Buraco de ozono prestes para fechar

O tamanho do buraco no ozono varia – geralmente, forma-se todos os anos em Agosto, com o seu pico em Outubro, antes de finalmente fechar no final de Novembro ou Dezembro. O buraco não só fechará mais cedo do que o habitual em 2019, mas também é o menor dos últimos 30 anos devido a condições atmosféricas incomuns.

As previsões do Serviço de Monitorização da Atmosfera Copernicus (CAMS), que utiliza medições totais de ozono da missão Copernicus Sentinel-5P, processadas no Centro Aeroespacial Alemão, previram que o buraco de ozono deste ano fechará mais cedo do que o habitual.


Antje Inness, cientista sénior do CAMS comentou: “A extensão máxima do buraco de ozono este ano foi de cerca de 10 milhões de quilómetros quadrados, menos da metade do tamanho que o buraco normalmente alcançava nas últimas décadas. Isto torna-o um dos menores buracos de ozono desde os anos 80. As nossas previsões de ozono do CAMS prevêem que o buraco de ozono fechará dentro de uma semana.”

Gráficos de previsão de ozono
Gráficos de previsão de ozono

O Director da missão da ESA para o Copernicus Sentinel-5P, Claus Zehner, observou: “Este pequeno tamanho e duração recorde de buraco de ozono durante 2019 foram causados por um aquecimento da estratosfera sobre o Polo Sul. No entanto, é importante observar que este é um evento incomum e não indica que a recuperação global do ozono esteja a acelerar.”

Grandes flutuações nos vórtices polares e temperaturas na estratosfera levam a buracos de ozono que variam em tamanho. Este ano, a estratosfera polar mais quente causou uma desaceleração dos campos de vento ao redor do Polo Sul, ou o vórtice polar, e reduziu a formação das ‘nuvens estratosféricas polares’ que permitem a química que leva à rápida perda de ozono.

Josef Aschbacher, Director dos Programas de Observação da Terra da ESA, afirmou: “O buraco de ozono é um exemplo perfeito em que as evidências científicas conduzem a mudanças políticas significativas e subsequentes mudanças no comportamento humano. O buraco de ozono foi descoberto na década de 1970, monitorizado continuamente a partir do espaço e por dispositivos in situ e, finalmente, na década de 1980, o Protocolo de Montreal proibiu o uso de clorofluorcarbonetos.

Hoje, o buraco de ozono está a recuperar graças a uma acção política clara. Este exemplo deve servir de inspiração para as mudanças climáticas.”

A animação mostra o tamanho do buraco na camada de ozono em 2019 comparado a 2018
A animação mostra o tamanho do buraco na camada de ozono em 2019 comparado a 2018

 

No alto da estratosfera, o ozono actua como um escudo para nos proteger da radiação ultravioleta nociva do Sol, que está associada ao cancro de pele e cataratas, além de outras questões ambientais.

Nas décadas de 1970 e 1980, o uso generalizado de clorofluorcarbonetos prejudiciais em produtos como frigoríficos e latas de aerossol danificou o ozono no alto da nossa atmosfera – o que levou a um buraco na camada de ozono acima da Antárctica.

Em resposta a isso, o Protocolo de Montreal foi criado em 1987 para proteger a camada de ozono, eliminando gradualmente a produção e o consumo dessas substâncias nocivas, o que está a levar a uma recuperação da camada de ozono.

A recuperação do buraco de ozono continuará nos próximos anos. Na avaliação científica de 2018 da depleção de ozono, os dados mostram que a camada de ozono, em partes da estratosfera, recuperou a uma taxa de 1 a 3% por década desde 2000. Nestas taxas projectadas, o ozono do hemisfério norte e de latitude média está previsto recuperar por volta de 2030, seguido pelo hemisfério sul por volta de 2050 e regiões polares até 2060.

A ESA está envolvida na monitorização do ozono há muitos anos. Lançado em Outubro de 2017, o satélite Copernicus Sentinel-5P traça o perfil de uma infinidade de poluentes do ar em todo o mundo. Com o seu instrumento de ponta, Tropomi, é capaz de detectar gases atmosféricos para gerar imagens de poluentes do ar com mais precisão e com uma resolução espacial mais alta do que nunca a partir do espaço.

Duração e extensão do buraco de ozono monitorizado pelo CAMS
Duração e extensão do buraco de ozono monitorizado pelo CAMS

Notícia e imagens: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

 

 

%d blogueiros gostam disto: