NASA ensaia plataforma móvel de lançamento para o SLS

A plataforma móvel de lançamento ML (Mobile Launcher) que será utilizada pelo SLS (Space Launch System) levou a cabo um marco importante, ao ser transportada para a Plataforma de Lançamento 39B sobre o veículo CT-2 (Crawler Transporter-2). Os engenheiros estão agora a testar a enorme estrutura na denominada “plataforma limpa” antes de a transportarem de volta para o VAB (Vehicle Assembly Building) onde será verificada e submetida a testes de validação no próximo ano antes de ser utilizada no primeiro foguetão antecedendo a missão EM-1 (Exploration Mission-1).

O CT e o ML haviam já sido transportados em conjunto em 2011. Porém, isto deu-se na sua configuração utilizada para o Programa Constellation com o foguetão Ares-I, antes do ML ser extensivamente modificado para ser utilizado no SLS. Com os novos sistemas umbilicais e uma estrutura de lançamento completamente reconstruída, o ML do SLS tem agora um conjunto de novos braços móveis que irão ligar a enorme estrutura ao novo lançador.


Esta conversão deu-se nos últimos anos e preparou a estrutura para suportar quatro motores RS-25 e dois propulsores laterais de combustível sólido. Foram também efectuadas numerosas alterações e adições ao conjunto de ligações umbilicais na torre.

Os desafios relacionados com a massa total da estrutura e com uma pequena inclinação, foram mitigados de forma suficiente para completar a instalação umbilical e proporcionar a autorização para transportar o ML ao longo do denominado Crawlerway até à plataforma de lançamento.

O ML foi transportado pelo CT-2 que foi também submetido a um grande número de modificações para que possa ser utilizado nos próximos anos.

Por seu lado, o CT-1 está também a ser submetido às mesmas alterações, apesar de o CT-2 ser considerado o veículo principal e estar designado para transportar o SLS da missão EM-1 para a plataforma de lançamento em 2020.

Para este ensaio com o ML, foi utilizado o trajecto para a Plataforma de Lançamento 39B que foi submetido a modificações de larga escala nos recentes anos. Após os trabalhos de demolição removendo as estruturas que eram utilizadas para preparar os vaivéns espaciais, a plataforma é agora designada como uma ‘plataforma limpa’, apesar de conter um conjunto de estruturas que serão utilizadas para conectar os sistemas da plataforma no ML. É possível que os engenheiros venham a testar novamente o SSS (Sound Suppression System), um sistema de inundação da plataforma que é utilizado para anular os efeitos da ondas sonoras nocivas originadas pela ignição dos motores do SLS.

A adição mais recente foi o deflector das chamas que foi construído e instalado no interior do Fosso das Chamas da plataforma 39B.

A capacidade da plataforma de suportar o oxigénio e o hidrogénio líquido para os lançamentos do SLS será também melhorada nos próximos anos, principalmente para suportar os lançadores SLS Block-1B e Block-2. Apesar de haver capacidade suficiente na plataforma de lançamento para abastecer um foguetão SLS, a capacidade extra permite a existência de mais propelente para reabastecer o foguetão caso ocorra algum adiamento, mas haja tempo de sobre numa janela de lançamento para tentar de novo. Grandes quantidades de propelente são perdidas neste tipo de situações devido à evaporação.

Uma vez finalizados os testes no complexo 39B, o conjunto irá iniciar o seu lento regresso. Porém, não irá regressar ao local de estacionamento que tem sido a sua casa nos últimos anos. Desta vez, irá ser transportado para o VAB – tecnicamente um marco importante, pois este será o seu abrigo até ser transportado de novo para o exterior, desta vez com o conjunto completo para a missão EM-1.

Uma vez no VAB, será realizada uma verificação intensiva e uma campanha de validação que deverá estar finalizada no terceiro trimestre de 2019. Esta campanha deverá incluir a remoção de um grande número de sistemas umbilicais para assim permitir a instalação de calços que irão auxiliar a contraria a deflexão e mitigar forças adicionais quando foram instalados grandes braços na torre – tais como quando o CAA (Crew Access Arm) é deslocado para a sua posição afastada da torre FSS (Fixed Service Structure). O acesso ao ML a partir do interior da denominada High Bay no VAB é agora possível devido à instalação de múltiplas plataformas.

O transporte para o complexo de lançamento teve início no dia 30 de Agosto com o processo de elevar o ML da sua base no Park Site, demorando cerca de 30 antes do seu primeiro movimento. O ML foi transportado lentamente em torno do VAB ante de se dirigir ao longo do Crawlerway em direcção à plataforma 39A da SpaceX. O conjunto fez então uma viragem à esquerda em direcção à plataforma 39B, tendo atingido meio caminho à tarde antes da operação ser suspensa com a chegada da noite. A jornada foi finalizada no dia seguinte, iniciando-se ao raiar do dia. À hora de almoço o conjunto chegou à rampa de acesso à plataforma 39B, iniciando-se de seguida a fase final com o sistema de nivelagem do CT a a manter a ML perfeitamente nivelada durante a subida da rampa.

O conjunto chegou então aos mecanismos de montagem, dando-se uma paragem para verificar o alinhamento entre a estrutura e o ML utilizando o Laser Docking System (LDS). O sistema foi então cuidadosamente baixado na sua posição para marcar o fim do transporte para a plataforma de lançamento.

Mais tarde foi notado que o LDS não foi utilizado devido a constrangimentos de tempo no final do dia de trabalho, mas foi verificado que o alinhamento tinha um desvio de apenas de cerca de 2,5 cm, o que foi considerado como um feito notável.

Texto original de Chris Bergin, “SLS ML set to roll back to the VAB this coming weekend“. Traduzido e publicado com autorização.

 

 

 

%d blogueiros gostam disto: