Avançam os testes dos paraquedas da missão ExoMars

O sistema de paraquedas que ajudará a entregar o rover Rosalind Franklin ExoMars a Marte concluiu o primeiro teste de queda em grande altitude, em grande escala, com elementos redesenhados após dois testes malsucedidos no ano passado. A extração e desaceleração dos paraquedas ocorreram conforme o esperado, o veículo de teste pousou com segurança e os paraquedas-teste foram recuperados. No entanto, ocorreram alguns danos no toldo, apontando o processo de inflação precoce como foco de melhorias futuras.

“O pouso em Marte é extremamente difícil, sem margem para erros,” disse o líder da equipa do programa ExoMars, François Spoto. “O último teste foi um bom passo em frente, mas ainda não é o resultado perfeito que buscamos. Portanto, usaremos os extensos dados do teste que adquirimos para refinar a nossa abordagem, planear outros testes e manter o controlo para o nosso lançamento em setembro de 2022.”

ExoMars 2022 parachute deployment sequence

Perfil dos paraquedas

O rover Rosalind Franklin e a plataforma de superfície Kazachok são encapsulados dentro de um módulo de descida que será transportado para Marte num módulo transportador. O módulo de descida está equipado com dois paraquedas – cada um com o seu próprio piloto para extração – para ajudar a desacelerar antes de pousar em Marte. Assim que o arrasto atmosférico desacelerar o módulo de descida de cerca de 21.000 km/h para 1700 km/h, o primeiro paraquedas será lançado. Cerca de 20 segundos depois, a cerca de 400 km/h, o segundo paraquedas abrirá. Após a separação dos paraquedas, a cerca de 1 km acima do solo, os motores de travagem serão acionados para entregar com segurança a plataforma de pouso na superfície de Marte. Toda a sequência, desde a entrada atmosférica até ao pouso, demora apenas seis minutos.

O sistema completo de descida dos paraquedas precisa de testes e verificações na Terra, para os quais os testes de queda em grandes altitudes desempenham um papel essencial para ajudar a representar a baixa pressão atmosférica em Marte – um aspeto vital quando se considera a inflação do paraquedas.

Nova ronda de testes de alta altitude

O teste realizado em Oregon, EUA, foi adiado de março de 2020 devido às restrições do COVID-19, incêndios florestais e condições de vento desfavoráveis. O replaneamento logístico e o clima compatível permitiram, finalmente, que ocorresse no dia 9 de novembro.

A configuração do teste viu o veículo de teste de queda elevado a uma altura de 29 km num balão estratosférico.

O primeiro paraquedas principal tinha um saco de paraquedas atualizado e um reforço de Kevlar ao redor da bainha do respiradouro (isto é, ao redor do ‘orifício’ do respiradouro no centro do paraquedas). O segundo paraquedas principal tinha vários anéis de reforço e um saco de paraquedas atualizado, mas não linhas de paraquedas reforçadas, que também estão planeadas. O segundo paraquedas, totalmente atualizado, será usado num teste de queda nas instalações da Swedish Space Corporation Esrange em Kiruna, Suécia, em meados de 2021. Os anéis de reforço foram introduzidos para ajudar a prevenir o rompimento dramático das copas testemunhado durante os testes em 2019.

O cronograma do último teste, incluindo extração e desaceleração, correu exatamente conforme o planeado. No entanto, foram encontrados quatro rasgos no dossel do primeiro paraquedas principal e um no segundo paraquedas principal, após a recuperação. O dano parecia acontecer no início da inflação, com a descida a ocorrer, no entanto, de forma nominal.

A equipa encontra-se agora a analisar os dados do teste para determinar melhorias adicionais para os próximos testes. O planeamento está em andamento para testes futuros no primeiro semestre do próximo ano, para ‘qualificar’ o sistema completo de paraquedas pronto para lançamento em setembro de 2022.

Uma vez em segurança na região de Oxia Planum de Marte, em junho de 2023, o rover Rosalind Franklin irá sair da plataforma e iniciar a sua missão científica. Irá procurar locais geologicamente interessantes para perfurar abaixo da superfície, para determinar se alguma vez existiu vida no nosso planeta vizinho.

ExoMars timeline

Todas as atividades de qualificação do sistema de paraquedas são geridas e conduzidas por uma equipa conjunta que envolve a ESA, TASinI (contratante principal), TASinF (líder PAS), Vorticidade (design de paraquedas e análise do teste) e Arescosmo (fabricação de paraquedas e bolsas).

O programa ExoMars é um esforço conjunto entre a ESA e a Roscosmos. Além da missão 2022, também inclui o Trace Gas Orbiter (TGO) lançado em 2016. O TGO já está a fornecer resultados científicos importantes por conta própria e a retransmitir dados do rover Curiosity Mars da NASA e da sonda InSight. Irá também transmitir os dados da missão ExoMars 2022 assim que chegar a Marte em 2023.

Notícia e imagens: ESA

Os artigos da ESA são escritos segundo o novo AO90



O Boletim Em Órbita não tem fins lucrativos e é mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando seu bloqueador de anúncios em www.orbita.zenite.nu

Comente este post