Lançado o novo satélite Copernicus para monitorizar a elevação do nível do mar

O satélite Copernicus Sentinel-6 Michael Freilich foi lançado em órbita ao redor da Terra num foguetão SpaceX Falcon 9. A usufruir da mais recente tecnologia de altimetria de radar, este novo satélite foi criado para fornecer uma nova visão geral da topografia do oceano e avançar no registo de longo prazo das medições da altura da superfície do mar que começaram em 1992 – medições que são essenciais para a ciência do clima, para a formulação de políticas e, em última análise, para proteger a vida de milhões em risco devido ao aumento do nível do mar.

Transportando o satélite Sentinel-6 de 1,2 toneladas, o foguetão Falcon 9 decolou da Base Aérea de Vandenberg na Califórnia, EUA, às 17:17 GMT (18:17 CET, 09:17 PST) a 21 de novembro. O satélite foi colocado em órbita em pouco menos de uma hora após a decolagem e o contato foi estabelecido na estação terrestre no Alasca às 19:49 CET.

$video.data_map.short_description.content

O Diretor de Programas de Observação da Terra da ESA, Josef Aschbacher, disse: “Estou extremamente orgulhoso por ter visto o Copernicus Sentinel-6 decolar esta noite e sei que está a caminho de iniciar a sua missão de continuar as medições do nível do mar que são tão necessárias para compreender e monitorizar a tendência preocupante da elevação do mar. Não gostaria apenas de agradecer às equipas da ESA que trabalharam tanto para chegar a este ponto, mas também à CE, Eumetsat, NASA, NOAA e CNES e, claro, esperamos ansiosamente por uma cooperação mais produtiva entre as nossas respetivas organizações.”

Com milhões de pessoas a viver em comunidades costeiras em todo o mundo, a elevação do nível do mar está no topo da lista das principais preocupações relacionadas às mudanças climáticas. A monitorização da altura da superfície do mar é fundamental para compreender as mudanças que estão a ocorrer, de modo que os tomadores de decisão tenham evidências para implementar políticas adequadas para ajudar a conter as mudanças climáticas e para que as autoridades tomem medidas para proteger as comunidades vulneráveis.

Ao longo das últimas três décadas, as séries de missões French-US Topex-Poseidon e Jason serviram como missões de referência e, em combinação com os anteriores satélites da ESA, ERS e Envisat, bem como os atuais CryoSat e Copernicus Sentinel-3, mostraram como o nível do mar aumentou cerca de 3,2 mm, em média, todos os anos. Mais alarmante, essa taxa de aumento está a acelerar; nos últimos anos, a taxa média de aumento foi de 4,8 mm por ano.

Measuring sea-level change

Agora em órbita, o Copernicus Sentinel-6 Michael Freilich irá em breve tomar as rédeas e estenderá este conjunto de dados – um conjunto de dados que é o “padrão-ouro” para estudos climáticos. A missão compreende dois satélites idênticos lançados sequencialmente – daqui a cinco anos, o Copernicus Sentinel-6B será lançado para assumir o comando. A missão como um todo garantirá a continuidade dos dados até pelo menos 2030.

Cada satélite carrega um altímetro de radar, que funciona através da medição do tempo que demoram os pulsos de radar a viajar até à superfície da Terra e de volta ao satélite. Combinado com dados precisos de localização de satélite, as medições de altimetria fornecem a altura da superfície do mar.

O pacote de instrumentos dos satélites também inclui um radiómetro de micro-ondas avançado que contabiliza a quantidade de vapor de água na atmosfera, o que afeta a velocidade dos pulsos de radar do altímetro.

$video.data_map.short_description.content

Embora a herança tenha sido a chave para o projeto da missão, o Sentinel-6 traz, pela primeira vez, o radar de abertura sintética para a série temporal de missão de referência de altimetria. Para garantir que nenhuma polarização seja introduzida na série temporal, o instrumento de radar opera num modo de disparo contínuo, fornecendo simultaneamente medições de modo de baixa resolução convencional e o desempenho aprimorado do processamento de radar de abertura sintética.

Para garantir que a série temporal de dados seja contínua, apesar das mudanças nas tecnologias dos instrumentos, o Sentinel-6 Michael Freilich passará o seu primeiro ano em órbita a voar apenas 30 segundos atrás do Jason-3.

Copernicus Sentinel-6 orbital tracks

Em órbita a uma altitude de mais de 1300 km e a atingir 66°N e 66°S, o Sentinel-6 fornece medições suficientes para mapear a altura da superfície do mar em 95% dos oceanos livres de gelo do mundo, a cada 10 dias.

Embora o Sentinel-6 faça parte da família de missões Copernicus da União Europeia, a sua implementação é o resultado de uma cooperação única entre a Comissão Europeia, ESA, Eumetsat, NASA e NOAA, com contribuição da agência espacial francesa CNES.

O Diretor-Geral da Indústria de Defesa e Espaço da Comissão Europeia, Timo Pesonen, disse: “Estamos muito satisfeitos por dar as boas-vindas a este recém-chegado à frota de satélites Copernicus Sentinel da UE. O Copernicus Sentinel-6 Michael Freilich permitirá o fornecimento de produtos e informações aprimorados sobre os oceanos e a atmosfera para melhorar a vida quotidiana dos nossos cidadãos. A chegada deste satélite é mais um sucesso para a Copernicus, para a Europa, para todos os parceiros da missão e para todo o mundo.”

A ESA foi responsável pelo desenvolvimento do altímetro de radar do Poseidon-4 e pelo desenvolvimento do Copernicus Sentinel-6 Michael Freilich, como um todo. É também responsável pela aquisição do Copernicus Sentinel-6B, em nome da Comissão Europeia e da Eumetsat.

Copernicus Sentinel-6 on its way

A transferência de propriedade vai para a CE no momento da decolagem. A ESA cuida da fase inicial da órbita, bem como do planeamento da verificação em órbita, e apoia as operações de voo realizadas pela Eumetsat.

A Eumetsat é responsável pelo desenvolvimento do segmento terrestre e pelas operações após as fases de lançamento e início da órbita. A Eumetsat processa os dados e fornece os serviços de produtos de dados para usuários europeus.

O Diretor-Geral da Eumetsat, Alain Ratier, disse: “Os dados do Copernicus Sentinel-6 Michael Freilich serão os mais precisos até agora e serão usados para obter uma compreensão mais profunda do aumento do nível do mar global, um indicador-chave das mudanças climáticas. Os dados também serão usados para a previsão do tempo, desde a melhoria da exatidão das previsões sazonais até à previsão das trajetórias de furacões e ciclones.”

A NASA é responsável pelos serviços de lançamento, o desenvolvimento do radiómetro de micro-ondas, o retrorrefletor a laser e o recetor de ocultação de rádio GNSS. Também fornece suporte ao segmento terrestre e contribui para as operações e processamento de dados nos Estados Unidos. A NASA e a NOAA partilham a responsabilidade pela distribuição de produtos de dados para usuários nos Estados Unidos.

“Mike Freilich ajudou a garantir que a NASA fosse um parceiro constante com cientistas e agências espaciais em todo o mundo, e o seu amor pela oceanografia e ciências da Terra ajudou-nos a melhorar a compreensão do nosso belo planeta,” disse Thomas Zurbuchen, Administrador Associado da NASA para a Ciência na Sede da Agência em Washington. “Este satélite, tão graciosamente batizado em sua homenagem pelos nossos parceiros europeus, realizará o trabalho crítico em que Mike tanto acreditava – acrescentando um legado de dados cruciais sobre os nossos oceanos e favorecendo as gerações futuras.”

Notícia e imagens: ESA

Os artigos da ESA são escritos segundo o novo acordo ortográfico AO90



O Boletim Em Órbita não tem fins lucrativos e é mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando seu bloqueador de anúncios em www.orbita.zenite.nu

Comente este post