O atirador mais rápido da Europa

Esta instalação da ESA foi projectada para atender às necessidades de velocidade mais extremas dos investigadores: o Tubo de Choque Europeu para Pesquisa em Alta Entalpia, ESTHER, pode reproduzir fluxos de choque de alta velocidade equivalentes a um meteoro que entra na atmosfera da Terra – ou uma aeronave interplanetária de regresso a casa.

O processo começa com a ignição a laser de gás de baixa pressão para perfurar um par de diafragmas e encontrar gás de alta pressão, a sua interacção dá origem a ondas de choque que podem atingir fluxos de choque de plasma superiores a 12 km/s – sem paralelos em toda a Europa.

As naves espaciais que retornam de missões interplanetárias reentrarão na atmosfera da Terra a velocidades mais altas do que as da órbita da Terra. Isto significa que exigem uma nova geração de sistemas de protecção térmica.

Medindo 16 m de comprimento e 8 cm de largura, ESTHER ajudará a validar esses projectos em várias combinações de gases para representar diferentes atmosferas planetárias, tornando-se um recurso vital de engenharia para a futura exploração espacial europeia. Também recriará eventos de reentrada natural para cientistas.

O desenvolvimento do ESTHER apoiou-se no Er4t4 da ESA para apoiar novas e promissoras tecnologias espaciais. A instalação encontra-se no Instituto de Plasmas e Fusão Nuclear em Lisboa, que é um Laboratório Associado do Instituto Superior Técnico, dentro da Universidade de Lisboa.

Notícia e imagem: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

Comente este post

%d blogueiros gostam disto: