Fracasso do voo Vega VV17: Arianespace e ESA nomeiam uma Comissão de Inquérito independente

Na terça-feira, 17 de novembro, a Arianespace anunciou a perda da missão Vega VV17, transportando duas cargas úteis: SEOSAT-Ingenio para a ESA e TARANIS para a Agência Espacial Francesa, CNES.

Dois meses e meio após o retorno bem-sucedido do Vega ao voo, o veículo de lançamento Vega decolou conforme programado a 17 de novembro às 02h52 CET/22:52 hora local de 16 de novembro a partir do Porto Espacial europeu em Kourou, Guiana Francesa. Os três primeiros estágios funcionaram nominalmente até à ignição do estágio superior do AVUM, oito minutos após a saída da plataforma de lançamento. Nesse momento, foi detetada uma trajetória degradada, seguida da perda de controlo do veículo e a consequente perda da missão.

O lançador caiu numa área completamente desabitada, perto da zona de lançamento, planeada para o estágio Zefiro-9.

As investigações iniciais, conduzidas durante a noite com os dados disponíveis, indicam que um problema relacionado à integração do sistema de ativação bocal do quarto estágio AVUM é a causa mais provável da perda do controlo do lançador.

De acordo com os seus protocolos padrão, a Arianespace e a ESA criarão uma Comissão de Inquérito independente presidida conjuntamente por Daniel Neuenschwander, Diretor de Transporte Espacial da ESA, e Stéphane Israël, Diretor Executivo da Arianespace, a 18 de novembro. A Comissão fornecerá provas detalhadas para explicar por que motivo não foram tomadas medidas para identificar e corrigir o erro de integração. A Comissão irá formular um roteiro para o regresso do Vega ao voo em condições de total fiabilidade. A Arianespace e a ESA apresentarão em conjunto as conclusões desta comissão.

“O meu pensamento vai para todas as equipas, em particular no CDTI e no CNES, pelo seu árduo trabalho nos dois satélites perdidos,” comentou o Director-Geral da ESA, Jan Wörner. “Eu irei pessoalmente certificar-me de que compreendamos totalmente a causa raiz, mas também que traremos o Vega de volta à robustez e confiabilidade do serviço que mostrou desde o seu primeiro lançamento em 2012.”

A ESA desenvolveu o SEOSAT–Ingenio como uma missão nacional espanhola, como resultado de um esforço de colaboração internacional. Foi financiado pelo Centro para o Desenvolvimento da Tecnologia Industrial (CDTI) do Ministério da Ciência e Inovação da Espanha. Outros parceiros incluíram a Airbus Defense and Space, o principal contratante industrial do satélite.

A missão espanhola de imagens de alta resolução, SEOSAT-Ingenio, foi projetada para fornecer imagens de alta resolução da cobertura terrestre. Ao fotografar com detalhes notáveis, esta missão de satélite teria beneficiado a sociedade de várias maneiras, como na monitorização da utilização dos solos, no planeamento do desenvolvimento urbano e na gestão dos recursos hídricos. Com a sua capacidade de olhar lateralmente, teria sido capaz de aceder a qualquer ponto da Terra em três dias e poderia ter ajudado a mapear desastres naturais como inundações, incêndios florestais e terramotos.

O Diretor de Programas de Observação da Terra da ESA, Josef Aschbacher, disse: “Estamos todos muito tristes pela perda da missão de monitorização terrestre SEOSAT-Ingenio. Mas, apesar desta perda, quero lembrar que atingimos plenamente o outro objetivo, que é desenvolver uma forte perícia em sistemas espaciais na Espanha. Isto foi recentemente demonstrado pela assinatura do contrato industrial com a indústria espanhola como Primário da missão de Expansão Copernicus LSTM.”

Também neste voo se encontrava TARANIS, Tool for the Analysis of RAdiation from lightNIng and Sprites, um microssatélite de observação da Terra para a Agência Espacial Francesa, CNES. Foi projetado para observar fenómenos luminosos, radiativos e eletromagnéticos que ocorrem em altitudes de 20 a 100 km acima de tempestades.

Sobre o Vega

O Vega é um veículo de lançamento de 30 m de altura e quatro estágios que opera no Porto Espacial Europeu na Guiana Francesa. Está projetado para levar entre 300 kg e 1,5 toneladas de carga útil, dependendo da órbita e da altitude.

O próximo Vega-C da ESA, uma versão mais potente do Vega, oferecerá 700 kg de capacidade extra e volume ampliado dentro de uma carenagem de lançador mais ampla a um custo semelhante ao do Vega – permitindo ainda mais passageiros por lançamento de transporte individual com custo significativamente mais baixo por quilograma.

Sobre a Agência Espacial Europeia

A Agência Espacial Europeia (ESA) fornece a porta de entrada da Europa para o espaço.

A ESA é uma organização intergovernamental, criada em 1975, com a missão de moldar o desenvolvimento da capacidade espacial da Europa e garantir que o investimento no espaço traz benefícios aos cidadãos da Europa e do mundo.

A ESA é composta por 22 Estados-Membros: Áustria, Bélgica, República Checa, Dinamarca, Estónia, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Hungria, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Países Baixos, Noruega, Polónia, Portugal, Roménia, Espanha, Suécia, Suíça e o Reino Unido. A Eslovénia e a Letónia são membros associados.

A ESA estabeleceu uma cooperação formal com seis Estados-Membros da UE. O Canadá participa de alguns programas da ESA sob um Acordo de Cooperação.

Saiba mais sobre a ESA em www.esa.int

Notícia: ESA

Os artigos da ESA são escritos segundo o novo AO90



O Boletim Em Órbita não tem fins lucrativos e é mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando seu bloqueador de anúncios em www.orbita.zenite.nu

Comente este post