Rússia lança satélite militar

A Rússia realizou com sucesso o lançamento do que poderá ser o primeiro satélite militar da série Razbeg. O lançamento teve lugar às 1959:47,491UTC do dia 9 de Setembro de 2021 e foi levado a cabo por um foguetão 14A15 Soyuz-2.1v a partir do Complexo de Lançamento LC43/4 do Cosmódromo GIK-1 Plesetsk, Arkhangelsk.

Este satélite é provavelmente o primeiro numa série de pequenos satélites de reconhecimento óptico que irão complementar as observações realizadas pelos satélites Persona. Os dois satélites Persona em órbita estão provavelmente no final das suas vidas úteis ou provavelmente já a excederam. Caso algum dos Persona vanha a falhar antes da entrada em serviço dos satélites Razdan da próxima geração, os satélites Razberg irão suplementar essa falha. Os satélites Razbeg podem ser semelhantes a veículos anteriormente identificados pela empresa VNIIEM – Instituto Russo de Investigação Científica de Electromecânica – como MKA-V.

Os satélites Razbeg terão uma massa não superior a 250 kg, sendo os sucessores operacionais do pequeno satélite experimental EMKA colocado em órbita em 2020 e designado Cosmos-2525.

O satélite Razberg n.º 1 deverá receber a designação Cosmos-2551.

O projecto Razbeg

Segundo o especialista Bart Hendrickx, em informações cedidas ao Boletim Em Órbita, no passado recente surgiram uma série de documentos governamentais que ajudaram a determinar a existência do projecto Razbeg. A primeira série de documentos diz que o “cliente governamental” para o projeto é o Ministério da Defesa e que começou com um contrato assinado a 1 de Novembro de 2016 (número 6 / Ts-2016, cirílico: 6 / Ц-2016) entre a VNIIEM e uma organização denominada “Centro de Ativos Técnicos Especiais”. Os documentos incluem uma minuta de contrato entre a OKB Fakel (fabricante de sistemas de propulsão por satélite) e a NPO IT (Associação de Produção Científica de Tecnologia de Medição) para a entrega de 170 sensores de temperatura denominados TM293-05. A OKB Fakel actua como subcontratante da VNIIEM. O nome do contrato é Razbeg-MK-DU, com DU significando “unidade de propulsão” (o significado de MK não é claro). Isso mostra que os satélites Razbeg terão um sistema de propulsão fabricado pela OKB Fakel, especializada em motores térmicos catalíticos e propulsores estacionários de plasma.

A segunda série de documentos não cita o nome “Razbeg”, mas refere-se ao contrato 6 / Ts-2016, mostrando assim que está relacionado com este projeto. Os documentos contêm um contrato assinado a 22 de Outubro de 2018 entre a VNIIEM e a Fábrica de Equipamentos Eletromecânicos de Moscovo (AO MZEMA) para o fornecimento de componentes para uma roda de reação denominada DM-10-1000. As rodas de reação são usadas para manter o controlo de atitude sem o consumo de propelente. A VNIIEM foi pioneira em sistemas de controle eletromecânico de atitude com os seus satélites Omega e Meteor na década de 1960 e, desde então, produziu inúmeras rodas de reação para os seus próprios satélites e satélites construídos por outras empresas. A roda de reação DM-10-1000 não é mencionada no sítio da VNIIEM ou por outras fontes. O sítio da VNIIEM lista uma roda de reação denominada DM-10-25.

Nenhuma carga útil foi identificada para os satélites Razbeg, mas o facto de a VNIIEM ter construído até agora apenas satélites de observação da Terra (os satélites meteorológicos Meteor e Elektro, além dos satélites de detecção remota Meteor-Priroda, Resurs-O e Kanopus) sugere fortemente que este é alguma categoria de satélite de observação da Terra, muito provavelmente um satélite de reconhecimento fotográfico. Pode muito bem ser o sucessor operacional do satélite experimental de reconhecimento fotográfico Cosmos-2525 desenvolvido pela VNIIEM (e colocado em órbita em Março de 2018), identificado na documentação do VNIIEM como EMKA (Pequeno Satélite Experimental). Pelo menos um elemento que o EMKA e os Razbeg partilham é um sistema de propulsão da OKB Fakel, embora não possa ser determinado se é idêntico.

O satélite EMKA provavelmente começou como um satélite de detecção remota civil ou civil / militar denominado Zvezda (“estrela”), que é mencionado em alguns artigos da VNIIEM em 2014/2015. Um deles, publicado no jornal interno do VNIIEM “Voprosy Elektromekhaniki” em 2014, descreveu o Zvezda como um precursor experimental de um pequeno satélite de imagem de alta resolução chamado MKA-V (MKA significa “Pequeno Satélite” e “V” para “alta resolução”).

O MKA-V é um pouco maior e mais pesado que o Zvezda (90x100x160 cm vs. 90x70x140 cm e 250 kg vs. 150 kg), mas parece ter o mesmo sistema óptico (presumivelmente produzido pela empresa bielorrussa OAO Peleng). O MKA-V também deve voar numa órbita mais alta do que o Zvezda (450 km vs. 300 km), o que poderia explicar, pelo menos parcialmente, a vida útil operacional mais longa (5 anos para o MKA-V vs. 1 ano para o Zvezda ).

As indicações são de que EMKA tornou-se num projeto militar dedicado em 2015, resultando na assinatura de um contrato entre o Ministério da Defesa e a VNIIEM a 23 de Outubro de 2015. Portanto, é razoável especular que o contrato de Novembro de 2016 é para a versão operacional deste satélite, originalmente designado MKA-V e agora chamado Razbeg. Se for esse o caso, o projeto provavelmente verá o lançamento de vários satélites, complementando as imagens atualmente fornecidas pelos dois satélites Persona operacionais e por seus sucessores chamados Razdan, que ainda serão colocados em órbita.

Um argumento contra os Razbeg serem os MKA-V é que teria feito mais sentido para o Ministério da Defesa aguardar os resultados da missão Cosmos-2525 / EMKA para prosseguir com o desenvolvimento do seu sucessor operacional. É também estranho que ao contrário do contrato EMKA de Outubro de 2015, que era um contrato “direto” entre o Ministério da Defesa e a VNIIEM, o contrato Razbeg de Novembro de 2016 foi atribuído à VNIIEM através de uma organização subordinada ao Ministério da Defesa, nomeadamente o Centro de Ativos Técnicos Especiais. Pouco pode ser aprendido sobre isso de fontes online além de que é baseado em Voronezh e é um ramo do Instituto Estatal de Pesquisa Científica e Teste para Problemas de Proteção Técnica da Informação (GNIII PTZI), também localizado em Voronezh. Este, por sua vez, é o braço de pesquisa do Serviço Federal de Controlo Técnico e de Exportação (FSTEK), uma agência do Ministério da Defesa encarregada de “proteger segredos de Estado e combater a espionagem cibernética”.

A maioria dos documentos emanados do GNIII PTZI são sobre o combate à espionagem cibernética e não está totalmente claro qual o papel que ele ou o Centro de Recursos Técnicos Especiais desempenha no programa espacial. O Centro de Recursos Técnicos Especiais também assinou um contrato com a NPK KBM (em Kolomna) a 1 de Dezembro de 2015 como parte do Burevestnik, provavelmente um sistema anti-satélite co-orbital. Outra organização sob a FSTEK, o Instituto Central de Pesquisa Científica de Química e Mecânica (TsNIIKhM ou CNIIHM), é conhecido por desempenhar um papel importante no projecto Burevestnik, Nivelir (inspetores de satélite) e Numizmat (propósito desconhecido, mas claramente destinado a operações de encontro e proximidade em órbita). Também existem semelhanças nos números dos contratos para Numizmat (3 / Ts-2014), Burevestnik (20 / Ts-2015) e Razbeg (6 / Ts-2016). Possivelmente, eles são usados para projetos envolvendo a FSTEK.

O foguetão 14A15 Soyuz-2.1v

O foguetão 14A15 Soyuz-2.1v (Союз-2.1в) é a mais recente derivação do míssil balístico intercontinental R-7 desenvolvido nos anos 50 do Século XX por Sergei Korolev. De forma geral o novo foguetão pode ser descrito como um foguetão Soyuz, mas sem incluir os característicos quatro propulsores laterais. Por outro lado, o primeiro estágio foi também modificado.

O primeiro estágio do lançador é uma versão modificada do primeiro estágio utilizado no foguetão Soyuz-2, utilizando um único moto NK-33 que assim substitui o motor RD-117 de quatro câmaras de combustão utilizados em foguetões anteriores e juntamente com alterações estruturais no estágio e na estrutura dos tanques de propelentes. Como o motor NK-33 está fixo, é utilizado um motor RD-0110R para fornecer controlo vectorial, fornecendo também mais 230,5 kN de força e proporcionando aquecimento aos gases de pressurização. Anteriormente utilizado no foguetão lunar N-1, o NK-33 fornece uma maior performance em relação ao RD-117. Porém, existe um número muito limitado destes motores disponíveis e assim no futuro o NK-33 será substituído pelo motor RD-193. Este motor é uma versão mais leve do motor RD-191 utilizado nos foguetões Angara.

O segundo estágio do Soyuz-2.1v é o mesmo que é utilizado como terceiro estágio do foguetão Soyuz-2.1b, estando equipado com um motor RD-0124.

O terceiro estágio do lançador é constituído por um estágio superior Volga que é utilizado para manobrar as cargas a partir da órbita inicial para a órbita final. Este estágio é derivado do sistema de propulsão dos satélites de reconhecimento Yantar, sendo mais leve e mais barato do que os estágios Fregat.

O foguetão é capaz de colocar uma carga de 2.850 kg numa órbita terrestre baixa a 51,8.º,  2.800 kg numa órbita terrestre baixa a 62,8.º ou 1.400 kg numa órbita terrestre sincronizada com o Sol.

No total o foguetão tem um comprimento de 44,0 metros e um diâmetro de 3,00 metros. A sua massa é de 158.000 kg. O foguetão é desenvolvido pela TsSKB Progress.

O lançador pode estar equipado dom o estágio superior 14S46 Volga. Também designado por 141KS, é um estágio superior que pode ser utilizado com os foguetões Soyuz-2.1a e Soyuz-2-1v para inserir cargas na órbita sincronizada com o Sol. É derivado do módulo de propulsão dos satélites espiões Yantar e o seu desenvolvimento Está intimamente relacionado com o estágio superior do Ikar.

Dados estatísticos e próximos lançamentos

– Lançamento orbital: 6109

– Lançamento orbital Rússia: 3284 (53,76%)

– Lançamento orbital desde GIK-1 Plesetsk: 1642 (26,88% – 50,00%)

 

Os próximos lançamentos orbitais previstos são (hora UTC):

6110 – 13 Set (0745:??) – Chang Zheng-2C/YZ-1S (Y41/Y4) – Jiuquan, LC43/94 – Yaogan-32-02

6111 – 13 Set (????:??) – Falcon 9-120 (B1049.10) – Vandenberg SFB, SLC-4E – Starlink Group 2-1 (xTBD) [v2.0 L1]

6112 – 14 Set (1807:??) – 14A14-1B Soyuz-2-1B/Fregat-M (N15000-051/123-?? (ST35)) – Baikonur, LC31 PU-6 – OneWeb-F10

6113 – 15 Set (0000:??) – Falcon 9-125 (B1062.3) – CE Kennedy, LC-39A – Crew Dragon: Inspiration4

6114 – 19 Set (????:??) – Kuaizhou-1A (Y5) – Jiuquan, LC43/95A – Jilin-1 Gaofen-02F



O Boletim Em Órbita não tem fins lucrativos e é mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando seu bloqueador de anúncios em www.orbita.zenite.nu

Comente este post