Lançamentos orbitais para Janeiro de 2021

O mês de Dezembro de 2020 termina com um total de 16 lançamentos orbitais, sendo um deles mal sucedido, tendo sido colocados em órbita 62 satélites.

Até 31 de Dezembro, terão sido realizados 597 lançamentos orbitais neste mês, o que corresponde a uma média de 9,6 lançamentos e a 10,6 % do total de lançamentos bem sucedidos realizados desde 4 de Outubro de 1957 – o mês de Janeiro é o mês com menos lançamentos orbitais com uma média de 5,5 lançamentos por mês de Janeiro, correspondendo a 6,0% do total de lançamentos e o mês de Dezembro é o mês com mais lançamentos orbitais, correspondendo a 10,6% dos lançamentos e a uma média de 9,6 lançamentos por mês de Dezembro desde 1957.

O número de lançamentos orbitais bem sucedidos levados a cabo em 2020 (104) corresponde a 1,84% do total de lançamentos orbitais realizados desde 4 de Outubro de 1957.

Para Janeiro de 2021 estão previstos 3 lançamentos orbitais com datas já definidas, podendo chegar aos 9 lançamentos.

O primeiro lançamento orbital de 2021 está previsto para ocorrer a 10 de Janeiro com a Virgin Orbit a levar a cabo uma nova tentativa com o seu foguetão LauncherOne para atingir a órbita terrestre. O conjunto Boeing-747 “Cosmic Girl”/LauncherOne (F2) deverá levantar voo da Pista 12/30 do Mojave Air and Space Port transportando uma carga de dez pequenos satélites, sendo eles o CACTUS-1, CAPE-3, ExoCube-2, MiTEE-1, PICS-1 e PICS-2, PolarCube, Q-PACE, RadFxSat-2 (Fox-1E) e TechEdSat-7.

O CACTUS-1 (Coordinated Applied Capitol Technology University Satellite 1) é um CubeSat-3U desenvolvido pela Capitol Technology University para demonstrar novas tecnologias para nano-satélites. O satélite tem uma massa de 2,8 kg. Em 2015 o satélite foi seleccionado pela CubeSat Launch Initiative da NASA e faz parte da missão ELaNa-20.

Também designado CP-12, o ExoCube-2 é um satélite de tempo espacial patrocinado pela National Science Foundation. A sua missão principal é a medição directa da densidade de hidrogénio, oxigénio, hélio e azoto na alta atmosfera. O satélite foi desenvolvido pela NASA/JPL e pelo Cal Poly Picosatellite Project (PolySat), tendo uma massa de 3,2 kg e sendo baseado no modelo CubeSat-3U. Em Fevereiro de 2016 o satélite foi seleccionado pela CubeSat Launch Initiative da NASA e faz parte da missão ELaNa-20.

O MiTEE (Miniature Tether Electrodynamics Experiment) é um CubeSat desenvolvido pela Universidade do Michigão para utilizar as capacidades deste tipo de satélites para colocar em órbita um pico-satélite de cerca de 8 cm × 8 cm × 2 cm, para assim demonstrar e estudar um cabo electrodiâmico ultra-pequeno no ambiente espacial, analisando aas suas características dinâmicas fundamentais e o plasma elcetrodinâmico. O satélite é baseado num CubeSat-3U e tem uma massa de 3,4 kg. Em 2015 o satélite foi seleccionado pela CubeSat Launch Initiative da NASA e faz parte da missão ELaNa-20.

O pequeno PolarCube CubeSat-3U com uma massa de 3,9 kg baseado na plataforma ALL-STAR e transportando um instrumento de micro-ondas de detecção remota com o objectivo de fornecer medições dos perfis de temperatura atmosférica, e detecção e mapeamento do gelo oceânico. Com uma massa de 3,9 kg, o satélite faz parte da missão ELaNa-20.

O Q-PACE, ou Cu-PACE (CubeSat Particle Aggregation and Collision Experiment) é um satélite do tipo CubeSat-3U desenvolvido pela Universidade Central da Florida  para investigar o comportamento das partículas de poeira em baixa gravidade e para levar a cabo experiências de longa duração em baixa gravidade na órbita terrestre, observando colisões a baixa velocidade no maior número possível. O satélite tem uma massa de 2,6 kg. Em 2015 o satélite foi seleccionado pela CubeSat Launch Initiative da NASA e faz parte da missão ELaNa-20.

O TechEdSat-7 (Technical and Educational Satellite 7) é um CubeSat-2U der 2,5 kg construído num projecto conjunto entre a Universidade Estatal de San Jose (SJSU) e a Universidade do Idaho como um projecto de engenharia colaborativa com direcção do Centro de Investigação Ames da NASA. É uma missão de demonstração tecnológica que irá desenvolver ainda mais o sistema Exo-Brake system ao testar um denominado “High Packing Density ExoBrake“, bem como demonstrar uma CubeSat Identity Tag (CUBIT), que é um sistema de identificação RF-ID da DARPA RF-ID para futura identificação de nano-satélites funcionais ou não-funcionais. Em 2017 o satélite foi seleccionado pela CubeSat Launch Initiative da NASA e faz parte da missão ELaNa-20.

Desenvolvido pela Universidade do Louisiana, Lafayette, o CAPE-3 (Cajun Advanced Picosat Experiment 3) é uma missão educacional que irá transportar o Smartphone CubeSat Classroom, que permite que qualquer pessoa com um smartphone estabelecer uma estação no solo com um kit. As actividades educacionais interactivas irão dar aos estudantes a capacidade de interagir com o CubeSat através de uma aplicação nos seus smartphone e utilizar o aparelho para projectar as suas próprias experiências. O satélite tem uma massa de 1,3 kg e é baseado no modelo CubeSat-1U. Em Fevereiro de 2016 o satélite foi seleccionado pela CubeSat Launch Initiative da NASA e faz parte da missão ELaNa-20.

O Fox-1E é um CubeSat rádio-amador e de investigação tecnológica desenvolvido pela AMSAT e transportando várias cargas desenvolvidas por universidades. Baseado na plataforma CubeSat-1U e tendo uma massa de 1,3 kg, foi projectado para operar na órbita terrestre baixa e baseado no desenho do Fox-1A, transportando uma antena flexível de 2 metros e uma outra antena flexível de 70 cm. Em Fevereiro de 2016 o satélite foi seleccionado pela CubeSat Launch Initiative da NASA e faz parte da missão ELaNa-20.

A missão PICS (Passive Inspection CubeSat) é uma missão de demonstração tecnológica de um veículo espacial capaz de levar a cabo a inspecção, manutenção e montagem de outro veículo. Foi desenvolvido pela Universidade Brigham Young University, em Provo – Utah. A missão é composta por dois CubeSat-1U com uma massa de 1,35 kg cada. Em Fevereiro de 2016 o satélite foi seleccionado pela CubeSat Launch Initiative da NASA e faz parte da missão ELaNa-20.

A SpaceX irá levar a cabo a sua primeira missão de 2021 a 14 de Janeiro. Um foguetão Falcon-9 será lançado pelas 1700UTC transportando a missão Transporter-1 com mais de 53 satélites. O lançamento terá lugar desde o Complexo de Lançamento SLC-40 do cabo Canaveral SFS. os satélites a bordo são Astrocast-1 (vários satélites), CPOD-A (PONSFD-A), CPOD-B (PONSFD-B), Hawk-D, Hawk-E, Hawk-F, QPS-SAR 2 (Izanami), ARCE-1A, ARCE-1B, ARCE-1C, Capella-3 (Whitney-1), Capella-4 (Whitney-2), Delfi-PQ 1, EASAT, GNOMES-2, Grizu-263a, HADES, ION-SVC 2 (ION-SVC Laurentius), Lemur-2 (vários satélites), LibertyQube-1, LINCS-A, LINCS-B, Outpost Demonstration 1, PlasmaBrake, Pycubed, RadCube, SAMSON-1, SAMSON-2, SAMSON-3, Sattla, SpaceBEE (x24), SW1FT, Tartan Artibeus, TRSI-2, Umbra-SAR 2001, Vigoride, VZLUsat-2, XR-1, ELaNa 35: PTD-1 (múltiplos satélites).

A empresa Chinesa Interstellar Glory Space Technology Ltd., Pequim, deverá levar a cabo o seu segundo lançamento orbital a 20 de Janeiro a partir do Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan. O foguetão SQ-1 Shuangquxian-1 (Y2) irá transportar o satélite Fangzhou-2, que se trata de um pequeno satélite desenvolvido por estudantes e financiado pela Hangke Ark Space Technology Co., Ltd., Pequim.

Estes são os lançamentos orbitais de têm datas já definidas durante o mês de Janeiro de 2021. Porém, outros lançamentos poderão ainda ocorrer este mês.

O lançamento do satélite de comunicações Turksat-5A está previsto para Janeiro e será levado a cabo pelo Falcon-9 (B1060.4) a partir do Complexo de Lançamento SLC-40 do Cabo Canaveral SFS. Baseado na plataforma Eurostar-3000EOR e construído pela Airbus Defence and Space e pela Turkish Aerospace Industries (TAI), o satélite tem uma massa de 3.500 kg. A sua carga de comunicações é totalmente composta por transponder de banda Ku.

Um novo grupo de 60 satélite Starlink v1.0 poderá ser lançado por um foguetão Falcon-9 a partir do Complexo de Lançamento SLC-40 do Cabo Canaveral AFS. Desenvolvidos pela SpaceX, os satélites Starlink v1.0 têm uma massa de cerca de 260 kg e transportam uma carga de comunicações de banda Ku/Ka além de um sistema de comunicações óptico inter-satélite.

O lançamento inaugural do foguetão Firefly-α poderá ocorrer em Janeiro a partir da Base Aérea de Vandenberg. Desenvolvido pela Firefly Aerospace, Inc., o foguetão será lançado a partir do Complexo de Lançamento SLC-2W e irá transportar 15 satélites: BSS1, CRESST DREAM COMET, Firefly Capsule-1, FossaCon-1, FossaSat-1B (Fossa-1B), FossaSat-2 (Fossa-2), GENESIS-L, GENESIS-N, Hiapo, Magneto, NPS-CENETIX-Orbital 1, Qubik-1, Qubik-2, Spinnaker-3 e TIS Serenity (TISSCCE).

O satélite de detecção remota Jilin-1 Gaofen-02D poderá ser lançado a partir do Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan pelo foguetão KZ-1A Kuaizhou-1A (Y4). Também desde Jiuquan um foguetão CZ-4C Chang Zheng-4C poderá colocar em órbita a missão Yaogan Weixing-31 Grupo-2.

Finalmente, e lançado desde o Centro de Lançamentos Espaciais de Wenchang, um foguetão Jielong-1 deverá colocar em órbita quatro satélites de detecção remota Hainan-1.



O Boletim Em Órbita não tem fins lucrativos e é mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando seu bloqueador de anúncios em www.orbita.zenite.nu

Comente este post