China lança satélites hiperespectrais

A China levou a cabo o seu segundo lançamento orbital de 2019 ao colocar em órbita dois satélites hiperespectrais a partir do Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan.

O lançamento dos satélites Jilin-1 Hyperspectral-01 e Jilin-1 Hyperspectral-02 teve lugar às 0545UTC do dia 21 de Janeiro e foi levado a cabo pelo foguetão CZ-11 Chang Zheng-11 (Y6) a partir da Plataforma de Lançamento 95 do Complexo de Lançamento LC43.

A constelação de satélites Jilin-1 (também designada Lingqiao-1) foi desenvolvida na província de Jilin pela Chang Guang Satelllite Tech Co. e trata-se da primeira constelação de satélites da China desenvolvidos para utilização comercial. A constelação será composta por vários satélites que irão fornecer dados para clientes comerciais para os auxiliar na previsão e mitigação de desastres geológicos, bem como encurtar a escala temporal para a exploração de recursos naturais.

A primeira fase da constelação viu o lançamento de três satélites Jilin-1 a 7 de Outubro de 2015 (Jilin 1-01 e Jilin 1-02) e a 9 de Janeiro de 2017 (Jilin 1-03). Entre 2018 e 2019 existem planos para a colocação em órbita de 16 satélites, completando uma rede de detecção remota que irá cobrir todo o globo terrestre e que será capaz de actualizações entre 1 a 3 horas no que diz respeito aos dados fornecidos. A partir de 2020, os planos apontam para 60 satélites numa constelação orbital capaz de fornecer actualizações em 30 minutos. A partir de 2030 a constelação Jilin terá 138 satélites em órbita capaz de fornecer dados em todas as condições atmosféricas e capaz de observar o planeta em qualquer parte do globo com uma capacidade de actualização de 10 minutos.

Os satélites Jilin-1 são projectados para a captação de vídeo com uma resolução superior a 1,0 metros e uma área de 11 x 4,5 km. O tempo de vida operacional dos satélites é de 3 anos e a sua massa no lançamento é de 95 kg.

Os satélites Jilin 1-04 a Jilin 1-06 foram lançado a 21 de Novembro de 2017, por um foguetão Chang Zheng-6 a partir do Centro de Lançamento de Satélites de Taiyuan. Os satélites Jilin 1-07 e Jilin 1-08 foram lançados a 19 de Janeiro de 2018.

Também designados como ‘Jilin Lincao-1’ (Jilin-1 Hyperspectral-01) “吉林林草一号” e ‘Wenchang Chaosun-1’ (Jilin-1 Hyperspectral-02) “文昌超算一号”, os dois novos satélites são veículos hiperespectrais desenvolvidos independentemente pela Changguang Satellite Technology Co., Ltd.

O satélite ‘Jilin Lincao-1 herda totalmente a base autónoma e a tecnologia madura do satélite “Jilin-1”,sendo equipado com uma câmara de infravermelho de onda curta, onda média e onda comprida multi-espectral, com o sistema de gestão de águas Shuiyuan-1 e outras cargas úteis. O sistema de processamento inteligente a bordo pode obter imagens com uma resolução de 5 metros, imagens de 110 km de largura com 26 canais de dados de detecção remota. O Jilin Lincao-1 fornecerá dados de detecção remota e produtos para utilizadores de serviços florestais, pastagens, navegação, oceanografia, recursos e meio ambiente da mesma forma que os dez satélites “Jilin No. 1” lançados anteriormente.

O Wenchang Chaosun-1 é o primeiro satélite comercial de detecção remota a ser dedicado à Ilha de Hainan e ao Mar do Sul da China e estará operacional no finais de Março de 2019. O satélite foi desenvolvido em conjunto pelo Hainan Modern Science and Technology Group – uma subsidiária da Wenchang Aerospace Supercomputing Big Data Industry Cluster Project, Qingdao Wanguo Yunshang Internet Industry Co., Ltd. e pela Changguang Satellite Technology Co., Ltd. O satélite tem três principais funções: detecção remota óptica, recepção de mensagem AIS para navios e processamento IA em órbita. Pode realizar cobertura rápida de grande área, actualização rápida de dados de mensagens AIS globais e função de processamento inteligente de informações em órbita para monitorização oceanográfica, monitorização ecológica, monitorização de navios, etc. O satélite também será usado para agricultura, silvicultura, gestão ambiental, gestão de transporte de água e outros campos, e irá melhorar significativamente as capacidades de aquisição de informações da Ilha de hainan, do Mar da China Meridional e Sudeste Asiático.


Dois outros pequenos satélites estavam a bordo do CZ-11 (Y6): o Xiaoxiang-1 (03) e o Lingque-1A. O Xiaoxiang-1 (03) foi o 4º satélite desenvolvido pela Beijing Zero G Lab e irá testar uma micro-câmara pancromática e uma vela de arrasto para se remover de órbita no final da sua vida útil.

O pequeno Lingque-1A é um CubeSat-6U que é o primeiro de uma constelação de mais de 132 satélites.

O foguetão Chang Zheng-11

cz-11-002667Poucas características são conhecidas do CZ-11 Chang Zheng-11 (长征十一号). Este lançador é um veículo a quatro estágios que consomem prepolente sólido. Possivelmente, o quarto estágio deverá estar equipado com um sistema de controlo que utiliza propelentes líquidos. O CZ-11 foi desenvolvido pela Corporação de Ciência e Tecnologia Industrial da China uma subsidiária da Academia Chinesa de Tecnologia de Lançadores Espaciais.

O foguetão tem um comprimento de 20,8 metros, diâmetro de 2,0 metros e uma massa de 58.000 kg, desenvolvendo 120.000 kg/f no lançamento, sendo capaz de colocar uma carga de 350 kg numa órbita sincronizada com o Sol a uma altitude de 700 km. Pode ser equipado com duas carenagens distintas (1,6 metros de diâmetro e 2,0 metros de diâmetro) dependendo da missão a levar a cabo.

É um veículo de actuação rápida, podendo ser pronto para o lançamento numa questão de horas. O objectivo é dar resposta rápida em situações de emergência. O CZ-11 está projectado para o lançamento de pequenas cargas. O quadro seguinte mostra a capacidade de carga (kg) em relação à altitude da órbita circular para o Chang Zheng-11.

cz-11-002666

A figura mostra um esquema do foguetão Chang Zheng-11: 1) carenagem de protecção; 2) satélites; 3) adaptador de carga; 4) compartimento de equipamento de controlo; 5) motor de combustível sólido do 4º estágio; 6) sistema de controlo de reacção; 7) motor de combustível sólido do 3º estágio; 8) motor de combustível sólido do 2º estágio; 9) motor de combustível sólido do 1º estágio; 10) 4º estágio; 11) 3º estágio; 12) 2º estágio; 13) 1º estágio.

O primeiro lançamento do Chang Zheng-11 teve lugar às 0145UTC do dia 25 de Setembro de 2015 quando o veículo Y1 colocou em órbita os satélites Pujiang-1, Shangkeda-2 (TW-1A Tianwang-1A / SECM-1), NJUST-2 (TW-1B Tianwang-1B) e NJFA-1 (TW-1C Tianwang-1C).

O Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan

O primeiro centro de lançamento de satélites da China é também conhecido como Shuang Cheng Tse. O Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan está localizado a 41º N – 100º E, na região de Jiuquan – região da Mongólia Interior, no Noroeste da China. Desde Jiuquan é possível atingir uma inclinação orbital máxima de 56,0º e uma inclinação orbital mínima de 40,0º.

Foi o primeiro local de testes e lançamento de mísseis e veículos espaciais. O aeroporto de Jiuquan está localizado a 75 km a Sul do local e uma linha de ferro liga-o directamente ao centro espacial. As instalações do complexo dão apoio a todas as fases da campanha de preparação de um lançamento espacial. Inclui o Centro Técnico, o Complexo de Lançamento, o Centro de Controlo de Lançamento, o Centro de Controlo e Comando da Missão, o sistema de abastecimento, os sistemas de detecção e rastreio, os sistemas de comunicações, os sistemas de fornecimento de gás, os sistemas de previsão meteorológica e os sistemas de suporte logístico.

Originalmente o centro espacial de Jiuquan foi utilizado para o lançamento de satélites científicos e recuperáveis para órbitas baixas ou de média altitude com altas inclinações orbitais.

Em 1999 o Centro Sul (LC43) ficou operacional para ser utilizado para o lançamento dos foguetões pesados CZ-2E Chang Zheng-2E e CZ-2F Chang Zheng-2F. O centro é constituído por duas áreas, o Centro Técnico e o Centro de Lançamento. O Centro de Lançamento está localizado a 40º57,4’ N – 100º 17,4’ E com uma elevação de 1.073 metros de altitude. Uma torre umbilical com uma altura de 75 metros está equipada com um elevador à prova de explosões e a plataforma móvel tem um peso de 75.000 kg e tem um comprimento de 24,4 metros, uma largura de 21,7 metros e uma altura de 8,4 metros, movendo-se a uma velocidade máxima de 28 metros por minutos.

O Centro Técnico está localizado a 1,5 km de distância do Centro de Lançamento. O Centro Técnico inclui um edifício de processamento vertical com duas salas de processamento com um comprimento de 26,8 metros, uma largura de 28,0 metros e uma altura de 81,6 metros. Todos os edifícios importantes, incluindo o edifício de processamento vertical e uma área da torre umbilical, são locais com ar condicionado e de classe de limpeza 100,000.

O edifício de processamento vertical, que tem a designação de código 920-520, é o maior edifício de um único andar construído em betão armado. Possui também o telhado de betão armado mais alto (86,1 metros) e mais pesado (13.000 t) do mundo.

O centro de Jiuquan possui três áreas de lançamento:

  • Área de Lançamento n.º 2 (LC2): está localizada a uma latitude de 41,3100º N e a uma longitude de 100,3050º E. Possui duas plataformas de lançamento (5020 e 138) e o primeiro lançamento foi aí levado a cabo no dia 26 de Dezembro de 1966, com o último lançamento a ter lugar a 3 de Julho de 1994. No total foram realizados 41 lançamentos utilizando os foguetões CZ-1 Chang Zheng-1, CZ-2A Chang Zheng-2A, CZ-2C Chang Zheng-2C (plataforma localizada a uma latitude de 41,118º N e a uma longitude de 100,316º E), CZ-2D Chang Zheng-2D, DF-3 Dong Feng-3, DF-5 Dong Feng-5 e FB-1 Feng Bao-1.
  • Área de Lançamento nº 3 (LC3): está localizada a uma latitude de 41,1000º N e a uma longitude de 100,7800º E. Possui uma única plataforma de lançamento e o primeiro lançamento foi aí levado a cabo no dia 1 de Setembro de 1960, com o último lançamento a ter lugar a 27 de Outubro de 1966. No total foram realizados 9 lançamentos utilizando os foguetões DF-1 Dong Feng-1, DF-2 Dong Feng-2, DF-2A Dong Feng-2A e R-2.
  • Complexo de Lançamento Sul (LC43): está localizada a uma latitude de 40,9581º N e a uma longitude de 100,2912º E, perto da cidade de Huxi Xincun. Possui duas plataformas de lançamento: a Plataforma 94 (também designada 603) para voos não tripulados, a Plataforma 91 (também designada) 921 para voos ligados ao programa espacial tripulado e a Plataforma 95 para lançamentos com os veículos de propulsão sólida. O primeiro lançamento desde este complexo foi levado a cabo no dia 19 de Novembro de 1999.

A construção do complexo foi iniciada em Junho de 1956, com a construção das vias-férreas até ao local de ensaio de mísseis. O primeiro lançamento chinês de um míssil soviético R-2 deu-se em Setembro de 1960, com o míssil a atingir uma altitude de 100 km. O primeiro lançamento de um míssil R-2 construído pela China (modelo 1059) deu-se a 5 de Novembro de 1960.

A 21 de Março de 1962 teve lugar a primeira tentativa de lançamento do míssil DF-2 Dong Feng-2 que resultou num fracasso devido à fraca potência originada pelo motor. O primeiro teste com sucesso teve lugar a 29 de Junho de 1964. No dia 27 de Outubro de 1966 foi levado a cabo o lançamento de um míssil DF-2 Dong Feng-2 equipado com uma ogiva nuclear de 20 kt. O míssil executou um voo de 800 km detonando a sua carga na zona de testes nucleares de Lop Nor. O primeiro voo com sucesso do míssil DF-3 Dong Feng-3 tem lugar a 26 de Dezembro de 1966. Em 10 de Janeiro de 1970 é levado a cabo o primeiro teste suborbital do foguetão CZ-1 Chang Zheng-1 e a 10 de Agosto de 1972 é levado a cabo o primeiro teste do foguetão FB-1 Feng Bao-1 que atinge uma altitude de 200 km num voo suborbital.

A 18 de Maio de 1980 é levado a cabo o lançamento de um míssil DF-5 Dong Feng-5 que percorrer o máximo possível da sua trajectória desde Jiuquan até ao Sul do Oceano Pacífico num total de mais de 10.000 km. A cápsula de reentrada é recuperada pela Marinha Chinesa e alguns analistas norte-americanos acreditam que a cápsula foi o teste de um protótipo de um veículo tripulado.

O centro inclui um Centro Técnico, dois complexos de lançamento, um Centro de Comando e Controlo, um Centro de Controlo de Lançamento, sistemas de abastecimento, sistemas de previsão meteorológica, e sistemas de suporte logístico. Jiuquan foi originalmente utilizado para o lançamento de satélites científicos e de satélites recuperáveis para órbitas terrestres baixas ou de média altitude com altas inclinações.

O programa espacial tripulado utiliza a Plataforma de Lançamento 921 situada no Complexo de Lançamento Sul. Este foi construído na segunda metade dos anos 90 e mais tarde foi-lhe acrescentada a Plataforma de Lançamento 603 para lançamentos não tripulados.

Para além das plataformas de lançamento, o complexo de lançamento está dotado de um centro técnico onde decorrem os preparativos do foguetão lançador e das suas cargas. O Centro Técnico é composto de instalações de processamento e de montagem vertical do lançador, edifícios de processamento de cargas, edifício de processamento dos propulsores sólidos, edifício de armazenamento de propolentes hipergólicos e o centro de controlo de lançamento.

O complexo está equipado com um centro computacional melhorado, sistemas de monitorização e comando, e uma capacidade aumentada para se adaptar às alterações nas condições das missões, bem como os recursos necessários para lidar com as tarefas do lançamento e de comando. Um sistema integrado de treino para os lançamentos espaciais foi também desenvolvido para esta missão. Os engenheiros também levaram a cabo uma verificação técnica intensiva de dois meses no equipamento entre Março e Maio de 2011. A segurança e a fiabilidade dos instrumentos foram significativamente melhoradas. Os lançamentos orbitais desde Jiuquan são supervisionados desde o Centro de Comando e Controlo situada na cidade espacial de Dongfeng, 60 km a sudoeste do centro de lançamento.

A torre umbilical do complexo 921 é composta por uma estrutura fixa e um par de seis plataformas rotativas. Uma vez chagado à plataforma de lançamento, as plataformas rotativas são colocadas em torno do foguetão para permitir o seu abastecimento e para que os técnicos tenham acesso às suas diferentes zonas para realizarem os procedimentos finais de verificação. A torre umbilical também contém uma área protegida e de ambiente controlado para permitir o acesso dos taikonautas ao interior dos veículos. As plataformas rotativas são removidas uma hora antes do lançamento, enquanto que quatro braços móveis proporcionam ligações para o fornecimento de electricidade, gases e fluidos para o lançador. Estes braços são removidos minutos antes do lançamento.

O foguetão lançador é transportado sobre uma plataforma móvel de lançamento desde o edifício de integração vertical para a plataforma de lançamento. A plataforma móvel move-se num sistema de carris separados 20 metros e atinge uma velocidade máxima de 25 metros/minuto. A plataforma tem um comprimento de 24,4 metros, largura de 21,7 metros e uma altura de 8,34 metros, tendo um peso de 750.000 kg. A viagem entre o edifício de montagem e a plataforma de lançamento demora 60 minutos estando afastados 1,5 km.

O primeiro lançamento orbital desde Jiuquan teve lugar a 24 de Abril de 1970 quando um foguetão CZ-1 Chang Zheng-1 colocou em órbita o primeiro satélite artificial da China, o Dongfanghong-1 (04382 1970-034A).

Dados estatísticos e próximos lançamentos

A partir de 2019 os lançamentos da SpaceX estão contabilizados nos lançamentos dos Estados Unidos. O total de lançamentos orbitais tem por base os dados conhecidos até ao momento sobre as actividades secretas tanto de Israel, como da Coreia do Norte e do Irão.

– Lançamento orbital: 5810

– Lançamento orbital China: 317 (5,46%)

– Lançamento orbital desde Jiuquan: 115 (1,98% – 36,28%)

Os quadro seguinte mostra os lançamentos previstos e realizados em 2019 por polígono de lançamento.

Os próximos lançamentos orbitais previstos são (hora UTC):

5811 – 24 Jan (1808:00) – PSLV-DL (PSLV-C44) – Satish Dawan SHAR, FLP – Kalamsat, Microsat-R

5812 – ?? Jan (????:??) – CZ-3C Chang Zheng-3C – Xichang, LC3 – Beidou-2G8

5813 – 05 Fev (2101:07) – Ariane-5ECA (VA247) – CSG Kourou, ELA3 – HS4-SGS1 (Hellas-Sat-4 / SaudiGeoSat-1), GSat-31

5814 – 07 Fev (1647:XX) – 14A14-1B Soyuz-2.1b/Fregat-M – Baikonur, LC31 PU-6 – EgyptSat-A (MisrSat-A)

5815 – 09 Fev (1600:00) – Falcon-9 (B1051.1) – CE Kennedy, LC-39A – Crew Dragon (SpX-DM1)

 

%d blogueiros gostam disto: