Liquefação da camada de gelo a caminho do “pior cenário climático”

Um relatório recente confirma que as camadas de gelo na Gronelândia e na Antárctica, cujas taxas de perda de massa têm aumentado rapidamente, estão em concordância com o pior cenário do aumento do nível do mar do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas.

estudo, publicado na Nature Climate Change, compara os resultados do balanço de massa da camada de gelo a partir de observações de satélite com projecções de modelos climáticos. Os resultados vêm de uma equipa internacional de cientistas da Universidade de Leeds (Reino Unido) e do Instituto Meteorológico Dinamarquês (DMI), que também fazem parte do Exercício de Intercomparação do Balanço de Massa do Manto de Gelo (IMBIE).

O IMBIE é uma colaboração internacional entre cientistas, estabelecida em 2011 como um esforço comunitário para reduzir as incertezas em diferentes medições do balanço de massa das camadas de gelo baseadas em satélite, e é co-financiado pela ESA e pela NASA.

Desde que a monitorização sistemática das camadas de gelo começou, no início de 1990, a Gronelândia e a Antárctica juntas perderam 6,4 triliões de toneladas de gelo entre 1992 e 2017 – elevando o nível global do mar em 17,8 milímetros. Se estas taxas continuarem, as camadas de gelo deverão elevar o nível do mar em mais 17 cm – expondo mais 16 milhões de pessoas a inundações costeiras anuais até ao fim do século.

Tom Slater, principal autor do estudo e investigador do clima do Centro de Observação e Modelagem Polar da Universidade de Leeds, comenta: “Os satélites são o nosso único meio de monitorizar rotineiramente estas áreas vastas e remotas, por isso, são absolutamente essenciais para fornecer medições que podemos usar para validar modelos do manto de gelo.

Contribuição da Antártica e da Gronelândia para a alteração do nível do mar

As observações de satélite não apenas nos dizem quanto gelo se está a perder, mas também ajudam a identificar e entender quais partes da Antárctica e da Gronelândia estão a perder gelo e através de que processos – ambos são essenciais para nos ajudar a melhorar os modelos do manto de gelo.”

O IMBIE utiliza dados de várias missões de satélite – incluindo as missões ERS-1, ERS-2, Envisat e CryoSat da ESA, bem como a missão Copernicus Sentinel-1 da UE – para monitorizar mudanças no volume, fluxo e massa da camada de gelo.

Ruth Mottram, co-autora do estudo e Cientista do Clima do DMI, acrescenta: “Os dados das missões de satélite da ESA sustentaram muitos avanços na nossa compreensão do comportamento da camada de gelo nas últimas três décadas. A família de altímetros de radar de satélite da ESA: ERS-1, ERS-2, Envisat e CryoSat forneceram um registo contínuo de longo prazo das mudanças da camada de gelo desde o início dos anos 1990.”

Marcus Engdahl, da ESA, acrescenta: “As observações de satélite estão a mostrar-nos que as camadas de gelo estão a reagir de forma surpreendentemente rápida às mudanças ambientais. É vital que os cientistas tenham acesso aos dados de futuras missões de satélite que possam observar áreas polares, por exemplo, as próximas missões candidatas de alta prioridade do Copernicus CRISTAL, ROSE-L e CIMR.”

O IMBIE é apoiado pelo programa EO Science for Society da ESA e pela Climate Change Initiative da ESA, que geram conjuntos de dados precisos e de longo prazo derivados de satélite para 21 variáveis climáticas essenciais, para caracterizar a evolução do sistema terrestre.

Notícia e imagens: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90



O Boletim Em Órbita não tem fins lucrativos e é mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando seu bloqueador de anúncios em www.orbita.zenite.nu

Comente este post