NASA selecciona quatro possíveis missões para estudar o Sistema Solar

A agência espacial norte-americana NASA seleccionou quatro propostas no âmbito do Programa Discovery para desenvolver estudos conceituais para novas missões. Embora ainda não sejam missões oficiais e algumas possam não ser escolhidas para avançar, as opções concentram-se em alvos ou campos científicos que não são cobertos pelas missões actuais da NASA ou mesmo outras missões recentemente seleccionadas. As escolhas finais serão feitas no próximo ano.

O Programa Discovery tem como objectivo incentivar os cientistas e engenheiros a constituir equipas para projectar missões científicas planetárias que aprofundam o que sabemos sobre o Sistema Solar e a nossa posição nele. Essas missões fornecerão oportunidades de voo frequentes para investigações científicas planetárias focadas em determinados objectivos. O objectivo do programa é abordar questões prementes na ciência planetária e aumentar nossa compreensão do nosso Sistema Solar.

Cada um dos quatro estudos agora seleccionados irá receber fundos no valor de 3 milhões de dólares nos próximos nove meses para desenvolver e amadurecer conceitos e irão ser concluídos com um Concept Study Report. Após avaliar os estudos conceituais, a NASA continuará o desenvolvimento de duas missões para o voo.

As propostas foram escolhidas com base no seu potencial valor científico e viabilidade de planos de desenvolvimento após um processo competitivo de revisão por pares.

As propostas seleccionadas são:

DAVINCI+ (Deep Atmosphere Venus Investigation of Noble gases, Chemistry, and Imaging Plus)

A missão DAVINCI+ tem como objectivo a analise da atmosfera de Vénus para entender como se formou e evoluiu para determinar se Vénus já teve um oceano. A missão deverá mergulhar na atmosfera inóspita do planeta para medir com precisão a sua composição até à superfície. Os instrumentos são encapsulados dentro de uma esfera de descida criada especificamente para protegê-los do intenso ambiente de Vénus. O “+” no DAVINCI+ refere-se ao componente de imagem da missão, que inclui câmaras na cápsula de descida e no orbitador projectadas para mapear o tipo de rocha da superfície. A última missão in situ, liderada pelos EUA ao planeta Vénus, realizou-se em 1978. Os resultados do DAVINCI+ têm o potencial de remodelar a nossa compreensão da formação de planetas terrestres no nosso Sistema Solar e não só. James Garvin, do Centro de Voo Espacial Goddard da NASA, em Greenbelt – Maryland, é o principal investigador. O Centro Goddard gere o projecto.

Io Volcano Observer (IVO)

A IVO tem como objectivo explorar a lua de Júpiter, Io, para aprender como as forças das marés moldam os corpos planetários. Io é aquecido pela constante pressão da gravidade de Júpiter e é o corpo mais vulcanicamente activo do Sistema Solar. Pouco se sabe sobre as características específicas de Io, como a existência de um oceano de magma em seu interior. Usando voos de proximidade, a IVO avaliaria como o magma é gerado e entra em erupção em Io. Os resultados da missão podem revolucionar a nossa compreensão da formação e evolução de corpos rochosos e terrestres, bem como mundos oceânicos gelados no nosso Sistema Solar e planetas extra-solares em todo o Universo. Alfred McEwen, da Universidade do Arizona em Tucson, é o principal investigador. O Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins, em Laurel, Maryland, gere o projecto.

TRIDENT

A missão Trident tem como objectivo a exploração de Tritão, uma lua gelada altamente activa de Neptuno, para entender o desenvolvimento de mundos potencialmente habitáveis a enormes distâncias do Sol. A missão Voyager-2 da NASA mostrou que Tritão tem ressurgimento activo – gerando a segunda superfície mais jovem do sistema solar – com potencial para erupção de plumas e atmosfera. Juntamente com uma ionosfera que pode criar neve orgânica e o potencial para um oceano interior, Tritão é um emocionante alvo de exploração para entender como mundos habitáveis se podem desenvolver no nosso Sistema Solar e noutros. Usando um único sobrevoo, o Trident mapeará Tritão para caracterizar os processos activos e determinar se o oceano subsuperficial previsto existe. Louise Prockter, da Associação de Pesquisa Espacial do Instituto Lunar e Planetário / Universidades, em Houston, é a principal pesquisadora. O Laboratório de Propulsão a Jacto (JPL) da NASA em Pasadena, Califórnia, gere o projecto.

VERITAS (Venus Emissivity, Radio Science, InSAR, Topography, and Spectroscopy)

A missão VERITAS tem como objectivo o mapeamento da superfície de Vénus para determinar a história geológica do planeta e tentar compreender o porquê de uma evolução tão distinta da Terra. Orbitando Vénus com um radar de abertura sintética, a VERITAS traçará as elevações da superfície em quase todo o planeta para criar reconstruções tridimensionais da topografia e confirmar se os processos, tais como placas tectónicas e vulcanismo, ainda estão activos. A missão também mapeará emissões de infravermelho da superfície para mapear a geologia de Vénus, que é amplamente desconhecida. Suzanne Smrekar, do Laboratório de Propulsão a Jacto (JPL) da NASA em Pasadena, Califórnia, é a principal pesquisadora. O JPL gere o projecto.

Imagem: NASA

%d blogueiros gostam disto: