Motores veteranos irão propulsionar primeiros SLS

Os primeiros voos do Space Launch System (SLS) irão utilizar os motores Space Shuttle Main Engine (SSMEs), RS-25D, antes de se avançar para os motores RS-25E.

Este motor, que será desenvolvido pela Aerojet Rocketdyne, será de fabrico mais barato, pois são unidades descartáveis ao contrário dos RD-25D reutilizáveis. Apesar de serem muitos os que mostram o ser desagrado pelo facto de os RD-25D irem encontrar o seu eterno descanso no fundo do Oceano Atlântico, o SLS irá beneficiar da experiência em voo destes motores nas missões iniciais.


Todos os últimos SSME que foram utilizados pelos vaivéns espaciais tiveram um desempenho admirável, com o vaivém espacial OV-103 Discovery a utilizar o motor Main Engine 1 (ME-1) – com o número de série 2044, ME-2 – 2048 e ME-3 – 2058, na sua última missão STS-133. entre 24 de Fevereiro e 9 de Março de 2011. Para a última missão do vaivém espacial OV-105 Endeavour, os motores ME-1 – 2059, ME-2 – 2061, e ME-3 – 2057, ajudaram a fase propulsionada da missão STS-134 entre 16 de Maio e 1 de Junho de 2011, enquanto que o vaivém espacial OV-104 Atlantis utilizou os motores ME-1 – 2047, ME-2 – 2060 e ME-3 – 2045 na missão STS-135 entre 8 e 21 de Julho de 2011.

Agora em grupos de quatro motores, a instalação dos RS-25 teve de aguardar até que a secção dos motores fosse acoplada com a secção principal do lançador nas instalações Michoud Assembly Facility (MAF) durante o  processamento. Uma vez ultrapassada esta fase, a instalação dos motores teve início em meados de Outubro com a colocação do motor 2056 (22 de Outubro).

Sendo um motor Block II, o E2056 foi utilizado por duas vezes no vaivém espacial Discovery, na missão STS-114 – a primeira missão após o desastre com o vaivém espacial OV-102 Columbia. O motor permaneceu no Discovery na sua manutenção e lançou a missão seguinte, STS-121, antes de ser colocado em armazenamento como umainidade sobressalente.

O segundo motor a ser instalado para a missão Artemis-1, foi o E2045, um motor muito utilizado que voou como uma unidade Block II desde a missão STS-110 com o vaivém Atlantis entre 8 e 19 de Abril de 2002. Tendo também sido utilizado na missão STS-113 (entre 24 de Novembro e 7 de Dezembro de 2002 com o vaivém espacial Endeavour), foi depois agrupado com o motor E2056 para a missão STS-121 com o vaivém espacial Discovery, o que significa que os dois motores irão novamente voar juntos na missão Artemis-1. O motor E2056 também ajudou a lançar a última missão do vaivém espacial, ajudando o Atlantis a encerrar o programa na missão STS-135 em 2011.

O terceiro motor a ser instalado no SLS para a missão Artemis-1 foi o E2058, um dos novos motores – construído como uma unidade Block II e sendo utilizado pela primeira vez na missão STS-116 que levou o vaivém espacial Discovery à estação espacial internacional entre 10 e 22 de Dezembro de 2006. Seguiram-se os lançamentos com as missões STS-120, STS-124, STS-119 e STS-129, antes da sua missão final com o vaivém espacial Discovery na missão STS-133.

O último motor a ser instalado foi o E2060. Este é o motor com menos experiência de voo dos quatro motores a serem utilizados na missão Artemis-1, tendo sido utilizado apenas três vezes, começando por propulsionar o vaivém espacial Endeavour na missão STS-127 entre 15 e 31 de Julho de 2009. Posteriormente, foi utilizado no vaivém espacial Atlantis na missão STS-133, antes de encerrar o programa dos vaivéns espaciais na missão STS-135.

Todos os motores RD-25D podem ser utilizados nas missões Artemis e para a missão Artemis-2, o primeiro voo tripulado da cápsula espacial Orion, dois motores novos serão utilizados, nomeadamente os motores E2062 e E2063. O E2063 teve os seus testes de aceitação em Outubro de 2017 como parte de um programa de certificação inicial para o SLS – um programa levado a cabo no Centro Espacial Stennis. Tanto o E2062 como o E2063 estão destinados ao segundo lançamento SLS e servem como sobressalentes na primeira campanha de lançamento.

Os dois motores serão acompanhados pelos veteranos E2047 – com uma vasta experiência nas missões STS-112, STS-115, STS-118, STS-123, STS-126, STS-128, STS-132 e STS-134 – juntamente com o motor E2059, utilizado nas missões STS-117, STS-122, STS-125 (a última missão de manutenção ao telescópio espacial Hubble), STS-130 e STS-133.

Para a missão Artemis-3, o SLS irá utilizar quatro motores já utilizados anteriormente nos vaivéns espaciais, com o motores E2061, E2057, E2048 e E2054. Outros motores que serão utilizados no SLS são o E2050 que voou pela última vez na missão STS-120 e que irá voar no quarto SLS juntamente com os motores E2051 e E2052 (ambos utilizados na missão STS-120) e E2044.

Outros motores notáveis da era dos vaivéns espaciais são o E2043 que foi utilizado como uma unidade Block IIA/RS-25C, mas que nunca voou numa configuração Block II. Os motores E2049, E2053 e E2055 foram perdidos com o vaivém espacial Columbia.

Texto original de Chris Bergin, “All four RS-25 Shuttle veterans installed into SLS Core Stage” traduzido e publicado com autorização.

Tradução e edição de Rui C. Barbosa

Imagens: NASA

 

Comente este post

%d blogueiros gostam disto: