O satélite Cosmos-1

A 16 de Março de 1962, a União Soviética colocou em órbita um satélite que seria o primeiro da mais longa série de satélites alguma vez colocada em órbita. Porém, a designação que inicialmente serviu para mostrar o empenho na exploração científica do cosmos, rapidamente se tornou um engodo para disfarçar a verdadeira natureza de muitos satélites militares e encobrir muitos fracassos em órbita.

Os satélites DS-2

Os satélites DS Dnepropetrovsk Sputnik (Днепропетровский Спутник) foram uma série de satélites científicos construídos pelo OKB-586 / KB Yuzhnoye, de Mikhail Yangel, e utilizados para um leque variado de aplicações científicas e militares, além de servirem para testar variados componentes.

O primeiro satélite do género foi o DS-1 n.º 1 lançado a 27 de Outubro de 1961, tendo uma massa de 165 kg. O lançamento teve lugar às 1630UTC e foi levado a cabo pelo foguetão 63S1 Cosmos-2I (1LK) a partir do silo Mayak-2 do Cosmódromo GTsP-4 Kapustin Yar. O lançamento não foi bem sucedido e o satélite não entrou em órbita porque o lançador não atingiu a velocidade orbital devido a uma falha num integrador de aceleração no sistema de regulação de velocidade.

DS-1 n.º 2 seria lançado às 1230UTC do dia 21 de Dezembro de novo a partir do silo Mayak-2 do Cosmódromo GTsP-4 Kapustin Yar. O segundo estágio do foguetão 63S1 Cosmos-2I (2LK) sofreu uma falha no sistema de fornecimento de oxigénio líquido à câmara de combustão. Isto levou a que o estágio superior e o satélite se despenhassem nas Ilhas Curilhas.

Devido aos problemas registados com os dois primeiros foguetões 63S1 Kosmos-2I, foi nomeada uma Comissão de Inquérito para analisar as causas dos problemas no problema desenvolvimento destes lançadores e após cinco meses de testes para melhorar a fiabilidade do segundo estágio, foi decidido proceder a um novo lançamento.

Lançamento do Cosmos-1

O foguetão 63S1 Cosmos-2I (6LK) foi lançado desde o silo Mayak-2 às 1159:48UTC do dia 16 de Março de 1962. A bordo encontrava-se o pequeno DS-2 n.º 1 que, com uma massa de 47 kg, era uma versão simplificada dos satélites DS-1. Os satélites DS-2 eram baseados no equipamento e elementos estruturais dos veículos DS-1, mas sem os sistemas aviónicos anteriormente utilizados.

Após entrar em órbita terrestre o satélite recebeu a designação Cosmos-1 – Космос-1 – sendo-lhe atribuída a Designação Internacional 1962 Teta 1 (1962-008A), tendo o número de catálogo orbital 00266. O satélite ficara colocado numa órbita com um perigeu a 207 km de altitude, apogeu a 649 km de altitude, inclinação orbital de 49,0° período orbital de 93,1 minutos.

O Cosmos-1 utilizaria métodos de rádio para estudar a estrutura da ionosfera, detectando formações heterogéneas em grande escala na ionosfera foram detectadas, medindo o seu alcance pela primeira vez. O satélite definiu também os ângulos de refração dos sinais de rádio.

O Cosmos-1 acabaria por reentrar na atmosfera terrestre a 25 de Maio de 1962.

Imagens: KB Yuzhnoye



O Boletim Em Órbita não tem fins lucrativos e é mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando seu bloqueador de anúncios em www.orbita.zenite.nu

Comente este post