Além destes satélites, a estrutura transporta quatro cargas hospedadas, de tamanho aproximado ao de um CubeSat-1U. Essas cargas hospedadas não serão separáveis e irão reentrar na atmosfera juntamente com a estrutura SHERPA-FX.

As cargas úteis hospedadas são a ELROI (Extremely Low-Resource Optical Identifier), uma carga útil fornecida pela Space Domain Awareness Inc. que não tem transmissão RF, mas está equipada com luzes LED e que foi foi projetada para fornecer identificação orbital aprimorada e mitigação de detritos, sendo transportada para fins de demonstração; a EyeStar-Tag (TAGSAT-1), uma carga útil fornecida pelo NearSpace Launch, separada do EyeStar S3 Radio com base em R2A, que consiste num transmissor de banda L que comunica com a constelação Globalstar e um uplink de banda S para receber o comando de finalização do solo se necessário; a Celestis-17, uma carga passiva fornecida pela Celestis que consiste num pequeno contentor de cápsulas contendo restos humanos cremados; a SOARS (Space Object Automated Reporting Systems), uma carga útil fornecida pela Keplerian Technologies que consiste num transponder UHF para comunicar com as estações terrestres da empresa.

A missão Transporter-1 da SpaceX permitiu o lançamento de 143 satélites, obliterando o anterior recorde de colocação de satélites em órbita num só lançamento que havia sido estabelecido em Novembro de 2018 quando a missão Gygnus NG-10 transportou 108 satélites.

O anterior recorde da SpaceX era de 64 satélites estabelecido na missão SSO-A em Dezembro de 2018. Neste voo foi utilizada a estrutura SHERPA da Spaceflight Industries. Desde então a Spaceflight Industries tem desenvolvido um novo conjunto de estruturas como parte do Programa Sherpa-NG (Next Generation). Uma destas estruturas é a SHERPA-FX, denominada “Go Now”. Outras duas estruturas que serão inauguradas no segundo semestre de 2021 são a  SHERPA-LTC (“Go Fast”) e a SHERPA-LTE (“Go Far”). A estrutura LTC é um estágio de transferência em voo livre que usa um sistema de propulsão de bi-propelente, enquanto que a estrutura LTE usa um propulsor iónico que consome Xenon.

ION-SCV 2 (ION-SCV Laurentius)

Desenvolvido pela empresa italiana D-Orbit, o ION-SCV 2 (In Orbit Now – Satellite Carrier Vehicle), é uma estrutura de transporte e de desmonstração tecnológica de CubeSat de vôo livre, transportando vários pequenos satélites para serem colocados em órbita após se separar do estágio superior do foguetão lançador.

A missão do ION-SVC 2 (Laurentius) é o primeiro vôo da plataforma de propulsão ION mk02 melhorada. Colocado numa órbita sincronizada com o Sol a 500 km, o ION-SCV 2 irá libertar os CubeSats hospedados de forma sequencial ao longo da órbita em posições (ou slots) orbitais precisos, de acordo com as especificações do cliente. Após a fase de colocação em órbita dos CubeSat, que pode durar até um mês, o ION CubeSat Carrier iniciará a fase de validação em órbita de cargas úteis integradas diretamente na plataforma. Nesta missão, denominada ‘Pulse’ pela D-Orbit, são transportados 20 CubeSats.

Na missão Pulse é transportada a experiência não separável DRAGO (Demonstrator for Remote Analysis of Ground Observations), uma câmara espacial de infravermelhos próximos para levar a cabo observações da Terra e que foi desenvolvida pelo programa IACTEC-Space do Instituto de Astrofísica de Canarias (IAC). Para esta missão, a carga útil DRAGO é integrada numa estrutura CubeSat padrão que irá conectá-la com a interface elétrica e de dados do ION SC. Uma carga óptica da EICAS Automazione será também demonstrada em órbita. 

O Charlie

O pequeno Charlie CubeSat-6U construído pela NanoAvionics para testar e avaliar uma carga útil de observação espectral desenvolvida pela Aurora Insight.

A carga útil é um projeto novo de natureza experimental cujo objetivo principal da missão é a de qualificar a carga útil que é consiste por um espectrómetro e outros componentes proprietários, além de demonstrar a gestão de medições relevantes do ambiente espectral. Os resultados da experiência serão aplicadas no futuro desenvolvimento de instrumentação avançada da Aurora e no desenvolvimento de componentes da SpaceQuest. A SpaceQuest também irá testar a eficácia de um novo receptor VHF “backdoor” que a empresa projectou e construiu para receber comandos executivos e / ou reiniciar o computador de voo via satélite em caso de falha do sistema. A SpaceQuest irá testar se o receptor, com seu design de baixo custo, e peso e potência reduzidos, tem a capacidade de funcionar em satélites muito pequenos. O desafio técnico é demonstrar no espaço que um pequeno dispositivo de rádio de baixa potência pode ser usado para comandar um satélite independente de seu equipamento de rádio TT&C tradicional. O benefício para a comunidade de pequenos satélites é estabelecer a capacidade de resgatar um veículo espacial no caso de uma anomalia irrecuperável dentro de um tamanho, massa, orçamento e custo aceitáveis.

ASELSAT

O satélite turco ASELSAT é um CubeSat-3U destinado a demonstrações de tecnologia. A ASELSAN iniciou o projeto de desenvolvimento do ASELSAT para obter experiência de voo para o transmissor de banda X desenvolvido localmente pela empresa.

O transmissor enviará os dados ópticos, que serão criados pela carga da câmara do ASELSAT, para a estação terrestre. Além disso, dosímetros de radiação irão obter dados ambientais estatísticos a partir de órbita para atividades de projecção de futuros satélites.

O pequeno satélite tem uma massa de 5 kg. A sua fuselagem está coberta de células solares para a geração de energia que é armazenada em baterias internas.

PIXL-1

O PIXL-1 foi desenvolvido pela agência espacial alemã (DLR) para testar comunicações de laser para CubeSats.

Este satélite, baseado no modelo CubeSat-3U da GOMSpace, é uma missão de demonstração do CubeLCT (anteriormente conhecido como OSIRIS optical demonstration payload for CubeSats, OSIRIS4CubeSat). No âmbito do programa OSIRIS, a DLR desenvolve cargas úteis de comunicação óptica altamente compactas para pequenos satélites que operam em órbitas terrestres baixas, juntamente com seu parceiro de cooperação Tesat-Spacecom, que irá comercializá-las como CubeL DTE. O terminal óptico CubeLCT irá transferir as fotos tiradas com o CubeSat via laser para o solo. A taxa de dados CubeLCT é de 100 Mbps, tendo um volume de 0,3U e pesa 350 g.

A missão será inicialmente monitorizada e controlada via UHF usando um segmento de solo COTS compatível para realizar um IOD de CubeLCT, um terminal de comunicação a laser espaço-solo OSIRIS miniaturizado desenvolvido pela DLR-KN em cooperação com a Tesat-Spacecom.

SOMP-2b

O satélite SOMP-2b (Student’s Oxygen Measurement Project 2) é um projeto de pico-satélite desenvolvido por alunos da Universidade Técnica de Dresden (Techniche Universität Dresden TUD) e baseado no factor CubeSat-2U, tendo uma massa de 2 kg.

O objetivo do projeto é medir o oxigénio atómico na alta atmosfera, testar células solares flexíveis e testar o modelo Cubesat desenvolvido pela TUD. A bordo do pequeno satélite estão várias experiências técnicas para um gerador termoelétrico, um acelerómetro altamente sensível e uma lâmina de proteção EMC.

O SOMP-2b é um novo veículo no projecto SOMP-2 que fez parte do projeto QB50 e que transportou o sensor FIPEX (Flux-Φ-Probe Experiment), que foi testado no satélite SOMP. O projeto QB50 demonstra a possibilidade de lançar uma rede de cinquenta CubeSats construídos por equipas de universidades em todo o mundo para realizar ciência de primeira classe na termosfera inferior amplamente inexplorada.

O corpo do satélite está coberto com células solares para o fornecimento de energia que é armazenada em baterias internas.

O satélite SOMP-2 foi lançado com a maior parte da constelação QB50 para a ISS em 2017, de onde foi colocado em órbita a 16 de Maio de 2017. Porém, não foram obtidos resultados do satélite o que levou ao lançamento do SOMP-2b.

IDEASSat

O IDEASSat (Ionospheric Dynamics Explorer and Attitude Subsystem Satellite) é um CubeSat-3U com uma massa de 4 kg desenvolvido pela Universidade Central Nacional (National Central University NCU) de Taiwan. O satélite tem como missão medir a atividade da ionosfera que poderá afectar as comunicação por satélite e terrestres. É um seguimento do projecto INSPIRESat-1 com o qual forma uma constelação para medir a estrutura ionosférica e as irregularidades do plasma para monitorização de comunicações de rádio.

A carga útil científica do IDEASSat é a Compact Ionosphere Probe (CIP), um sensor de plasma in-situ desenvolvido na NCU, a partir da Advanced Ionosphere Probe (AIP) lançada a bordo do satélite FORMOSAT-5. O CIP será capaz de monitorizar a estrutura térmica, química e eletrodinâmica da ionosfera, além de identificar irregularidades no plasma que podem interromper as comunicações de rádio via satélite e terrestre por meio da cintilação.

YUSAT-1

YUSAT 1 (Yushan Satellite 1) é um CubeSat-1.5U da Universidade Oceânica Nacional de Taiwan que transporta duas cargas úteis de comunicação, um receptor do Automatic Identification System (AIS) e um receptor do Automatic Packet Reporting System (APRS).

O receptor AIS pode receber pacotes AIS de embarcações em todo o mundo. Este é um instrumento para monitorização de embarcações marítimas para segurança de navegação e indicação de localização. O receptor APRS pode receber mensagens APRS de carros para monitorização de tráfego, aves migratórias ou rastreio de animais e de dispositivos sensores de solo para monitorização ambiental de grandes áreas.

O satélite tem uma massa de 2 kg e o seu corpo está coberto de células solares para o fornecimento de energia eléctrica que é armazenada em baterias internas.

A missão UVSQ-SAT

A UVSQ-SAT (UltraViolet & infrared Sensors at high Quantum efficiency onboard a small Satellite) é uma missão de demonstração tecnológica para medições de banda larga do Earth Radiation Budget (ERB) e da Solar Spectral Irradiance (SSI) no continuum de Herzberg (200 – 242 nm) ) e que foi desenvolvida pela Université de Versailles Saint-Quentin-en-Yvelines (UVSQ) com o apoio do Programa Internacional de Satélites em Pesquisa e Educação (International Satellite Program in Research and Education INSPIRE).

O UVSQ-SAT é baseado no padrão CubeSat-1U e tem uma massa de 1,6 kg. Foi desenvolvido pela LATMOS com o apoio de um fabricante (ISIS) para construir uma plataforma de satélite dedicada.

O primeiro objetivo científico da missão é a medição das radiações solares de entrada (irradiância solar total) e as radiações terrestres de saída (radiações de ondas longas e ondas curtas no topo da atmosfera) usando doze sensores termopilhas miniaturizados. O segundo objetivo científico é monitorizar a irradiância espectral solar em 215 nm (continuum solar de Herzberg) usando quatro fotodíodos baseados nas vantagens intrínsecas da deposição de laser pulsado de nanoestruturas de ZnO com liga de MgZnO. O terceiro objetivo é qualificar para utilização espacial um dispositivo médico para astronautas.

Os satélites V-R3x da NASA

Aprender como comunicar e navegar no espaço com vários satélites de forma autónoma é um desafio tecnológico que se tornará ainda mais importante de resolver à medida que a NASA continuar a operar na órbita terrestre baixa e não só. A missão V-R3x usa um conjunto de três pequenos satélites para demonstrar novas tecnologias e técnicas para redes de rádio e navegação. Ao desenvolver e demonstrar essas tecnologias em pequena escala, estas podem ser implementadas para futuras missões com vários satélites, permitindo que a NASA persiga os seus objetivos futuros de ciência, tecnologia e exploração.

Usando três satélites do tipo CubeSat, cada um do tamanho de uma caneca de café, a missão levará a cabo uma série de demonstrações. Eles irão provar a capacidade de obter dados de alta precisão sobre a distância entre satélites, enviar dados de um satélite para outro a uma alta taxa de dados, coordenar medições de radiação usando sensores a bordo e acompanhar a orientação e formação de todos os três satélites.

O primeiro estágio da missão começará com o lançamento de uma missão orbital a bordo de um foguetão Falcon-9 como parte da missão Transporter-1. Se tudo correr segundo o previsto, a missão antecipa a conclusão de seus objetivos principais em duas semanas após o lançamento, com uma duração total da missão de três meses para recolher dados adicionais.

Para complementar este lançamento, a equipa V-R3x também lançará um CubeSat num balão de alta altitude no futuro. O teste do balão é facilitado pelo programa de Oportunidades de Voo da NASA. Quatro unidades serão implantadas no solo, cada uma conduzida para locais diferentes. Uma vez ligada, cada unidade comunica com o satélite nos limites superiores da atmosfera – a mais de 30.000 metros de distância.

Ambas as experiências mostrarão a capacidade de pequenos satélites comunicarem entre si através de grandes distâncias, manter a consciência espacial em relação uns aos outros, coordenar para recolher dados e compartilhar rapidamente esses dados entre si.

Os V-R3x são baseados na forma CubeSat-1U de código aberto que integra hardware e software, conhecido como PyCubed. Também fará uso da estação terrestre do Amazon Web Service, o primeiro caso de uso operacional para uma missão da NASA. No futuro, a missão fornece à NASA uma plataforma simples e de baixo custo para futuras necessidades de demonstração tecnológica.

Os satélites Flock

A constelação de satélites de observação da Terra, Flock, foi construída e operada pela Planet Labs (anteriormente designada Cosmogia Inc.), é composta por numerosos CubeSat-3U com uma massa de 5 kg. As constelações Flock-1 e Flock-1b são compostas por 28 satélites em órbitas inclinadas em altitudes médias. A constelação Flock-1c é composta por 11 satélites em órbitas polares.

Grande parte dos satélites contém um sistema de observação RGB standard, mas cinco satélites foram equipados com sistemas experimentais operando em diferentes bandas espectrais ópticas.

Cada satélite transporta um telescópio e uma câmara CCD equipada com um filtro Bayer. O sensor CCD converte os fotões filtrados em electrões, que são então ampliados de forma a produzir um número digital correspondente a cada pixel em cada banda. A Planet Labs lançou três gerações de instrumentos ópticos: Planet Scope 0 (PS0), Planet Scope 1 (PS1) e Planet Scope 2 (PS2). As imagens têm diferentes atributos dependendo da altitude do satélite e do tipo de instrumento.

O PS0 é composto por um Maksutov Cassegrain de dois elementos ópticos com um detector CCD de 11MP. Os elementos ópticos estão montados em relação à estrutura do satélite. O PS1 contém o mesmo sistema óptico do PS0 mas alinhado e montado num telescópio de fibra de carbono e titânio que se encontra isolado. Este telescópio é equipado com um detector CCD de 11MP. O PS2 é composto por um sistema óptico de cinco elementos que fornece imagens com um campo de vida largo e qualidade de imagem superior, sendo equipado com um sensor CCD de 29MP.

Nesta missão foram lançados os Flock-4s (1) a Flock-4s (48).

Os satélites Kepler

Na missão Transporter-1 foram colocados em órbita os oito satélites Kepler pertencentes à Kepler Communications.

A Kepler Communications está a desenvolver uma constelação de CubeSats para a Internet das Coisas (Internet of Things IOT), máquina a máquina (M2M) e serviços de comunicação inter-satélite.

Os satélites oferecem dois serviços principais de comunicação. O primeiro é um serviço global de transferência de dados que retransmitirá com segurança gigabytes de dados numa solução de armazenamento e encaminhamento de banda larga por meio de um sistema de comunicações de banda Ku de alta taxa de dados a bordo de cada satélite. O segundo serviço fornecerá conexões padronizadas IoT com qualidade celular, conectando sensores e dispositivos em qualquer lugar da Terra com seu provedor de serviços.

Após os primeiros protótipos iniciais, KIPP e CASE e TARS, o Kepler precisava de um projeto de produção em massa para a constelação operacional. Assim, o Space Flight Laboratory (SFL) e a Kepler Communications assinaram um acordo de desenvolvimento e fabrico de satélites que pode servir como um modelo para colaboração futura entre organizações. A SFL projetou e construiu o primeiro nanosatélite Gen1 totalmente operacional na constelação de satélites de comunicações comerciais da Kepler. O projeto deste satélite será usado pela Kepler na produção em massa de 140 satélites. A SFL está a  ajudar no início da produção numa unidade de fabrico pertencente e operada pela Kepler, onde satélites duplicados serão produzidos em massa.

A plataforma 6U-XL CubeSat da SFL, denominada Spartan, apresenta painéis solares implantáveis, rádios definidos por software (SDR), uma carga útil de comunicação de banda estreita e antenas de alto ganho.

Nesta missão foram colocados em órbita os satélites Kepler-8 a Kepler-15.

Os satélites Astrocast-1

Os satélites Astrocast-1 são satélites que oferecem serviços globais maquina a maquina (M2M) em banda L operados pela Astrocast SA (anteriormente conhecida como ELSE SA).

Os satélites operam numa órbita terrestre baixa permitindo assim a criação de uma rede global, cobrindo todos os pontos do planeta incluindo os pólos. Graças a uma frequência de banda dedicada, a constelação pode operar sem a interferência de ruído gerado por outros dispositivos.

Estima-se que a Astrocast pode construir, lançar e operar uma constelação de 64 CubeSats por menos de $50 milhões, providenciando uma baixa variação de comunicação de dados. Os satélites são baseados no modelo CubeSat-3U, têm uma massa de 4,5 kg e as suas dimensões são 10x10x34 cm.

Depois da integração do terminal NanoLink, os activos terrestres podem enviar com confiança e segurança dados do sensor para a constelação de nano-satélites que irão confirmar a recepção. A Astrocast permite a transmissão de 1Kb/dia de qualquer região do planeta Terra.

Na missão Transporter-1 foram colocados em órbita cinco satélites Astrocast-1.

Os satélites SpaceBEE

A missão Transporter-1 colocou em órbita 24 picossatélites SpaceBEE. Anteriormente conhecidos por BEE (Basic Electronic Elements), os pequenos satélites são construídos sob a forma CubeSat-0.25 e servem para demonstrar comunicações bidirecionais de dados por satélite para a Swarm Technologies Inc..

A constelação final será composta por 150 satélites, sendo fabricados um total de 170 unidades.

Estes satélites usam banda VHF para comunicar entre si. Será também implantada uma base terrestre para operar estes satélites. Estima-se que esta missão começará a ser operada logo após o lançamento. Esta missão durará entre 6 meses a 2 anos.

O Pathfinder Technology Demonstrator

O PTD-1 (Pathfinder Technology Demonstrator) é uma missão de demonstração tecnológica baseada num CubeSat-6U desenvolvido pelo Centro de Investigação Ames da NASA e pela Tyvak Nano-Satellite Systems, Inc.. O satélite irá testar a operação de uma variedade de novos subsistemas de CubeSat em órbita da Terra, fornecendo melhorias significativas para o desempenho desses pequenos e eficazes veículos.

O objetivo principal do Pathfinder Technology Demonstrator é qualificar e caracterizar em vôo um novo propulsor de micro-eletrospray fornecido pela Busek Space Propulsion and Systems.

Cada missão PTD consiste num CubeSat-6U com uma massa de cerca de 11 kg e dimensões 30 × 25 × 10 cm. Cada satélite PTD também será equipado com painéis solares implantáveis que fornecem uma média de 44 watts de potência em órbita.

O PTD-1 foi selecionado em 2017 pela CubeSat Launch Initiative (CSLI) da NASA para ser lançado como parte do programa ELaNa (missão ELaNa-35).

Os satélites Lemur-2

Os satélites Lemur-2 são baseados no modelo CubeSat-3U e têm uma massa de 4 kg. Os satélites constituem a constelação inicial em órbita terrestre baixa construídos pela Spire, transportando duas cargas para meteorologia e seguimento do tráfego marítimo (a carga STRATOS – ocultação do sinal rádio de GPS – e a carga AIS SENSE, respectivamente). A STRATOS permite a detecção do sinal GPS que é afectado quando passa através da atmosfera terrestre. Posteriormente, e utilizando um processo designado ‘ocultação do sinal GPS’, o satélite mede a alteração do sinal GPS para calcular os perfis precisos para a temperatura, pressão e humidade na Terra. A partir do 78.º Lemur-2, estes satélites transportam também a carga AirSafe ASD-B para seguimento de aviões.

Nesta missão foram lançados o Lemur-2 (130) a Lemur-2 (137).

Prometheus-2 (10)

Os Prometheus são uma serie de CubeSats para demonstração e desenvolvimento tecnológico. Os satélites são desenvolvido pelo Los Alamos National Laboratory (LANL) com o duplo objectivo de avaliar novos desenvolvimentos e metodologias de operações mais baratos enquanto averigua a utilidade operacional que pode ser fornecida pela tecnologia de um CubeSat. O projecto é financiado pelo Departamento da Defesa dos Estados Unidos.

O sistema Prometheus é composto por CubeSats com uma base suportável e equipamento de campo segmentado, todo desenhado como um sistema integrado. O LANL serve de construtor primário e integrador de sistemas e irá realizar testes em orbita e avalia-los.

Os satélites foram baseados nos anteriores satélites Prometheus (colocados em órbita a 20 de Novembro de 2013 por um foguetão Minotaur-I a partir do MARS Wallops Isl.) e Perseus (colocados em órbita a 8 de Dezembro de 2010 por um foguetão Falcon-9 a partir do Cabo Canaveral AFB). Os têm uma vida útil entre três a cinco anos. Cada satélite possui quatro painéis solares e uma antena em espiral.

Os satélites ARCE-1

Os satélites ARCE-1 (Articulated Reconnaissance and Communications Expedition) da Universidade do Sul da Flórida são três CubeSats-0.5 idênticos com o objectivo de testar as comunicações em rede inter-satélites em apoio à autonomia do sistema para comunicações globais.

Os três satélites serão lançados a partir do mesmo lançador e  após a sua separação iniciarão um processo de comissionamento automatizado que inclui a abertura atrasada das antenas e painéis solares, verificações de sistema e crosslinks de baixa potência para outro satélite para transferir relatórios de comissionamento e parâmetros orbitais estimados. Um rádio sintonizável definido por software será transportado nos satélites para permitir vários esquemas de comunicação de FSK de baixa taxa de dados a QAM de alta taxa de dados, para assim suportar diversos requisitos de mensagens em qualquer ponto durante uma passagem terrestre.

Após o comissionamento bem sucedido, os satélites irão aguardar o contato da estação terrestre localizada em Tampa, Florida, para entrar na fase de missão primária, onde o utilitário primário é a mensagem que passa da estação terrestre em Tampa para a mesma estação terrestre (para provar uma capacidade de tratamento de mensagens e encaminhamento) ou para uma estação secundária ou móvel determinada; além disso, o satélite determinará autonomamente o seu estado orbital e proximidade dos alvos pretendidos para qualquer mensagem, reduzindo as transmissões apenas à quantidade necessária para completar com sucesso a entrega da mensagem.

Os três satélites ARCE-1 deveriam ser lançados em Fevereiro de 2020 como parte do DARPA Launch Challenge no vôo inaugural do Astra Rocket-3.0. Mas como o foguetão não foi capaz de ser lançado durante a janela de lançamento do desafio, os satélites foram devolvidas aos proprietários.

As informações sobre os diferentes satélites foram obtidas a partir das empresas construtoras ou operadoras dos veículos e na Gunter’s Space Page.

Textos adaptados e editados por Rui C. Barbosa e Salomé T. Fagundes.

Lançamento

O foguetão Falcon-9 é activado a T-10h 00m. Tanto o lançador como a sua carga são submetidos a uma série de verificações testes antes do início do abastecimento do querosene RP-1. O Director de Voo consulta os controladores a T-38m, determinando assim se tudo está pronto para o lançamento. O processo de abastecimento inicia-se a T-35m no primeiro estágio, seguindo-se o início do abastecimento do oxigénio líquido (LOX) ao mesmo tempo e no segundo estágio a T – 16m.

A fase terminal da contagem decrescente inicia-se com os motores a serem condicionados termicamente para o lançamento a T-7m. A T-1m é enviado um comando para o computador de voo para iniciar as verificações pré-lançamento e o sistema de supressão sónica por água é activado na plataforma de lançamento. Por esta altura os tanques de propolente também são pressurizados A T-45s o Director de Lançamento da SpaceX verifica se todos os parâmetros estão prontos para o lançamento. Na mesma altura, é verificado que o espaço aéreo está pronto para o voo. A sequência de ignição é iniciada a T-3s. A T=0s o foguetão abandona a plataforma.

Abandonando a plataforma de lançamento, o Falcon-9 vai iniciar uma série de manobras para se colocar na trajectória de voo correcta. A fase MaxQ, de máxima pressão dinâmica, é atingida a T+1m 12s. O final da queima do primeiro estágio ocorre a T+2m 28s, dando-se oito segundos depois a separação entre o primeiro e o segundo estágio. O segundo estágio entra em ignição a T+2m 40s. A separação das duas metades da carenagem de protecção ocorre a T+2m 51s. 

A queima de reentrada do primeiro ocorre a T+7m 47s e aterra na plataforma Of Course I Still Love You a T+9m 42s sendo recuperado com sucesso.

O final da primeira queima do segundo estágio ocorre a T+8m 35s. Segue-se uma fase não propulsionada que termina a T+54m 35s com a segunda ignição do segundo estágio que tem uma duração de dois segundos.

A sequência de separação dos primeiros 36 satélites Flock-4s tem início a T+58m 59s, seguindo-se a T+59m 0s a separação de 17 satélites a bordo do Kepler. A T+59m 9s ocorre a separação dos satélites da missão V-R3x da NASA, juntamente com três CubeSats que viajaram a bordo da estrutura Mercury de transporte CubeSats.

Os nove satélites da missão Eyries-1 da Nanoroacks separam-se a T+1h 8m 19s e a T+1h 8m 44s dá-se a separação dos 28 satélites do EXOport-2. O satélite Capella-3 (Capella Whitney-1) separa-se a T+1h 13m 58s, seguindo-se a T+1h 14m 10s a separação dos dois satélites ICEYE transportados no EXOport-1. O satélite QPS-SAR 2 (Izanami) separa-se a T+1h 14m 23s.

O satélite Capella-4 (Capella Whitney-2) separa-se a T+1h 15m 38s e a T+1h 16m 10s ocorre a separação do sistema de transporte SHERPA-FX 1 que transporta treze satélites. A missão Pulse com vinte satélites separa-se a T+1h 18m 50s e os satélites Starlink separam-se a T+1h 31m 10s.

O foguetão Falcon-9

Baptizado em nome da nave Millenium Falcon da saga cinematográfica “Guerra das Estrelas”, o foguetão Falcon-9 v1.1 é um lançador a dois estágios projectado e fabricado pela SpaceX para o transporte seguro e fiável de satélites e do veículo Dragon para a órbita terrestre. Sendo o primeiro foguetão completamente desenvolvido no Século XXI, este lançador foi projectado desde o início para ter a máxima fiabilidade. A sua simples configuração de dois estágios minimiza o número de eventos de separação (staging) e com nove motores no primeiro estágio, pode completar a sua missão em segurança mesmo na possibilidade de perda de um motor.

O Falcon-9 fez história em 2012 quando colocou a cápsula Dragon na órbita correcta para uma manobra de encontro com a estação espacial internacional, fazendo da SpaceX a primeira companhia comercial a visitar a ISS. Desde então, a SpaceX realizou múltiplas missões para a ISS transportando e recolhendo carga para a NASA. O Falcon-9, bem como a cápsula Dragon, foram desenhados na base do desenvolvimento de um sistema de transporte de astronautas para o espaço e num acordo com a NASA, a SpaceX está activamente a trabalhar para atingir esse objectivo.

O foguetão Falcon-9 Upgrade, ou Falcon-9 FT, (a seguir designado simplesmente como ‘Falcon-9’) representa a mais recente evolução deste lançador. De forma geral o Falcon-9 tem 68,4 metros de comprimento, 3,7 metros de diâmetro e uma massa de 541.300 kg. O veículo é capaz de colocar uma carga de 13.150 kg numa órbita terrestre baixa ou 4.850 kg numa órbita de transferência geossíncrona.

O primeiro estágio do Falcon-9 está equipado com nove motores Merlin (Merlin-1D) e tanque de liga de alumínio e lítio que contêm oxigénio líquido e querosene RP-1. Após a ignição, um sistema de segurança fixa o veículo na plataforma de lançamento e garante que todos os motores são verificados como estando na força máxima antes de libertar o foguetão para o seu voo. Então, com uma força superior a cinco aviões Boeing 747 em potência máxima, os motores Merlin lançam o foguetão para o espaço. Ao contrário dos aviões, a força de um foguetão vai aumentando com a altitude – o Falcon-9 gera 6.806 kN ao nível do mar mas atinge 7.426 kN no vácuo espacial. Os motores do primeiro estágio vão sendo aumentados em potência perto do final da queima do estágio para assim limitar a aceleração do veículo à medida que a massa do lançador vai diminuindo com a queima do combustível. O tempo total de queima do primeiro estágio é de 162 segundos.

Com os seus nove motores agrupados juntos na configuração ‘octaweb’, o Falcon-9 pode aguentar a falha de até dois motores durante o lançamento e mesmo assim conseguir atingir a órbita terrestre com sucesso. O Falcon-9 é o único lançador na sua classe com esta característica chave.

O motor Merlin foi desenvolvido internamente pela SpaceX mas vai encontrar as suas raízes aos motores das missões Apollo, nomeadamente o sistema de injecção baseado no motor do módulo lunar. O propolente é alimentado através de uma única conduta, com uma turbo-bomba de dupla pá que opera num ciclo de gerador a gás. A turbo-bomba também fornece o querosene a alta pressão para os actuadores hidráulicos, que depois recicla para a entrada a baixa pressão. Isto elimina a necessidade de um sistema hidráulico separado e significa que não é possível ocorrer uma falha no controlo de vector de força por falta de fluido hidráulico. Uma terceira utilização da turbo-bomba é o fornecimento de controlo de rotação ao actuar no escape da turbina de exaustão (no segundo estágio). Combinando-se estas características num só dispositivo aumenta-se assim de forma significativa o nível de fiabilidade do sistema.

O motor é capaz de desenvolver uma força de 654 kN ao nível do mar, 716 kN no vácuo, com um impulso específico de 282 segundos (nível do mar) e 311 segundos (vácuo).

A secção interestágio é uma estrutura compósita que liga o primeiro e o segundo estágio e alberga os sistemas de libertação e separação. O Falcon-9 utiliza um sistema de separação totalmente pneumático para uma separação de baixo impacto e altamente fiável que pode ser testado no solo, ao contrário dos sistemas pirotécnicos utilizados na maior parte dos lançadores.

O segundo estágio é propulsionado por um único motor Merlin de vácuo e coloca a carga a transportar na órbita desejada. O motor do segundo estágio entra em ignição poucos segundos após a separação entre o segundo e o primeiro estágio, e pode ser reiniciado várias vezes para colocar múltiplas cargas em diferentes órbitas. Para máxima fiabilidade, o segundo estágio está equipado com sistemas de ignição redundantes. Tal como o primeiro estágio, o segundo estágio é feito a partir de uma liga de alumínio e lítio.

O motor Merlin de vácuo (Merlin-1D de vácuo) desenvolve uma força de 934 kN e o seu tempo de queima é de 397 segundos.

A carenagem compósita é utilizada para proteger a carga durante a passagem do Falcon-9 pelas camadas mais densas da atmosfera. Quando a missão do Falcon-9 é o lançamento do veículo de carga Dragon, a carenagem não é utilizada pois a cápsula possui o seu próprio sistema de protecção.

A carenagem tem 13,1 metros de comprimento e 5,2 metros de diâmetro. Fabricada em fibra de carbono, separa-se em duas metades utilizando um sistema de separação de actuadores pneumáticos semelhantes aos que são utilizados para a separação entre o primeiro e o segundo estágio.

Lançamento Veículo 1.º estágio Local Lançamento Data Hora (UTC) Carga Recuperação
2020-078 097 B1062.1 CCAFS SLC-40 05/Nov/20 23:24:23 USA-309 (GPS-III SV04)  
2020-084 098 B1061.1 KSC LC-39A 16/Nov/20 00:27:17 “Resilience” Crew-1 JRTI (Oc. Atlântico)
2020-086 099 B1063.1 VAFB, SLC-4E 21/Nov/20 17:17:08 Sentinel-6A  Vandenberg LZ-4
2020-088 100 B1049.7 CCAFS SLC-40 25/Nov/20 02:13:12 Starlink v1.0 (x60) L15 OCISLY (Oc. Atlântico) 
2020-093 101 B1058.4 KSC LC-39A 06/Dez/20 16:17:08 Dragon SpX-21 OCISLY (Oc. Atlântico)
2020-096 102 B1051.7 CCSFS SLC-40 13/Dez/20 17:30:00 SiriusXM SXM-7 JRTI (Oc. Atlântico)
2020-101 103 B1059.5 KSC LC-39A 19/Dez/20 14:00:00 NROL-108 (USA-312) NROL-108 (USA-313) CCAFS LZ-1
2021-001 104 B1060.4 CCSFS SLC-40 08/Jan/21 02:15:00 Turksat-5A JRTI (Oc. Atlântico)
2021-005 105 B1051.8 KSC LC-39A 20/Jan/21 13:02:22 Starlink v1.0 (x60) L16 JRTI (Oc. Atlântico)
2021-006 106 B1058.5 CCSFS SLC-40 24/Jan/21 15:00 Transporter-1 OCISLY (Oc. Atlântico) 

A sequência de lançamento para o Falcon-9 é um processo de precisão ditada pela janela de lançamento de cerca de uma hora tendo em conta a posição orbital a ser ocupada pelo satélite. Se a janela de lançamento de uma hora é perdida, a missão é então adiada para o dia seguinte.

Cerca de quatro horas antes do lançamento, inicia-se o processo de abastecimento – primeiro oxigénio líquido seguindo-se o querosene altamente refinado (RP-1). O vapor que se observa a sair do lançador durante a contagem decrescente é na realidade oxigénio a ser libertado dos tanques, sendo esta a razão pela qual o abastecimento de oxigénio líquido se mantém até quase ao final da contagem decrescente.

Para esta missão a SpaceX utilizou o foguetão Falcon 9-106 (B1058.5). Este primeiro estágio foi utilizado pela primeira vez a 30 de Maio de 2020 quando às 1922:45UTC foi lançado a partir do Complexo de Lançamento LC-39A do Centro Espacial Kennedy para colocar em órbita a segunda missão de demonstração da Crew Dragon, a Crew Dragon C-206 ‘Endeavour’ (SpX-DM2). Na sua primeira missão o B1058 foi recuperado na plataforma flutuante Of Course I Still Love You (OCISLY) estacionada no Oceano Atlântico. A sua segunda missão teria lugar às 2130UTC do dia 20 de Julho de 2020 quando foi lançado desde o Complexo de Lançamento SLC-40 do Cabo Canaveral AFS para colocar em órbita o satélite de comunicações ANASIS-II, sendo recuperado na plataforma Just Read The Instructions (JRTI) no Atlântico. A sua terceira missão teria lugar a partir do Complexo de Lançamento LC-39A às 1129:34,541UTC do dia 6 de Outubro para colocar em órbita sessenta satélites Starlink, Starlink-13 (v1.0 L12), sendo de novo recuperado na plataforma OCISLY. Finalmente, a sua quarta missão ocorreu às 1617:08UTC do dia 6 de Dezembro quando foi lançado novamente desde o Centro Espacial Kennedy para colocar em órbita o veículo de carga Dragon SpX-21 na missão logística CRS-21 para a estação espacial internacional. Na sua quarta missão o B1058 foi recuperado na plataforma OCISLY no Atlântico.

Texto: Rui C. Barbosa

Dados estatísticos e próximos lançamentos

– Lançamento orbital: 6027

– Lançamento orbital EUA: 1726 (28,64%)

– Lançamento orbital desde Cabo Canaveral SFS: 788 (13,07% – 45,65%)

Os próximos lançamentos orbitais previstos são (hora UTC):

6028 – 27 Jan (1300:??) – Falcon 9-107 (B1049.8) – CE Kennedy, LC-39A – Starlink-F18 (x60) [v1.0 L17]

6029 – 01 Fev (????:??) – Falcon 9-108 – Cabo Canaveral SFS, SLC-40 – Starlink-F19 (x60) [v1.0 L18]

6030 – 04 Fev (????:??) – Chang Zheng-4C – Jiuquan, LC43/94 – Yaogan Weixing-31 Grupo-2

6031 – 05 Fev (1530:??) – Chang Zheng-3B/? – Xichang, LC3 – Tianhui (?)

6032 – 15 Fev (0445:??) – 14A14-1A Soyuz-2.1a (В15000-041) – Baikonur, LC31 PU-6 – Progress MS-16

6033 – 20 Fev (????:??) – Antares-230+ – MARS Wallops Isl., LP-0A – Cygnus NG-15 (CRS-15); IT-Spins

6034 – 22 Fev (????:??) – PSLV-DL (PSLV-C51) – Satish Dawan SHAR, FLP – Amazônia, ??, ??, ??



O Boletim Em Órbita não tem fins lucrativos e é mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando seu bloqueador de anúncios em www.orbita.zenite.nu