SMOS oferece nova perspectiva sobre furacões

Com as recentes histórias nas notícias sobre a devastação trazida por furacões e tufões nos EUA e na Ásia, somos lembrados de como é importante prever os caminhos destas poderosas tempestades e também aprender mais sobre como estas se desenvolvem. Muitos satélites estão de olho nas tempestades, mas a missão SMOS da ESA pode oferecer uma perspectiva totalmente nova.

Rastrear e prever furacões pelo oceano traz benefícios óbvios para aqueles que estão no mar e para aqueles que vivem em lugares onde estes atingem a terra. Embora os meteorologistas disponham de excelentes ferramentas para realizar estas previsões, a missão Humidade do Solo e Salinidade Oceânica (SMOS) da ESA, está agora pronta para adicionar informações valiosas para ajudar a tornar essas previsões ainda mais precisas.


O SMOS foi construído para pesquisa científica, principalmente no ciclo da água da Terra. O satélite possui um novo sensor de micro-ondas para capturar imagens de “temperatura de brilho”. Estas imagens correspondem à radiação emitida pela superfície da Terra, que são usadas para coletar informações sobre a humidade do solo e a salinidade do oceano.

Fortes ventos sobre os oceanos aumentam as ondas e as ondulações, que por sua vez afectam a radiação de micro-ondas da superfície. Isto significa que, embora fortes tempestades dificultem a medição da salinidade, as mudanças na radiação podem, no entanto, estar directamente ligadas à força do vento sobre o mar.

Furacão Florence

A missão tem uma vantagem real sobre os satélites que transportam imagens ópticas, que não conseguem ver através da nuvem espessa de um furacão, por exemplo. Efectivamente, ao ver através da tempestade, o SMOS pode fornecer informações exclusivas sobre a velocidade do vento perto da superfície do mar, na base da tempestade.

Embora os cientistas saibam como o SMOS pode fazer isso há já alguns anos, a missão está a ser testada para ver se pode fornecer estas informações para os serviços operacionais de furacões.

Recentemente, o SMOS foi utilizado para visualizar e rastrear o vento sob o furacão Florence, o tufão Mangkhut e o tufão Jebi.

Tufão Jebi

Buck Sampson, do Laboratório de Pesquisa Naval dos EUA, disse: “A missão SMOS da ESA pode fornecer-nos informações realmente interessantes para a previsão de tempestades operacionais, que esperamos usar juntamente com as nossas fontes tradicionais de dados.

As medições do SMOS podem ajudar-nos a acompanhar a estrutura de uma tempestade perigosa. Combinar os dados do SMOS com os da sua missão homóloga SMAP nos EUA, dar-nos-á informações mais oportunas, o que é essencial para a monitorização de grandes tempestades.”

Susanne Mecklenburg, directora da missão SMOS da ESA, acrescentou: “Enquanto o SMOS continua a fornecer informações importantes para aprofundar a nossa compreensão científica da Terra, será muito empolgante vê-lo a ser usado para aplicações práticas, assim que esta fase de testes termine no final do ano.

Todos os anos, furacões trazem miséria para muitas pessoas ao redor do mundo; então, a esperança é que o SMOS seja útil para fazer previsões melhores e, em última análise, ajudar os tomadores de decisões nas suas estratégias de mitigação de danos.”

Notícia e imagens: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

 

%d blogueiros gostam disto: