Progress MS-16 chega à estação espacial internacional

O veículo de carga Progress MS-16 foi acoplado com sucesso ao módulo Pirs da estação espacial internacional a 17 de Fevereiro de 2021.

Lançado desde o Cosmódromo de Baikonur a 15 de Fevereiro, o Progress MS-16 seguiu um perfil de voo mais alongado para chegar à ISS em vez de um perfil mais rápido que permitiria a chegada e acoplagem em poucas horas.

A acoplagem com o módulo Pirs deveria ter ocorrido de forma automática, porém um problema com o sistema de aproximação automática à estação espacial levou a que o cosmonauta Sergei Ryzhikov tivesse de tomar o controlo manual do veículo utilizando o sistema TORU.

A aproximação à ISS é feita utilizando o sistema de aproximação Kurs-NA. A acoplagem estava prevista para ter lugar pelas 0620UTC. A uma distância de 20 metros do módulo Pirs, um problema de comunicação impediu a acoplagem automática, forçando assim a intervenção por parte da tripulação.

A acoplagem acabaria por ter lugar às 0626:47UTC.

O problema registado na aproximação final poderá estar relacionado com um possível dano sofrido pela antena do sistema Kurs 2ASF1M-VKA n.º 2 durante a separação das duas metades da carenagem de protecção na fase inicial do lançamento. Uma Comissão de Inquérido foi designada para analisar as causas deste problema.

O Progress MS-16 recebeu a designação de “Gerasim”. Gerasim é uma personagem e herói do conto “Mumu” de Igor Turgenev. Nesse conto, Gerasim afoga o cão Mumu e a atribuição do nome “Gerasim” ao Progress MS-16 significa a forma como este irá «afogar» o módulo Pirs no final da sua missão.

O Progress MS-16 transporta 600 kg de propelente, 420 litros de água potável no sistema Rodnik e 40,5 kg de gases comprimidos com mantimentos adicionais e azoto, bem como 1.400 kg de equipamentos vários incluindo equipamentos para os sistemas de controlo e suporte de vida, kits para experiências, itens sanitários e equipamentos de monitorização médica e sanitária, roupas, alimentos e produtos frescos para a tripulação a bordo da ISS. Adicionalmente, o compartimento de carga acomoda materiais e equipamentos de reparação (um conjunto de placas adesivas) que serão utilizados para a selagem temporária dos defeitos detectados na fuselagem da câmara de transferência do módulo de serviço Zvezda.

Adicionalmente, será transportado um conjunto de cargas para serem implementadas durante o programa de investigação aplicada no segmento Russo da ISS. Estas cargas são:

  • Kits Neurolab para a realização de uma série de experiências médicas denominadas ‘Pilot-T’ para estudar o impacto na qualidade das actividades dos cosmonautas durante;
  • Equipamentos para a experiência ‘Aseptic’ que farão possível desenvolver provisões estéreis enquanto levam a cabo experiências biomédicas em condições de voo espacial;
  • O dispositivo ‘Photobioreactor’ que será utilizado para estudar a fiabilidade de obtenção de produtos alimentares e oxigénio a partir de algas em condições de microgravidade;
  • O equipamento ‘Cascad’ será utilizado como um laboratório para desenvolver métodos eficientes de produção biotecnológica de culturas de células em condições de ausência de gravidade;
  • Sondas ‘Biodegradation’ que irão garantir a monitorização da composição de microorganismos na atmosfera da ISS para estudar o seu impacto em materiais estruturados em condições espaciais.

O Progress MS-16 deverá permanecer acoplado ao segmento Russo da ISS até final de 2021. Porém, em vez de se separar do módulo Pirs, este será separado da ISS com a qual permaneceu acoplado cerca de 20 anos, servindo tanto como porto de acoplagem como escotilha para a realização de actividades extraveículares. Após se separar da ISS, o Progress MS-16 irá accionar os seus motores e iniciar uma reentrada destrutiva na atmosfera terrestre. O módulo Pirs será destruído durante o processo de reentrada.

A separação do Pirs deverá ter lugar alguns dias após o lançamento do módulo laboratorial MLM-U Nauka que será colocado em órbita pelo foguetão 8K82KM Proton-M (93571) a partir do Cosmódromo de Baikonur. Equipado com um porto de acoplagem multifuncional e servindo também como laboratório cientifico, o Nauka irá acoplar de forma automática no porto de acoplagem onde anteriormente se encontrava o módulo Pirs.

Imagens: Roscosmos



O Boletim Em Órbita não tem fins lucrativos e é mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando seu bloqueador de anúncios em www.orbita.zenite.nu

Comente este post