COVID-19: dióxido de azoto na China

Dados recentes mostraram um declínio da poluição do ar no norte da Itália coincidindo com o seu bloqueio nacional para impedir a propagação do coronavírus (COVID-19). Este novo mapa mostra a variação das emissões de dióxido de azoto na China de Dezembro a Março – graças ao instrumento Tropomi a bordo do satélite Copernicus Sentinel-5P.

Quando as notícias sobre o coronavírus foram divulgadas na província de Hubei, na China, no final de Dezembro de 2019, foram adoptadas medidas mais rigorosas. Como resultado, no final de Janeiro, as fábricas foram fechadas e as ruas foram limpas, pois as autoridades chinesas haviam cessado as actividades diárias para impedir a propagação da doença.

Isto levou a uma drástica redução nas emissões de dióxido de azoto – aquelas libertadas por centrais eléctricas, instalações industriais e veículos – em todas as principais cidades chinesas entre o final de Janeiro e Fevereiro. A queda nas emissões também coincidiu com as comemorações do Ano Novo Lunar, que geralmente vê uma queda semelhante nas emissões a cada ano.

O Serviço de Monitorização da Atmosfera Copernicus (CAMS) observou uma diminuição de partículas em suspensão – um dos poluentes atmosféricos mais importantes – em Fevereiro de 2020 em comparação aos três anos anteriores. Ao combinar observações de satélite com modelos de computador detalhados da atmosfera, os seus estudos indicaram uma redução de cerca de 20 a 30% no material em suspensão de superfície em grande parte da China.

$video.data_map.short_description.content

À medida que a epidemia de coronavírus diminui na China, muitas províncias diminuíram os seus níveis de resposta a emergências. Escolas, fábricas e outros espaços públicos estão a começar a reabrir e os trabalhadores estão gradualmente a retornar aos seus empregos.

Esta animação, usando dados do satélite Copernicus Sentinel-5P, mostra as emissões de dióxido de azoto de 20 de Dezembro de 2019 a 16 de Março de 2020 – usando uma média móvel de 10 dias. A queda nas emissões no final de Janeiro é visível, coincidindo com a quarentena nacional e, desde o início de Março, os níveis de dióxido de azoto começaram a aumentar.

Josef Aschbacher, Director de Programas de Observação da Terra da ESA, diz: “Os satélites oferecem um ponto de vista único para monitorizar a saúde do nosso planeta. Hoje, o Sentinel-5P é um dos sete satélites Copernicus em órbita. Actualmente, fornece as medições mais precisas de dióxido de azoto e outros gases vestigiais a partir do espaço.

Como o dióxido de azoto é produzido principalmente pelo tráfego e pelas fábricas, é um indicador de primeiro nível da actividade industrial em todo o mundo. O que é claramente visível é uma redução significativa dos níveis de dióxido de azoto sobre a China, causada pela actividade reduzida devido às restrições do COVID-19, mas também pelo Ano Novo Chinês em Janeiro.”

Ele continua: “O programa Copernicus é um exemplo perfeito de como o espaço serve a todos os cidadãos europeus, combinando a força política da UE com a excelência técnica da ESA.”

Bringing air pollution into focus

Claus Zehner, director da missão Copernicus Sentinel-5P da ESA, comenta: “Certamente podemos atribuir uma parte da redução de emissão de dióxido de azoto ao impacto do coronavírus. Actualmente, observamos uma redução de cerca de 40% nas cidades chinesas, no entanto, estas são apenas estimativas aproximadas, pois o clima também afecta as emissões.

Estamos a realizar uma análise científica detalhada que, em breve, fornecerá mais conhecimentos e resultados quantificados nas próximas semanas e meses.”

missão do Copernicus Sentinel-5 Precursor, também conhecida como Sentinel-5P, é dedicada à monitorização da poluição do ar, medindo uma infinidade de gases vestigiais e aerossóis – todos os quais afectam o ar que respiramos.

Notícia e imagens: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

Comente este post

%d blogueiros gostam disto: