Prognoz-6 reentra na atmosfera

O satélite Prognoz-6 reentrou na atmosfera terrestre no dia 16 de Janeiro de 2019.

Segundo Jonathan McDoweel, a reentrada deu-se pelas 1144UTC quando o satélite se encontrava numa órbita com um perigeu a 50 km de altitude e apogeu a cerca de 198.000 km de altitude.

Também designado SO-M No. 506, o Prognoz-6 (10370 1977-093A) serviu para estudos magnetosféricos e de física solar e foi colocado em órbita no dia 22 de Setembro de 1977 (0051UTC) pelo foguetão 8K78M Molniya-M/SOL (D15000-163) a partir do Complexo de Lançamento LC31/2 do Cosmódromo NIIP-5 Baikonur.

A reentrada dá-se depois de 15.091 dias em órbita.

O programa SIGNE (Solar Internacional Gamma-Ray and Neutron Experiments) foi um programa franco-soviético que foi iniciado em 1972 com o satélite Prognoz-2. Os objetivos científicos de todas as missões de Prognoz eram o estudo de partículas e campos e radiação eletromagnética solar.

O Prognoz-6 foi lançado para uma órbita altamente elíptica (~ 200.000 km x 500 km). A inclinação orbital foi de 65º e o seu período orbital era de cerca de 4 dias, com a maior parte do tempo gasto fora da magnetosfera da Terra. O satélite pesava cerca de 900 kg e foi estabilizado com um período de aproximadamente 120 segundos. O eixo de rotação era actualizado periodicamente para manter o ângulo entre o eixo de rotação e o Sol a menos de 8º. Foram obtidos dados úteis até Março de 1978, quando o satélite perdeu o controle de estabilidade.

O Prognoz-6 transportou a experiência francesa SIGNE II MP, projectada principalmente para estudar radiação solar X e gama, e explosões de raios gama cósmicas. Um objetivo secundário foi o estudo de fontes discretas de raios X cósmicos. A experiência consistia de três detectores: um detector omnidirecional superior num escudo de anticoincidência de plástico que ficava em frente ao Sol, um detector lateral activamente colimado que também apontava para o Sol e um detector lateral activamente colimado apontado para a direcção oposta ao Sol. Os dois detectores laterais colimados foram usados principalmente para a observação de fontes discretas, enquanto o detector omnidirecional superior foi usado para a observação de explosões. O eixo do detector superior era paralelo ao eixo de rotação do satélite. O eixo dos detectores laterais estava a 9,5º do eixo de rotação, para assim criar uma modulação de rotação para observações de fontes discretas.


O detector de explosões de raios gama, isto é, o detector superior, estava voltado para a direcção do Sol. Era um cristal de NaI (Tl) de 4,5 cm de raio por 3,7 cm de espessura, rodeado por um invólucro de anticoincidência de plástico de 8 mm de espessura. O cristal e o plástico eram observados de lado por fotomultiplicadores. O detector de explosões de raios gama operou em modos de “espera” de baixa resolução de tempo na ausência de uma explosão, sendo os espectros de resolução de baixa energia e espectros de calibração de alta resolução de energia foram transmitidos neste modo. Normalmente, os dados foram acumulados em períodos de 163,8 s de observação, com 1-31 canais de energia. A detecção de uma explosão disparava o armazenamento de taxas de contagem de resolução de tempo e dados espectrais. O critério de registo foi uma taxa de contagem excessiva de 8 sigma acima do normal num intervalo de 250 ms. A resolução máxima de tempo foi de 1/512 s. As faixas de energia examinadas para detecção de explosões variaram de 20-280 keV a 80-3000 keV, dependendo do modo do detector. Durante uma explosão, foram usados ​​1-6 canais de energia e, para o Prognoz-6 e uma explosão “típica”, a faixa de energia nominal foi de 80-400 keV. A taxa de dados total para o pacote experimental do Prognoz-6 foi de 6 b/s.

A experiência SIGNE II MP no Prognoz-6 detectou três explosões confirmadas de raios gama (a 20 de Outubro de 1977; 29 de Outubro de 1977 e 10 de Novembro de 1977) e quatro eventos candidatos adicionais.

 

%d blogueiros gostam disto: