Jielong-3 orbita 15 satélites no seu lançamento inaugural

Desenvolvido pela subsidiária da Academia Chinesa de Tecnologia de Veículos Lançadores, Zhongguo Changzheng Houjian YG, o foguetão Jielong-3 realizou o seu lançamento inaugural a 9 de Dezembro de 2022 colocando em órbita 15 satélites.

O lançamento teve lugar às 0635:05UTC a partir do batelão Tai Rui posicionado no Mar Amarelo a 37°20’N – 123°43’E, após sido rebocado pela embarcação Bei Hai Jiu 118.

O foguetão Jielong-3 (捷龙三号运载火箭) – também designado Smart Dragon-3 para que os nativos em inglês compreendam o seu nome – é um lançador a quatro estágios a combustível sólido (com o quarto estágio provavelmente e utilizar propelentes líquidos), capaz de colocar uma carga de 1.500 kg numa órbita sincronizada com o Sol a 500 km. O foguetão tem um comprimento de 31 metros, 2,65 metros de diâmetro e uma massa de 145.000 kg. Está equipado com uma carenagem com um diâmetro de 3,35 metros. No lançamento desenvolve uma força de 200.000 kg.

O Jielong-3 utiliza os mesmos motores que são utilizados no foguetão Zhongke-1 (Lijian-1).

Na sua viagem inaugural, o Jielong-3 (Y1) transportou 15 satélites: Jilin-1 Gaofen-03D44 ‘吉林一号高分03D44’ (Dongpo-08 ‘天府星座东坡08’), Jilin-1 Gaofen-03D45 ‘吉林一号高分03D45’ (Dongpo-09 ‘天府星座东坡09’), Jilin-1 Gaofen-03D46 ‘吉林一号高分03D46’ (Dongpo-10 ‘天府星座东坡10’), Jilin-1 Gaofen-03D47 (吉林一号高分03D47), Jilin-1 Gaofen-03D48 ‘吉林一号高分03D48’ (Daoda Xīngzuo Tianluo ‘道达星座天罗星’), Jilin-1 Gaofen-03D49 ‘吉林一号高分03D49’ (Daoda Xīngzuo Tianxīn ‘道达星座天芯星’), Jilin-1 Gaofen-03D50 (吉林一号高分03D50), Jilin-1 Pingtai-01A01 (吉林一号平台01A01), Jiaotong-5 ‘交通五号’ (Hede-2H ‘和德二号H’),Jinzijing-1 05 (金紫荊衛星一號(05星)) APSCO-1, Jinzijing-1 06 / Jiangxi Shida (金紫荊衛星一號(06星) / 江西師大一號), Tianqi-07 ‘天启星座07星’ (Dasong Guanyao ‘大宋官窑星’), Fengtai Shaonian-2 ‘丰台少年二号’ (também designado CAS-5A e transportando o CAS-5B que se separará mais tarde) e o Huoju-1 (火炬一号).

A constelação de satélites Jilin-1 (também designada Lingqiao-1) foi desenvolvida na província de Jilin pela Chang Guang Satelllite Tech Co. e trata-se da primeira constelação de satélites da China desenvolvidos para utilização comercial. A constelação será composta por vários satélites que irão fornecer dados para clientes comerciais para auxiliar na previsão e mitigação de desastres geológicos, bem como encurtar a escala temporal para a exploração de recursos naturais.

Os satélites Jilin-1 Gaofen-03D são um grupo de veículos para a constelação Jilin-1 de observação da Terra com uma massa de 43 kg.

Desenvolvidos pela Changguang Satellite Technology Co., Ltd., e herdando a tecnologia e princípios técnicos do satélite Jilin-1 Gaofen-03A, os satélites adoptam um desenho estrutural ultraleve que incluiu um sistema electrónico integrado, tecnologias de alta-resolução ultraleves e inovadoras (tais como câmaras quantitativas de baixo custo), e têm as características de baixo custo, baixo consumo de energia, baixa massa e capacidade de observação de alta-resolução.

Após serem inseridos na constelação Jilin-1, os novos satélites irão fornecer aos utilizadores informações sobre o coberto florestal, agricultura, recursos oceânicos, ambiente e outras indústrias que requerem dados de detecção remota e serviços similares.

Jilin é uma das mais antigas bases industriais do país, está a desenvolver a sua indústria de satélites como uma nova unidade económica. A província planeia lançar 60 satélites até 2020 e 137 até 2030.

Os satélites Jilin-1 Gaofen-03D44 (Dongpo-08), Jilin-1 Gaofen-03D45 (Dongpo-09) e Jilin-1 Gaofen-03D46 (Dongpo-10), fazem também parte da constelação de detecção remota óptica Dongpo. Por outro lado, os satélites Jilin-1 Gaofen-03D48 (Daoda Xīngzuo Tianluo) e Jilin-1 Gaofen-03D49 (Daoda Xīngzuo Tianxīn) fazem parte da constelação de detecção remota óptica Daoda. No caso destas constelações, os satélites são desenvolvidos em conjunto pela Changguang Satellite Technology Co., Ltd., pela Meishan Huantian Smart Technology Co., Ltd., e pela Beijing Daoda Sky Technology Co., Ltd.

O satélite Jilin-1 Pingtai-01A01 é um veículo de detecção remota de baixo custo e de alta-resolução. O seu conceito é distinto  das plataformas de satélite tradicionais, tendo capacidades de gestão independentes, compartilhando recursos com as cargas a bordo. A plataforma “Jilin No. 1” é uma plataforma de satélite flexível desenvolvida independentemente pela Changguang Satellite Technology Co., Ltd. segundo o conceito de ‘design’ de um CubeSat. O satélite pode ser configurado de forma autónoma segundo os requisitos de integração de diferentes cargas. O satélite tem uma massa de cerca de 20 kg, podendo ser adaptado para várias cargas úteis, tal como detecção remota, comunicação e navegação.

O satélite Jiaotong-5 (交通五号), também designado ‘Hede-2H ‘和德二号H” é o quarto satélite experimental da constelação de controlo de tráfico HEAD (recebendo também a designação HEAD-2H)

Estes satélites são veículos comerciais desenvolvidos pela HEAD Aerospace para o seguimento de navios e recepção dos seus sinais AIS (Automated Identification System). Os satélites são estabilizados nos seus três eixos espaciais e são construídos pela Academia de Tecnologia de Voo Espacial de Xangai (SAST), transportando receptores AIS de alta performance sendo capazes de processar 2 milhões de mensagens curtas AIS em 24 horas e identificar 60.000 embarcações.

Os satélites  Jinzijing Qilu-1 05 e Jinzijing Qilu-1 06, fazem parte de uma constelação de satélites de detecção remota que realizam observações no espectro visível e que serão utilizados para observar alvos específicos no solo. Os satélites são projectados e serão utilizados pelo Lingzhong Kongjian Jishu (Beijing Zero G Lab).

O satélite Tianqi-07 é destinado a comunicações de banda curta e foi desenvolvido pela Guotse Gaoke Technology Co., Ltd.. O satélite será utilizado na rede da IoT (Internet of Things), monitorização hidrológica mineira, gestão de serviços marítimos e gestão de contentores, monitorização ambiental, prevenção de fogos florestais, mineração ecológica, agricultura inteligente, etc. O Tianqin-07 também é designado como ‘Dasong Guanyao’.

O satélite Fengtai Shaonian-2 (ou CAS-5A ‘Chinese Amateur radio Satellite 5A’) é um nanossatélite para comunicações de rádio amador e propósitos educacionais. O satélite é baseado no factor de forma CubeSat-6U, transportando dois repetidores HF e dois repetidores V/UHF. Algum temp após ser colocado em órbita, o pequeno femtossatélite CAS-5B irá separar-se do CAS-5A. O seu lançamento estava originalmente previsto para ter lugar a 15 de Setembro de 2020 a partir do Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan, sendo adiado por razões desconhecidas.

O Fengtai Shaonian-2 foi desenvolvido por 31 alunos do ensino médio de 10 escolas em Pequim. As funções do satélite incluem transmissão de radiofarol e encaminhamento de comunicação bidirecional, fotografia espacial, telemetria por satélite e experiência de controlo remoto, e criatividade em tecnologia jovem.

O satélite Huoju-1 é um biossatélite que é composto por uma plataforma de satélite e uma carga de teste biológica. A carga de teste biológica inclui vários módulos funcionais, como transporte de líquidos, cultura de células, observação microscópica, amostras de baixa temperatura e câmaras herméticas.

Lançamento

A integração dos quatro estágios do lançador ocorre nas instalações da Zhongguo Changzheng Houjian YG, em Haiyang. Após ser submetido a vários testes eléctricos e funcionais, o lançador está pronto para receber a sua parte superior contendo a estrutura de adaptação de carga com os diferentes satélites a colocar em órbita ou com apenas um satélite.

O lançador está agora pronto para ser transportado para a plataforma de lançamento, seja ela uma plataforma flutuante (tal como aconteceu no seu lançamento inaugural) ou para uma plataforma móvel semelhante às que são utilizadas para transportar outros lançadores do mesmo tipo para a zona de lançamento.

Chegado à plataforma de lançamento, o foguetão é colocado num pedestal de apoio ou, no caso do lançador Y1, sobre uma estrutura que o segura sobra a superfície oceânica que servirá para suavizar os efeitos da ignição do primeiro estágio.

Completando as diferentes fases de lançamento, o último estágio realiza uma série de manobras para iniciar a sua reentrada atmosférica, diminuindo assim o número de detritos orbitais.



O Boletim Em Órbita não tem fins lucrativos e é mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando seu bloqueador de anúncios em www.orbita.zenite.nu

Comente este post