Copernicus Sentinel-6 selado na carenagem do foguetão

Enquanto os preparativos para o lançamento do Copernicus Sentinel-6 Michael Freilich continuam, a equipa da Base da Força Aérea de Vandenberg, na Califórnia, despediu-se do satélite, visto que está selado dentro das duas meias-conchas da sua carenagem do foguetão Falcon 9. A decolagem está agora marcada para 21 de novembro às 17:17 GMT (18:17 CET; 09:17 PST).

Desde a sua chegada ao local de lançamento, no final de setembro, o Sentinel-6 Michael Freilich foi exaustivamente testado, abastecido e unido ao adaptador de lançamento. Agora, em segurança dentro da carenagem do foguetão que o protegerá durante a decolagem, as próximas etapas incluem o transporte para a torre de lançamento e o encaixe no resto do foguetão.

  • Copernicus Sentinel-6 Michael Freilich on its launch adapter
    Copernicus Sentinel-6 Michael Freilich on its launch adapter
  • Copernicus Sentinel-6 Michael Freilich ready for encapsulation
    Copernicus Sentinel-6 Michael Freilich ready for encapsulation
  • Copernicus Sentinel-6 Michael Freilich being sealed in its rocket fairing
    Copernicus Sentinel-6 Michael Freilich being sealed in its rocket fairing
  • Copernicus Sentinel-6 Michael Freilich in its fairing
    Copernicus Sentinel-6 Michael Freilich in its fairing
  • The launch campaign team in front of the satellite
    The launch campaign team in front of the satellite
  • Copernicus Sentinel-6 Michael Freilich being sealed in rocket fairing
    Copernicus Sentinel-6 Michael Freilich being sealed in rocket fairing

Uma vez lançada, esta nova missão assumirá o papel de missão de referência de altimetria de radar, continuando o registo de longo prazo de medições da altura da superfície do mar, iniciado em 1992 pelo Topex Poseidon francês-americano, e depois pela série Jason de missões de satélite.

A elevação do nível do mar é uma das maiores ameaças que enfrentamos como consequência das mudanças climáticas.

Dados de satélite mostram que o nível médio global do mar aumentou, em média, pouco mais de 3 mm por ano desde 1993. Ainda mais preocupante, essa taxa de incremento aumentou nos últimos anos. O papel do Copernicus Sentinel-6 não é apenas continuar este registo crítico de “padrão ouro” para estudos climáticos, mas também medir a altura da superfície do mar com maior precisão do que antes.

A monitorização precisa da variação da altura da superfície do mar ao longo de décadas é essencial para a ciência do clima, para a formulação de políticas e, em última instância, para proteger a vida das pessoas em áreas baixas vulneráveis.

$video.data_map.short_description.content

A missão Sentinel-6 compreende dois satélites idênticos, Sentinel-6 Michael Freilich e Sentinel-6B, lançados com cinco anos de diferença para fornecer medições até pelo menos 2030.

Os satélites atingem 66°N e 66°S – uma órbita específica ocupada pelas missões anteriores que forneceram os dados de referência da altura da superfície do mar nas últimas três décadas. Esta órbita permite que 95% do oceano sem gelo da Terra seja mapeado a cada 10 dias. O Sentinel-6 baseia-se na herança da série Jason, do satélite CryoSat da ESA e da missão Copernicus Sentinel-3.

Cada satélite Sentinel-6 carrega um altímetro que funciona ao medir o tempo que demora a viagem dos pulsos do radar até à superfície da Terra e de volta ao satélite. Combinado com dados precisos de localização de satélite, as medições de altimetria fornecem a altura da superfície do mar.

Além disso, o Sentinel-6 traz, pela primeira vez, o radar de abertura sintética para as séries temporais de missão de referência de altimetria. Para garantir que nenhuma polarização seja introduzida nos dados da série temporal, o instrumento de radar fornece medições de modo de baixa resolução convencionais simultâneas, bem como o desempenho aprimorado do processamento de radar de abertura sintética que produz medições ao longo da trilha de alta resolução.

Copernicus Sentinel-6 builds on heritage

O pacote de instrumentos dos satélites também inclui um radiómetro de micro-ondas avançado fornecido pela NASA. O vapor de água na atmosfera afeta a velocidade dos pulsos de radar do altímetro – e, portanto, as estimativas da altura da superfície do mar. O radiómetro de micro-ondas avançado contabiliza esse vapor de água para garantir que as medições sejam precisas.

Além de mapear a altura da superfície do mar para entender as mudanças de longo prazo, o Copernicus Sentinel-6 também fornece dados para aplicações ‘operacionais’ práticas. Por exemplo, a missão mede a altura significativa das ondas e a velocidade do vento, dados que são usados para previsões oceânicas quase em tempo real e que podem ser usados para a gestão sustentável dos recursos oceânicos, gestão costeira e proteção ambiental, a indústria pesqueira e muito mais.

A missão Copernicus Sentinel-6 é um verdadeiro exemplo de cooperação internacional. Embora o Sentinel-6 seja uma das missões da família Copernicus da União Europeia, a sua implementação é o resultado da colaboração única entre a ESA, a NASA, a Eumetsat e a NOAA, com contribuição da agência espacial francesa CNES.

Notícia e imagens: ESA

Os artigos da ESA são escritos de acordo com o novo AO90



O Boletim Em Órbita não tem fins lucrativos e é mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando seu bloqueador de anúncios em www.orbita.zenite.nu

Comente este post