China realiza lançamento orbital a partir de plataforma no Mar Amarelo

A China levou a cabo o seu primeiro lançamento orbital a partir de uma plataforma flutuante no Mar Amarelo no dia 5 de Junho de 2019. O lançamento teve lugar às 0406:01UTC e a plataforma encontrava-se ancorada a Este da província de Shandong. A bordo encontravam-se sete satélites e o lançamento decorreu como previsto.

Este lançamento foi designado “CZ-11 WEY” após um acordo de parceria estratégica entre a WEY, uma marca de SUV da Great Wall Motor China Space Foundation e a Academia Chinesa de Tecnologia de Veículos Lançadores que fundou uma ‘hub’ de inovação tecnológica conjunta a 24 de Abril de 2019, e que irá ajudar a construtora de SUV a atingir inovações em investigação e desenvolvimento, e em áreas de manufacturação.


A plataforma de lançamento marítimo utilizada neste lançamento pertence e é gerida por uma empresa de engenharia marítima Chinesa não identificada. A plataforma tem aproximadamente 110 x 80 metros de tamanho, sendo equipada com um sistema de transporte e erecção de 15,5 metros de altura e encontrava-se ancorada a 34,90º N, 121,19º E.

A bordo do CZ-11 estavam os satélites Bufeng-1A e Bufeng-1B, desenvolvidos pela Academia Chinesa de Tecnologia de Vôo Espacial. Os dois satélites testarão as medições dos campos de velocidade do vento na superfície do mar através de pequenos satélites em vôo de formação.

O Xiaoxiang-1-04 (ou SpaceTY) é um CubeSat-6U para a obtenção de imagens da superfície da Terra. O pequeno satélite obtém imagens com uma resolução de 5 metros e com uma faixa de 80 km de largura.

Outro satélite a bordo é o pequeno satélite de comunicações experimental Tianqi-3 (ou Tao Xingzhi). O satélite também carrega uma câmara para fins educacionais e tem o nome do educador e reformador Tao Xingzhi, que dedicou sua vida à promoção da educação em massa na China, especialmente a educação nas áreas rurais, na primeira metade do século XX. O Tianqi-2 será lançado no primeiro lançamento de Jielong-1 programado para o final de Junho.

Também a bordo estão dois satélites da Tianxiang (China Eletronics Technology Group Corporation / CETGC) – Zhongdianwangtong-1A e Zhongdianwangtong-1B. Os satélites testarão as interligações de comunicação de banda Ka por satélite.

Finalmente, o Jilin-1 Gaofen-03A é um novo satélite de detecção remota de alta resolução para a constelação de satélites Jilin-1. Com uma massa de 42 kg, o satélite captura imagens com 1 metro de resolução e uma faixa de 17 km de largura a partir de uma órbita operacional a 579 km de altitude.

A constelação de satélites Jilin-1 (também designada Lingqiao-1) foi desenvolvida na província de Jilin pela Chang Guang Satelllite Tech Co. e trata-se da primeira constelação de satélites da China desenvolvidos para utilização comercial. A constelação será composta por vários satélites que irão fornecer dados para clientes comerciais para os auxiliar na previsão e mitigação de desastres geológicos, bem como encurtar a escala temporal para a exploração de recursos naturais.

A primeira fase da constelação viu o lançamento de três satélites Jilin-1 a 7 de Outubro de 2015 (Jilin 1-01 e Jilin 1-02) e a 9 de Janeiro de 2017 (Jilin 1-03). Entre 2018 e 2019 existem planos para a colocação em órbita de 16 satélites, completando uma rede de detecção remota que irá cobrir todo o globo terrestre e que será capaz de actualizações entre 1 a 3 horas no que diz respeito aos dados fornecidos. A partir de 2020, os planos apontam para 60 satélites numa constelação orbital capaz de fornecer actualizações em 30 minutos. A partir de 2030 a constelação Jilin terá 138 satélites em órbita capaz de fornecer dados em todas as condições atmosféricas e capaz de observar o planeta em qualquer parte do globo com uma capacidade de actualização de 10 minutos.

Os satélites Jilin-1 são projectados para a captação de vídeo com uma resolução superior a 1,0 metros e uma área de 11 x 4,5 km. O tempo de vida operacional dos satélites é de 3 anos e a sua massa no lançamento é de 95 kg.

