Lançamentos orbitais em Abril de 2020

O mês de Março termina com um total de 8 lançamentos orbitais, um dos quais não atingiu a órbita terrestre, tendo sido colocados em órbita 104 satélites.

Até 31 de Março, terão sido realizados 436 lançamentos orbitais neste mês, o que corresponde a uma média de 7,0 lançamentos e a 7,8 % do total de lançamentos bem sucedidos realizados desde 4 de Outubro de 1957 – o mês de Janeiro é o mês com menos lançamentos orbitais com uma média de 5,5 lançamentos por mês de Janeiro, correspondendo a 6,1% do total de lançamentos e o mês de Dezembro é o mês com mais lançamentos orbitais, correspondendo a 10,5% dos lançamentos e a uma média de 9,4 lançamentos por mês de Dezembro desde 1957.

O número de lançamentos orbitais bem sucedidos levados a cabo em 2020 (22) corresponde a 0,10% do total de lançamentos orbitais realizados desde 4 de Outubro de 1957.

Nesta altura prevê-se que 2020 possa chegar aos 199 lançamentos. Para Abril de 2020 estão previstos 4 lançamentos orbitais com datas já definidas, verificando-se o adiamento de várias missões devido há pandemia Covid-19.

O primeiro lançamento orbital em Abril de 2020 deverá ter lugar no dia 9. Neste dia, pelas 0805:06UTC o foguetão 14A14-1A Soyuz-2.1a (V15000-042) será lançado a partir da Plataforma de Lançamento PU-6 do Complexo de Lançamento LC31 (17P32-6 ‘Vostok’) do Cosmódromo de Baikonur, Cazaquistão, transportando a cápsula espacial tripulada Soyuz MS-16.

A tripulação principal da Soyuz MS-16 é composta pelos cosmonautas Anatoli Alexeievich Ivanishin (Comandante, Rússia) e Ivan Viktorovich Vagner (Engenheiro de Voo nº 1, Rússia) e pelo astronauta Christopher John Cassidy (Engenheiro de Voo nº 2, EUA). A tripulação suplente é composta pelos cosmonautas Sergei Nikolayevich Rizhykov (Comandante, Rússia), Andrei Nikolayevich Babkin (Engenheiro de Voo nº 1, Rússia) e pelo astronauta Stephen Gerard Bowen (Engenheiro de Voo nº 2, EUA).

Anatoli Ivanishin, Ivan Vagner e Christopher Cassidy farão parte da Expedição 62 juntamente com Oleg Skripochka (Rússia), Jessica Meir (EUA) e Andrew Morgan (EUA). Após o regresso destes à Terra, Ivanishin, Vagner e Cassidy farão parte da Expedição 63. Christopher Cassidy irá assumir o comando da ISS e a tripulação irá ainda contar com Nikolai Tikhonov, Andrei Babkin e Stephen Bowen, que serão lançados a bordo da Soyuz MS-17.

A China deverá levar a cabo o lançamento da sua nova cápsula espacial tripulada a 24 de Abril (ou muito perto desta data). O lançamento será levado a cabo pelo foguetão CZ-5B Chang Zheng-5B (Y1) a partir do Complexo de Lançamento LC101 do Centro de Lançamentos Espaciais de Wenchang, Hainan.

O novo veículo espacial tripulado da China tem um desenho muito distinto das cápsulas Shenzhou. Com uma designação ainda não identificada pelas autoridades Chinesas, a cápsula tem um comprimento de 8,8 metros e uma massa de 21.600 kg. O novo veículo será capaz de transportar até seis tripulantes (ou três tripulantes e 500 kg de carga).

O veículo  de carga Progress MS-14 será lançado numa missão logística às 0151UTC do dia 25 de Abril a partir da Plataforma de Lançamento PU-6 do Complexo de Lançamento LC31 (17P32-6 ‘Vostok’) do Cosmódromo de Baikonur. O lançamento será levado a cabo pelo foguetão 14A14-1A Soyuz-2.1a (Ya15000-038). O Progress MS-14 irá transportar a usual carga de mantimentos, ar, água, oxigénio, combustível, experiências e equipamentos para a estação espacial internacional com a qual irá acoplar no mesmo dia do seu lançamento após executar duas órbitas em torno da Terra.

O lançamento do satélite de navegação GPS-III SV03 “Columbus” deverá ter lugar a 29 de Abril, pelas 1100UTC. O lançamento será levado a cabo por um foguetão Falcon-9, da SpaceX, a partir do Complexo de Lançamento SLC-40 do Cabo Canaveral AFS.

Os satélites GPS-III são construídos pela Lockheed Martin e baseados na plataforma LM-A2100A, tendo uma massa de 2.269 kg sem propelente. O seu tempo de vida útil em órbita é de 15 anos. Os satélites têm uma utilização civil e militar, sendo operados pelas Forças Espaciais dos Estados Unidos (US Space Force – USSF).

Quando totalmente colocada em órbita, a constelação GPS-III apresentará uma arquitectura de comando e controlo com ligações cruzadas, permitindo que toda a constelação GPS seja actualizada de forma simultânea a partir de uma única estação terrestre. Além disso, será incorporada uma nova capacidade de feixe pontual para maior cobertura militar (Código M) e maior resistência a interferências hostis. Estes melhoramentos contribuem para uma maior precisão e disponibilidade garantida para usuários civis e militares em todo o mundo.

Estes são os lançamentos cujas datas estão definidas na altura da publicação deste artigo. Segundo alguns rumores a China poderá levar a cabo até seis lançamentos orbitais neste mês, incluindo o já acima referido, além de três lançamentos com foguetões de propulsão sólida e dois lançamentos provenientes dos Centros de Lançamentos de Satélites de Taiyuan e Jiuquan utilizando lançadores de propulsão líquida.

Entre estes lançamentos, a China poderá pela primeira vez levar a cabo o lançamento de um foguetão CZ-11 Chang Zheng-11 a partir do Centro de Lançamento de Satélites  de Xichang, transportando o satélite Chuangxin-6-01.

Os satélites Xingyun-2 01 e Xingyun-2 02 deverão ser lançados desde o Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan pelo foguetão KZ-1A Kuaizhou-1A (Y6). Os satélites Xingyuan são satélites de comunicações de banda estreita.

Adiado desde Março devido à pandemia Covid-19, o satélite argentino SAOCOM-1B poderá ser colocado em órbita em Abril. O lançamento será levado a cabo pelo foguetão Falcon 9-084 a partir do Complexo de Lançamento SLC-40 do Cabo Canaveral AFS.

O SAOCOM-1B é o segundo satélite da constelação SAOCOM (SAR Observation & Communications Satellite) que é composta por dois satélites desenvolvidos pela INVAP para a CONAE e transportam uma carga SAR-L, um radar SAR de alta resolução (entre 7 metros e 100 metros, com uma largura de varrimento de 50 km a 400 km). No lançamento a massa do satélite é de cerca de 1.600 kg.

Juntamente com o SAOCOM-1B serão lançados os satélites Capella-2 (Sequoia) e GNOMES-1. O Capella-2 (Sequoia) é um satélite SAR que será operado pela Capella Space que pretende implementar uma constelação de 30 satélites. O satélite tem uma massa de cerca de 100 kg e transporta um radar de raios-X. O GNOMES-1, GNOMES (GNSS Navigation and Occultation Measurement Satellites), é o primeiro de uma constelação de satélites da PlanetiQ que são desenvolvidos em conjunto com a Blue Canyon Technologies. Estes são pequenos satélites para fornecer dados de ocultação por rádio para previsão do tempo, pesquisa climática e monitorização do clima espacial.

A SpaceX a levar a cabo uma missão para colocar em órbita um novo grupo de 60 satélites Starlink. Os satélites Starlink da SpaceX estão equipados com antenas Ku e Ka, e serão ser colocados em órbita por um foguetão Falcon-9 a partir do Complexo de Lançamento SLC-41 do Cabo Canaveral, Florida. Esta será a missão Starlink F7.

%d blogueiros gostam disto: