O gémeo maligno da Terra

As aparências podem enganar. Esta atmosfera espessa e rica em nuvens chove ácido sulfúrico e, abaixo, não estão oceanos, mas uma superfície cozida e estéril coberta de lava. Bem-vindo a Vénus.

O segundo planeta do Sol é frequentemente cunhado como o “gémeo maligno” da Terra por ser quase do mesmo tamanho, mas, por outro lado, atormentado por uma atmosfera venenosa de dióxido de carbono e uma superfície sufocante de 470ºC. A pressão e temperatura elevadas são quente o suficiente para derreter chumbo e destruir qualquer aeronave que se atreva a aterrar nele. Graças à sua atmosfera densa, é ainda mais quente do que o planeta Mercúrio, que orbita mais perto do sol.


A Venus Express da ESA estudou o planeta a partir de órbita entre 2006 e 2014, fornecendo os estudos mais aprofundados da sua circulação atmosférica até ao momento. Esta imagem de cores falsas foi tirada em luz ultravioleta com a Câmara de Monitorização de Vénus no dia 23 de Julho de 2007. Mostra uma visão do hemisfério sul do equador (direita) até ao polo (esquerda) de uma distância de 35.000 km da superfície do planeta.

Os cientistas acham que outrora Vénus se pareceu muito com a Terra, mas sofreu uma mudança climática irreversível, que é frequentemente usada como um exemplo extremo do que acontece num efeito estufa descontrolado.

A principal fonte de calor no Sistema Solar é a energia do Sol, que aquece a superfície de um planeta e, depois, o planeta irradia energia de volta ao espaço. Uma atmosfera retém parte da energia que sai, retendo o calor – o chamado efeito estufa. É um fenómeno natural que ajuda a regular a temperatura de um planeta. Se não fosse pelos gases do efeito estufa, como vapor de água, dióxido de carbono, metano e ozono, a temperatura da superfície da Terra seria cerca de 30 graus mais fria que a actual média de 15ºC.

Ao longo dos últimos séculos, os seres humanos alteraram este equilíbrio natural na Terra, fortalecendo o efeito estufa desde o início da actividade industrial, contribuindo com dióxido de carbono adicional junto com óxidos de azoto, sulfatos e outros gases residuais, assim como poeira e partículas de fumaça no ar. Os efeitos a longo prazo no nosso planeta incluem o aquecimento global, a chuva ácida e a diminuição da camada de ozono. As consequências de um clima mais quente são de longo alcance, afectando potencialmente os recursos de água doce, a produção global de alimentos e o nível do mar, e provocando um aumento nos eventos climáticos extremos.

Não há actividade humana em Vénus, mas estudar a sua atmosfera fornece um laboratório natural para melhor entender um efeito de estufa descontrolado. Em algum momento da sua história, Vénus começou a aprisionar muito calor. Antigamente, pensava-se que este abrigava oceanos como a Terra, mas o calor adicionado transformou água em vapor e, por sua vez, vapor de água adicional na atmosfera aprisionou mais e mais calor até que oceanos inteiros evaporaram completamente. O vapor de água está, ainda hoje, a escapar da atmosfera de Vénus para o espaço.

A longo prazo – milhares de milhões de anos no futuro – uma “Terra-estufa” é um resultado inevitável nas mãos do sol envelhecido. A nossa estrela, outrora provedora de vida, acabará por inchar e iluminar, injectando calor suficiente no sistema delicado da Terra que, eventualmente, se tornará o verdadeiro gémeo de Vénus.

Leia mais aqui sobre as histórias divergentes de Vénus, Terra e Marte e como o estudo dos nossos planetas vizinhos nos pode ensinar mais sobre o nosso.

Estamos a mudar o nosso mundo natural mais rápido do que em qualquer outro momento da história. Compreender as complexidades de como a Terra funciona como um sistema e o impacto que a actividade humana está a ter nos processos naturais, são enormes desafios ambientais. Os satélites são vitais para tomar o pulso do nosso planeta, fornecendo as informações de que precisamos para entender e monitorizar o nosso precioso mundo e para tomar decisões para salvaguardar o nosso futuro. Os dados de observação da Terra também são fundamentais para uma infinidade de aplicações práticas para melhorar a vida quotidiana e impulsionar as economias. Nesta semana, concentramo-nos na maior conferência mundial sobre observação da Terra, na qual milhares de cientistas e usuários de dados discutem os resultados mais recentes e analisam o futuro da observação da Terra.

Notícia e imagem: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

 

Comente este post

%d blogueiros gostam disto: