Ministros da ESA comprometem-se com o maior orçamento de todos os tempos

O Conselho da ESA a nível Ministerial, o Space19+, foi concluído em Sevilha, Espanha, com a aprovação do plano mais ambicioso, até ao momento, para o futuro da ESA e todo o sector espacial europeu. O encontro reuniu ministros responsáveis pelas actividades espaciais na Europa, juntamente com o Canadá e observadores da UE.

Solicitou-se aos Estados-Membros que aprovassem um conjunto abrangente de programas para garantir o acesso e utilização independentes do espaço por parte da Europa na década de 2020, impulsionar a crescente economia espacial da Europa e fazer descobertas inovadoras sobre a Terra, o nosso Sistema Solar e o Universo mais além e, ao mesmo tempo, fazer a escolha responsável para fortalecer os esforços que estamos a construir para defender e proteger o nosso planeta.

Pela primeira vez em 25 anos haverá um aumento significativo no financiamento para o programa científico de classe mundial e de inspiração da ESA, impulsionando os limites da nossa compreensão de quem somos e de onde viemos. Isto permitirá que o primeiro detector de ondas gravitacionais no espaço, o LISA, voe ao lado da missão do buraco negro, Athena, e permita avanços fundamentais na nossa compreensão da física básica do Universo. Há também um forte reforço e, consequentemente, financiamento para investigação e desenvolvimento e laboratórios da ESA, para apoiar as missões do futuro.

Com parceiros em todo o mundo, a Europa ocupará o seu lugar no centro da exploração espacial, indo além do que já foi feito anteriormente – continuamos o nosso compromisso com a Estação Espacial Internacional até 2030, além de contribuir com módulos vitais de transporte e habitação para a Gateway, a primeiro estação espacial a orbitar a Lua. Os astronautas da ESA recrutados em 2009 continuarão a receber missões de voo até que todos estejam no espaço pela segunda vez, e também iniciaremos o processo de recrutamento de uma nova classe para continuar a exploração europeia em baixa órbita terrestre e mais além. Astronautas europeus voarão para a Lua pela primeira vez. Os Estados-Membros confirmaram o apoio europeu a uma missão inovadora de retorno de amostras de Marte, em cooperação com a NASA.

A ESA ajudará a desenvolver os benefícios comerciais do espaço para inovadores e governos em todos os Estados-Membros, aumentando a competitividade no ambiente NewSpace. Desenvolveremos os primeiros sistemas de satélite totalmente flexíveis a serem integrados às redes 5G, bem como a tecnologia óptica de próxima geração para uma ‘rede no céu’ em forma de fibra, marcando uma transformação no sector de comunicações por satélite. As comunicações por satélite unirão forças com a navegação para iniciar a navegação por satélite para a Lua, enquanto as empresas comerciais mais próximas podem aceder ao financiamento para novas aplicações de tecnologias de navegação por meio do programa NAVISP. Os ministros da ESA garantiram uma transição suave para a próxima geração de lançadores: Ariane 6 e Vega-C, e deram luz verde ao Space Rider, a nova nave espacial reutilizável da ESA.

Os nossos Estados-Membros comprometeram-se com o uso responsável do nosso meio ambiente, dentro e fora do planeta. A posição de líder mundial da ESA na observação da Terra será reforçada com a chegada de 11 novas missões, em particular abordando tópicos relacionados às mudanças climáticas, Árctico e África.

Também houve um desenvolvimento significativo com a adopção da Segurança Espacial como um novo pilar básico das actividades da ESA. Isto levará a novos projectos nas áreas de manutenção do ambiente espacial operacional – através da remoção de detritos perigosos e planos para automação do controlo de tráfego espacial – e alertas precoces e mitigação de danos à Terra causados por perigos vindos do espaço, como asteróides e explosões solares. A missão Hera marca uma colaboração conjunta com a NASA para testar as capacidades de deflexão de asteróides. Também foram confirmados novos investimentos no campo da ciber-resiliência e do ciber-treino.

Nos próximos anos, também a ESA reforçará o seu relacionamento com a União Europeia e aumentará a sua própria agilidade organizacional, eficácia e eficiência.

“Reunir os nossos Estados-Membros, 22 governos que mudam regularmente e concordar com esses projectos inspiradores para partilhar um futuro conjunto no espaço pode parecer uma tarefa impossível no papel. Mas em dois dias em Sevilha, provámos que é possível,” afirmou o Director-Geral da ESA, Jan Wörner. “É possível porque trabalhamos juntos para desenvolver bons programas, e é possível porque as pessoas são dedicadas e investem todo o seu esforço num processo de decisão longo e completo, envolvendo a comunidade científica, a indústria e as delegações nacionais.

“Juntos, criámos uma estrutura que vê a inspiração, competitividade e responsabilidade sustentar as nossas ações nos próximos anos, com a ESA e a Europa indo além das nossas realizações anteriores, desafiando novas missões e metas de crescimento, juntamente com a indústria em geral.”

Co-presidindo a reunião, Manuel Heitor, Ministro Português da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior declarou: “Hoje no Space19+ em Sevilha, juntamente com os meus colegas Ministros dos Estados-Membros da ESA, demos mais um passo para promover a posição competitiva da Europa na arena espacial global. Aprovámos um portfólio ambicioso de programas espaciais e abordámos os desafios ligados ao sector. Convidámos, portanto, todos os Estados-Membros da ESA a se empenharem seriamente em fazer um balanço das actividades espaciais de maneira contínua e a fortalecer o papel da ESA na Europa em estreita articulação com a CE. Além disso, convidámos os Estados-Membros da ESA a trabalhar com a ESA para tomar as medidas necessárias para modernizar a política industrial da ESA e garantir que a Agência evolua de maneira a corresponder a um ambiente em constante mudança, mercados em mudança e uma rápida taxa de transformação digital das nossas  sociedades.”

Também co-presidente da reunião, o ministro francês de Ensino Superior, Pesquisa e Inovação, Frédérique Vidal, disse: “O Space19+ demonstrou o valor do espaço como uma infraestrutura crítica e facilitadora para o nosso dia a dia. Graças à excelência europeia no espaço, somos capazes de enfrentar, mutuamente, desafios humanos e globais, como mudanças climáticas, segurança e protecção do espaço. Ao assinar os programas, os Estados-Membros deram um grande passo no sentido de inspirar a sociedade e renovar a nossa ambição de enfrentar esses desafios. O alto nível de assinaturas que ficou decidido na conferência ministerial de Sevilha permitirá fortalecer a excelência europeia no espaço e também nos comprometerá com os cidadãos europeus.”

Para a lista completa das decisões do Space19+, incluindo o financiamento exacto de cada Estado-Membro, consulte Resolution 1Resolution 2Resolution 3Charts.

Notícia e imagens: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

%d blogueiros gostam disto: