Lançamentos orbitais em Julho de 2020

O mês de Junho de 2020 termina com um total de 7 lançamentos orbitais tendo sido colocados em órbita 237 satélites.

Até 30 de Junho, terão sido realizados 509 lançamentos orbitais neste mês, o que corresponde a uma média de 8,2 lançamentos e a 9,1 % do total de lançamentos bem sucedidos realizados desde 4 de Outubro de 1957 – o mês de Janeiro é o mês com menos lançamentos orbitais com uma média de 5,5 lançamentos por mês de Janeiro, correspondendo a 6,1% do total de lançamentos e o mês de Dezembro é o mês com mais lançamentos orbitais, correspondendo a 10,4% dos lançamentos e a uma média de 9,4 lançamentos por mês de Dezembro desde 1957.

O número de lançamentos orbitais bem sucedidos levados a cabo em 2020 (41) corresponde a 0,73% do total de lançamentos orbitais realizados desde 4 de Outubro de 1957.

Nesta altura prevê-se que 2020 possa chegar aos 182 lançamentos orbitais.

Para Julho de 2020 estão previstos 15 lançamentos orbitais com datas já definidas.

A 3 de Julho a China vai levar a cabo o lançamento de um novo satélite de detecção remota da série Gaofen. O lançamento está previsto para as 0310UTC e será levado a cabo por um foguetão CZ-4B Chang Zheng-4B a partir do Complexo de Lançamento LC9 do Centro de Lançamento de Satélites de Taiyuan. O novo satélite é o primeiro tendo por base a nova plataforma de detecção remota ‘Agility’ que será utilizada em vários tipos de satélites de detecção remota a operar em órbitas entre os 500 km e os 1.500 km. O novo satélite será acompanhado pelo pequeno Xibaipo (Babi-2) que se trata de um satélite educacional.

A RocketLab irá levar a cabo o seu 13.º lançamento orbital pelas 2113UTC do dia 3 de Julho. Esta missão, designada “Pics Or It Didn’t Happen”, irá colocar em órbita sete pequenos satélites a partir do Complexo de Lançamento LC-1A do Centro de Lançamentos de Máhia (Onenui), Nova Zelândia.

Os satélites a bordo são o CE-SAT 1B, cinco satélites Flock-4e e o satélite Faraday-1. O CE-SAT 1B (Canon Electric Satellite 1B) é um micro-satélite de observação da Terra com uma massa de cerca de 50 kg desenvolvido pela Canon Electronics Space Technology Laboratory e pela AxelSpace (que forneceu a plataforma na qual é baseado). O satélite está equipado com um telescópio Cassegrain com uma distância focal de 3.720 mm e um detector baseado na câmara EOS 5D mk.3.

Os satélites Flock-4e (1) a Flock-4e (5) fazem parte de uma constelação de satélites de observação da Terra  construída e operada pela Planet Labs (anteriormente designada Cosmogia Inc.). Estes são CubeSat-3U com uma massa de 5 kg. Grande parte dos satélites contém um sistema de observação RGB standard, mas cinco satélites foram equipados com sistemas experimentais operando em diferentes bandas espectrais ópticas.

Cada satélite transporta um telescópio e uma câmara CCD equipada com um filtro Bayer. O sensor CCD converte os fotões filtrados em electrões, que são então ampliados de forma a produzir um número digital correspondente a cada pixel em cada banda. A Planet Labs lançou três gerações de instrumentos ópticos: Planet Scope 0 (PS0), Planet Scope 1 (PS1) e Planet Scope 2 (PS2). As imagens têm diferentes atributos dependendo da altitude do satélite e do tipo de instrumento.

O PS0 é composto por um Maksutov Cassegrain de dois elementos ópticos com um detector CCD de 11MP. Os elementos ópticos estão montados em relação à estrutura do satélite. O PS1 contém o mesmo sistema óptico do PS0 mas alinhado e montado num telescópio de fibra de carbono e titânio que se encontra isolado. Este telescópio é equipado com um detector CCD de 11MP. O PS2 é composto por um sistema óptico de cinco elementos que fornece imagens com um campo de vida largo e qualidade de imagem superior, sendo equipado com um sensor CCD de 29MP.

O satélite Faraday-1 foi construído pela InSpace e pela GOMSpace (CubeSat-6U) e tem uma massa de cerca de 6 kg. O satélite é utilizado para a realização de várias experiências tecnológicas em órbita para diferentes clientes.

O satélite experimental Shiyan Weixing-6 (02) (também designado ‘Chuangxin-3A (02)’) será colocado em órbita às 2345UTC do dia 4 de Julho. O lançamento será levado a cabo por um foguetão CZ-2D Chang Zheng-2D a partir do Complexo de Lançamento LC45/94 do Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan. O satélite é desenvolvido pela DFH Satellite Co. Ltd (CAST).

A SpaceX irá colocar em órbita um conjunto de 57 satélites na missão Starlink-10 (v1.0 – L9). O lançamento terá lugar a partir do Complexo de Lançamento LC-39A do Centro Espacial Kennedy, Ilha de Merritt – Florida. Juntamente com os satélites Starlink serão colocados em órbita os satélites BlackSky Global 5 e BlackSky Global 6 de observação da Terra para a BlackSky Global.

O voo inaugural do foguetão de combustível sólido KZ-11 Kuaizhou-11 terá lugar a 8 de Julho. O veículo Y1 será lançado a partir de Jiuquan e irá transportar o satélite de detecção remota Jilin Gaofen-02E (BiliBili Video Sat) e o satélite CentiSpace-1 S2 (Weili-1-02).

O satélite de comunicações Apstar-6D será colocado em órbita a 10 de Julho a partir do Complexo de Lançamento LC3 do Centro de Lançamento de Satélites de Xichang. O lançamento será levado a cabo por um foguetão CZ-3B Chang Zheng-3B/G2. O APStar-6D foi construído pela Academia de Tecnologia Espacial da China e é baseado na plataforma DFH-4E. O satélite tem um tempo de vida útil de 15 anos e será operado pela APT Satellite Company Ltd., transportando uma carga de repetidores de banda Ka de alta potência.

A sonda Al-Amal, dos Emirados Árabes Unidos, será lançada para Marte às 2051:27UTC do dia 14 de Julho. O lançamento será levado a cabo pelo foguetão H-2A/202 (F42) a partir da Plataforma de Lançamento LP1 do Complexo de Lançamento Yoshinubo do Centro Espacial de Tanegashima. A sonda, com uma massa de 1.500 kg, irá estudar a atmosfera de Marte e o seu clima. Irá estudar a forma como a alta e a baixa atmosfera marciana interagem uma com a outra e irá procurar por ligações entre o tempo actual de Marte e o antigo clima do planeta vermelho. A sonda foi desenvolvida pela Agência Espacial dos Emirados Árabes Unidos e terá uma missão de dois anos.

O satélite de comunicações militar ANASIS-2 (Army/Navy/Air Force Satellite Information System 2) será colocado em órbita pela SpaceX a 14 de Julho. Desenvolvido pela Airbus Defence and Space é baseado na plataforma Eurostar-3000 e será operado pela Agência Coreana para o Desenvolvimento de Defesa. O lançamento será levado a cabo pelo foguetão  Falcon-9 (B1058.2) a partir do Complexo de Lançamento SLC-40 do Cabo Canaveral AFS, Florida.

A missão NROL-129 deverá ser colocada em órbita a 15 de Julho. O lançamento será levado a cabo por um foguetão Minotaur-IV a partir da Plataforma de Lançamento LP-0B do MARS Wallops Island. A carga da missão não foi especificada.

