Rússia lança satélite de comunicações militar Meridian-10

O satélite de comunicações militar Meridian-M n.º 20L foi colocado em órbita após ter sido lançado às 12:48:22,591UTC do dia 22 de Março de 2022 pelo foguetão 14A14-1A Soyuz-2.1a/Fregat (76097216/111-xx) a partir da Plataforma de Lançamento PU-4 do Complexo de Lançamento LC43 do Cosmódromo GIK-1 Plesetsk, Arkhangelsk.

Todas as fases do lançamento decorreram sem problemas, com a separação do estágio Fregat a ter lugar às 1257UTC. Pelas 1433UTC, o estágio Fregat realiza uma manobra para colocar o conjunto numa órbita com um perigeu a cerca de 36.000 km de altitude. Uma segunda manobra tem lugar às 1503UTC para atingir a órbita operacional com um perigeu de cerca de 1.000 km e apogeu de cerca de 39.800 km.

O Meridian-10 irá substituir o satélite Meridian-4 que sofreu problemas técnicos em 2021.

Os satélites Meridian-M

Os satélites 14F112M Meridian-M (14Ф112М Меридиан-M) são uma versão melhorada dos satélites 14F112 Meridian (14Ф112 Меридиан) e representam a nova geração de satélites de comunicações em órbitas elípticas de 12 horas (órbitas Molniya) sendo desenhados para substituir os satélites Molniya-1T, Molniya-3 e Molniya-3K, além da componente de comunicações do sistema Parus. Os Meridian-M são fabricados pela ISS Reshetnev (anteriormente denominada NPO Prikladnoi Mekhaniki, NPO PM).

Os detalhes sobre os Meridian-M são muito escassos pois tratam-se de veículos militares. No entanto, têm surgido na imprensa várias imagens que mostram estes satélites e por vezes algumas dessas imagens mostram veículos completamente diferentes. Os satélites são baseados num modelo com um compartimento de sistemas electrónicos pressurizado e é estabilizado nos seus três eixos espaciais.

O desenvolvimento de um sistema para substituir os satélites Molniya havia sido iniciado antes do final da União Soviética com dois grupos a apresentarem soluções, nomeadamente o sistema Mayak, por parte da NPO-PM Reshetnev, e o sistema Nord, por parte da Lavochkin. Ambos os satélites seriam lançados pelo foguetão 11K77 Zenit-3. Sendo construído na Ucrânia, os lançadores Zenit deixaram de ser tidos em conta para o lançamento de cargas militares russas, propondo-se o lançamento utilizando o novo foguetão Rus. Porém, o desenvolvimento deste lançador não se concretizou e os avanços no desenvolvimento de sistemas electrónicos significou que o tamanho dos novos satélites poderia ser substancialmente reduzido. Em finais dos anos 90 a NPO-PM foi contratada pelas forças militares russas para desenvolver uma versão mais leve do seu sistema Mayak que pudesse ser colocado em órbita por um lançador Soyuz empregando um estágio superior Fregat.

Os satélites Meridian terão uma massa no lançamento superior a 2.000 kg. Alguns dos sistemas a bordo, incluindo o computador de controlo e o sistema de propulsão, podem ser semelhantes aos sistemas utilizados nos satélites de navegação Uragan-M. Os Meridian-M estão também equipados com painéis solares num sistema móvel que é capaz de seguir o movimento do Sol em órbita.

Para o lançamento dos satélites Meridian-M, os foguetões 14A14 Soyuz-2 utilizam as carenagens 14S737 com um diâmetro de 3,715 metros e um comprimento de 10,4 metros.

Lançamento Veículo Plt. Data Hora (UTC) Carga
2006-061 Soyuz-2.1a/Fregat (76033135/1012) LC43 PU-4 24/Dez/2006 08:34:44,402 Meridian-1

14F112 nº 79443411 11L

2009-029 Soyuz-2.1a/Fregat (77067162/1018) LC43 PU-4 21/Mai/2009 21:53:33,331 Meridian-2

14F112 nº 80087112 12L

2010-058 Soyuz-2.1a/Fregat (76012167/1022) LC43 PU-4 02/Nov/2010 00:58:39,091 Meridian-3

14F112 nº 79422513 13L

2011-018 Soyuz-2.1a/Fregat (76012230/1028) LC43 PU-4 04/Mai/2011 17:41:32,987 Meridian-4

14F112 nº 80013414 14L

2011-F04 Soyuz-2.1b/Fregat (78075164/1042) LC43 PU-4 23/Dez/2011 12:08:10,180 Meridian-5

14F112 nº 79413415 15L

2012-063 Soyuz-2.1a/Fregat (77046267/1034) LC43 PU-4 14/Nov/2012 11:42:46,291 Meridian-6

14F112 nº 80029116 16L

2014-069 Soyuz-2.1a/Fregat (76058174/1026) LC43 PU-4 30/Out/2014 01:42:52,121 Meridian-7

14F112 nº 79448217 17L

2019-046 Soyuz-2.1a/Fregat (78021117/1036) LC43 PU-4 30/Jul/2019 05:55:36,191 Meridian-8

14F112M nº 80024218 18L

2020-015 Soyuz-2.1a/Fregat

(78021118/111-303)

LC43 PU-3 20/Fev/2020 08:24:54,291 Meridian-9

14F112M nº 19L

2022-030 Soyuz-2.1a/Fregat

(76097216/111-xx)

LC43 PU-4 22/Mar/2022 12:48:22,591 Meridian-10

14F112M nº 20L

Desenvolvimento dos satélites Meridian-M

Em finais dos anos 70 do século XX, foram iniciados os trabalhos para o desenvolvimento de uma constelação denominada ‘ESSS-2’ que deveria consistir de uma nova geração de satélites tanto em órbitas Molniya (Meridian) como em órbitas geoestacionárias (Raduga-1/Globus-1).

Como as instalações da NPO PM estavam dedicadas com muitos outros projectos, o fabrico dos satélites Meridian foi delegado pela a PO Polyot, Omsk. O projecto preliminar foi finalizado em princípios de 1978, mas por razões desconhecidas o projecto foi suspenso até 1983. Os trabalhos parecem ter continuado mais tarde dessa década, mas foram parados de novo com o colapso da União Soviética.

A nova realidade económica forçou a NPO PM a suspender a sua cooperação com a PO Polyoy e redesenhar por completo os satélites Meridian. Como se esperava que isto se viesse a arrastar por vários anos, foi decidido construir um satélite intermédio que servisse de ponte para os Meridian. Estes satélites ficaram conhecidos como Molniya-3K. Apesar da sua designação, em termos de projecto era uma versão muito melhorada dos satélites Molniya-1T em vez dos satélites Molniya-3, incorporando várias características dos satélites de comunicações geoestacionários já testadas e utilizadas. A responsabilidade pela carga de comunicações (designada ‘Omega’) foi inicialmente atribuída à empresa parceira de longa data da NPO PN, MNIIRS (Instituto de Investigação Científica de Comunicações por Rádio de Moscovo), mas em 1998 foi transferida para uma nova empresa denominada NPTs Spurt, que desenvolveu uma versão melhorada denominada ‘Omega-S’. O primeiro satélite foi lançado a 20 de Julho de 2001, mas sofreu numerosos problemas após atingir a órbita terrestre. O segundo e último satélite, que aparentemente iria testar elementos da carga a ser usada nos satélites Meridian, foi perdido num lançamento falhado a 21 de Junho de 2005.

Entretanto, a NPO PM havia redesenhado os satélites Meridian para serem lançados no foguetão Soyuz-2 com o novo estágio superior Fregat, sendo assim possível aumentar a sua massa para 2.100 kg. Enquanto que todos os satélites Molniya haviam utilizado o desenho KAUR-2, os novos Meridian utilizaram um desenho cujas suas raízes podem ser traçadas até à plataforma KAUR-4 da NPO PM, sendo estabilizada nos seus três eixos espaciais, equipados com painéis solares muito maiores que geram 3.000W de energia e um computador de bordo. Os satélites também herdaram muitas das características dos satélites GLONASS-M. Aos novos satélites foi atribuído o índice militar 14F112 e ao ‘complexo espacial “Meridian” (a combinação dos satélites e das infraestruturas no solo necessárias para os lançar e operar) foi atribuída a designação ’14K131’.

Em 1998 o desenho da carga foi atribuído à RNII KP (actual Sistemas Espaciais da Rússia), que decidiu utilizar componentes electrónicos estrangeiros que reduziram de forma significativa a massa da carga e o consumo de energia. Isto tornou possível transformar os satélites Meridian em veículos multifuncionais que combinam as funções de comunicações dos satélites Molniya-1T, Molniya-3 e Tsiklon-B/Parus (este último, um satélite de navegação, possuía uma carga de comunicações para a Marinha Russa). A ideia original teria sido a de introduzir de forma gradual esta capacidade em três gerações de satélites Meridian (Meridian-1, Meridian-2 e Meridian-3), mas em 2000 foi decidido equipar os satélites com três repetidores desde o princípio

A carga a bordo dos satélites Meridian deverá cobrir as frequências nas bandas VHF, UHF e banda-S. Uma designação que estava associada com a carga a bordo, era ‘Tsitron’ – também designada 14R57 e desenvolvida pela Sistemas Espaciais da Rússia – mas não é claro se isto se refere a toda a carga ou a uma parte dela. A NPTs Spurt aparentemente terá fornecido o repetidos que substituiu um outro que havia sido utilizado nos satélites Molniya-1T e que é parte do sistema Korund-N. O satélite estava equipado com mais de dez antenas de vários tipos.

Várias tarefas civis foram anunciadas para os satélites Meridian, nomeadamente a ligação de embarcações e aviões que analisam a situação do gelo nas rotas do Mar do Norte com a costa e também o alargamento das comunicações nas regiões mais a Norte da Sibéria e do Médio Oriente “nos interesses da economia”.

O programa teve um início um pouco tortuoso. Após vários adiamentos, o primeiro satélite foi lançado a 24 de Dezembro de 2006, mas em Maio de 2009 foi revelado que havia sofrido uma falha muito antes de cumprir o seu período de utilização de sete anos. O satélite terá sofrido uma falha de pressurização, que foi atribuída a um impacto de detritos espaciais. O segundo satélite, lançado a 21 de Maio de 2009, terminou numa órbita mais baixa do que a prevista devido a um mau funcionamento do estágio superior Fregat, mas ainda foi utilizado, operando, porém, fora da constelação usual. Após dois lançamentos bem sucedidos a 2 de Novembro de 2010 e a 4 de Maio de 2011, outro satélite Meridian foi perdido num lançamento falhado a 23 de Dezembro de 2011. Dois outros lançamentos a 14 de Novembro de 2012 e a 30 de Outubro de 2014, estabeleceram a constelação inicialmente planeada de quatro satélites.

Esperava-se que os satélites Meridian seriam sucedidos pelos satélites da próxima geração Sfera-V antes do final da década. Juntamente com os satélites geoestacionários Sfera-S, estes formariam a constelação ESSS-3. Porém, atrasos no programa Sfera forçaram o Ministério da Defesa da Rússia a assinar um contrato com a ISS Reshetnev a 29 de Março de 2016 para o fabrico de um conjunto de quatro satélites modificados denominados ‘Meridian-M’ (14F112M) – com os números de série 18 a 21. Segundo notícias da imprensa russas, mais dois satélites terão sido solicitados pelo Ministério da Defesa em maio de 2020 (com os números de série 22 e 23). Um sistema de bordo que foi identificado em documentos legais como ’14R156-1′ poderá ser a carga a bordo. Os dois primeiros satélites Meridian-M foram lançados a 30 de Julho de 2019 e a 20 de Fevereiro de 2020.

Texto de Bart Hendrickx

O foguetão 14A14 Soyuz-2

O foguetão 14A14 Soyuz-2 representa a mais recente evolução do épico míssil balístico intercontinental R-7 desenvolvido por Sergei Korolev nos anos 50 do século passado. O novo lançador apresenta motores melhorados, modernosSoyuz-2_2014-03-23_14-08-06 sistemas aviónicos digitais e uma reduzida participação de componentes de fabrico não russo.

O lançador é também conhecido pela designação Soyuz-ST (quando lançado desde o CSG Kourou) e foi especialmente desenhado para uma utilização comercial aumentando a sua performance geral apesar de o desenho básico do veículo permanecer o mesmo. As alterações foram realizadas ao nível de uma melhoria da performance dos motores do primeiro e do segundo estágio com novos injectores e alteração da mistura dos propelentes; aumento na performance do terceiro estágio; introdução de um novo sistema de controlo permitindo uma alteração do plano orbital já durante o voo ; introdução de um novo sistema de telemetria digital para a monitorização do lançador e a introdução de uma nova ogiva de protecção de carga com um diâmetro de 3,6 metros.

O foguetão 14A14 Soyuz-2 pode ser equipado com um quarto estágio, nomeadamente o estágio Fregat, utilizando as carenagens de protecção do tipo ST e SF.

Este lançador é capaz de colocar uma carga de 7.800 kg numa órbita terrestre a 240 km de altitude com uma inclinação de 51,80.º. No lançamento desenvolve uma força de 4.144.700 kN. A sua massa total é de 310.000 kg, o seu diâmetro no estágio principal é de 2,95 metros e o seu comprimento total é de 43,40 metros.

O primeiro estágio do 14A14 Soyuz-2 é composto pelos quatro propulsores laterais (Blok B, V, G e D) com uma massa bruta de 44.400 kg, tendo uma massa de 3.810 kg sem combustível. Cada propulsor tem um motor RD-107A (14D22) que desenvolve uma força de 1.021.097 kN (vácuo), com um Ies 310 s e um Tq de 120 s. Têm um comprimento de 19,60 metros, um diâmetro de 2,69 metros e consomem LOX e querosene.

O segundo estágio (Blok-A) tem um comprimento de 27,80 metros, um diâmetro de 2,95 metros, um peso bruto de 105400 kg e um peso sem combustível de 6.975 kg. Está equipado com um motor RD-108A que no lançamento desenvolve 999.601 kgf (vácuo), com um Ies de 311 s e um Tq de 286 s. Consome LOX e querosene.

O terceiro estágio (Blok-I) tem um comprimento de 6,74 metros, um diâmetro de 2,66 metros, um peso bruto de 25.200 kg e um peso sem combustível de 2.355 kg. Está equipado com um motor RD-0110 que no lançamento desenvolve 294.000 kgf (vácuo), com um Ies de 359 s e um Tq de 300 s. Consome LOX e querosene.

As modificações introduzidas no novo lançador foram sendo testadas em duas versões do mesmo veículo o 14A14-1A Soyuz-2.1a e o 14A14-1B Soyuz-2.1b. Este último veículo é um lançador a três estágios no qual o motor RD-0124 é já empregado no último estágio.

Soyuz-2-1a 1

Com dimensões semelhantes ao motor RD-0110 utilizado nas versões anteriores dos lançadores Soyuz, o motor RD-0124 apresenta como principal diferença a introdução de um sistema de ciclo fechado no qual o gás do oxidante que é utilizado para propulsionar as bombas do motor é então direccionado para a câmara de combustão onde é queimado com restante propolente em vez de ser descartado. Esta melhoria no motor aumenta o desempenho do sistema e, como consequência, aumenta a capacidade de carga do lançador em 950 kg. Um propolente especial de ignição é utilizado para activar a combustão do motor e são utilizados dispositivos pirotécnicos para controlar o funcionamento do motor. Cada uma das quatro câmaras de combustão pode ser movimentada ao longo de eixos para manobrar o veículo.

A tabela seguinte mostra os últimos 10 lançamentos realizados com o foguetão 14A14-1A Soyuz-2.1a/Fregat.

Lançamento Data de Lançamento

Hora (UTC)

Lançador Local de Lançamento Carga
2013-005 06/Fev/13

16:04:24,128

I15000-011/1029 Baikonur

LC31 PU-6

Globalstar-M078
Globalstar-M093
Globalstar-M094
Globalstar-M095
Globalstar-M096
Globalstar-M097
2014-069 30/Out/14

01:42:52,121

76058174/1026 GIK-1 Plesetsk

LC43 PU-4

Meridian-7
2017-042 14/Jul/17

06:36:49,399

Т15000-018/122-02 Baikonur

LC-31 PU-6

Kanopus-V-IK n.º 2
Flying Laptop
WNISAT-1R
TechnoSat
NORSAT-1
NORSAT-2
CICERO-1
CICERO-2
CICERO-3
Corvus-BC 1
Corvus-BC 2
Perseus-O 1
Perseus-O 2
Perseus-O 3
Perseus-O 4
MKA-N 1
MKA-N 2
Flock-2k (1)
Flock-2k (2)
Flock-2k (3)
Flock-2k (4)
Flock-2k (5)
Flock-2k (6)
Flock-2k (7)
Flock-2k (8)
Flock-2k (9)
Flock-2k (10)
Flock-2k (11)
Flock-2k (12)
Flock-2k (13)
Flock-2k (14)
Flock-2k (15)
Flock-2k (16)
Flock-2k (17)
Flock-2k (18)
Flock-2k (19)
Flock-2k (20)
Flock-2k (21)
Flock-2k (22)
Flock-2k (23)
Flock-2k (24)
Flock-2k (25)
Flock-2k (26)
Flock-2k (27)
Flock-2k (28)
Flock-2k (29)
Flock-2k (30)
Flock-2k (31)
Flock-2k (32)
Flock-2k (33)
Flock-2k (34)
Flock-2k (35)
Flock-2k (36)
Flock-2k (37)
Flock-2k (38)
Flock-2k (39)
Flock-2k (40)
Flock-2k (41)
Flock-2k (42)
Flock-2k (43)
Flock-2k (44)
Flock-2k (45)
Flock-2k (46)
Flock-2k (47)
Flock-2k (48)
Lemur-2 (42) (Lemur-2 Greenberg)
Lemur-2 (43) (Lemur-2 ArtFischer)
Lemur-2 (44) (Lemur-2 Monson)
Lemur-2 (45) (Lemur-2 Furiaus)
Lemur-2 (46) (Lemur-2 Zachary)
Lemur-2 (47) (Lemur-2 AndiS)
Lemur-2 (48) (Lemur-2 PeterG)
Lemur-2 (49) (Lemur-2 Dembitz)
NanoACE
Mayak
Iskra-MAI-85
Ecuador UTE-YuZGU
2018-014 01/Fev/18

02:07:182130

N15000-002/122-03 Vostochniy

LC-1S

Kanopus-V n.º 3
Kanopus-V n.º 4
S-Net-1 (Tubsat-13)
S-Net-2 (Tubsat-14)
S-Net-3 (Tubsat-15)
S-Net-4 (Tubsat-16)
Lemur-2 (74) ‘Kadi’
Lemur-2 (75) ‘TheNickMolo’
Lemur-2 (76) ‘Jin-Luen’
Lemur-2 (77) ‘UramChamsol’
D-Star ONE v.1.1 Phoenix
2018-111 27/Dez/18

02:07:18,231

Ya15000-003/122-06 Vostochniy

LC-1S

Kanopus-V n.º 5
Kanopus-V n.º 6
GRUS
Flock-k (1)
Flock-k (2)
Flock-k (3)
Flock-k (4)
Flock-k (5)
Flock-k (6)
Flock-k (7)
Flock-k (8)
Flock-k (9)
Flock-k (10)
Flock-k (11)
Flock-k (12)
Lemur-2 (88) ‘Remy-Colton’
Lemur-2 (89) ‘Gustavo’
Lemur-2 (90) ‘ChristinaHolt’
Lemur-2 (91) ‘Zo’
Lemur-2 (92) ‘Tinykev’
Lemur-2 (93) ‘SarahBettyBoo’
Lemur-2 (94) ‘NatalieMurray’
Lemur-2 (95) ‘Daisy-Harper’
UWE-4
ZACUBE 2 (ZA 004)
LUME-1
D-Star ONE iSat
D-Star ONE (Sparrow)
2019-046 30/Jul/19

05:55:36,191

78021117/1036 GIK-1 Plesetsk

LC43 PU-3

Meridian-8
2020-015 20/Fev/20

08:24:54,291

78021118/111-303 GIK-1 Plesetsk

LC43 PU-3

Meridian-9
2021-022 22/Mar/21

06:07:12,770

V15000-044/122-05 Baikonur

LC31 PU-6

CAS500-1
DMSat-1
ELSA-d (Chaser)
ELSA-d (Target)
GRUS-1B
GRUS-1C
GRUS-1D (FSTRA Fukui Prefectural Satellite)
GRUS-1E
UniSat-7
BCCSAT-1
DIY-1 (Arduiqube)
FEES
SMOG-1
STECCO
WormSail
ChallengeOne
WildTrackCube-SIMBA (IKUNS 3)
LacunaSat-2b
Hiber-3 CubeSX-Sirius-HSE (SiriusSat 3U, Sirius-DZZ)
CubeSX-HSE (MIEM 3U, NRU HSE-DZZ)
Orbicraft-Zorky
Najm-1
SAMSOM-1
SAMSOM-2
SAMSOM-3
Kepler-6
Kepler-7
KSU-Cubesat
BeeSat-5
BeeSat-6
BeeSat-7
BeeSat-8
GRBAlpha (CAMELOT Demo)
NanoSatC-Br 2 KMSL
Pumbaa
Timon
2022-011 05/Fev/22

07:00:00,101

78072195/111-401 GIK-1 Plesetsk

LC43 PU-4

Cosmos 2553 (14F01 Neitron n.º 1)
2022-030 22/Mar/22

12:48:22,591

76097216/111-xx GIK-1 Plesetsk

LC43 PU-4

Meridian-10

Em 1996 tiveram início os testes do motor RD-0124 e foram finalizados em Fevereiro de 2004 nas instalações da Khimavtomatika em Voronezh. Nesta altura previa-se que a produção em série do novo motor teria início em 2005. A 27 de Dezembro de 2005 teve lugar outro teste do motor, abrindo caminho para os ensaios em grupo de todo o terceiro estágio do lançador 14A14-B Soyuz-2.1b nas instalações da NIIKhimMash em Sergiev Posad.

No início de 2005 a Arianespace anunciava que a primeira missão de teste do foguetão 14A14-1B Soyuz-2.1b teria lugar desde o Cosmódromo GIK-5 Baikonur para colocar em órbita o satélite astronómico CoRoT. Este lançamento dependeria dos resultados de novos ensaios do motor RD-0124 que tiveram lugar em Março e Abril de 2006. Um último teste teve lugar a 20 de Outubro de 2006 e o satélite CoRoT acabaria por ser lançado a 21 de Dezembro desse ano.

Dados estatísticos e próximos lançamentos

– Lançamento orbital: 6196

– Lançamento orbital Rússia: 3298 (53,23%)

– Lançamento orbital desde GIK-1 Plesetsk: 1646 (26,57% – 49,91%)

Os próximos lançamentos orbitais previstos são (hora UTC):

6197 – 25 Mar (0600:??) – Jiuquan, ?? – ?? – ??

6198 – 29 Mar (11:00:??) – Taiyuan, LC? – ?? – ??

6199 – 01 Abr (1624:??) – Cabo Canaveral SFS, SLC-40 – Falcon 9-146 (B1062.5) Transporter-4 – Alba Cluster 5: Kilimanjaro-1, PyCubed-1, CIRBE, TartanArtibeus-1, CZE-BDSat, GNOMES-3, ION-SCV, MP42, Pixxel-2, Satellogic sats, RROCI, Shared Sat 2, Sherpa-FX5: Agile MicroSat (AMS), Lynk-07, Hawk-6A, Hawk-6B, Hawk-6C, CNCE, Heron Mk II, Sherpa-LTC1: LLITED-1, LLITED-2, Lynk Tower 1, SPiN-1, KSF 2A (PPM 1A), KSF 2B (PPM 1B), KSF 2C (PPM 1C), KSF 2D (PPM 1D), UMBRA-03, UMBRA-04

6200 – 03 Abr (1713:??) – CE Kennedy, LC-39A – Falcon 9-147 (B1061.7) – AX-1: Crew Dragon (C206.3)

6201 – 06 Abr (03:00:??) – Jiuquan, LC? – ?? – ??

6202 – 10 Abr (1100:??) – Xichang, LC? – Chang Zheng-3B/G2 – Zhongxing-6D (?)

6203 – 15 Abr (????:??) – Vandenberg SFB, SLC-4E/LZ-4 – Falcon 9-148 (B1071.2) – NROL-85 (Intruder-13A, Intruder-13B)

6204 – 19 Abr (1030:??) – CE Kennedy, LC-39A – Falcon 9-149 (B1067.4) – Crew Dragon (USCV-4 Crew-4)

6205 – 19 Abr (????:??) – GIK-1 Plesetsk, LC35/1 – Angara-A1.2/AM (71602/x) – MKA-R №1

6206 – 03 Mai (????:??) – Onenui (Máhia), LC-1A – Electron – CAPSTONE

6207 – 19 Mai (????:??) – Naro, LC-2 – Nuri – NEXTSat-2, ??



O Boletim Em Órbita não tem fins lucrativos e é mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando seu bloqueador de anúncios em www.orbita.zenite.nu

Comente este post