O satélite Explorer-19 – estudando a densidade atmosférica

Este foi o segundo de uma série de satélites colocados em órbita para determinar a densidade da atmosfera terrestre.

Os satélites eram, na verdade, esferas insufláveis com um diâmetro de 3,66 metros e uma massa de 7,7 kg, sendo composto por camadas alternadas de folhas de alumínio e finas camadas de plástico. Vários pontos de tinta branca com um diâmetro de 5,1 cm estavam distribuídos de forma uniforme na superfície exterior do alumínio para fornecer controlo térmico.

Devido à sua grande superfície e baixa massa, estes tipos de satélites são muito sensíveis às flutuações de densidade na atmosfera superior. Estas alterações, na maior parte causadas pelo vento solar, podem assim ser medidas devido às alterações na órbita dos satélites.

Um farol de rastreio de 136,620 MHz que recebia energia a partir de quatro células solares e que estava colocado na superfície do satélite, usava os hemisférios electricamente separados como antena.

O Explorer-19 (também designado ADE A) foi lançado às 1849:25UTC do dia 19 de Dezembro de 1963 pelo foguetão Scout X-4 (S122R) a partir do Complexo de Lançamento LC-D de Point Arguello, Califórnia (mais tarde inserido na Base Aérea de Vandenberg). Após atingir a órbita terrestre, o Explorer-19 recebeu a Designação Internacional 1963-053A e o número de catálogo orbital 00714.

O Explorer-19 era lançado enquanto que o primeiro satélite da série, o Explorer-9, ainda se encontrava operacional, obtendo-se assim informações sobre a densidade atmosférica em diferentes áreas.

Apesar de ter sido colocado com sucesso em órbita, o seu apogeu orbital foi mais baixo do que previsto. O satélite ficou colocado inicialmente numa órbita com um perigeu a 621 km, apogeu a 2.394 km, inclinação orbital de 78,62.° e período orbital de 115,8 minutos. O sinal enviado pelo farol não tinha potência suficiente para ser recebido pelas estações de rastreio, sendo necessário recorrer à rede de câmaras SAO Baker-Nunn para seguimento do satélite.

O Explorer-19 transportava as experiências Nonsystematic Changes of Air Density (para determinar as alterações não sistemáticas da densidade da alta atmosfera ao realizar estudos do arrastamento e a Systematic Changes of Air Density (para determinar a densidade atmosférica como função da altitude, latitude, e tempo ao medir o arrastamento atmosférico).

O Explorer-19 reentrou na atmosfera terrestre a 10 de maio de 1981.

Bibliografia:

  • https://nssdc.gsfc.nasa.gov/nmc/spacecraft/display.action?id=1963-053A (acedido a 2 de Abril de 2021)
  • https://www.space-track.org/ (acedido a 2 de Abril de 2021)

Fotografias: arquivo pessoal do autor.



O Boletim Em Órbita não tem fins lucrativos e é mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando seu bloqueador de anúncios em www.orbita.zenite.nu

Comente este post