Buraco de ozono invulgar aparece sobre o Árctico

Cientistas que usam dados do satélite Copernicus Sentinel-5P notaram uma forte redução das concentrações de ozono no Árctico. Condições atmosféricas incomuns, incluindo temperaturas de congelamento na estratosfera, levaram a uma queda a pique nos níveis de ozono – causando um ‘mini-furo’ na camada de ozono.

A camada de ozono é uma camada protectora natural de gás na estratosfera que protege a vida da radiação ultravioleta nociva do Sol – que está associada ao cancro de pele e cataratas, além de outras questões ambientais.

O “buraco de ozono” mais comummente mencionado é o buraco na Antárctida, que se forma todos os anos durante o outono.

Nas últimas semanas, cientistas do Centro Aeroespacial Alemão (DLR) notaram uma forte e invulgar diminuição de ozono nas regiões polares do norte. Usando dados do instrumento Tropomi no satélite Copernicus Sentinel-5P, foram capazes de monitorizar a formação desse buraco do ozono na atmosfera sobre o Árctico.

$video.data_map.short_description.content
Buraco de ozono sobre o Árctico

No passado, ocasionalmente, havia mini-buracos de ozono no Polo Norte, mas a depleção no Árctico, este ano, é muito maior em comparação aos anos anteriores.

Diego Loyola, do Centro Aeroespacial Alemão, comenta: “O buraco de ozono que observamos no Árctico, este ano, tem uma extensão máxima de menos de 1 milhão de quilómetros quadrados. Isto é pequeno em comparação com o buraco antárctico, que pode atingir um tamanho de cerca de 20 a 25 milhões de quilómetros quadrados, com uma duração normal de cerca de 3 a 4 meses.”

Embora os dois pólos sofram perdas de ozono durante o inverno, a diminuição do ozono no Árctico tende a ser significativamente menor que a Antárctica. O buraco no ozono é accionado por temperaturas extremamente baixas (abaixo de -80°C), luz solar, campos de vento e substâncias como clorofluorcarbonetos (CFCs).

As temperaturas do Árctico, geralmente, não descem tão baixo como na Antárctida. No entanto, este ano, ventos fortes que fluem ao redor do Polo Norte prenderam o ar frio no que é conhecido como “vórtice polar” – um redemoinho circular de ventos estratosféricos.

No final do inverno polar, a primeira luz solar sobre o Polo Norte iniciou essa diminuição invulgarmente forte de ozono – causando a formação do buraco. No entanto, o seu tamanho é ainda pequeno comparado ao que geralmente pode ser observado no hemisfério sul.

Diego diz: “Desde 14 de Março, as colunas de ozono sobre o Árctico diminuíram para o que é normalmente considerado “níveis de buraco de ozono”, que são inferiores a 220 unidades Dobson. Esperamos que o buraco feche novamente em meados de Abril de 2020.”

Claus Zehner, Gerente da missão Copernicus Sentinel-5P da ESA, acrescenta: “As medições totais de ozono do Tropomi estão a ampliar a capacidade da Europa de monitorização global contínua de ozono a partir do espaço, desde 1995. Nesse período, não testemunhámos nenhuma formação de um buraco de ozono desse tamanho sobre Árctico.”

Monitorização da qualidade do ar pelo Copernicus
Monitorização da qualidade do ar pelo Copernicus

Na Avaliação Científica da Depleção de Ozono de 2018, os dados mostram que a camada de ozono nalgumas partes da estratosfera recuperou-se a uma taxa de 1 a 3% por década desde 2000. Nessas taxas projectadas, o hemisfério norte e o ozono de latitude média estão previstos recuperar-se por volta de 2030, seguido pelo hemisfério sul por volta de 2050 e regiões polares até 2060.

O instrumento Tropomi no satélite Copernicus Sentinel-5P mede uma série de gases vestigiais, incluindo propriedades de aerossóis e nuvens, com uma cobertura global diária. Dada a importância de monitorizar a qualidade do ar e a distribuição global de ozono, as próximas missões Copernicus Sentinel-4 e Sentinel-5 irão monitorizar os principais gases vestigiais da qualidade do ar, ozono estratosférico e aerossóis. Como parte do programa Copernicus da UE, as missões fornecerão informações sobre qualidade do ar, radiação solar e monitorização climática.

Notícia e imagem: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

%d blogueiros gostam disto: