Monitorização da onda de calor do Árctico

Nos últimos meses, o Árctico registou temperaturas alarmantes, incêndios florestais extremos e uma perda significativa de gelo marinho. Embora o clima quente de verão não seja incomum no Árctico, a região está a aquecer duas a três vezes a média global – impactando a natureza e a humanidade a uma escala global. As observações a partir do espaço oferecem uma oportunidade única de compreender as mudanças que ocorrem nesta região remota.

De acordo com o Serviço de Alterações Climáticas Copernicus, Julho de 2020 foi o terceiro Julho mais quente já registado no mundo, com temperaturas 0,5°C acima da média entre 1981-2010. Além disso, o Hemisfério Norte teve o seu Julho mais quente desde o início dos registos – superando o recorde anterior estabelecido em 2019.

O Árctico não escapou ao calor. A 20 de Junho, a cidade russa de Verkhoyansk, que fica acima do Círculo Polar Árctico, registou uns incríveis 38°C. Temperaturas extremas do ar também foram registadas no norte do Canadá. No dia 11 de Agosto, a Estação Eureka de Nunavut, localizada no Árctico canadiano a 80 graus de latitude norte, registou 21,9°C – que foi relatada como sendo a temperatura mais alta já registada tão a norte.

Temperaturas extremas em Eureka
Temperaturas extremas em Eureka

A imagem abaixo mostra a temperatura da superfície terrestre registada a 11 de Agosto perto de Eureka. Este mapa foi gerado usando dados do Radiómetro de Temperatura da Superfície Terrestre e Marinha do Copernicus Sentinel-3. Enquanto as previsões do tempo usam temperaturas do ar próximas à superfície, o Sentinel-3 mede a quantidade de energia que irradia da superfície da Terra.       

Embora as ondas de calor no Árctico não sejam incomuns, as persistentes temperaturas acima da média, este ano, têm consequências potencialmente devastadoras para o resto do mundo. Em primeiro lugar, as altas temperaturas alimentaram um surto de incêndios florestais no Círculo Polar Árctico. Imagens capturadas pela missão Copernicus Sentinel-3 mostram alguns dos incêndios na região de Chukotka, a região mais ao nordeste da Rússia, no dia 23 de Junho de 2020.

A fumaça do incêndio florestal liberta uma ampla gama de poluentes, incluindo monóxido de carbono, óxidos de azoto e partículas sólidas de aerossóis. Só em Junho, os incêndios florestais do Árctico foram relatados como tendo emitido o equivalente a 56 megatoneladas de dióxido de carbono, bem como quantidades significativas de monóxido de carbono e partículas em suspensão. Estes incêndios florestais afectam a radiação, as nuvens e o clima a uma escala regional e global.

Incêndios na Sibéria
Incêndios na Sibéria

A onda de calor do Árctico também contribui para o degelo da camada de gelo permanente do subsolo. A superfície desta camada contém grandes quantidades de carbono orgânico e materiais que sobraram de plantas mortas que não se podem decompor ou apodrecer, enquanto as camadas de gelo permanente do subsolo mais profundas contêm solos feitos de minerais. O solo permanentemente congelado, logo abaixo da superfície, cobre cerca de um quarto do solo no hemisfério norte.

Quando a camada de gelo permanente do subsolo descongela, liberta metano e dióxido de carbono na atmosfera – adicionando esses gases de efeito estufa à atmosfera. Isto, por sua vez, causa mais aquecimento e mais degelo da camada de gelo permanente do subsolo – um ciclo vicioso.

De acordo com o Relatório Especial do Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas da ONU, as temperaturas da camada de gelo permanente do subsolo aumentaram para níveis recorde desde a década de 1980 até aos dias de hoje. Embora os sensores de satélite não possam medir a camada de gelo permanente do subsolo directamente, um projecto recente da Iniciativa de Alterações Climáticas da ESA (CCI) combinou dados in situ com medições de satélite da temperatura da superfície do solo e cobertura terrestre para estimar a extensão da camada de gelo permanente do subsolo no Árctico.

O degelo da camada de gelo permanente do subsolo também causou o colapso do tanque de óleo que vazou mais de 20.000 toneladas de óleo em rios perto da cidade de Norilsk, na Rússia, em maio.

Concentração de gelo do mar Ártico - 25 de agosto de 2020
Concentração de gelo do mar Árctico – 25 de Agosto de 2020

A onda de calor siberiana é também reconhecida por ter contribuído para acelerar o recuo do gelo marinho ao longo da costa ártica russa. O início do descongelamento ocorreu 30 dias antes da média nos mares de Laptev e Kara, o qual foi relacionado, em parte, à pressão persistente do alto nível do mar sobre a Sibéria e a uma primavera quente recorde na região. De acordo com o Serviço de Alterações Climáticas Copernicus, a extensão do gelo marinho do Árctico em Julho de 2020 estava no mesmo nível do mínimo de julho de 2012 – quase 27% abaixo da média de 1981-2020.

Mark Drinkwater da ESA comenta: “Durante a era dos satélites, os cientistas polares apontaram para o Árctico como um prenúncio de impactos globais mais generalizados das alterações climáticas. À medida que estes eventos interconectados de 2020 deixam as suas marcas indeléveis no registo climático, torna-se evidente que uma Europa ‘verde’ com baixo teor de carbono é, por si só, insuficiente para combater os efeitos das alterações climáticas.”

Sem uma acção climática concertada, o mundo continuará a sentir os efeitos do aquecimento do Árctico. Por causa do ambiente hostil do Árctico e da baixa densidade populacional, os sistemas espaciais orbitais polares oferecem oportunidades únicas para monitorizar este ambiente. A ESA tem monitorizado o Árctico com os seus satélites de observação da Terra durante quase três décadas. Os satélites não só podem monitorizar as mudanças nesta região muito sensível, mas também podem facilitar a navegação e as comunicações, melhorar a segurança marítima do Árctico e permitir uma gestão mais eficaz do desenvolvimento sustentável.

O Director de Observação da Terra da ESA, Josef Aschbacher, acrescenta: “Embora a primeira geração de Copernicus Sentinels ofereça hoje excelentes dados globais, as suas capacidades combinadas de observação do Árctico são limitadas na esfera de acção. Como parte da preparação do Copernicus 2.0, três novas missões candidatas de alta prioridade: CIMR, CRISTAL e ROSE-L, e Sentinels de próxima geração estão a ser preparadas pela ESA.

Juntamente com a missão Copernicus CO2M, estas novas missões fornecerão novos dados pan-árcticos de monitorização durante todo o ano e de emissões de CO2 para apoiar o Acordo Verde da UE e impulsionar ainda mais os recursos de monitorização e serviço das alterações climáticas do Copernicus.”

Notícia e imagens: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90



O Boletim Em Órbita não tem fins lucrativos e é mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando seu bloqueador de anúncios em www.orbita.zenite.nu

Comente este post