Lançamentos orbitais para Setembro de 2019

O mês de Agosto de 2019 termina com um total de 11 lançamentos orbitais, tendo sido colocados em órbita 19 satélites.

Até 31 de Agosto, foram realizados 477 lançamentos orbitais neste mês, o que corresponde a uma média de 7,7 lançamentos e a 8,7% do total de lançamentos bem sucedidos realizados desde 4 de Outubro de 1957 (o mês de Janeiro é o mês com menos lançamentos orbitais correspondendo a 6,1% dos lançamentos e a uma média de 5,3 lançamentos por mês de Janeiro e o mês de Dezembro é o mês com mais lançamentos orbitais, correspondendo a 10,4% dos lançamentos e a uma média de 9,1 lançamentos por mês de Dezembro desde 1957).


O número de lançamentos orbitais bem sucedidos levados a cabo em 2019 (58) corresponde a 1,06% do total de lançamentos orbitais realizados desde 4 de Outubro de 1957.

Nesta altura prevê-se que 2019 possa chegar aos 154 lançamentos. Para Setembro de 2019 estão previstos 5 lançamentos orbitais com datas já definidas, existindo outros 5 que poderão ser realizados neste mês.

O primeiro lançamento orbital de Setembro de 2019 deverá ocorrer às 2133UTC do dia 10 com o foguetão H-2B-304 (F8) a ser lançado desde a Plataforma de Lançamento LP-2 do Complexo de Lançamento Yoshinubo do Centro Espacial de Tanegashima, transportando uma nova missão logística para a estação espacial internacional.

O veículo de carga HTV-8 Kounotori-8 irá transportar mantimentos, equipamentos e experiências científicas para a tripulação permanente da ISS. A bordo estarão também os pequenos satélites AQT-D, RWASAT-1 e NARSScube-1.

O pequeno AQT-D (Aqua Thruster-Demonstrator) é um CubeSat-3U construído pela Universidade de Tóquio para demonstrar um sistema de propulsão ‘resistojet’, testando o conceito de propulsão por vapor de água.

O RWASAT-1 (RWanda Satellite 1) é um CubeSat-3U construído pela RURA (Rwanda Utilities Regulatory Authority) para desenvolver as capacidades de engenharia espacial no Ruanda. O satélite está equipado com duas câmaras para monitorizar o estado da agricultura e um receptor para a recepção de dados a partir de sensores no solo.

O NARSScube-1 (também designado Egycubesat-1) é o primeiro CubeSat Egípcio desenvolvido pelo NARSS (National Authority for Remote Sensing and Space Sciences). Com uma massa de 1 kg, este Cubesat-1U terá como objectivos fornecer experiência na construção e operação de um pico-satélite, ser um demonstrador tecnológico da produção fiável de dados a partir do espaço por parte do NARSScube-1 e promover a investigação aplicada em engenharia espacial nas universidades Egípcias e institutos de investigação.

A 20 de Setembro o satélite NSLSat-1 deverá ser lançado por um foguetão Astra a partir da Plataforma de Lançamento LP-3B do Centro de Lançamentos de Kodiak, Alasca. O NSLSat-1 é um CubeSat-3U desenvolvido pela NearSpace Launch e tem como objectivo correlacionar a actividade solar com a densidade de electrões no campo de plasma perto da Terra. O satélite transporta um detector de partículas energéticas e uma sonda Langmuir. Tem uma massa de 3 kg e a sua missão deverá ter uma duração de dois anos.

O pequeno foguetão Astra foi desenvolvido pela Astra Space Inc. (anteriormente designada Ventions Inc.) e é um veículo de dois estágios capaz de colocar uma carga de 100 kg numa órbita terrestre baixa.

A China deverá lançar dois novos satélites de navegação a 24 de Setembro a partir do Centro de Lançamento de Satélites de Xichang. O lançamento deverá ser efectuado pelo foguetão CZ-3B Chang Zheng-3B/YZ-1 (Y65) a partir do Complexo de Lançamento LC2. Os satélites a bordo deverão ser o Beidou-3M19 (Beidou-47) e o Beidou-3M20 (Beidou-48).

Uma nova missão espacial tripulada será lançada às 1357UTC do dia 25 de Setembro. O último foguetão 11A511U-FG, o 11A511U-FG Soyuz-FG (N15000-071), será lançado a partir da Plataforma de Lançamento PU-5 do Complexo de Lançamento LC1 ‘Gagarinskiy Start’ (17P32-5) do Cosmódromo de Baikonur, Cazaquistão, para colocar em órbita a cápsula espacial Soyuz MS-15.

A missão é comandada por Oleg Ivanovich Skripochka (Rússia) – na sua terceira missão espacial orbital, que será acompanhado pela astronauta Jessica Ulrika Meir (EUA, Engenheira de Voo) e pelo cosmonauta Hazza Ali Abdan Khalfan Al Mansouri (EAU). Tanto Jessica Meir como Hazza Al Mansouri irão fazer o seu baptismo espacial. Oleg Skripochka e Jessica Meir irão integrar a tripulação permanente a bordo da ISS (Expedição 61/62).

Um novo satélite de comunicações e um satélite de serviço em órbita serão lançados desde o Cosmódromo de Baikonur a 30 de Setembro. O lançamento será levado a cabo pelo foguetão 8K82KM Proton-M/Briz-M (93704/99573) a partir da Plataforma de Lançamento PU-39 do Complexo de Lançamento LC200 às 1026UTC.

A bordo estarão os satélites Eutelsat-5 West B e MEV-1. O satélite Eutelsat-5 West B foi construído pela Northrop Grumman Innovation Systems (NGIS) (anteriormente Orbital ATK) e a sua carga de comunicações pela Airbus Defence and Space. Baseado na plataforma GEOStar-2e transporta a bordo 35 repetidores de banda-Ku. No lançamento a sua massa é de cerca de 3.000 kg. O satélite será operado pela Eutelsat.

O satélite MEV-1 (Mission Extension Vehicle-1) foi desenvolvido pela Northrop Grumman Innovation Systems (NGIS) (anteriormente Orbital ATK) e é baseado na plataforma GEOStar-3, tendo uma massa de 2.326 kg no lançamento. O satélite incorpora tecnologias já comprovadas em voo que a empresa usou missões comerciais de logística e em satélites de comunicações. Depois de concluir com êxito uma série de testes em órbita, o MEV-1 começará a sua missão alargada para a Intelsat em finais de 2019.

Controlado pela equipa de operações de satélite da empresa, o MEV-1 usa um sistema de acoplagem fiável e de baixo risco, que se poderá acoplar a outros satélites de um determinado cliente. O MEV-1 fornece serviços que prolongam a vida útil do satélite, assumindo as funções de propulsão e controle de atitude. O veículo tem uma vida útil de 15 anos, com a capacidade de executar inúmeras operações de acoplagem e separação durante sua vida útil.

Para além destes lançamentos, o mês de Setembro poderá assistir a cinco outros lançamentos orbitais cujas datas ainda não estão estabelecidas de forma definitiva.

Assim, a empresa RocketLab prepara-se para levar a cabo a sua nona missão para colocar em órbita vários pequenos satélites. Como é usual, o lançamento será efectuado a partir do Complexo de Lançamento LC-1 do Centro de Lançamentos de Máhia, Nova Zelândia. A bordo desta missão deverão estar os satélites ATL-1, Discovery, FossaSat-1, NOOR-1A, NOOR-1B, SMOG-P e TRSi Sat.

A China deverá levar a cabo um novo lançamento orbital com um foguetão CZ-11 Chang Zheng-11 a partir do Centro de Lançamentos de Satélites de Jiuquan, transportando dois satélites do Zhuhai-1 Grupo-3 (OVS-2 e OHS-2) e os satélites TY-1(03), TY-1(04) e TY-1(07).

Um outro lançamento da China, mas a partir do Centro de Lançamento de Satélites de Taiyuan, deverá colocar em órbita o satélite de detecção remota ZY-2D Ziyuan-2D juntamente com os satélites BNU-1 e Tianyi MV-1. O lançamento será levado a cabo pelo foguetão CZ-4B Chang Zheng-4B (Y39) a partir do Complexo de Lançamento LC-9.

O primeiro satélite Neitron, 14F01-1 Neitron, poderá ser colocado em órbita durante o mês de Setembro. O lançamento será levado a cabo por um foguetão 14A14-1A Soyuz-2.1a/Fregat-M a partir do Complexo de Lançamento LC43/4 do Cosmódromo GIK-1 Plesetsk, Arkhangelsk. Os satélites Neitron são veículos de reconhecimento militar construídos pela NPO Mashinostroyeniya e estando possivelmente equipados com sistemas de observação por radar.

O Irão poderá realizar uma nova tentativa de lançamento orbital com o seu foguetão Simorgh durante o mês de Setembro. Lançado a partir do Complexo de Lançamento LC-2 do Centro Espacial Iman Khomeini, este lançamento poderá colocar em órbita o satélite Zafar para a observação da superfície terrestre. O satélite tem uma massa de 90 kg.

 

Comente este post

%d blogueiros gostam disto: