China lança dez satélites da Satellogic

A China levou a cabo o lançamento de dez satélites de detecção remota para a empresa Satellogic S.A.. O lançamento teve lugar às 0319:14,901UTC do dia 6 de Novembro de 2020 e foi levado a cabo pelo foguetão CZ-6 Chang Zheng-6 (Y3) a partir do Complexo de Lançamento LC16 do Centro de Lançamento de Satélites de Taiyuan.

Para além dos dez satélites Argentinos, a bordo encontravam-se quatro outros satélites Chineses. Todas as fases do lançamento decorreram como previsto e os satélites foram colocados nas respectivas órbitas.

A constelação Aleph-1

Os satélites argentinos ÑuSat colocados em órbita, fazem parte da constelação de Aleph-1 que está a ser desenvolvida e operada pela Satellogic S.A..

A constelação Aleph-1 será composta por 25 satélites.

Os satélites são quase idênticos entre si e têm uma massa de 37 kg, com dimensões de 450 mm x 450 mm x 800 mm. O objectivo principal da missão é fornecer comercialmente imagens de observação da Terra ao público em geral nas partes visível e infravermelha do espectro.

A constelação Aleph-1 oferece acesso exclusivo aos produtos de que as empresas precisam, sem desembolso de capital e sem risco técnico, oferecendo cobertura ininterrupta, recuperação rápida de capacidade e actualizações transparentes de hardware e software por satélite.

Os satélites permitem a gestão de áreas florestais, gestão de activos e alocação de capital, permitindo o controlo sobre o uso da terra florestal e rastreando a evolução de qualquer área com frequência; impedir o roubo e a colheita ilegal ao receber alertas geográficos sobre áreas impactadas e seus tamanhos sempre que as alterações são detectadas; ajudarão a definir stocks e fluxos de carbono para relatórios do governo por meio de modelos empíricos que fornecem uma série temporal de fluxos de carbono em escala nacional; e ajudar a avaliar variáveis do suporte florestal, optimizando as operações de negócios da empresa e estimando dinamicamente variáveis do suporte florestal, como volume, rendimento, altura, área basal e DBH usando modelos de previsão.

Em termos de gestão agrícola, a constelação de Aleph-1 ajudará a gerir terras e activos agrícolas, rastreando o uso da terra, recursos e capital ao longo do tempo, enquanto gere a cadeia de suprimentos com eficiência e desbloqueia a inteligência de mercado para os negócios da empresa; evitará o roubo e a colheita ilegal por meio de alertas geográficos sobre áreas impactadas e seus tamanhos sempre que forem detectadas alterações; irá monitorizar a saúde das culturas, pragas e ervas daninhas usando as tecnologias de segmentação semântica da Satellogic, para ajudar os clientes a ver com o que eles se importam por meio de lentes de aumento que podem destacar tudo, desde o tipo e idade da cultura até a presença de pragas; racionalize a irrigação e o uso de produtos químicos e avalie as características das terras agrícolas com uma ferramenta adaptada especificamente às localizações, experiências e necessidades de expansão de uma empresa.

Nas indústrias de energia, os satélites ajudarão a reduzir custos operacionais e melhorar a eficiência com a gestão automatizada da integridade dos ductos, evitando actividades ilícitas, cumprindo as regulamentações ambientais e monitorizando a infraestrutura e os activos.

Nos campos de Finanças e Seguros, os satélites ajudarão a avaliar o impacto, monitorizar desastres naturais e determinar os principais indicadores socioeconómicos para inteligência competitiva.

Ambos os satélites estão equipados com câmaras operando em luz visível e infravermelho, e operam em órbitas sincronizados com o Sol a uma altitude de 500 km com inclinação orbital de 97,5.º. A câmara multiespectral tem uma resolução de 1m e a câmara hiperespectral tem uma resolução de 30 metros.

Os satélites Aleph-1 a bordo são o ÑuSat-9 ‘Alice’ (Aleph-1 9) – baptizado em nome de Alice Ball (1892-1916) que foi uma química Norte-americana que desenvolveu um óleo injetável que foi o método mais eficiente para o tratamento da lepra até os anos 40, sendo também a primeira mulher e a primeira negra a graduar-se na Universidade do Havai e a obter um grau de mestrado; ÑuSat-10 ‘Caroline’ (Aleph-1 10) – designado em nome de Caroline Lucretia Herschel (1750-1848) astrónoma germano-britânica que descobriu vários cometas, entre os quais o 35P/Herschel-Rigollet; ÑuSat-11 ‘Cora’ (Aleph-1 11) – designado em nome de Corina (Cora) Eloísa Ratto de Sadosky (1912–1981) que foi uma matemática, edicadora e militante anti-fascista Argentina em apoio dos direitos humanos e das mulheres; ÑuSat-12 ‘Dorothy’ (Aleph-1 12) – baptizado em honra de Dorothy Johnson Vaughan (1910-2008) foi uma matemática Norte-americana que trabalhou na National Advisory Committee for Aeronautics (NACA), a agência predecessora da NASA, e que em 1949 foi a primeira mulher negra a ser promovida chefe de departamento na NASA; ÑuSat-13 ‘Emmy’ (Aleph-1 13) – baptizado em honra de Amalie Emmy Noether (1882-1935) foi uma matemática Alemã, conhecida pelas suas contribuições de fundamental importância nos campos da Física Teórica e Álgebra Abstrata; ÑuSat-14 ‘Hedy’ (Aleph-1 14) – designado em nome de Hedy Lamarr, nome artístico de Hedwig Eva Maria Kiesler (1914-2000) foi uma atriz e inventora austríaca radicada nos Estados Unidos que fez uma importante contribuição tecnológica durante a Segunda Guerra Mundial com o compositor George Antheil, ao desenvolver um sistema de comunicações para as Forças Armadas dos Estados Unidos que serviu de base para a atual tecnologia de telefones móveis; ÑuSat-15 ‘Katherine’ (Aleph-1 15) – designado em nome de Katherine Coleman Goble Johnson (1918-2020) que foi uma matemática, física e cientista espacial Norte-americana que fez contribuições fundamentais para a aeronáutica e exploração espacial dos Estados Unidos, em especial em aplicações da computação na NASA; ÑuSat-16 ‘Lise’ (Aleph-1 16) – designado em nome de Lise Meitner (1878-1968) foi uma física Austríaca que estudou a radioatividade e física nuclear, tendo sido a descobridora da fissão nuclear; ÑuSat-17 ‘Mary’ (Aleph-1 17) – designado em nome de Mary Winston Jackson (1921-2005) foi uma matemática e primeira engenheira aeroespacial do NACA; e ÑuSat-18 ‘Vera’ (Aleph-1 18) – baptizado em nome de Vera Cooper Rubin (1928-2016) que foi uma astrônoma Norte-americana, tendo sido pioneira no estudo das curvas de rotação de galáxias espirais, sendo a sua principal contribuição a demonstração de que a velocidade de rotação nas regiões externas destas galáxias é muito maior que aquela que seria produzida pelas suas estrelas, sendo esta discrepância considerada uma das principais evidências da existência de matéria escura.

Os satélites Chineses a bordo

Nesta missão foram colocados em órbita três satélites da China, um dos quais transportando um pequeno satélite. Os satélites foram o Beihangkongshi Weixing-1 (transportando o pequeno Tiange Jihua-2), o Tianyan-05 e o Taiyuan.

O satélite Beihangkongshi Weixing-1 foi desenvolvido pela Spacety Aerospace Co. e é baseado no modelo CubeSat-12U. Será utilizado para testar várias tecnologias em órbita utilizando as suas capacidades para levar a cabo um diferente número de cargas com alto índice de consumo de energia e longos ciclos de operação, transportando para tal um radiador térmico e um subsistema de fornecimento de energia avançado.

O satélite foi projectado para levar a cabo a demonstração de tecnologias chave para comunicações tais como a transmissão em vários feixes e um sistema multicanal para fornecer um rastreio global contínuo do trafego aéreo, comunicações e intervenção para futuros sistemas de controlo de tráfico aéreo.

A bordo transporta também um sistema de propulsão eléctrica utilizando iodo, sendo o primeiro satélite a utilizar tal sistema de propulsão. Designado NPT30-I2, foi desenvolvido pela ThrustMe, sendo uma colaboração entre a Spacety Luxembourg e a ThrustMe para demonstrar e validar o primeiro sistema de propulsão por iodo no espaço. A missão foi apoiada pela Agência Espacial Europeia.

Adicionalmente, o satélite transportou uma experiência desenvolvida por estudantes e que consiste num satélite secundário designado Tianyi-11/Tiange Jihua-2 como parte do Projecto Tiange. Este projecto está orientado para o desenvolvimento científico que intersecta o interesse na Ciência e Engenharia.

O satélite de rádio-amador BY10-03 Taiyuan (ou Bayi-03) foi desenvolvido com o auxílio de estudantes da Escola Secundária de Jinshan, Taiyuan. O satélite será utilizado para observações de detecção remota, observação da Terra e do espaço. O projecto foi iniciado pelo Bureau de Educação Municipal de Taiyuan em cooperação com o Grupo de CIência e Tecnologia Aeroespacial da China, com o Centro de Intercâmbio Internacional de Ciência e Tecnologia Espacial, com a Escola Secundária de Jinshan e com a Universidade de Tecnologia do Noroeste que forneceu o apoio técnico ao projecto.

O satélite Tianyan-05 é também designado Xingshidai-12 e foi desenvolvido pela Universidade de Ciência e Tecnologia Electrónica de Chengdu. O satélite foi construído pela Weina (Minospace) e pela Chengdu Guoxing Aerospace Science and Technology Co., Ltd., e é baseado na plataforma MN50. A bordo transporta um sistema de observação da Terra. O satélite será principalmente utilizado para observações de detecção remota, fornecimento de serviços para cidades inteligentes, monitorização de desastres agroflorestais e outras industrias. O Tianyan-05 transporta uma carga experimental de comunicações para testar as comunicações na área dos THz ‘6G’.

O foguetão Chang Zheng-6

O foguetão CZ-6 Chang Zheng-6 (长征六号运载火箭), Longa Marcha-6, é um lançador de propulsão líquida e de pequena capacidade desenvolvido pela Academia de Tecnologia Espacial de Xangai. O lançador é baseado nos propulsores laterais de 3,35 metros de diâmetro desenvolvidos para os foguetões CZ-5 Chang Zheng-5.

O primeiro estágio é equipado com um único motor YF-100 capaz de desenvolver 120.000 kg/f e que consome querosene e oxigénio líquido, o que causa menos poluição em comparação com os propelentes UDMH/N2O4 actualmente em uso pelos foguetões Chineses.

O CZ-6 foi projectado para missões com cargas leves (até 1.080 kg) para órbitas sincronizadas com o Sol (SSO) a uma altitude de 700 km.

Em Setembro de 2009 o programa de desenvolvimento do Chang Zheng-6 foi oficialmente aprovado pelo governo Chinês e nessa altura esperava-se que o primeiro voo tivesse lugar em 2013. A Academia de Tecnologia Espacial de Xangai foi incumbida do desenvolvimento do novo lançador em Julho de 2008 (os estudos sobre o novo lançador haviam sido iniciados em 2000).

O CZ-6 tem um comprimento total de 29,237 metros e uma massa total de 103.217 kg (tendo uma massa de 9.020 kg sem prepolentes). O diâmetro da carenagem pode ser de 2,25 metros ou 2,60 metros, e o veículo é capaz de lançar uma carga de 1.080 kg para uma órbita SSO a uma altitude de 700 km (ou 500 kg se somente forem utilizadas estações de rastreio Chinesas).

O primeiro estágio tem um diâmetro de 3,35 metros e está equipado com um único motor YF-100, consumindo 76.000 kg de querosene RP-1 e oxigénio líquido (LOX). O YF-100 desenvolve uma força de 1.177 kN (ao nível do solo) e tem um impulso específico de 2,9 km/s. O seu tempo de queima é de 155 segundos. O primeiro estágio utiliza quatro propulsores de 1.000 N para controlo de rotação.

O segundo estágio tem um diâmetro de 2,25 metros e consome 15.150 kg de RP-1/LOX. Está equipado com um único motor YF-115 que desenvolve uma força de 147,1 kN (ao nível do solo) ou 176,5 kN (no vácuo), com um impulso específico de 3,35 km/s (vácuo). O primeiro estágio utiliza quatro propulsores de 25 N para controlo de rotação.

O terceiro estágio está equipado com quatro propulsores de 4 kN cada, juntamente com oito propulsores de 100 N para controlo de atitude. Os motores consomem uma mistura de querosene e peróxido de hidrogénio.

O Centro de Lançamento de Satélites de Taiyuan

A Base de Testes e de Treino nº 25 do Exército de Libertação do Povo, também designada como Centro Espacial e de Testes de Mísseis de Wuzhai, é mais conhecido como Centro de Lançamento de Satélites de Taiyuan, sendo o terceiro centro espacial Chinês.

Apesar de ter sido designado como Taiyuan, uma importante cidade industrial no norte da província de Shanxi, o Centro de Lançamento de Satélites de Taiyuan está localizado no condado de Kelan, a cerca de 284 km a noroeste da cidade de Taiyuan. O uso do nome Taiyuan serviu para ocultar a sua verdadeira localização, uma característica usada regularmente pelos militares chineses durante a Guerra Fria. As instalações do centro de lançamento estão espalhadas nos vales das Montanhas Lüliang, a cerca de 1.500 metros acima do nível do mar. A região tem um clima continental de monções e é bastante árida. A temperatura média anual é de apenas 5°C.

Os testes de mísseis balísticos da China têm sido tradicionalmente conduzido para Oeste para as zonas-alvo em Xinjiang, no Noroeste da China. O alcance original no local de lançamento de Jiuquan poderia suportar o teste de mísseis balísticos com alcance de até 1.800 km. Com o aumento da gama de novos mísseis sendo introduzidos em meados da década de 1960, um novo polígono de lançamento a Este do local de lançamento existente era necessário para suportar testes terrestres dentro do território da China. Como resultado, o centro de lançamento de Taiyuan foi criado em Dezembro de 1968 para apoiar os testes de mísseis balísticos intercontinentais (ICBM) e mísseis balísticos lançados por submarinos (SLBM).

Uma plataforma de lançamento permanente (Complexo de Lançamento 7) foi construída em 1979 para testes de mísseis balísticos intercontinentais e lançamentos orbitais. O primeiro lançamento orbital do centro ocorreu em 1988, com um foguetão CZ-4A Chang Zheng-4A a colocar em órbita o satélite meteorológico Fengyun-1A.

O centro foi parcialmente desclassificado no final dos anos 80, quando a China tentava se tornar um fornecedor para o mercado internacional de lançamentos de satélites comerciais. Entre 1997 e 1999, um total de 12 satélites de comunicações Iridium foram lançados do centro utilizando foguetões CZ-2C Chang Zheng-2C/SD.

As instalações de lançamento orbital em Taiyuan incluem três complexos de lançamento com uma única plataforma de lançamento, uma área técnica para recepção e verificação de foguetões e satélites, um centro de comunicações, um centro de controle de lançamento e um centro de TT&C. Os estágios dos foguetões são transportados para o centro de lançamento através de caminho-de-ferro e descarregados numa estação de trânsito a Sul do complexo de lançamento. Posteriormente, transportados por estrada para a área técnica para procedimentos de verificação. O veículo de lançamento é montado na plataforma de lançamento usando um guindaste no topo da torre umbilical para içar cada estágio. A carga útil é transportada de avião para o Aeroporto de Taiyuan Wusu, a cerca de 300 km, e depois transportada para o centro por estrada.

O Centro TT&C, também conhecido como Posto de Comando Lüliang, localiza-se na cidade de Taiyuan. Possui quatro estações de rastreio por radar localizadas em Yangqu (Shanxi), Lishi (Shanxi), Yulin (Shaanxi) e Hancheng (Shaanxi).

O Complexo de Lançamento 7 (LC7) tornou-se operacional em 1979 e apoiou missões para as órbitas sincronizadas com o Sol usando foguetões Chang Zheng-4A, Chang Zheng-4B e Chang Zheng-4C e para órbitas terrestres baixas usando foguetões Chang Zheng-2C. O complexo de lançamento recebeu uma ampla reforma de modernização em 2008, mas não foi usado para missões de lançamento orbital desde então. Em vez disso, o complexo de lançamento foi usado para suportar testes de veículos com mísseis e veículos hipersónicos, incluindo os testes de voo do veículo WU-14 (DF-ZF) usando o foguetão CZ-2C. O complexo de lançamento possui uma única plataforma de lançamento com uma torre fixa de umbilical, com as instalações de armazenamento de propelente líquido localizadas nas proximidades.

O Complexo de Lançamento 9 (LC9) tornou-se operacional em 2008 e desde então é a principal plataforma de lançamento espacial em Taiyuan. As instalações do Complexo de Lançamento 9 não são muito diferentes do complexo anterior, consistindo numa torre umbilical fixa, armazenamento subterrâneo de propelente líquido e um centro de controlo de lançamento nas proximidades. O complexo de lançamento é utilizado pelos foguetões Chang Zheng-2C, Chang Zheng-2D, Chang Zheng-4B e Chang Zheng-4C.

Uma nova plataforma de lançamento (Complexo de Lançamento 16 – LC16) que foi construída por volta de 2014, é uma instalação de lançamento dedicada para o veículo de lançamento de pequena carga CZ-6 Chang Zheng-6 de nova geração. A plataforma não tem uma torre umbilical fixa e em vez disso, possui um mecanismo de lançamento de erecção de veículos. O veículo é examinado e acoplado com a sua carga útil numa posição horizontal dentro da sala de processamento do lançador, e é transportado num veículo com rodas até à plataforma, onde é erguido, abastecido e depois lançado.

Dados estatísticos e próximos lançamentos

– Lançamento orbital: 5994

– Lançamento orbital China: 381 (6,36%)

– Lançamento orbital desde Taiyuan: 89 (1,48% – 23,36%)

O quadro seguinte mostra os lançamentos previstos e realizados em 2020 por polígono de lançamento.

Os próximos lançamentos orbitais previstos são (hora UTC):

5995 – 07 Nov (0712:??) – GX-1 Gushenxing-1 (Y1) – Jiuquan – Tianqi-11

5996 – 07 Nov (0942:??) – PSLV-DL (PSLV-C49) – Satish Dawan SHAR, FLP – EOS-01 (RISAT-2BR2), KSM-1, KSM-2, KSM-3, KSM-4, Lemur-2 z1, Lemur-2 z2, Lemur-2 z3, Lemur-2 z4, R-2 (M6P-2, LacunaSat-2)

5997 – 11 Nov (2222:??) – Atlas-V/531 (AV-090) – Cabo Canaveral AFS, SLC-40 – NROL-101

5998 – 12 Nov (????:??) – CZ-3B/G Chang Zheng-3B/G2 – Xichang, LC3 – Tiantong-1 (2)

5999 – 15 Nov (0049:??) – Falcon 9-098 (B1061.1) – CE Kennedy, LC-39A – Dragon-v2 “Resilience” Crew-1 (USCV-1)



O Boletim Em Órbita não tem fins lucrativos e é mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando seu bloqueador de anúncios em www.orbita.zenite.nu

Comente este post