Os satélites Jilin 1-04 a Jilin 1-06 foram lançado a 21 de Novembro de 2017, por um foguetão Chang Zheng-6 a partir do Centro de Lançamento de Satélites de Taiyuan. Os satélites Jilin 1-07 e Jilin 1-08 foram lançados a 19 de Janeiro de 2018, enquanto que os satélites Jilin-1 Hyperspectral-01 e Jilin-1 Hyperspectral-02 foram lançados a 21 de Janeiro de 2019.

O foguetão Chang Zheng-11

cz-11-002667Poucas características são conhecidas do CZ-11 Chang Zheng-11 (长征十一号). Este lançador é um veículo a quatro estágios que consomem prepolente sólido. Possivelmente, o quarto estágio deverá estar equipado com um sistema de controlo que utiliza propelentes líquidos. O CZ-11 foi desenvolvido pela Corporação de Ciência e Tecnologia Industrial da China uma subsidiária da Academia Chinesa de Tecnologia de Lançadores Espaciais.

O foguetão tem um comprimento de 20,8 metros, diâmetro de 2,0 metros e uma massa de 58.000 kg, desenvolvendo 120.000 kg/f no lançamento, sendo capaz de colocar uma carga de 350 kg numa órbita sincronizada com o Sol a uma altitude de 700 km. Pode ser equipado com duas carenagens distintas (1,6 metros de diâmetro e 2,0 metros de diâmetro) dependendo da missão a levar a cabo.

É um veículo de actuação rápida, podendo ser pronto para o lançamento numa questão de horas. O objectivo é dar resposta rápida em situações de emergência. O CZ-11 está projectado para o lançamento de pequenas cargas. O quadro seguinte mostra a capacidade de carga (kg) em relação à altitude da órbita circular para o Chang Zheng-11.

cz-11-002666

A figura mostra um esquema do foguetão Chang Zheng-11: 1) carenagem de protecção; 2) satélites; 3) adaptador de carga; 4) compartimento de equipamento de controlo; 5) motor de combustível sólido do 4º estágio; 6) sistema de controlo de reacção; 7) motor de combustível sólido do 3º estágio; 8) motor de combustível sólido do 2º estágio; 9) motor de combustível sólido do 1º estágio; 10) 4º estágio; 11) 3º estágio; 12) 2º estágio; 13) 1º estágio.

O primeiro lançamento do Chang Zheng-11 teve lugar às 0145UTC do dia 25 de Setembro de 2015 quando o veículo Y1 colocou em órbita os satélites Pujiang-1, Shangkeda-2 (TW-1A Tianwang-1A / SECM-1), NJUST-2 (TW-1B Tianwang-1B) e NJFA-1 (TW-1C Tianwang-1C).

Dados estatísticos e próximos lançamentos

– Lançamento orbital: 5841

– Lançamento orbital China: 325 (5,56%)

– Lançamento orbital desde Mar Amarelo: 1 (0,02% – 0,31%)

Os quadro seguinte mostra os lançamentos previstos e realizados em 2019 por polígono de lançamento.

Os próximos lançamentos orbitais previstos são (hora UTC):

5842 – 10 Jun (0130:00) – Shuang Quxian-1 – Jiuquan – ?????; ?????; ?????; ?????; ?????; ?????; CAS-7B/BP-1P

5843 – 11 Jun (1417:00) – Falcon 9-073 (B1051.2) – Vandenberg AFB, SLC-4E – RCM-1, RCM-2, RCM-3

5844 – 20 Jun (2141:07) – Ariane-5ECA (VA248) – CSG Kourou, ELA3 – DirecTV-16, Eutelsat-7C

5845 – 21 Jun (1344:00) – 8K82KM Proton-M/DM-03 (53547/4L) – Baikonur, LC200 PU-39 – Spektr-RG

5846 – 23 Jun (0330:00) – Falcon Heavy-03 (B1052.2, B1057.1, B1053.2) – CE Kennedy, LC-39A – DSX, FORMOSAT-7A, FORMOSAT-7B, FORMOSAT-7C, FORMOSAT-7D, FORMOSAT-7E, FORMOSAT-7F, GPIM, OTB-1, FalconSat-7, NPSat-1, Oculus-ASR, Prox-1 + LightSail-B, ARMADILLO, TBEx-A, TBEx-B, Prometheus-2.5, Prometheus-2.6, Prometheus-2.7, Prometheus-2.8, Prometheus-2.9, Prometheus-2.10, Psat-2, BRICSat-2, TEPCE-1, TEPCE-2, CP-9 (LEO), StangSat, DOTS-X, RECONSO e uma carga de balastro

 

%d blogueiros gostam disto: