ABL Space Systems falha no lançamento inaugural do RS1 desde o Alasca

A empresa norte-americana ABL Space Systems realizou o lançamento inaugural do seu foguetão lançador RS1 no dia 10 de Janeiro de 2023, após uma sequência de adiamentos devido a problemas técnicos e às más condições meteorológicas. Infelizmente, e segundo informações da empresa, o lançador sofreu uma anomalia após deixar a plataforma de lançamento, levando à desactivação do primeiro estágio e à perda da missão.

Devido a um problema ainda não determinado, os nove motores do primeiro estágios interromperam a ignição segundos após o lançador deixar a plataforma de lançamento. Em resultado, o RS1 (F1) despenhou-se sobre a plataforma LP-3C, causando muitos danos.

O lançamento do RS1 (F1) teve lugar às 2327UTC e foi realizado a partir da Plataforma de Lançamento LP-3C do Kodiak Pacific Spaceport Complex (PSC).

Os satélites VariSat-1 faziam parte de uma missão de demonstração tecnológica para a VariSat LLV. A missão destes CubeSat-6U seria a de levar a cabo funções experimentais e ganhar experiência de voo com um satélite projectado para suportar comunicações de dados marítimos em HF. Os dois satélites iriam testar a ligação entre ambos como um aspecto do sistema, bem como testar as comunicações entre as embarcações e os satélites, e entre os satélites e as estações no solo.

Os satélites Varisat-1A e o VariSat-1B foram construídos pela OmniTeq (anteriormente designada L2 Aerospace), e ssendo estabilizados por gradiante através de uma antena, bem como através do arrastamento aerodinâmico. A missão devetia ter uma duração de dois meses.

Os satélites são lançados com as dimensões 10 x 10 x 10 cm, mas em órbita atingem as dimensões 12 x 25,4 x 36,6 cm. Cada satélite tem uma massa de 11 kg.

A bordo cada satélite contém os subsistemas de Orienteção, Navegação e Controlo (Guidance, Navigation and Control – GNC); Comando e Processamento de Dados (Command and Data Handling – CDH); Comunicações (Communications Subsystem – COMMS); Fornecimento de Energia Eléctrica (Electrical Power Subsystem – EPS); Controlo Térmico (Thermal Control Subsystem – TCS); Subsistema estrutural; e Carga Experimental.

O foguetão RS1

O foguetão RS1 foi desenvolvido pela ABL Space Systems e é um lançador a dois estágios com um comprimento de 27 metros. O lançador tem uma capacidade de carga de 1.350 kg para uma órbita terrestre baixa.

O primeiro estágio tem um comprimento de 15,24 metros e um diâmetro de 1,83 metros, desenvolvendo 592,14 kN ao nível do mar. O segundo estágio tem um comprimento de 1,65 metros e um diâmetro de 1,83 metros, desenvolvendo 57,82 kN no vácuo.

O primeiro estágio está equipado com nove motores E2 que consome oxigénio líquido (LOX) e querosene altamente refinado (RP-1). O segundo estágio está equipado com um motor E2.

O E2 é um motor de ciclo gerador de gás alimentado por turbo bomba, baseado num desenho de simplicidade e fiabilidade.

O fabrico do E2 combina a manufatura tradicional e aditiva para uma abordagem personalizada. Para componentes que requerem passagens de fluido internas complexas – incluindo a câmara de impulso E2 e turbo bombas – as peças são impressas em 3D com ligas de alto desempenho, fazendo uma pós-produção até à conclusão. Para peças que não possuem passagem interna de líquidos são usados métodos de forjamento e fabrico bem estabelecidos para optimizar custo, prazo de entrega e fiabilidade. Essa simplicidade resulta num motor que pode ser fabricado e montado rapidamente para atender às necessidades dos clientes.

De forma geral, o perfil de lançamento do RS1 inicia-se com a ignição dos nove motores E2 na plataforma de lançamento. Após um voo vertical de alguns segundos, o veículo alinha-se no seu azimute de voo durante a ignição do primeiro estágio que termina a T+2m 40s, com um veículo a uma altitude de 75 km e a viajar a uma velocidade de 2,6 km/s.

Após a separação do primeiro estágio, o segundo estágio entra em ignição a T+2m 43s a uma altitude de 80 km. A separação das duas metades da carenagem de protecção ocorre a T+3m 20s (altitude de 125 km e velocidade de 2,65 km/s). A duração da ignição do segundo estágio vai depender do perfil da missão, mas geralmente ocorre a T+8m 28s, a uma altitude de 200 km e a uma velocidade de 7,8 km/s. A separação da carga ocorre a T+8m 38s.

Com sede em El Segundo, Califórnia, a ABL Space Systems é uma empresa norte-americana que desenvolve sistemas de lançamento orbitais. A empresa foi fundada em 2017 por Harry O’Hanley e por Dan Piemont, que anteriormente trabalhavam para a SpaceX e para a Morgan Stanley, respectivamente.

Nas instalações de El Segundo estão situadas as infraestruturas de projecto, fabrico e montagem dos sistemas integrados, incluindo o lançador RS1 e dos sistemas de operação no solo (GSO). A companhia define-se pela sua alta verticalização: fabricação própria desde os painéis até à turbo mecânica que lhe permite um controlo restrito dos custos e da calendarização.

No entanto, as maiores instalações da empresa encontram-se no porto de Long Beach, Califórnia, onde realiza o processamento dos lançadores, integração de carga e operações marítimas para apoiar a sua rede global de instalações de lançamento.

A empresa também dirige operações em duas instalações no Deserto de Mojave, Califórnia. Desde 2019, opera a Área 1-56 na Base Aérea de Edwards, que está focada no avanço da investigação e desenvolvimento, e outras operações que permitem um lançamento imediato. É também no Mojave Air & Space Port que a empresa testa os motores E2, o equipamento de lançamento e os estágios integrados.

Os sistemas de operação no solo é um sistema transportável desenvolvido pera se adaptar às necessidades da indústria. O GS0 reconsidera o que é necessário para um lançamento orbital: uma plataforma plana de betão, uma pequena equipa e um horário curto.

A ABL Space Systems pode realizar os seus lançamentos orbitais a partir da Base das Forças Espaciais de Vandenberg, Califórnia; do Kodiak PSC, Alasca; do MARS Wallops Island, Virgínia; do Porto Espacias de Camden County, Geórgia; do Cabo Canaveral SFB, Florida; e de Shetland, Reino Unido.

Bibliografia:

  • “VariSat-1 Satellite Technical Description” acedido a 10 de Janeiro de 2023, em https://apps.fcc.gov/els/GetAtt.html?id=293033&x=

 



O Boletim Em Órbita não tem fins lucrativos e é mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando seu bloqueador de anúncios em www.orbita.zenite.nu

Comente este post