Indústria começa a trabalhar na missão de defesa planetária da Europa

A ESA assinou, hoje, um contrato de 129,4 milhões de euros que cobre o projecto detalhado, a fabricação e os testes da Hera, a primeira missão da Agência para a defesa planetária. Esta missão ambiciosa será a contribuição da Europa para um esforço internacional de deflexão de asteróides, definida para realizar a exploração sustentada de um sistema de asteróides duplo.

Hera –nomeada em homenagem à deusa grega do casamento – será, juntamente com Double Asteroid Redirect Test (DART) ‘Teste de Redireccionamento de Asteróide Duplo’) da NASA, a primeira sonda da humanidade a encontrar-se com um sistema de asteróides binário, uma classe pouco compreendida que compõe cerca de 15% de todos os asteróides conhecidos.

Hera examina a cratera de impacto do DART

O contrato foi assinado hoje por Franco Ongaro, Director de Tecnologia, Engenharia e Qualidade da ESA, e Marco Fuchs, CEO da empresa espacial alemã OHB, contratante principal do consórcio Hera. A assinatura ocorreu no centro ESOC da ESA na Alemanha, que servirá como controlo da missão Hera a ser lançada em 2024.

Hera é a contribuição europeia para uma colaboração internacional de defesa planetária entre cientistas europeus e norte-americanos chamada Asteroid Impact & Deflection Assessment, AIDA (‘Avaliação de Impacto e Deflexão de Asteróides’). A aeronave DART – com lançamento previsto para Julho de 2021 – executará primeiro um impacto cinético no menor dos dois corpos. Hera fará o acompanhamento com uma pesquisa detalhada pós-impacto, de modo a transformar esse teste em grande escala numa técnica de deflexão de asteróide bem compreendida e repetível.

Asteroide com impacto da aeronave DART da NASA

Ao fazer isso, a Hera, do tamanho de uma mesa, demonstrará também várias novas tecnologias, como a navegação autónoma ao redor do asteróide – como os carros modernos sem motorista na Terra – enquanto recolhe dados científicos cruciais para ajudar os cientistas e futuros planeadores de missões a entender melhor as composições e estruturas dos asteróides.

A Hera irá também implantar os primeiros ‘CubeSats’ da Europa (satélites em miniatura construídos a partir de caixas de 10 cm) no espaço profundo para avaliação de asteróides de perto, incluindo a primeira sonda de radar do interior de um asteróide – usando uma versão actualizada do sistema de radar transportado na missão Rosetta da ESA.

Hera contract signing

Com o lançamento previsto para Outubro de 2024, Hera viajará para um sistema de asteróides binário – o par de asteróides Didymos próximos à Terra. O corpo principal, do tamanho de uma montanha de 780 m de diâmetro, é orbitado por uma lua de 160 m, formalmente baptizada de ‘Dimorphos’ em Junho de 2020, aproximadamente do mesmo tamanho da Grande Pirâmide de Gizé.

O impacto cinético da aeronave DART em Dimorphos, em Setembro de 2022, deverá alterar a sua órbita em torno de Didymos, bem como criar uma cratera substancial. Este asteróide lunar tornar-se-à único, como o primeiro corpo celeste a ter as suas características orbitais e físicas intencionalmente alteradas pela intervenção humana. Hera chegará ao sistema Didymos no final de 2026, para realizar pelo menos seis meses de estudo de perto.

O controlo da missão Hera será baseado no centro ESOC da ESA em Darmstadt, Alemanha, também a casa do novo programa de Segurança e Protecção Espacial da ESA, do qual Hera faz parte.

Esta assinatura do contrato cobre todo o desenvolvimento, integração e teste do satélite Hera, incluindo o seu sistema avançado de orientação, navegação e controlo (GNC). Os contratos para os dois CubeSats armazenados na Hera e os desenvolvimentos de tecnologia relevantes já estão em andamento.Hera: missão de defesa planetária da ESA
Access the video

Parceiros europeus de Hera

O contrato foi concedido a um consórcio liderado pelo contratante principal OHB System AG em Bremen.

Dos 17 Estados-Membros da ESA que contribuem para Hera, a Alemanha está na vanguarda, encarregada do design e integração geral da nave espacial Hera, principais câmaras de navegação, tanques, propulsores, antena de alto ganho, rodas de reacção e unidade de memória de massa.

CubeSat Juventas aproxima-se do asteroide

Itália encontra-se a liderar os subsistemas de energia e propulsão da missão e está a fornecer o transponder para o espaço profundo, que permitirá o teste de rádio-ciência da missão. Além disso, a Itália lidera o CubeSat de prospecção de poeira e minerais, em homenagem ao falecido Andrea Milani, ilustre professor e importante cientista de asteróides.

Bélgica está a desenvolver o computador e o programa informático de bordo da Hera, o cérebro da aeronave, além do seu condicionamento de energia e unidade de distribuição – o coração do seu subsistema eléctrico. Também está a contribuir para o termovisor da Hera desenvolvido no Japão e o centro de operações de CubeSats na ESA/ESEC.

Luxemburgo está a liderar o radar hospedeiro CubeSat ‘Juventas’ e o sistema de comunicação inter-satélite, permitindo que os dois Hera CubeSats se comuniquem com a Terra através de uma rede inovadora que utiliza a Hera como retransmissor de dados.

Portugal e a Roménia estão a desenvolver o altímetro laser que irá fornecer informações essenciais para as funções de navegação autónoma. Além disso, a Roménia está a desenvolver a unidade de processamento de imagem, o escudo e o equipamento de teste eléctrico (ao mesmo tempo que contribui para o desenvolvimento do GNC).

República Checa é responsável pela estrutura completa do satélite, programa informático da carga útil (para comandar os instrumentos), validação do programa informático independente e equipamento de suporte no solo para o teste de satélite pré-voo. Também está a fornecer componentes para o radar de baixa frequência do Juventas e o programa informático de processamento de dados no segundo CubeSat.

Espanha está a desenvolver o sistema avançado de orientação, navegação e controlo da Hera, bem como o sistema de comunicação do espaço profundo. Está também a fornecer o instrumento gravímetro do Juventas.

  • Áustria está a apoiar com a análise e processamento de dados da missão
  • Dinamarca está a contribuir para o CubeSat Juventas e a unidade de terminal remoto
  • França está a fornecer o radar de baixa frequência do Juventas, bem como rastreadores de estrelas e suporte para o planeamento de operações da carga útil e trajetórias de proximidade dos CubeSats
  • Hungria está a apoiar a calibração científica das câmaras
  • Os Países Baixos estão a desenvolver o novo sistema de implementação do CubeSat no espaço profundo e a fornecer os sensores solares da Hera
  • Suíça está a contribuir com elementos estruturais e mecanismos para os painéis solares
  • Finlândia está a fornecer o segundo gerador de imagens multiespectrais e equipamentos de bordo dos CubeSats. Também está a fornecer a unidade de processamento de dados
  • Polónia está a contribuir com antenas destacáveis por radar de baixa frequência do Juventas
  • Irlanda está a fornecer uma unidade de medição inercial inovadora para a aeronave Hera para apoiar a navegação no espaço profundo
  • Letónia, Estado Membro Associado da ESA, está a contribuir com um detector de tempo de voo para o altímetro a laser da missão.

Notícia e imagens: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré.AO90



O Boletim Em Órbita não tem fins lucrativos e é mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando seu bloqueador de anúncios em www.orbita.zenite.nu

Comente este post