Regresso do Vega ao voo põe à prova novo serviço de transporte partilhado

O primeiro voo do serviço de viagens partilhadas do Vega usando o Small Spacecraft Mission Service (SSMS, Serviço de Pequenas Missões Espaciais) para satélites leves, foi lançado a partir do Porto Espacial Europeu em Kourou, Guiana Francesa, às 02:51 BST/03:51 CEST de 3 de Setembro (22:51, hora local a 2 de Setembro).

Hoje, o regresso ao voo do Vega demonstra novos recursos de serviço de lançamento num veículo de lançamento desenvolvido pela ESA, assegurando a continuidade do acesso garantido e independente da Europa ao espaço.

Este voo marca a conclusão rápida e eficiente das medidas e acções correctivas realizadas pela indústria com a ESA como Autoridade de Qualificação do Sistema de Lançamento Vega, seguindo as recomendações da Comissão Independente de Inquérito que analisou a falha do voo Vega VV15 a 10 de Julho de 2019.

Transfer of the Small Spacecraft Mission Service (SSMS) dispenser with all satellites mounted at Europe's Spaceport.

Está de regresso ao Porto Espacial da Europa e estamos orgulhosos de que o Vega retorne ao voo para testar um novo serviço de lançamento específico. O primeiro Serviço de Missão para Pequenas Naves Espaciais da Europa abre as portas para o acesso rotineiro e acessível ao espaço para pequenos satélites – uma nova abordagem que mostra que estamos a atender às novas necessidades do mercado,” comentou Daniel Neuenschwander, Director de Transporte Espacial da ESA.

Este é um voo de prova de conceito operado pela Arianespace como parte da iniciativa de satélites leves da ESA, baixo custo, oportunidades de lançamento (LLL), decidida pelo Conselho da ESA a nível ministerial em 2016, para preparar o caminho para serviços de rotina para satélites leves recorrendo aos veículos de lançamento europeus Vega/Vega-C e Ariane 6.

Artist's view of Vega flight VV16 with the Small Spacecraft Mission Service (SSMS) dispenser and SAT-AIS.

O dispensador SSMS é uma estrutura modular de fibra de carbono, projectada para transportar várias cargas leves para o espaço e pode ser configurada muito perto do lançamento para transportar diferentes quantidades e tamanhos de satélites. Isto significa que um Vega pode oferecer oportunidades de lançamento disponíveis e convenientes para pequenos satélites, sem restrições de viajar como cargas secundárias com satélites muito maiores. Após a implementação dos satélites, o distribuidor sairá de órbita para evitar a criação de detritos espaciais.

Este lançamento demonstra a capacidade da ESA de usar a inovação para reduzir os custos, tornar-se mais flexível, mais ágil e dar passos na direcção da comercialização,” disse o Director-Geral da ESA, Jan Wörner, acrescentando que “essa capacidade aprimorada de aceder ao espaço para pequenos satélites inovadores oferecerá uma variedade de resultados positivos desde novas pesquisas ambientais, à demonstração de novas tecnologias.”

Simba CubeSat

Os pequenos satélites abriram oportunidades para empresas e usuários institucionais acederem ao espaço para aplicações comerciais e de investigação, e são essenciais para a economia do NewSpace.

O Vega transportou sete microssatélites com peso de 15 a 150 kg, além de 46 CubeSats menores, todos para serem libertados em órbitas síncronas ao Sol, a cerca de 515 km e 530 km de altitude. O satélite final foi lançado cerca de 104 minutos após o lançamento.

ESAIL microsatellite mounted

Cerca de metade da massa total dos 53 satélites agregados pela Arianespace no lançamento de hoje vem de Estados Europeus (oito deles estão representados), e a ESA contribuiu para o desenvolvimento de quatro deles – o microssatélite ESAIL de 113 kg e três CubeSats: SimbaPicasso e FSSCat/Φ-sat-1.

O satélite ESAIL, construído no Luxemburgo pela LuxSpace, ajudará a fornecer a próxima geração de serviços espaciais para o tráfego marítimo. Rastreará os navios através da detecção das suas mensagens do sistema de identificação automática em todo o mundo, melhorando a segurança no mar. Também ajudará na monitorização da pesca e na protecção ambiental.

O Simba, liderado pelo Instituto Real de Meteorologia da Bélgica (com a Universidade de Leuven e o ISISpace na Holanda), é um CubeSat que usará um radiómetro em miniatura para medir duas variáveis climáticas importantes: radiação solar recebida e radiação externa da Terra em todos os comprimentos de onda, bem como demonstrar um sistema preciso de controlo de posição. O Picasso, de tamanho semelhante, (liderado pelo Instituto Belga de Aeronomia Espacial com a VTT Finland e Clyde Space, Reino Unido) medirá a distribuição estratosférica de ozono, a temperatura na mesosfera – através de um gerador de imagens multiespectral em miniatura recém-desenvolvido, e a densidade de electrões na ionosfera usando um conjunto de quatro novas sondas eletrostáticas.

PICosatellite for Atmospheric and Space Science Observations (PICASSO) CubeSat

Uma missão de Sistema de Satélites Federados (FSSCat), proposta pela Universidade Politécnica da Catalunha, Espanha, no 2017 Copernicus Masters, foi desenvolvida por um consórcio de empresas e institutos europeus. Permite a primeira iniciativa da ESA de recorrer à inteligência artificial a bordo de uma missão de observação da Terra. Esta tecnologia pioneira chamada Φ-sat-1 (pronuncia-se ‘Phisat-1’) permitirá que apenas dados utilizáveis retornem à Terra. Isto garante o tratamento eficiente dos dados, para que os usuários tenham acesso a informações oportunas – beneficiando, em última análise, a sociedade em geral.

ɸ-sat AI

O voo Vega de hoje foi financiado, em parte, pela União Europeia no âmbito do programa Horizon 2020, no âmbito do Acordo de Contribuição entre a ESA e a UE sobre actividades de tecnologia espacial, assinado no dia 16 de Abril de 2019. Apoia a demonstração e validação a bordo deste novo serviço de transporte partilhado, bem como o serviço de lançamento do microssatélite UPMSat-2.

Vega e as suas cargas foram mantidas em condições seguras e as baterias foram recarregadas depois de várias tentativas de lançamento em Junho terem sido interrompidas devido a um clima desfavorável em alta altitude acima do Porto Espacial europeu.

Sobre o SSMS

Small Spacecraft Mission Service on Vega flight VV16

O distribuidor Small Spacecraft Mission Service (SSMS) possui um design modular que pode ser adaptado para diferentes requisitos de lançamento. Pode oferecer oportunidades de lançamento para satélites leves com uma massa geral que varia de CubeSats de 1 kg, até minissatélites de 500 kg. A SAB Aerospace projectou e fabricou este distribuidor modular para o contratante principal da ESA, Vega, Avio.

Notícia e imagens: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesapré-AO90



O Boletim Em Órbita não tem fins lucrativos e é mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando seu bloqueador de anúncios em www.orbita.zenite.nu

Comente este post