A empresa Astra deverá levar a cabo uma nova tentativa de lançamento orbital a 22 de Julho a partir do Complexo de Lançamento LPB do Kodiak Pacific Spaceport Complex. A missão ‘Launch “1 of 2″‘ irá utilizar um foguetão Rocket v3.0. Desconhece-se qual o satélite (ou satélites) a bordo.

Uma nova missão logística para a estação espacial internacional será lançada às 1426UTC do dia 23 de Julho. O Progress MS-15 (n.º 444) será colocado em órbita pelo foguetão 14A14-1A Soyuz-2.1a (Ya15000-040) a partir da Plataforma de Lançamento PU-5 do Complexo de Lançamento LC31 (17P32-6) do Cosmódromo de Baikonur. Esta missão irá transportar a usual carga de combustível, oxigénio, ar, água, mantimentos, experiências e equipamento para a tripulação permanente na ISS.

Não havendo uma data precisa para o lançamento da sonda Chinesa TW-1 Tianwen-1 para Marte, as mais recentes indicações apontam para que a missão seja iniciada entre 20 e 25 de JUlho. A TW-1 será lançada pelo foguetão CZ-5 Chang Zheng-5 (Y4) a partir do Complexo de Lançamento LC101 do Centro de Lançamentos Espaciais de Wenchang, Hainan. A missão é composta por um veículo orbitador, um veículo de descida e um veículo de superfície (rover), e terá como objectivo estudar a topografia de Marte, o seu solo, ambiente, atmosfera e o gelo de água à superfície, bem como a estrutura interna do planeta e a busca de possíveis sinais de vida.

A Arianespace irá lançar uma nova missão comercial a 28 de Julho para colocar em órbita dois satélites de comunicações e um satélite de manutenção. A missão VA253 será colocada em órbita pelo foguetão Ariane-5ECA (L5112) a partir do Complexo de Lançamento ELA3 do CSG Kourou, Guiana Francesa. A bordo estarão os satélites Galaxy-30, MEV-2 e BSat-4b.

O Galaxy-30 foi construído pela Northrop Grumman Innovation Systems (NGIS) e é baseado no modelo GEOStar-2, tendo uma massa de 3.325 kg. A bordo transporta uma carga de repetidores de banda C-, Ku- e Ka-, bem como uma carga WAAS. O satélite será operado pela Intelsat durante 15 anos na órbita geossíncrona posicionado a 125.º longitude Oeste.

A bordo encontra-se o segundo veículo MEV da Northrop Grumman Innovation Systems. Tal como o MEV-1 (Mission Extension Vehicle-1), o MEV-2 incorpora tecnologias testadas em voo em missões anteriores. O satélite é baseado na plataforma GEOStar-3 e tem uma massa de 2.326 kg. Controlado pela equipa de operações de satélite da empresa, os MEV usam um sistema de acoplamento confiável e de baixo risco, que se acopla aos recursos existentes no satélite de um determinado cliente. O satélite fornece serviços de manutenção, assumindo as funções de propulsão e controlo de atitude. O veículo tem uma vida útil de 15 anos, com a capacidade de executar inúmeras missões durante sua vida útil.

O BSat-4b é baseado na plataforma SSL-1300 e foi construído pela Maxar Technologies (anteriormente Space Systems/Loral), tendo uma massa de 3.520 kg. Está equipado com 24 repetidores de banda Ku e será operado pela Broadcasting Satellite System Corporation (B-SAT). O seu tempo de vida útil é de 15 anos.

A Rússia irá lançar dois satélites de comunicações a partir do Cosmódromo de Baikonur a 29 de Julho. Os satélites Ekspress-80 e Ekspress-103 serão colocados em órbita às 2127UTC pelo foguetão 8K82KM Proton-M/Briz-M (93571/99568) a partir da Plataforma de Lançamento PU-39 do Complexo de Lançamento LC200.

O Ekspress-80 foi construído pela ISS Reshetnev (plataforma Ekspress-1000N) e pela Thales Alenia Space (carga de comunicações). Com um tempo de vida útil de 15 anos, o satélite transporta 16 repetidores de banda-C, 20 repetidores de banda Ku e 2 repetidores de banda L. Será posicionado na órbita geossíncrona a 80.º longitude Este e será operado pela RSCC (Kosmicheskiya Svyaz) que também irá operar o satélite Ekspress-103. Este, transporta 16 repetidores de banda-C, 20 repetidores de banda Ku e 1 repetidor de banda L, e irá operar a 103.º longitude Este na órbita geossíncrona. O seu tempo de vida é de 15 anos. Foi construído pela ISS Reshetnev (plataforma Ekspress-1000N) e pela Thales Alenia Space (carga de comunicações).

O veículo de superfície (rover) Perseverance será lançado para a NASA pela United Launch Alliance a 30 de Julho. O lançamento está previsto para as 1150UTC e será levado a cabo pelo foguetão Atlas-V/541 (AV-088) a partir do Complexo de Lançamento SLC-41 do Cabo Canaveral AFS. A missão abordará questões importantes sobre o potencial de vida em Marte, além de reunir conhecimentos e demonstrar tecnologias que abordam os desafios de futuras expedições humanas a Marte. Também designada Mars 2020, o Perseverance é baseado no design do Mars Science Laboratory (Curiosity), mas apresenta um diferente conjunto de instrumentos. No lançamento a missão tem uma massa de 3.839 kg, com o rover a ter uma massa de 899 kg.

A bordo será transportado pequeno helicóptero, o Ingenuity, com uma massa 1,8 kg equipado com pás de contra-rotação, sistemas autónomos a bordo e uma fuselagem leve de fibra de carbono. O helicóptero testará a viabilidade do reconhecimento aéreo, reconhecimento e da exploração científica de um veículo deste tipo. Será a primeira demonstração de descolagem e aterragem de um veículo mais pesado que o ar na atmosfera de outro planeta. A campanha de teste de 30 dias do veículo incluirá até cinco vôos, com cada salto tentando distâncias maiores de até algumas centenas de metros e durações de até 90 segundos. Irá transportar duas câmaras, uma para navegação e outra para imagens aéreas coloridas de alta resolução.

Estes são os lançamentos orbitais com datas já estabelecidas no mês de Julho. No entanto, este mês poderá ainda assistir a outros lançamentos que ainda não têm datas definidas, mas que estão previstos para este mês.

O satélite de navegação 14F143 Uragan-K (n.º15L) deverá ser lançado em finais de Julho. O lançamento será levado a cabo pelo foguetão 14A14-1B Soyuz-2.1b/Fregat (T15000-025/?????) a partir do Complexo de Lançamento LC43/3 do Cosmódromo GIK-1 Plesetsk.

Um foguetão CZ-6 Chang Zheng-6 deverá colocar em órbita treze satélites para a empresa argentina Satellogic a partir do Complexo de Lançamento LC16 do Centro de Lançamento de Satélites de Taiyuan. Outro foguetão CZ-6 deverá lançar o primeiro satélite oceanográfico HY-3 Haiyang-3 também desde Taiyuan.

O satélite de comunicações Tiantong-1 (2) poderá ser colocado em órbita desde o Centro de Lançamento de Satélites de Xichang em Julho utilizando um foguetão CZ-3B/G Chang Zheng-3B/G3.

A SpaceX deverá realizar vários lançamentos colocando em órbita vários satélites da série Starlink na missão Starlink-11 que também irá orbitar três satélites SkySat. Outra missão da SpaceX irá colocar em órbita os satélites SAOCOM-1B, Capella-2 (Sequoia) e GNOMES-1.



O Boletim Em Órbita não tem fins lucrativos e é mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando seu bloqueador de anúncios em www.orbita.zenite.nu

Comente este post