Fluxo lento para glaciares em regressão na Ásia

Ao fornecer água para beber, irrigação e energia, os glaciares nas montanhas mais altas do mundo são uma tábua de salvação para mais de um milhar de milhão de pessoas. À medida que a mudança climática toma conta e os glaciares perdem massa, pode pensar-se que, lubrificadas por mais água derretida, estes fluem mais rapidamente. No entanto, as imagens de satélite dos últimos 30 anos mostram que não é assim tão simples.

Um artigo, publicado recentemente na Nature Geoscience, descreve como uma infinidade de imagens de satélite foram utilizadas para revelar que houve realmente uma desaceleração na taxa em que os glaciares deslizam pelas altas montanhas da Ásia.

As altas montanhas da Ásia estendem-se desde o Tien Shan e o Hindu Kush, no noroeste, até ao leste do Himalaia, no sudeste. A área também faz parte do que é conhecido como “o terceiro polo”, porque esses campos de gelo de alta altitude contêm a maior reserva de água doce fora das regiões polares.

Fonte dos 10 principais sistemas fluviais, o terceiro polo fornece água doce para mais de 1,3 mil milhões de pessoas na Ásia – quase 20% da população mundial.

Durante mais de uma década, os dados de satélite documentaram que os glaciares das altas montanhas da Ásia estão a diminuir e a perder massa devido à liquefação.

No entanto, não ficou totalmente claro o que essa perda de gelo significa para a sua taxa de fluxo”, disse o principal autor do estudo, Amaury Dehecq, do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA (JPL) e da Universidade de Edimburgo.

Os cientistas precisam entender o que regula a velocidade do fluxo glacial para prever como a água de degelo afectará o suprimento de água doce da região no futuro, e como a água de degelo aumenta a elevação do nível do mar.

O estudo, que foi iniciado ao abrigo do programa Dragon da ESA, utiliza imagens dos satélites Landsat dos EUA, que são Missões de Terceiros da ESA.

O Dragon é um empreendimento conjunto entre a ESA e o Centro Nacional de Detecção Remota da China, que promove a utilização dados de satélite chineses, da ESA, da Missão de Terceiros e do Copernicus Sentinel para ciência e aplicações.

As Missões de Terceiros não são missões de satélite da ESA, mas, ao abrigo de um acordo, os dados destas missões também são processados e arquivados pelos sistemas terrestres multi-missão da ESA. As missões US Geological Survey e NASA Landsat enquadram-se neste acordo.

Declínio glacial

O Dr. Dehecq e seus colegas analisaram quase dois milhões de pares de imagens de satélite Landsat reunidas entre 1985 e 2017 e utilizaram a monitorização automática para medir a distância que características distintas nos glaciares, como fendas ou manchas de terra, haviam viajado entre imagens anteriores e posteriores.

Alex Gardner, também do JPL, acrescentou: “Fizemos isso milhões de vezes para ver mudanças na velocidade na ordem de um metro por ano.”

Descobriram que a espessura do gelo supera qualquer outro factor na regulação do fluxo – quanto mais fino o glaciar, mais lentamente ele flui. Isto desafia a teoria mais intuitiva do fluxo de glaciares que se acelera devido ao efeito lubrificante da água derretida na sua base.

Uma das razões para essa desaceleração é a gravidade.

A atracção gravitacional está relacionada à massa, de modo que quando um glaciar perde massa, a força de tracção enfraquece fazendo com que flua mais lentamente.

Da mesma forma, nos poucos locais onde os glaciares estão mais estáveis ou mais espessos que em decremento, as velocidades de fluxo têm aumentado ligeiramente.

Noel Gourmelen, da Universidade de Edimburgo, disse: “O que é surpreendente neste estudo é que a relação entre o decremento e a velocidade do fluxo é tão consistente.

Estas descobertas dever-nos-ão ajudar a entender melhor como os glaciares se comportaram no passado e a projectar melhor a sua contribuição para a disponibilidade de água e o nível do mar, à medida que respondem à mudança climática.

Ser capaz de monitorizar essas regiões remotas a partir do espaço, durante longos períodos, é extremamente importante para entender o que está a acontecer. Também temos agora as missões Copernicus Sentinel da Europa, que também desempenham um papel crucial nesse tipo de monitorização.”

Com uma parcela tão grande da população mundial dependente da água dessas altitudes frias, as mudanças no tamanho e no fluxo desses glaciares podem trazer sérias consequências para a sociedade.

É claramente importante continuar a monitorização desta frágil região, como recentemente destacada pela Organização Meteorológica Mundial (WMO) na National Science ReviewEscalar os picos para os benefícios sociais.

Em reconhecimento da necessidade de abordar a facilidade de acesso a informações confiáveis e relevantes, em termos de políticas sobre recursos hídricos, ao integrar o conhecimento emergente sobre as mudanças aceleradas na criosfera de alta montanha, a Cúpula da Alta Montanha da OMM será realizada em Outubro de 2019.

Notícia e imagem: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

Edição: Rui C. Barbosa

 

%d blogueiros gostam disto: