Índia lança Chandrayaan-2 para a Lua

Tendo como destino o pólo Sul da Lua, a organização de investigação espacial da Índia, ISRO, levou a cabo o lançamento da missão Chandrayaan-2 às 0913:12UTC do dia 22 de Julho de 2019.

O lançamento foi realizado pelo foguetão GSLV MkIII-M1 a partir da Plataforma de Lançamento SLP (Second Launch Pad) do Centro Espacial Satish Dawan SHAR, Ilha de Sriharikota.

A missão Chandrayaan-2 é composta por um orbitador, um veículo de descida (Vikram) e um rover (Pragyan). Após se colocar numa órbita a 100 km da superfície lunar, o veículo de descida albergando o rover irão separar-se do orbitador. Depois de uma descida controlada, o veículo vai alunar suavemente na superfície lunar e colocar no rover na superfície.

Os objectivos científicos da missão passam por melhorar a compreensão da origem e evolução da Lua utilizando a instrumentação a bordo do orbitador e por análises de amostras do solo lunar.

Com uma massa de 3.850 kg no lançamento, a Chandrayaan-2 tem as seguintes dimensões: 3,1 x 3,1 x 5,8 metros, tendo sido totalmente desenvolvida pela ISRO e baseada na plataforma I-3K.

O veículo orbitador servirá de módulo de transporte para o Vikram (e consequentemente para o Pragyan) até à órbita lunar, servindo posteriormente como retransmissor de comunicações com a rede de espaço profundo Indiana localizada em Byalalu.

Colocado numa órbita circular a 100 km da superfície lunar, o orbitador terá uma vida útil de um ano. A sua massa é de 2.379 kg e as suas dimensões são 3,2 x 5,8 x 2,1 metros. Transporta oito cargas científicas: a Terrain Mapping Camera (TMC), que irá gerar um modelo de elevação digital de toda a superfície lunar; o Chandrayaan-2 Large Area Soft X-ray Spectrometer (CLASS), que irá testar a composição elementar da superfície lunar; o Solar X-Ray Monitor, que irá fornecer leituras para o CLASS; o Imaging IR Spectrometer (IIRS), irá mapear a mineralogia lunar e confirmar a presença de gelo de água na superfície lunar através de uma verificação Megala; o Synthetic Aperture Radar L&S Bands (SARB), que irá mapear a região polar e confirmar a presença de gelo de água ao nível da sub-superfície; o Chandra’s Atmospheric Composition Explorer-2, irá examinar a exosfera neutra da Lua; a Orbiter High Resolution Camera, que irá levar a cabo um mapeamento topográfico de alta resolução da superfície lunar; e a Dual Frequency Radio Science Experiment, que irá estudar a ionosfera lunar.

O veículo de descida Vikram tem uma massa de 1.471 kg e as suas dimensões são 2,54 x 2,0 x 1,2 metros. O veículo foi baptizado com o nome de Vikram A. Sarabhai, o pai do programa espacial da Índia. O Vikram deverá estar operacional durante um dia lunar, isto é 14 dias terrestres, e tem a capacidade de comunicar com a a rede de espaço profundo Indiana, bem como o orbitador e com o veículo robótico Pragyan.

 O Vikram está projectado para levar a cabo uma alunagem suave com uma velocidade de 2 m/s, descendo entre as crateras Manzinus C e Simpelius N, a uma latitude de cerca de 70,9º S – 22,7º E (o local alternativo de descida está localizado a 67,7º S – 18,4º O).

A bordo do Vikram estão três cargas científicas: Instrument for Lunar Seismic Activity, que irá caracterizar o ambiente sísmico em torno do local de alunagem; o Chandra’s Surface Thermo-physical Experiment, que irá analisar a termocondutividade da Lua e o seu gradiente de temperatura; e uma sonda Langmuir, que irá levar a cabo estudos ionosféricos na superfície lunar.

O veículo robótico Pragyan (‘Sabedoria’ em sánscrito) é transportado a bordo do Vikram e tem uma massa de 27 kg, tendo as dimensões 0,9 x 0,75 x 0,85 metros. Este veículo movido a seis rodas deverá operar durante 14 dias na superfície lunar e tem a capacidade de subir inclinações até 500 metros, movendo-se a 1 cm/s. Pode comunicar com o veículo Vikram e é alimentado a energia solar.

