O caminho em direção a Marte

O caminho que a ExoMars 2022 seguirá para chegar ao Planeta Vermelho está definido. A trajetória, que levará a aeronave da Terra a Marte em 264 dias, prevê o pouso na superfície marciana no dia 10 de Junho de 2023, por volta das 17:30 CEST (15:30 UTC).

O clima em Marte, o tipo de lançador e as leis da física que regem os planetas determinaram uma janela de lançamento de 12 dias a partir de 20 de Setembro de 2022.

Transferências orbitais eficientes, boas comunicações e nenhuma grande tempestade de poeira no horizonte marciano tornam a trajetória escolhida a opção mais rápida e segura.

Escolher o melhor caminho

10: Assumir o controlo e permanecer em contato

Quando confrontados com a forma de chegar a Marte, as equipas europeias e russas precisaram lidar com muitos fatores. A equipa de análise de missão do Centro Europeu de Operações Espaciais (ESOC), na Alemanha, levou em consideração o desempenho do lançador de protões da Rússia para identificar uma série de trajetórias possíveis.

Tínhamos várias trajetórias de transferência para escolher e uma aeronave já construída para a viagem,” diz Mattia Mercolino, principal engenheiro de sistemas da ExoMars. “Estas variáveis impuseram-nos restrições ligadas à potência, limites de temperatura e orientação em relação à Terra durante as primeiras fases do voo, entre outras.”

A capacidade de comunicação com a aeronave também desempenhou um papel importante.

Uma das alternativas tinha uma janela de lançamento maior, mas pior conexão com a aeronave nos primeiros dias. Essa escolha era demasiado arriscada, especialmente quando se quer ter o controlo total no início da missão,” explica Tiago Loureiro, diretor de operações da ExoMars.

Cronograma da missão ExoMars

A trajetória final leva um pouco mais de tempo – mais uma semana – e a sequência de lançamento requer mais manobras, mas não se tratava apenas de restrições terrenas. “Precisávamos entender os desafios exclusivos do nosso destino. As características orbitais de Marte e as tempestades de poeira foram cruciais para a nossa decisão,” diz Tiago.

Cavaleiros na tempestade

Grande plano de Oxia Planum

Tempestades de poeira são frequentes em Marte, mas também difíceis de prever. As estações do ano desempenham um papel importante, com a ocorrência de tempestades mais provável durante a primavera e o verão no hemisfério sul. O local de pouso da ExoMars é Oxia Planum, localizado no hemisfério norte.

Tempestades de poeira ameaçadoras, a uma escala global, tendem a acontecer, aproximadamente, a cada dez anos. A mais recente foi em 2018.

Embora a ExoMars vá pousar fora da temporada de tempestades de poeira, um acúmulo de poeira nos painéis solares reduzirá o fornecimento de energia e poderá até forçar um encerramento temporário do rover Rosalind Franklin da ESA e da plataforma de superfície russa, apelidada de Kazachok.

Fizemos diversos estudos e testes para garantir que todos os sistemas sobrevivessem com pouca luz solar no pouso ao final da tarde e nas operações de superfície nas semanas seguintes,” acrescenta Tiago.Sobrevoo no local de pouso do rover ExoMars.

Veja o vídeo

Os cientistas europeus querem operar o rover em Marte durante o maior tempo possível. Rosalind Franklin pode lidar com tempestades de poeira regionais durante alguns dias e com camadas de poeira fina a cobrir os seus painéis solares.

Uma tempestade de poeira global, que cobre a atmosfera durante vários meses resultaria, provavelmente, na morte do rover,” avisa Jorge Vago, cientista do projeto do rover ExoMars da ESA.

É por isso que é tão importante alcançar a maioria dos objetivos da missão antes do início da problemática temporada de poeira,” acrescenta.

Terra no trabalho

As equipas do ESOC demoraram alguns meses de trabalho para restringir a data final de lançamento e a trajetória até Marte. “Todo o desafio é fantástico – acho que tenho o melhor emprego do mundo,” diz Tiago.

Lançar uma aeronave, fazê-la atravessar o Sistema Solar, esperar que pouse inteira, implementá-la, conduzi-la em Marte … E faremos tudo isto sem o luxo de interagir com a aeronave ou o rover em tempo real,” explica.

Módulo transportador da ExoMars e plataforma de superfície

Enviar o primeiro rover europeu a Marte exige um verdadeiro trabalho em equipa. Cada comando foi cuidadosamente planeado em conjunto com os parceiros russos, envolvendo vários países e centros de controlo.

A ESA controlará as comunicações entre Rosalind Franklin e a plataforma de superfície Kazachok durante os primeiros dias em Marte. Como parte do programa ExoMars, o Trace Gas Orbiter, que circula Marte há quase quatro anos, servirá como uma plataforma de retransmissão de dados para apoiar as comunicações.

Algumas semanas após o pouso, e apenas quando a plataforma de superfície estiver segura e capaz de operar de forma independente, a ESA entregará o controlo da Kazachok à Roscosmos.

Sobre a ExoMars

programa ExoMars é um esforço conjunto entre a Roscosmos State Corporation e a ESA. Além da missão 2022, inclui o Trace Gas Orbiter (TGO) lançado em 2016. O TGO já está a fornecer importantes resultados científicos obtidos pelos seus próprios instrumentos científicos russos e europeus, e a retransmitir dados do rover Curiosity Mars da NASA e do módulo InSight. O módulo também transmitirá os dados da missão ExoMars 2022 assim que chegar a Marte.

Notícia e imagens: ESA

Os textos da ESA estão escritos segundo o novo AO90.



O Boletim Em Órbita não tem fins lucrativos e é mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando seu bloqueador de anúncios em www.orbita.zenite.nu

Comente este post