Poluição do ar num mundo pós-COVID-19

A poluição do ar é um dos maiores problemas ambientais do nosso tempo. De acordo com um novo relatório da Agência Europeia do Ambiente (EEA), a poluição do ar é agora responsável por uma em cada oito mortes na Europa. As observações do satélite Copernicus Sentinel-5P têm sido vitais no rastreio da evolução da poluição do ar, especificamente as concentrações de dióxido de azoto, em toda a Europa.

Este ano, os dados de satélite foram amplamente usados para monitorizar flutuações na qualidade do ar causadas por medidas estritas da COVID-19. O satélite Copernicus Sentinel-5P, parte do programa europeu Copernicus, tem mapeado continuamente as mudanças na poluição do ar desde o seu lançamento em 2017.

Cientistas do Instituto Real de Meteorologia dos Países Baixos (KNMI) e do Instituto Real Belga de Aeronomia Espacial (BIRA-IASB) usaram dados de satélite do Sentinel-5P e dados terrestres para identificar a correlação entre a COVID-19 e os efeitos da poluição do ar em toda a Europa.

O gráfico abaixo mostra as concentrações médias de dióxido de azoto nas cinco principais cidades europeias – Milão, Madrid, Paris, Berlim e Budapeste. O painel superior mostra as concentrações (usando uma média móvel de 14 dias) em 2019 em comparação com 2020 usando dados do Sentinel-5P, enquanto o painel inferior mostra observações in situ.

Concentrações de dióxido de azoto observadas nas principais cidades europeias

Os tons de cinza denotam os períodos de confinamento em 2020, movendo-se progressivamente de medidas estritas (cinza escuro) para mais flexíveis (cinza claro). As percentagens assinaladas a vermelho representam a redução em 2020 em relação a 2019, no mesmo período.

Os dados mostram que as reduções mais fortes de 40-50% foram observadas na primeira fase do confinamento no sul da Europa, especificamente Espanha, Itália e França. Em Julho e Agosto de 2020, os dados sugerem que as concentrações ainda são 10% a 20% inferiores aos níveis pré-COVID.

Bas Mijling, cientista atmosférico do KNMI, comenta: “As medidas de quarentena implementadas em Berlim levaram a uma queda de cerca de 20%, com pequenas variações observadas até agosto de 2020. Na Europa Oriental, o impacto das medidas foi geralmente menos dramático do que no sul da Europa e na França, onde reduções de aproximadamente 40–50% foram observadas durante os rígidos confinamentos de Março e Abril.                                                                               

Estão a decorrer, atualmente, mais pesquisas como parte do projeto ICOVAC da ESA, ou estudo do impacto das medidas de confinamento da COVID-19 na qualidade do ar e no clima.”

Jenny Stavrakou, cientista atmosférica do BIRA-IASB, acrescenta: “O impacto da meteorologia nas observações de dióxido de azoto pode ser significativo e não deve ser esquecido. É por isso que é necessário analisar os dados ao longo de períodos de tempo mais longos, para melhor estimar o impacto da atividade humana nas observações.”

Ela continua, “Para a comparação média mensal de 2019 e 2020, estimámos uma incerteza na redução induzida pela COVID-19 de cerca de 15–20%. Ao comparar as reduções nos dados baseados em satélite e nos dados baseados no solo para diferentes cidades, encontramos diferenças em conformidade satisfatórias dentro das incertezas devidas à variabilidade meteorológica.”

O Diretor da Missão Copernicus Sentinel-5P da ESA, Claus Zehner, diz: “O que é realmente notável é o bom acordo entre os dados do satélite Sentinel-5P e as medições baseadas no solo. Isto demonstra que a monitorização da qualidade do ar a partir do espaço pode contribuir para relatórios regulares de qualidade do ar em países europeus, o que só foi feito, até agora, usando medições baseadas no solo.”

Concentrações de dióxido de azoto em áreas densamente povoadas e industrializadas da Europa

Os confinamentos na Europa, entre Março e Abril, levaram a quedas significativas dos níveis de dióxido de azoto em áreas densamente povoadas e industrializadas da Europa, incluindo as regiões do Ruhr, na Alemanha, e Po Valley, no norte da Itália.

Estas reduções são atribuídas à significativa contribuição do tráfego, bem como dos setores industrial e de energia para os níveis de dióxido de azoto. As concentrações parecem retornar aos níveis quase normais em Julho-Agosto de 2020, excepto em grandes cidades onde as atividades humanas ainda não foram totalmente retomadas.

O dióxido de azoto é libertado na atmosfera durante a combustão do combustível de veículos, centrais elétricas e instalações industriais e pode ter impactos significativos na saúde humana – aumentando a probabilidade de desenvolver problemas respiratórios. O Copernicus Sentinel-5P carrega o instrumento Tropomi – um instrumento de última geração que deteta a impressão digital exclusiva de gases atmosféricos para gerar imagens de poluentes atmosféricos com maior precisão e numa resolução espacial mais alta do que nunca.

Notícia e imagens: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90



O Boletim Em Órbita não tem fins lucrativos e é mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando seu bloqueador de anúncios em www.orbita.zenite.nu

Comente este post