RocketLab desvenda Photon

A RocketLab levou a cabo com sucesso no dia 31 de Agosto de 2020 a missão “I Can’t Believe It’s Not Optical” colocando em orbita o satélite Sequoia para a Capella Space.

Porém, o Electron F14 transportava também uma outra carga, sendo uma experiência pioneira para a RocketLab que também foi colocado com sucesso na orbita prevista.

Anunciada no dia 3 de Setembro num video exclusivo da empresa, esta experiência tem o nome “First Light” e foi o primeiro satélite projectado e construído pela RocketLab, sendo baseada na sua plataforma Photon.

Este produto/serviço vem acrescentar valor à RocketLab na industria dos pequenos satélites, sendo que cria soluções rápidas e de baixo custo para empresas que queiram ver as suas tecnologias em órbita o mais depressa possível

Cada Photon é construído e projectado para ir de encontro ao objectivo da missão, mesmo que seja uma constelação, uma missão de observação terrestre, missões de demonstração, serviços de dados comerciais, missões para a Lua ou exploração interplanetária.

Baseado em hardware e sistemas previamente testados, o Photon aproveita a linhagem do motor de apogeu do Electron e incorpora energia de alta potencia, atitude de alta precisão determinação e controlo, propulsão melhorada, aviónicos de alta tolerância à radiação para oferecer um pacote de lançamento mais o serviço de satélite.

O Photon apresenta-se em duas configurações, sendo para órbitas baixas ou sincronizadas com o Sol (500 km de altitude) tendo uma massa até 200 kg, e outra para missões para além da órbita terrestre baixa ou interplanetárias tendo uma massa um pouco inferior, indo até um máximo de 160 kg.

Texto: Salomé T. Fagundes



O Boletim Em Órbita não tem fins lucrativos e é mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando seu bloqueador de anúncios em www.orbita.zenite.nu

Comente este post