A bordo do Pragyan seguem três cargas científicas: Alpha Particle X-ray Spectrometer, para determinar a composição elementar da Lua; o Laser Induced Breakdown Spectroscope, que irá identificar a abundância dos diferentes elementos na vizinhança do local de alunagem; e a experiência passiva Laser Retroreflector Array (LRA), que irá auxiliar na compreensão da dinâmica do sistema da Lua e também derivar pistas acerca do interior lunar.

Lançamento e fases de voo

O lançamento da missão Chandrayaan-2 inicia-se com a ignição dos dois propulsores laterais a T=0s. O estágio central L110 só entra em ignição a T+1m 50,82s. Os dois propulsores laterais separam-se a T+2m 11,30s.

A separação das duas metades da carenagem de protecção, agora desnecessária, ocorre a T+3m 23,94s. O final da queima do estágio L110 ocorre a T+5m 5,40s, separando-se a T+5m 8,50s. O estágio criogénico C25 entra em ignição a T+5m 10,90s, terminando a sua queima a T+15m 58,70s. A separação da Chandrayaan-2 ocorre a T+16m 13,70s, a uma altitude de 181,62 km e a uma velocidade de 10,3 km/s.

Na sua separação a Chandrayaan-2 estará então numa órbita com um perigeu a 170,06 km de altitude e apogeu a 39.059,6 km de altitude.

A Chandrayaan-2 deverá executar a sua manobra de injecção lunar 17 dias após o lançamento, encontrando-se depois numa trajectória de transferência para a órbita lunar entre o 17º e o 22º dia da missão. A inserção em órbita lunar deverá ocorrer a 5 de Agosto (22º dia da missão). Refinando então a sua órbita, a separação do Vikram ocorrerá no 50º dia da missão (2 de Setembro). A descida para a superfície lunar e alunagem têm lugar a 6 de Setembro.

O GSLV MkIII

Anteriormente designado como LVM3, o GSLV MkIII marca assim a terceira geração de lançadores para as capacidades orbitais da Índia. Apesar de partilhar o nome com os seus antecessores, o GSLV MkIII é um veículo completamente diferente dos veículos MkI e MkII.

O Mark III é um lançador a três estágios com um primeiro estágio composto por dois propulsores laterais de combustível sólido montados lateralmente ao corpo central de combustível líquido composto por dois estágios.

Dois motores S200 compõe o primeiro estágio do GSLV Mk III, tendo um comprimento de 26,2 metros e um diâmetro de 3,2 metros. Cada S200 contém 205.000 kg de propelente sólido que é composto por perclorato de alumínio, alumínio e polibutadieno hidroxil (HTPB).

Dados estatísticos e próximos lançamentos

– Lançamento orbital: 5851

– Lançamento orbital Índia: 72 (1,23%)

– Lançamento orbital desde Satish Dawan SHAR: 72 (1,23% – 100,00%)

Os quadro seguinte mostra os lançamentos previstos e realizados em 2019 por polígono de lançamento.

Os próximos lançamentos orbitais previstos são (hora UTC):

5853 – 24 Jul (2224:00) – Falcon 9-074 (B1056.2) – Cabo Canaveral AFS, SLC-40 – Dragon SpX-18, RFTSat, NARSSCube2; MakerSat-1

5854 – 25 Jul (0500:00) – Shuang Quxian-1 – Jiuquan, LC43/95 – CAS-7B/BP-1P juntamente com seis satélites

5855 – CZ-2C Chang Zheng-2C – Xichang, LC3 – YG-30-05 Yaogan Weixing-30-05

5856 – 30 Jul (????:??) – Ariane-5ECA (L5108/VA249) – CSG Kourou, ELA3 – Intelsat-39, EDRS-C (Hylas-3)

5857 – 31 Jul (1210:00) – 14A14-1A Soyuz-2.1a – Baikonur, LC31 PU-6 – Progress MS-12

 

%d blogueiros gostam disto: