China lança dois satélites de multimédia

A China levou a cabo com sucesso o lançamento de dois satélites multimédia a 4 de Agosto de 2021.

O lançamento dos satélites KL-beta A e KL-beta B teve lugar às 1101UTC e foi levado a cabo pelo foguetão Chang Zheng-6 (Y7) a partir do Complexo de Lançamento LC16 do Centro de Lançamento de Satélites de Taiyuan.

Os dois satélites são sucessores dos satélites KL-Alpha A e KL-Alpha B colocados em órbita a 17 de Novembro de 2019. Os dois satélites foram desenvolvidos pelo Instituto de Inovação de Microssatélites da Academia Chinesa de Ciências para a KLEO Connect. Estão equipados com cargas de comunicação a laser e cargas de comunicação em banda-Ka, motores eléctricos de efeito Hall, e cargas digitais de múltiplos feixes. Em órbita irão levar a cabo a verificação de tecnologias chave do sistema e a demonstração e verificação de vários cenários de utilização.

O foguetão Chang Zheng-6

O foguetão CZ-6 Chang Zheng-6 (长征六号运载火箭), Longa Marcha-6, é um lançador de propulsão líquida e de pequena capacidade desenvolvido pela Academia de Tecnologia Espacial de Xangai. O lançador é baseado nos propulsores laterais de 3,35 metros de diâmetro desenvolvidos para os foguetões CZ-5 Chang Zheng-5.

O primeiro estágio é equipado com um único motor YF-100 capaz de desenvolver 120.000 kg/f e que consome querosene e oxigénio líquido, o que causa menos poluição em comparação com os propelentes UDMH/N2O4 actualmente em uso pelos foguetões Chineses.

O CZ-6 foi projectado para missões com cargas leves (até 1.080 kg) para órbitas sincronizadas com o Sol (SSO) a uma altitude de 700 km.

Em Setembro de 2009 o programa de desenvolvimento do Chang Zheng-6 foi oficialmente aprovado pelo governo chinês e nessa altura esperava-se que o primeiro voo tivesse lugar em 2013. A Academia de Tecnologia Espacial de Xangai foi incumbida do desenvolvimento do novo lançador em Julho de 2008 (os estudos sobre o novo lançador haviam sido iniciados em 2000).

O CZ-6 tem um comprimento total de 29,237 metros e uma massa total de 103.217 kg (tendo uma massa de 9.020 kg sem propelentes). O diâmetro da carenagem pode ser de 2,25 metros ou 2,60 metros, e o veículo é capaz de lançar uma carga de 1.080 kg para uma órbita SSO a uma altitude de 700 km (ou 500 kg se somente forem utilizadas estações de rastreio Chinesas).

O primeiro estágio tem um diâmetro de 3,35 metros e está equipado com um único motor YF-100, consumindo 76.000 kg de querosene RP-1 e oxigénio líquido (LOX). O YF-100 desenvolve uma força de 1.177 kN (ao nível do solo) e tem um impulso específico de 2,9 km/s. O seu tempo de queima é de 155 segundos. O primeiro estágio utiliza quatro propulsores de 1.000 N para controlo de rotação.

O segundo estágio tem um diâmetro de 2,25 metros e consome 15.150 kg de RP-1/LOX. Está equipado com um único motor YF-115 que desenvolve uma força de 147,1 kN (ao nível do solo) ou 176,5 kN (no vácuo), com um impulso específico de 3,35 km/s (vácuo). O primeiro estágio utiliza quatro propulsores de 25 N para controlo de rotação.

O terceiro estágio está equipado com quatro propulsores de 4 kN cada, juntamente com oito propulsores de 100 N para controlo de atitude. Os motores consomem uma mistura de querosene e peróxido de hidrogénio.

O Centro de Lançamento de Satélites de Taiyuan

A Base de Testes e de Treino n.º 25 do Exército de Libertação do Povo, também designada como Centro Espacial e de Testes de Mísseis de Wuzhai, é mais conhecido como Centro de Lançamento de Satélites de Taiyuan, sendo o terceiro centro espacial Chinês.

Apesar de ter sido designado como Taiyuan, uma importante cidade industrial no norte da província de Shanxi, o Centro de Lançamento de Satélites de Taiyuan está localizado no condado de Kelan, a cerca de 284 km a noroeste da cidade de Taiyuan. O uso do nome Taiyuan serviu para ocultar a sua verdadeira localização, uma característica usada regularmente pelos militares chineses durante a Guerra Fria. As instalações do centro de lançamento estão espalhadas nos vales das Montanhas Lüliang, a cerca de 1.500 metros acima do nível do mar. A região tem um clima continental de monções e é bastante árida. A temperatura média anual é de apenas 5°C.

Os testes de mísseis balísticos da China têm sido tradicionalmente conduzido para Oeste para as zonas-alvo em Xinjiang, no Noroeste da China. O alcance original no local de lançamento de Jiuquan poderia suportar o teste de mísseis balísticos com alcance de até 1.800 km. Com o aumento da gama de novos mísseis sendo introduzidos em meados da década de 1960, um novo polígono de lançamento a Este do local de lançamento existente era necessário para suportar testes terrestres dentro do território da China. Como resultado, o centro de lançamento de Taiyuan foi criado em Dezembro de 1968 para apoiar os testes de mísseis balísticos intercontinentais (ICBM) e mísseis balísticos lançados por submarinos (SLBM).

Uma plataforma de lançamento permanente (Complexo de Lançamento 7) foi construída em 1979 para testes de mísseis balísticos intercontinentais e lançamentos orbitais. O primeiro lançamento orbital do centro ocorreu em 1988, com um foguetão CZ-4A Chang Zheng-4A a colocar em órbita o satélite meteorológico Fengyun-1A.

O centro foi parcialmente desclassificado no final dos anos 80, quando a China tentava se tornar um fornecedor para o mercado internacional de lançamentos de satélites comerciais. Entre 1997 e 1999, um total de 12 satélites de comunicações Iridium foram lançados do centro utilizando foguetões CZ-2C Chang Zheng-2C/SD.

As instalações de lançamento orbital em Taiyuan incluem três complexos de lançamento com uma única plataforma de lançamento, uma área técnica para recepção e verificação de foguetões e satélites, um centro de comunicações, um centro de controle de lançamento e um centro de TT&C. Os estágios dos foguetões são transportados para o centro de lançamento através de caminho-de-ferro e descarregados numa estação de trânsito a Sul do complexo de lançamento. Posteriormente, transportados por estrada para a área técnica para procedimentos de verificação. O veículo de lançamento é montado na plataforma de lançamento usando um guindaste no topo da torre umbilical para içar cada estágio. A carga útil é transportada de avião para o Aeroporto de Taiyuan Wusu, a cerca de 300 km, e depois transportada para o centro por estrada.

O Centro TT&C, também conhecido como Posto de Comando Lüliang, localiza-se na cidade de Taiyuan. Possui quatro estações de rastreio por radar localizadas em Yangqu (Shanxi), Lishi (Shanxi), Yulin (Shaanxi) e Hancheng (Shaanxi).

O Complexo de Lançamento 7 (LC7) tornou-se operacional em 1979 e apoiou missões para as órbitas sincronizadas com o Sol usando foguetões Chang Zheng-4A, Chang Zheng-4B e Chang Zheng-4C e para órbitas terrestres baixas usando foguetões Chang Zheng-2C. O complexo de lançamento recebeu uma ampla reforma de modernização em 2008, mas não foi usado para missões de lançamento orbital desde então. Em vez disso, o complexo de lançamento foi usado para suportar testes de veículos com mísseis e veículos hipersónicos, incluindo os testes de voo do veículo WU-14 (DF-ZF) usando o foguetão CZ-2C. O complexo de lançamento possui uma única plataforma de lançamento com uma torre fixa de umbilical, com as instalações de armazenamento de propelente líquido localizadas nas proximidades.

O Complexo de Lançamento 9 (LC9) tornou-se operacional em 2008 e desde então é a principal plataforma de lançamento espacial em Taiyuan. As instalações do Complexo de Lançamento 9 não são muito diferentes do complexo anterior, consistindo numa torre umbilical fixa, armazenamento subterrâneo de propelente líquido e um centro de controlo de lançamento nas proximidades. O complexo de lançamento é utilizado pelos foguetões Chang Zheng-2C, Chang Zheng-2D, Chang Zheng-4B e Chang Zheng-4C.

Uma nova plataforma de lançamento (Complexo de Lançamento 16 – LC16) que foi construída por volta de 2014, é uma instalação de lançamento dedicada para o veículo de lançamento de pequena carga CZ-6 Chang Zheng-6 de nova geração. A plataforma não tem uma torre umbilical fixa e em vez disso, possui um mecanismo de lançamento de erecção de veículos. O veículo é examinado e acoplado com a sua carga útil numa posição horizontal no interior da sala de processamento do lançador, e é transportado num veículo com rodas até à plataforma, onde é erguido, abastecido e depois lançado.



O Boletim Em Órbita não tem fins lucrativos e é mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando seu bloqueador de anúncios em www.orbita.zenite.nu

Comente este post