Ministros endossam visão para o futuro da Europa no Espaço

Presidido pelo ministro espanhol da Ciência, Inovação e Universidades, Pedro Duque, os Ministros da ESA responsáveis pelas actividades espaciais concluíram hoje, com êxito, uma Reunião Ministerial Intermédia (IMM18) no Centro Europeu de Astronomia Espacial (ESAC) da ESA em Villanueva de la Cañada, Madrid, Espanha. A Reunião Ministerial Intermédia é um marco no caminho para o ‘Space 19+’, o próximo Conselho da ESA a nível ministerial que será realizado em novembro de 2019, em Sevilha, Espanha.

Aos ministros responsáveis pelas questões espaciais nos Estados-Membros da ESA foi-lhes apresentada a proposta da ESA para o futuro da Europa no Espaço, a qual lhes será submetida no Space19+.


Esta proposta contém um roteiro para a ESA e a UE continuarem a financiar e a implementar programas espaciais na Europa de uma forma sustentável e eficiente, mas também estabelece uma visão para o funcionamento interno da Agência para se adaptar à mudança de paradigma no sector espacial e, por último, mas não menos importante, contém a proposta de programas espaciais do Director-Geral da ESA, a realizar pela Agência após 2019.

Esta proposta programática é abrangente, pois aborda todos os aspectos das actividades espaciais: ciência e exploração, aplicações, acesso ao espaço, operações e Pesquisa & Desenvolvimento, incluindo o emergente campo da Segurança e Protecção Espacial. Este último pilar é dedicado à protecção da nossa infraestrutura, enfrentando desafios como o clima espacial, a defesa planetária de objetos próximos à Terra e detritos espaciais – com aspectos de mitigação e remediação. Além disso, além da segurança cibernética, propõe a utilização da tecnologia espacial para aplicações concretas no domínio da protecção e segurança na Terra (por exemplo, segurança e protecção marítima – incluindo o transporte autónomo, gestão de desastres, segurança de fronteira e apoio à segurança do tráfego aéreo através da comunicação por satélite).

As decisões mais importantes que os Estados-Membros enfrentarão no Space19+ são:

Em relação ao conteúdo programático:

–      restaurar o programa científico da ESA como líder mundial na física do Universo, invertendo o longo declínio do poder de compra do Nível de Recursos

–      tornar a Europa central para a nova era da exploração espacial global – para a Lua e para Marte – trabalhando com parceiros existentes (por exemplo, os EUA) e novos (por exemplo, a China);

–      associar-se à indústria para obter crescimento económico e benefícios sociais em campos de aplicações tradicionais, bem como no novo domínio emergente de segurança e protecção espacial (por exemplo, satélites em comunicações globais 5G; gestão de ameaças de condições climáticas extremas; possibilidade de novas oportunidades e mercados no espaço, como serviços em órbita) por meio de parcerias e projectos tradicionais, como aqueles que pressionam por mais envolvimento e responsabilidade industrial; e

–      reforçar a inovação tecnológica spin-in e spin-off.

No que diz respeito a uma sólida parceria entre a ESA e a UE, baseada em desenvolvimentos comuns:

–      assegurar a continuidade e a evolução do Componente Espacial Copernicus;

–      garantir que as actividades de investigação e desenvolvimento na Navegação sejam precursoras da próxima geração de GNSS europeus.

Em relação aos aspectos políticos e regulatórios:

–      reforçar a política industrial da ESA, de modo a permitir uma tomada de decisão mais rápida e processos mais simples e feitos à medida, adaptados ao tipo de actividade/projecto;

–      estabelecer prioridades em matéria de segurança e protecção do Espaço para permitir mercados futuros; e

–      apoiar a competitividade europeia no domínio do acesso ao espaço, através de uma política de “voo europeu” para as missões da ESA.

O IMM18 abre o caminho para estas decisões importantes no Space19 +.

As resoluções adoptadas serão disponibilizadas no site da ESA www.esa.int

–      Resolução que dá mandato ao Director-Geral para estabelecer relações apropriadas entre a Agência Espacial Europeia e a União Europeia.

–      Resolução que fornece orientações estratégicas para a preparação dos programas e actividades da Agência

Nas margens da reunião, também ocorreram duas assinaturas.

–      Uma declaração conjunta sobre a exploração institucional do Ariane 6 e do Vega-C, em que os signatários expressam o seu total apoio à indústria de lançadores europeus e aos lançadores europeus Ariane 6 e Vega-C. Reconhecem o benefício de agregar a sua demanda institucional por serviços de lançamento para garantir um acesso económico, acessível, independente, confiável e autónomo ao espaço para a Europa.

–      A ESA e a Agência Espacial Italiana (ASI) concordaram em cooperar no futuro desenvolvimento do novo telescópio Fly-Eye no local de Monte Mufara, na Sicília. O telescópio Fly-Eye de alto desempenho será utilizado para observar sistemática e regularmente o céu, com a finalidade de detectar asteroides que se aproximem da Terra e representem uma ameaça de colisão com o nosso planeta.

Notícia e imagens: ESA

Edição: Rui C. Barbosa

Texto corrigido para Língua Portuguesa pre-AO90

 

%d blogueiros gostam disto: