Progresso dos para-quedas da ExoMars

No mês passado, foram tomadas medidas positivas para solucionar os problemas descobertos com os para-quedas da missão ExoMars, de modo a manter a janela de lançamento de Julho a Agosto de 2020.

A missão necessita de dois para-quedas – cada um com o seu próprio piloto extractor – para ajudar a desacelerar o módulo de descida antes de aterrar em Marte. Assim que a resistência atmosférica diminuir a velocidade do módulo de descida de cerca de 21.000 km/h a 1700 km/h, o primeiro para-quedas será accionado. Cerca de 20 segundos depois, a cerca de 400 km/h, o segundo para-quedas será aberto. Após a separação dos para-quedas, a cerca de 1 km acima do solo, os motores de travagem são accionados para libertar com segurança uma plataforma de aterragem – com um veículo espacial encapsulado no interior – na superfície de Marte para a sua missão científica. Toda a sequência, desde a entrada atmosférica até à aterragem, demora apenas seis minutos.

Enquanto que a sequência de desdobramento de todos os quatro para-quedas foi testada com sucesso em testes de queda de alta altitude no início deste ano, foram observados danos no para-quedas primário de 15 m de diâmetro e no dossel secundário de 35 m de diâmetro. Apesar de terem sido introduzidas adaptações de precaução para um segundo teste do para-quedas de 35 m, os danos no dossel ocorreram novamente.

Desde então, foi concluída uma inspecção completa de todo o equipamento recuperado, permitindo que a equipa defina adaptações de design específicas aos para-quedas principais primário e secundário. Serão também aplicadas algumas mudanças promissoras no projecto às mochilas dos para-quedas para facilitar as linhas e a saída da cobertura das mochilas, evitando danos por atrito.

A ESA também solicitou o apoio da NASA para beneficiar da sua experiência prática em para-quedas. Esta cooperação dá acesso a equipamentos de teste especiais no Laboratório de Propulsão a Jacto da NASA, que permitirão à ESA realizar vários testes de extracção dinâmica no solo, a fim de validar quaisquer adaptações de projecto previstas antes dos próximos testes de queda de altitude.

As próximas oportunidades para testes de queda em grandes altitudes serão em Oregon, EUA, de Janeiro a Março. A ESA está a trabalhar para concluir os testes dos para-quedas de 15 e 35 m antes da ‘revisão de aceitação da qualificação’ do projecto ExoMars, planeada para o final de Abril, a fim de atender à janela de lançamento da missão (26 de Julho a 11 de Agosto de 2020).

A montagem qualificada de para-quedas, dentro da sua caixa de voo, deve ser, idealmente, integrada à sonda antes do embarque para Baikonur em Abril, mas também é possível fazê-lo durante as actividades de preparação da sonda no local de lançamento em maio.

A missão será lançada num foguetão Proton e um módulo transportador levará o módulo de descida composto, a plataforma de aterragem Kazachok e o rover Rosalind Franklin para Marte, chegando em Março de 2021. Depois de sair da plataforma de superfície, o rover Rosalind Franklin explorará a superfície de Marte, à procura de locais geologicamente interessantes para perfurar abaixo da superfície, para determinar se alguma vez existiu vida no nosso planeta vizinho.

O rover está actualmente em campanha de teste ambiental na Airbus Toulouse, França. Ao mesmo tempo, o módulo transportador de voo, que contém o módulo de descida e a plataforma de aterragem está a concluir a sua rodada final de testes na Thales Alenia Space, Cannes, França. O veículo espacial será integrado à sonda no início de 2020.

Todas as actividades de qualificação do sistema de para-quedas são dirigidas e conduzidas por uma equipa conjunta que envolve o projecto da ESA (com suporte da especialização da Directoria Técnica), TASinI (contratante principal), TASinF (líder do PAS), Vorticity (projecto e análise de testes dos para-quedas) e Arescosmo (fabrico do para-quedas e mochilas).

O programa ExoMars é um empreendimento conjunto entre a ESA e a Roscosmos. Além da missão 2020, também inclui o Trace Gas Orbiter (TGO) lançado em 2016. O TGO já está a transmitir importantes resultados científicos próprios e a retransmitir dados do rover Curiosity de Marte da NASA e do módulo de aterragem InSight. Irá também retransmitir os dados da missão ExoMars 2020 quando chegar a Marte em Março de 2021.

Notícia, imagens e vídeo: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

 

Comente este post

%d blogueiros gostam disto: