Gaofen-7 lançado desde Taiyuan

A China levou a cabo um novo lançamento orbital colocando em órbita um novo satélite de detecção remota juntamente com três outros pequenos satélites.

O lançamento do GF-7 Gaofen-7 teve lugar às 0322:39UTC do dia 3 de Novembro de 2019 e foi levado a cabo pelo foguetão CZ-4B Chang Zheng-4B (Y38) a partir do Complexo de Lançamento LC9 do Centro de Lançamento de Satélites de Taiyuan.


Pela segunda vez num lançamento chinês, o primeiro estágio do veículo lançador foi equipado com um sistema de grade para reduzir sua área de impacto. A missão de pouso (ou impacto!) do primeiro estágio foi designada como SGD-01 e, como a anterior, foi útil para recolher dados para a nova geração de veículos reutilizáveis.

As agências de notícias chinesas referem-se ao novo satélite de observação da Terra como tendo um papel importante no levantamento e mapeamento de terras, construção urbana e rural, e investigação estatística, segundom a Administração Espacial Nacional da China (China National Space Administration CNSA).

Com uma massa de 2.400 kg, o Gaofen-7 (高分七号) deverá ser uma versão melhorada do satélite ZY-3 Ziyuan-3.

O novo satélite foi desenvolvido pela Academia Chinesa de Ciência e Tecnologia Aeroespacial e o satélite será usado principalmente pelo Ministério de Recursos Naturais, pelo Ministério da Habitação e Desenvolvimento Urbano-Rural e pelo Bureau Nacional de Estatística.

O desenvolvimento do Gaofen-7 alcançou um avanço na tecnologia de câmaras de mapeamento 3D de nível submétrico, atendendo ao mais alto requisito de precisão de mapeamento entre os satélites de observação da Terra da série Gaofen. O satélite pode obter dados de observação 3D ópticos de alta resolução e dados de altimetria a laser de alta precisão, podendo realizar mapeamento 3D por satélite em escala de 1: 10.000 para uso civil na China e atenderá às necessidades dos usuários em mapeamento básico, informações geográficas globais, monitorização e avaliação na construção urbana e rural, levantamento agrícola e estatística, etc.

O novo satélite trabalhará em conjunto com outros satélites da série Gaofen para formar um sistema de observação da Terra com alta resolução e alta precisão de posicionamento, o que ajudará a promover a cooperação tecnológica industrial internacional por meio da partilha de dados e apoiará a iniciativa Belt and Road.

Em Maio de 2010, a China iniciou oficialmente o desenvolvimento do China High-Resolution Earth Observation System (CHEOS), que foi estabelecido como um dos maiores projectos científicos e tecnológicos. O Earth Observation System and Data Center of China National Space Administration (EOSDC-CNSA) é responsável pela organização do CHEOS.

Em Março de 2010 é estabelecido o Earth Observation System and Data Center que é principalmente responsável pela organização e implementação, bem como da gestão do CHEOS. É também responsável pela aplicação de serviços de observação da Terra, desenvolvimento comercial, consultoria tecnológica e cooperação internacional na área.

Ao seguir um arranjo de observação integral a partir do espaço, do ar e do solo, o CHEOS desenvolve um sistema espacial, um sistema quase espacial, um sistema aéreo, um sistema no solo e um sistema de aplicação como um todo para assim materializar a observação da Terra em altas resoluções temporais, espaciais e espectrais. Assim, são cumpridas as demandas estratégicas do desenvolvimento económico nacional da China e do seu progresso social.

O plano inicial previa o lançamento de cinco satélites. O GF-1 Gaofen-1 foi baseado na plataforma CAST2000 e está configurado para a obtenção de imagens com uma resolução pancromática de 2 metros e uma resolução multi-espectral de 8 metros, tendo também uma câmara de resolução médio multi-espectral de 16 metros. O satélite permite a integração de imagens com uma resolução espacial média e elevada, com uma grande área de varrimento. O seu tempo de vida é de cinco anos, tendo sido colocado em órbita a 26 de Abril de 2013.

O satélite GF-2 Gaofen-2 é baseado na plataforma CS-L3000A e está equipado com uma câmara com uma resolução pancromática de 1 metro e uma resolução multi-espectral de 4 metros. O seu tempo de vida útil é de cinco anos e foi colocado em órbita a 19 de Agosto de 2014.

O GF-3 Gaofen-3 é baseado na plataforma CS-L3000B e está equipado com um radar SAR multi-polarizado em banda-C com uma resolução inferior a 1 metro. O seu tempo de vida útil é de 8 anos e foi colocado em órbita a 9 de Agosto de 2016, tal como o satélite GF-5 Gaofen-5 que é baseado na plataforma SAST5000B. Este satélite está configurado com cinco cargas de observação, incluindo uma câmara de luz visível e de onda custa hiper-espectral, um sistema de observação espectral, um detector de gases causadores do efeito de estufa, um detector infravermelho de ambiente atmosférico com uma resolução espectral muito elevada, um espectrómetro de absorção diferencial para a detecção de gases atmosféricos e um detector polarizador de multi-ângulo.

O GF-4 Gaofen-4 foi o primeiro satélite Chinês de detecção remota a ser colocado na órbita geostacionária e está equipado com um sistema de observação óptica e infravermelho com um sistema óptico comum. O satélite está estacionário a 105,6º longitude Oeste. A resolução óptica é superior a 50 metros, enquanto que a resolução em infravermelho é superior a 400 metros. O GF-4 pode fornecer imagens com uma área de 7.000 km × 7.000 km com imagens detalhadas com uma área de 400 km x 400 km, e uma capacidade para alta resolução temporal de detecção remota ao nível do minuto. No lançamento, o satélite tinha uma massa de 4.600 kg e deverá estar operacional durante 8 anos. O satélite combina a capacidade de uma resolução temporal extremamente elevada com uma alta resolução espacial, características óptimas que têm várias aplicações tais como monitorização de desastres, observação meteorológica, agricultura, segurança nacional, etc. O seu lançamento teve lugar a 28 de Dezembro de 2015.

Para além destes satélites, a China lançou outros dois satélites na série Gaofen. O satélite GF-8 Gaofen-8 foi colocado em órbita a 26 de Junho de 2015, enquanto que o GF-9 Gaofen-9 foi colocado em órbita a 14 de Setembro de 2015. O GF-8 foi desenvolvido pela China Aerospace Science and Technology Corporation (CASC) e faz parte do um programa civil cujo objectivo é facilitar a observação do clima, proporcionar uma melhor resposta a desastres naturais e humanos, facilitar a precisão no mapeamento de agricultura, planeamento urbano e desenho de redes. O GF-9 é possivelmente uma versão civil do satélite Yaogan Weixing-2 (Jianbing-6), proporcionando imagens com uma resolução óptica inferior a 1 metro que serão utilizadas para o planeamento urbano, desenho de vias de comunicação, determinação do uso de terras, etc.

Três novos satélites da série Gaofen-1 foram lançados a 31 de Março de 2018.

O lançamento do satélite GF-10 Gaofen-10 não foi bem sucedido a 31 de Agosto de 2016.

O satélite GF-5 Gaofen-5 (高分五号), lançado a 8 de Maio de 2018, está configurado com seis cargas, incluindo uma câmara hiperespectral VIS and SWIR (Shortwave Infrared), um sistema de observação espectral, um detector de gases de efeito de estufa, um detector ambiental atmosférico de infravermelhos com uma alta resolução espectral, um espectrómetro de absorção diferencial para a detecção de gases atmosféricos e um detector polarizador de multi-ângulos.

Os instrumentos a bordo são o Advanced Hyperspectral Imager (AHSI); o Visual and Infrared Multispectral Sensor (VIMS); o Greenhouse-gases Monitoring Instrument (GMI); o Atmospheric Infrared Ultraspectral (AIUS); o Environment Monitoring Instrument (EMI); e a Directional Polarization Camera (DPC).

O satélite é baseado na plataforma SAST-5000B desenvolvida pela Academia de Tecnologia de Voo Espacial de Xangai que depende da Corporação de Tecnologia e Ciência Aeroespacial da China – China Aerospace Science and Technology Corporation (CASC), sendo também denominado como a Oitava Divisão do CASC. A academia foi criada em Agosto de 1961 como o Bureau de Xangai 2. Em 1993 foi rebaptizado com a actual designação.

O satélite Gaofen-6 foi lançado a 2 de Junho de 2018 . O satélite Gaofen-10, um novo satélite que recebeu a mesma designação do veículo perdido a 31 de Agosto de 2016, foi lançado a 4 de Outubro de 2019.

Carga secundária

Juntamente com o Gaofen-7 foram lançados três pequenos satélites.

O Jingzhi Gaofen Shiyan Weixing (Jingzhi-1) é um novo satélite de teste de alta altitude de detecção remota desenvolvido pelo Instituto de Investigação de Tecnologia Aeroespacial de Xangai. A plataforma de satélite pesa cerca de 30 kg e sua capacidade de carga é de até 60 kg. A plataforma possui alta precisão de apontamento e alta estabilidade, importante para aplicações de detecção remota de alta precisão.

O foguetão CZ-4B Chang Zheng-4B

Desenvolvido pela Academia de Tecnologia de Voo Espacial de Xangai, a família de lançadores Chang Zheng-4 é utilizada para a colocação de satélites em órbitas polares e órbitas sincronizadas com o Sol. São lançadores a três estágios de propelentes líquidos cujas raízes se encontram no foguetão FB-1 Feng Bao-1.

A família destes lançadores consiste em três variantes: CZ-4A Chang Zheng-4A, CZ-4B Chang Zheng-4B e Chang Zheng-4C. Após o desenvolvimento do Feng Bao-1, a Academia de Tecnologia de Voo Espacial de Xangai foi incumbida do desenvolvimento do CZ-4. Aparentemente, este lançador seria um veículo suplente para o CZ-3B Chang Zheng-3B, com os dois primeiros estágios do CZ-4 a serem basicamente idênticos aos do foguetão CZ-3 Chang Zheng-3. O terceiro estágio do CZ-4 Chang Zheng-4 foi inteiramente desenvolvido pela Academia de Tecnologia de Voo Espacial de Xangai.

Após o sucesso do CZ-3B, a versão CZ-4 foi abandonada em 1982 e baseado no seu desenho foi introduzido o CZ-4A Chang Zheng-4A que é geralmente idêntico à primeira versão mas tendo uma massa no lançamento ligeiramente inferior (O CZ-4 Chang Zheng-4 tinha uma massa de 248.962 kg enquanto que o CZ-4A Chang Zheng-4A tinha uma massa de 241.092 kg.). O desenvolvimento do foguetão CZ-4B Chang Zheng-4B teve início em Fevereiro de 1989, com o primeiro lançamento previsto para ter lugar em 1997 mas acabando por só se realizar em 1999.

cz-4b_2014-08-18_18-26-05

O CZ-4B Chang Zheng-4B tem uma carenagem de protecção de maiores dimensões; o controlo electromecânico original foi substituído por um controlo electrónico; os sistemas de telemetria, seguimento, controlo e de auto-destruição foram melhorados e substituídos por dispositivos de menores dimensões; procedeu-se a uma revisão do desenho dos escapes dos motores do segundo estágio para melhor desempenho a elevada altitude; foi introduzido um sistema de gestão de consumo de propolente para o segundo estágio com o objectivo de reduzir o propolente residual e assim aumentar a capacidade de carga; e foi introduzido um sistema de ejecção de propolente para o terceiro estágio. É capaz de colocar uma carga de 4.200 kg numa órbita terrestre baixa, 2.800 kg numa órbita sincronizada com o Sol ou 1.500 kg para uma órbita de transferência para a órbita geossíncrona. O CZ-4B pode utilizar duas carenagens: uma com um comprimento de 7,12 metros, diâmetro de 2,90 metros e um peso de 800 kg, e outra com um comprimento de 8,48 metros, diâmetro de 3,35 metros e um peso de 800 kg.

Uma versão equipada com oito propulsores laterais de combustível sólido foi estudada pela Academia de Tecnologia de Voo Espacial de Xangai. O foguetão Chang Zheng-4B-8S teria uma massa de 270.000 kg no lançamento e seria capaz de colocar 2.600 kg numa órbita polar ou sincronizada com o Sol.

O Centro de Lançamento de Satélites de Taiyuan

A Base de Testes e de Treino n.º 25 do Exército de Libertação do Povo, também designada como Centro Espacial e de Testes de Mísseis de Wuzhai, é mais conhecido como Centro de Lançamento de Satélites de Taiyuan, sendo o terceiro centro espacial Chinês.

Apesar de ter sido designado como Taiyuan, uma importante cidade industrial no norte da província de Shanxi, o Centro de Lançamento de Satélites de Taiyuan está localizado no condado de Kelan, a cerca de 284 km a noroeste da cidade de Taiyuan. O uso do nome Taiyuan serviu para ocultar a sua verdadeira localização, uma característica usada regularmente pelos militares chineses durante a Guerra Fria. As instalações do centro de lançamento estão espalhadas nos vales das Montanhas Lüliang, a cerca de 1.500 metros acima do nível do mar. A região tem um clima continental de monções e é bastante árida. A temperatura média anual é de apenas 5°C.

Os testes de mísseis balísticos da China têm sido tradicionalmente conduzido para Oeste para as zonas-alvo em Xinjiang, no Noroeste da China. O alcance original no local de lançamento de Jiuquan poderia suportar o teste de mísseis balísticos com alcance de até 1.800 km. Com o aumento da gama de novos mísseis sendo introduzidos em meados da década de 1960, um novo polígono de lançamento a Este do local de lançamento existente era necessário para suportar testes terrestres dentro do território da China. Como resultado, o centro de lançamento de Taiyuan foi criado em Dezembro de 1968 para apoiar os testes de mísseis balísticos intercontinentais (ICBM) e mísseis balísticos lançados por submarinos (SLBM).

Uma plataforma de lançamento permanente (Complexo de Lançamento 7) foi construída em 1979 para testes de mísseis balísticos intercontinentais e lançamentos orbitais. O primeiro lançamento orbital do centro ocorreu em 1988, com um foguetão CZ-4A Chang Zheng-4A a colocar em órbita o satélite meteorológico Fengyun-1A.

O centro foi parcialmente desclassificado no final dos anos 80, quando a China tentava se tornar um fornecedor para o mercado internacional de lançamentos de satélites comerciais. Entre 1997 e 1999, um total de 12 satélites de comunicações Iridium foram lançados do centro utilizando foguetões CZ-2C Chang Zheng-2C/SD.

As instalações de lançamento orbital em Taiyuan incluem três complexos de lançamento com uma única plataforma de lançamento, uma área técnica para recepção e verificação de foguetões e satélites, um centro de comunicações, um centro de controle de lançamento e um centro de TT&C. Os estágios dos foguetões são transportados para o centro de lançamento através de caminho-de-ferro e descarregados numa estação de trânsito a Sul do complexo de lançamento. Posteriormente, transportados por estrada para a área técnica para procedimentos de verificação. O veículo de lançamento é montado na plataforma de lançamento usando um guindaste no topo da torre umbilical para içar cada estágio. A carga útil é transportada de avião para o Aeroporto de Taiyuan Wusu, a cerca de 300 km, e depois transportada para o centro por estrada.

O Centro TT&C, também conhecido como Posto de Comando Lüliang, localiza-se na cidade de Taiyuan. Possui quatro estações de rastreio por radar localizadas em Yangqu (Shanxi), Lishi (Shanxi), Yulin (Shaanxi) e Hancheng (Shaanxi).

O Complexo de Lançamento 7 (LC7) tornou-se operacional em 1979 e apoiou missões para as órbitas sincronizadas com o Sol usando foguetões Chang Zheng-4A, Chang Zheng-4B e Chang Zheng-4C e para órbitas terrestres baixas usando foguetões Chang Zheng-2C. O complexo de lançamento recebeu uma ampla reforma de modernização em 2008, mas não foi usado para missões de lançamento orbital desde então. Em vez disso, o complexo de lançamento foi usado para suportar testes de veículos com mísseis e veículos hipersónicos, incluindo os testes de voo do veículo WU-14 (DF-ZF) usando o foguetão CZ-2C. O complexo de lançamento possui uma única plataforma de lançamento com uma torre fixa de umbilical, com as instalações de armazenamento de propelente líquido localizadas nas proximidades.

O Complexo de Lançamento 9 (LC9) tornou-se operacional em 2008 e desde então é a principal plataforma de lançamento espacial em Taiyuan. As instalações do Complexo de Lançamento 9 não são muito diferentes do complexo anterior, consistindo numa torre umbilical fixa, armazenamento subterrâneo de propelente líquido e um centro de controlo de lançamento nas proximidades. O complexo de lançamento é utilizado pelos foguetões Chang Zheng-2C, Chang Zheng-2D, Chang Zheng-4B e Chang Zheng-4C.

Uma nova plataforma de lançamento (Complexo de Lançamento 16 – LC16) que foi construída por volta de 2014, é uma instalação de lançamento dedicada para o veículo de lançamento de pequena carga CZ-6 Chang Zheng-6 de nova geração. A plataforma não tem uma torre umbilical fixa e em vez disso, possui um mecanismo de lançamento de erecção de veículos. O veículo é examinado e acoplado com a sua carga útil numa posição horizontal dentro da sala de processamento do lançador, e é transportado num veículo com rodas até à plataforma, onde é erguido, abastecido e depois lançado.

Dados estatísticos e próximos lançamentos

– Lançamento orbital: 5882

– Lançamento orbital China: 338 (5,75%)

– Lançamento orbital desde Taiyuan: 77 (1,31% – 22,78%)

Os quadro seguinte mostra os lançamentos previstos e realizados em 2019 por polígono de lançamento.

Os próximos lançamentos orbitais previstos são (hora UTC):

5883 – 04 Nov (0915:00) – KZ-1A Kuaizhou-1A (Y7) – Jiuquan, LC43/95 – KL-α 1, KL-α 2

5884 – 07 Nov (????:??) – CZ-3B Chang Zheng-3B/G2 (Y61) – Xichang, LC2 – Beidou-3 IGSO-3

5885 – 11 Nov (1500:00) – Falcon-9 – Cabo Canaveral AFS, SLC-40 – Starlink v1 (x60)

5886 – 16 Nov (0330:00) – PSLV-C47 – Satish Dawan SHAR, FLP – CartoSat-3, Meshbad, NEMO-AM, Flock-4p 1, Flock-4p 2, Flock-4p 3, Flock-4p 4, Flock-4p 5, Flock-4p 6, Flock-4p 7, Flock-4p 8, Flock-4p 9, Flock-4p 10, Flock-4p 11, Flock-4p 12

5887 – 19 Nov (????:??) – 14A14-1B Soyuz-2.1b/Fregat-M – Baikonur, LC31 PU-6 – OneWeb (x32)

5888 – 22 Nov (2108:07) – Ariane-5ECA (VA250) – CSG Kourou, ELA3 – TIBA-1, Inmarsat-5 F5 (GX-5)

 

Comente este post

%d blogueiros gostam disto: