Solar Orbiter fotografa as primeiras ejeções de massa coronal

A Solar Orbiter foi lançada no dia 10 de fevereiro de 2020 e está, atualmente, em fase de cruzeiro antes da missão científica principal, que começa em novembro deste ano. Enquanto os quatro instrumentos in situ estiveram ligados durante grande parte do tempo desde o lançamento, a coletar dados científicos sobre o ambiente espacial nas proximidades da aeronave, a operação dos seis instrumentos de sensoriamento remoto durante a fase de cruzeiro concentra-se principalmente na calibração dos instrumentos, e estão ativos apenas durante janelas de verificação e campanha específicas.

Multipoint view of a coronal mass ejection

Uma passagem próxima ao periélio do Sol a 10 de fevereiro de 2021, que colocou a aeronave a metade da distância entre a Terra e o Sol, foi uma dessas oportunidades para as equipas realizarem observações específicas, verificando as configurações dos instrumentos e assim por diante, a fim de uma melhor preparação para a próxima fase científica. No modo de ciência completa, os instrumentos de sensoriamento remoto e in situ farão rotineiramente observações conjuntas.

Aquando desta passagem solar próxima, a aeronave estava “atrás” do Sol visto da Terra, resultando em taxas de transferência de dados muito baixas. Os dados do sobrevoo aproximado, portanto, levaram muito tempo para serem transferidos completamente e ainda estão a ser analisados.

Observações fortuitas

Por feliz coincidência, três dos instrumentos de sensoriamento remoto da Solar Orbiter capturaram um par de ejeções de massa coronal nos dias após a aproximação mais adjacente. O Extreme Ultraviolet Imager (EUI), o Heliospheric Imager (SoloHI) e o coronógrafo Metis capturaram diferentes aspetos de duas CMEs que irromperam ao longo do dia.

As CMEs também foram observadas pelo Proba-2 da ESA e pelo Observatório Solar e Heliosférico da ESA/NASA (SOHO) do lado “frontal” do Sol, enquanto o STEREO-A da NASA, localizado longe da linha Sol-Terra, também detetou um vislumbre, juntos proporcionando uma visão global dos eventos.

Para o SoloHI da Solar Orbiter, esta foi a primeira ejeção de massa coronal vista pelo instrumento; Metis detetou uma anteriormente a 17 de janeiro, e o EUI detetou uma em novembro do ano passado, enquanto os detetores in situ da aeronave detetaram a sua primeira CME logo após o lançamento, em abril de 2020. Muitos dos instrumentos in situ também detetaram atividade de partículas em torno das CMEs de fevereiro de 2021; os dados estão a ser analisados e serão apresentados posteriormente.

Para o SoloHI, a observação da CME foi particularmente fortuita, capturada durante o tempo de telemetria “bónus”. As atualizações em antenas baseadas na Terra feitas já depois do planeamento da missão permitiram que a equipa fizesse a transferência de dados em momentos que não esperavam, embora com taxas de telemetria mais baixas. No entanto, decidiram coletar apenas o valor de um bloco de dados (o instrumento tem quatro blocos de detetores) a uma taxa de duas horas e ocorreu por acaso a captura de uma CME durante esse tempo.

$video.data_map.short_description.content

Clima espacial

As CMEs são uma parte importante do “clima espacial”. As partículas acendem auroras em planetas com atmosferas, mas podem causar mau funcionamento de algumas tecnologias e podem também ser prejudiciais a astronautas desprotegidos. Portanto, é importante compreender as CMEs e ser capaz de rastrear o seu progresso à medida que se propagam pelo Sistema Solar.

Estudar CMEs é apenas um aspeto da missão Solar Orbiter. A aeronave também retornará observações muito próximas, sem precedentes, do Sol e de altas latitudes solares, fornecendo as primeiras imagens das regiões polares não mapeadas do Sol. Juntamente com as medições do vento solar e do campo magnético nas proximidades da aeronave, a missão fornecerá uma nova visão sobre como a nossa estrela-mãe funciona em termos do ciclo solar de 11 anos e como podemos prever melhor os períodos de clima espacial tempestuoso.

Notícia e imagens: ESA

Os artigos da ESA são escritos segundo o novo AO90



O Boletim Em Órbita não tem fins lucrativos e é mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando seu bloqueador de anúncios em www.orbita.zenite.nu

Comente este post