Firefly Aerospace falha lançamento inaugural desde Vandenberg

A empresa Firefly Aerospace realizou o voo inaugural do seu lançador orbital a partir da Base das Forças Espaciais de Vandenberg, Califórnia, a 3 de Setembro de 2021.

O lançamento do foguetão Alpha (FLTA001) teve lugar às 0159UTC sendo realizado a partir do Complexo de Lançamento SLC-2W. Esta foi a missão DREAM (Dedicated Research and Education Accelerator Mission).

Infelizmente, os objectivos da missão não foram atingidos, pois, mais de dois minutos após abandonar a plataforma de lançamento, o lançador Alpha sofreu uma anomalia que resultou na perda de controlo do veículo e na sua posterior destruição, levando à perda da carga a bordo.

Fundada por Tom Markusic em 2014, a Firefly Aerospace é uma empresa norte-americana privada baseada em Austin – Texas, que desenvolve lançadores de pequena e média capacidade destinados a lançamentos orbitais comerciais.

O foguetão Alpha é um lançador a dois estágios e tem um comprimento total de 29,75 metros, um diâmetro de 1,82 metros e tendo uma massa de 54.120 kg. É capaz de colocar uma carga de 600 kg numa órbita sincronizada com o Sol a uma altitude de 600 km, 850 kg para uma órbita a 500 km de altitude com uma inclinação de 45.º ou 1.000 kg numa órbita terrestre baixa a uma altitude de 200 km e com uma inclinação de 28,5.º em relação ao equador terrestre.

Ambos os estágios consomem querosene altamente refinado (RP-1) e oxigénio líquido, com o primeiro estágio a desenvolver 736 kN (estando equipado com quatro motores Reaver-1) e o segundo estágio a desenvolver 70 kN (estando equipado com um motor Lightning-1).

De forma geral, e após abandonar a plataforma de lançamento, o final da queima do primeiro estágio e a sua separação ocorrem a T+2m 43s a uma altitude de 69 km. A ignição do segundo estágio ocorre a T+2m 48s a uma altitude de 75 km. A separação das carenagem de protecção de carga ocorre a T+3m 35s a uma altitude de 116 km. O final da queima do segundo estágio tem lugar a T+8m 2s, com o lançador a uma altitude de 500 km. A fase orbital da missão inicia-se de seguida. O segundo estágio inicia a sua segunda ignição a T+53m 20s, com a separação da carga principal a ocorrer a T+56m 40s. De seguida, o estágio executa uma manobra para evitar possíveis colisões (T+58m 20s) e a separação da carga secundária, a existir, ocorre a T+1h 1m 40s. A fase de passivação do estágio ocorre 100 segundos mais tarde.

A Firefly Aerospace pode realizar lançamentos orbitais a partir do Complexo de Lançamento SLC-2W da Base das Forças Espaciais de Vandenberg, Califórnia – para missões polares ou missões tendo como destino órbitas sincronizadas com o Sol – e a partir do Complexo de Lançamento SLC-20 da Base das Forças Espaciais do Cabo Canaveral, Florida.

A bordo desta missão inaugural seguiam vários pequenos satélites: NPS-CENETIX-Orbital 1, Serenity, Hiapo, Cresst Dream Comet, BSS-1, FossaSat-1b (Fossa-1B), FossaSat-2 (Fossa-2), GENESIS-L, GENESIS-N, Qubik-1, Qubik-2 e Spinnaker-3/Firefly Capsule-1.

O satélite NPS-CENETIX-Orbital 1 (Naval Postgraduate School – Center for Network Innovation and Experimentation) é um CubeSat-3U desenvolvido em conjunto pelo Space Systems Academic Group, na NPS, e pela AT&T, que irá operar o satélite que foi projectado para demonstrar a denominada “Bursty Orbital Mesh Networking” e incorpora um quadro de comunicações duplo composto por rádios goTenna Pro X e LoRa, combinados com um controlador Arduino.

O CubeSat-3U, Serenity, foi desenvolvido pela Teachers in Space (TIS). O veículo proporciona oportunidades de baixo custo para testar experiências educacionais em órbita. O projecto “Teachers in Space” orientou anteriormente as escolas secundárias e outras instituições académicas no desenvolvimento e no lançamento suborbital com balões de grande altitude, planadores estratosféricos e foguetões-sonda. A missão Serenity é a primeira missão orbital para a TIS.

O Serenity transporta um conjunto de sensores de dados e uma câmara que irá enviar dados para a Terra através da utilização de sinais de rádio-amador. Várias serão as estações terrestres a se ligarem com o satélite durante a sua missão orbital, recolhendo dados e imagens enviadas pelo Serenity.

O Hiapo é um satélite CubeSat-1U educacional que foi desenvolvido pelo Hawaii Science and Technology Museum. O projecto é composto por uma plataforma única utilizada para proporcionar currículo STEM para os alunos do Havai do ensino primário e preparatório. parte deste currículo envolve a obtenção de dados sobre as erupções solares e as suas perturbações no campo magnético terrestre. O satélite poderá também obter dados sobre eventos solares em relação à propagação das ondas de rádio reflectidas ou refractadas de volta para a Terra a partir da ionosfera. Durante o decorrer da missão, os dados serão disponibilizados para operadores amadores, podendo estes ser descarregados directamente do satélite.

O projecto Cresst Dream Comet foi desenvolvido pela Universidade de Cambridge e é cmposto por um pequeno satélite de demonstração no formato CubeSat-3U. O satélite tem como objectivo demonstrar um sistema de alteração de propulsão faseado (ou por passos) que tem o potencial de permitir a cada escola secundária ou universidade possuir o seu satélite de baixo custo para a exploração interplanetária.

Desenvolvido pela Benchmark Space Systems e pela NearSpace Launch (que forneceu a plataforma do satélite), o BSS-1 (Benchmark Space Systems 1) é um CubeSat-3U de demonstração tecnológica para demonstrar o sistema de propulsão DFAST. Este sistema de propulsão utiliza combustível em pó inerte não tóxico abastecido antes do envio do satélite para processamento e que permanece inerte até ao comando de pressurização em órbita.

O FossaSat-1b é uma versão actualizada do picossatelite FossaSat-1 desenvolvido pela espanhola Fossa Systems, uma organização sem fins lucrativos que se dedica a tecnologia de picossatelites pocketqube e democratização do acesso ao espaço.

A principal missão do satélite é testar uma nova modulação experimental do chip RF chamado LoRA e partilhar dados educacionais do espaço para o público. Uma das características são os painéis solares desdobráveis. O projecto serve também para albergar o desenvolvimento de satélites miniaturizados baratos para uso no espaço usando componentes reutilizáveis

O satélite, com uma massa de 0,2 kg, é baseado na configuração PocketQube (1P) e está equipado com células solares que fornecem energia que é armazenada em baterias internas.

O FossaSat-2 é um picossatelite desenvolvido pela Fossa Systems tendo por base o factor PocketQube-2P. A sua missão será a de testar um novo sinal de modulação RF, denominado LoRa, e partilhar os dados educacionais com o público a partir da órbita terrestre. O satélite está equipado com painéis solares móveis e pretende incentivar o rápido desenvolvimento de sistemas de satélite miniaturizados e de baixo custo para aplicações espaciais utilizando componentes comercialmente disponíveis.

Os pequenos satélites GENESIS-L e GENESIS-N foram desenvolvidos pela AMSAT EA, baseados no factor PocketQube-1.5P. Estes satélites irão realizar uma série de experiências relacionadas com comunicações, enquanto, em simultâneo, será efetuada uma análise no solo dos sinais recebidos por estações em todo o planeta que irão tentar as variações doppler para determinar os parâmetros orbitais e a identificação dos satélites.

As experiências de comunicações irão utilizar várias modulações distintas, diferentes codificações e esquemas de transmissão, com a intenção de fornecer dados acerca do seu desempenho em missões de satélites nano e pico. Adicionalmente, o esquema será organizado de tal maneira que possa assim ser efectuada a identificação do satélite logo que possível utilizando sequências ortogonais ou PN.

Desenvolvidos pela Libre Space Foundation, os satélites Qubik-1 e Qubik-2 têm uma missão semelhante à dos satélites GENESIS-L e GENESIS-N.

As cargas Spinnaker-3 e Firefly Capsule 1 encontram-se no último estágio do foguetão Alpha.

A carga Spinnaker-3 é uma colaboração entre a Cal Poly Cubesat Lab, a Purdue University e a NASA. Irá proceder à abertura de uma vela de arrasto com uma área de 18 m2 para fornecer a capacidade de remoção orbital ao último estágio do lançador. A carga é composta por um dispositivo 8U com a vela de arrasto com uma caixa 1U de sistema aviónicos, e um sistema mecânico 12U para se elevar acima das outras cargas situadas sobre o anel de cargas no lançador. O dispositivo de vela de arrasto é composto por quatro mastros com um comprimento de 3 metros feitos em fibra de carbono SHERLESS em torno de um único pivô e quatro quadrantes (velas) transparentes de CP-1. Um motor de uma única fase irá actuar na abertura das velas e duas câmaras colocadas na caixa de aviónicos irá captar imagens da abertura do dispositivo. Um rádio de UHF e uma antena de dipolo irão fornecer a capacidade de transmissão e recepção de sinal para as estações de rastreio na Universidade de Purdue e no controlo da missão da Cal Poly em San Luis Obispo.

A cápsula Firefly Capsule 1 é composta por várias materiais não técnicos provenientes de todo o mundo, tais como fotografias, trabalhos de arte e livros infantis.

Dados estatísticos e próximos lançamentos

– Lançamento orbital: 6106

– Lançamento orbital EUA: 1756 (28,76%)

– Lançamento orbital desde Vandenberg AFB: 705 (11,55% – 40,15%)

 

Os próximos lançamentos orbitais previstos são (hora UTC):

6107 – 06 Set (????:??) – Chang Zheng-4C – Taiyuan, LC9 – Gaoden-5 (02)

6108 – 09 Set (1100:??) – Chang Zheng-3B/G2 (Y86) – Xichang, LC2 – Zhongxing-9B

6109 – 12 Set (????:??) – Chang Zheng-2C/YZ-1S (Y41/Y4) – Jiuquan, LC43/94 – Yaogan-32-02

6110 – 14 Set (????:??) – 14A14-1B Soyuz-2-1B/Fregat-M (N15000-051/123-?? (ST35)) – Baikonur, LC31 PU-6 – OneWeb-F10

6111 – 15 Set (????:??) – Falcon 9-125 (B1062.3) – CE Kennedy, LC-39A – Crew Dragon: Inspiration4



O Boletim Em Órbita não tem fins lucrativos e é mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando seu bloqueador de anúncios em www.orbita.zenite.nu

Comente este post