A missão STS-128

Este voo do vaivém espacial OV-103 Discovery tardou em partir mais do que o esperado. A tripulação da estação espacial internacional ISS, aguardava a sua chegada no final de Agosto de 2010 e a primeira nave de carga Japonesa em Setembro. Este último, o HTV, foi lançado a 10 de Setembro e a sua acoplagem não foi automática, sendo capturado pelo braço robótico Canadarm-2 que o levaria até ao seu ponto de ancoragem. Por este motivo, Mike Barratt e Frank De Winne realizaram várias sessões de treino e simulação da manobra. O HTV seria ancorado na porta inferior do módulo Harmony. A 7 de Agosto, o Canadarm-2 foi utilizado para extrair o módulo PMA-3 a partir da sua posição no módulo Unity e levá-lo para outra estação, deixando-a livre para a futura instalação do nó-3 e da cúpula. Por seu turno, Tim Kopra preparava as ferramentas e roupas espaciais que seriam usadas durante as três saídas extraveículares previstas durante a estada do Discovery (STS-128). Os astronautas trabalharam aliás com o sistema americano de geração de oxigénio (OGS). A unidade teve de ser desconectada devido a problemas técnicos, e os tripulantes tiveram vários cartuchos sólidos de geração de oxigénio (cartuchos SFOGO) para compensar.

Na Terra, os astronautas da Discovery realizaram com sucesso a 7 de Agosto a contagem decrescente simulada, antes de regressar de novo a Houston. A gestão do programa deveria então decidir se o veículo poderia ser lançado a 25 de Agosto, como previsto, ou se era conveniente adiar o voo até se compreenderem plenamente as causas da separação de espuma isolante que ocorreu durante a última missão. Em paralelo, a NASA anunciou os nomes dos membros da tripulação que se irão viajar na missão STS-134 para a ISS. Esta missão irá transportar um importante instrumento científico chamado AMS (Alpha Magnetic Spectrometer), concebido para medir raios cósmicos e o estudo de questões fundamentais da astrofísica. O voo será comandado por Mark Kelly, apoiado pelo piloto Gregory H. Johnson e especialistas da missão Michael Fincke, Greg Chamitoff, Andrew Feustel e o italiano Roberto Vittori da ESA. A NASA anunciou também que problemas de saúde obrigaram a substituir Karen Nyberg na missão STS-132, que será substituída por Michael Good.

O vaivém espacial Discovery foi transferido a 4 de Agosto na Plataforma de Lançamento 39A. A viagem do edifício de montagem vertical VAB durou muito mais tempo do que o esperado, quase 12 horas, devido às condições meteorológicas e da presença de lama que tornou difícil o avanço ao longo da via. A lama deveria ser limpa periodicamente do sistema de tracção. Com a nave agora firmemente ancorada na plataforma, os técnicos começaram os preparativos para a contagem decrescente simulada, agendada para finais de semana, e com a presença dos astronautas a bordo. Na Europa, a ESA anunciou o nome de sua participação iminente no Discovery. Quando o Europeu Christer Fuglesang voou para a Estação Espacial Internacional durante a missão STS-128, faria-o como parte da sua missão, baptizada “Alissé”. Christer participará nas segunda e terceira saídas extraveículares a efectuar, durante o qual serão instalados os cabos necessários para a instalação futura do módulo chamado Nodo-3, assim como retirar um tanque de amoníaco vazio. Além disso, irá-se recuperar uma plataforma de experiências (EuTEF), que operou durante 18 meses fora do módulo Columbus. O nome “Alissé” foi o vencedor de entre 190 propostas apresentadas. Refere-se aos ventos que ajudaram Cristóvão Colombo para alcançar a América.

A direcção da NASA completou a 19 de Agosto a revisão do estado do vaivém Discovery e deu luz verde para o seu lançamento no dia 25. Examinadas em profundidade todas as questões pendentes, incluindo o desprendimento de espuma isolante do tanque externo durante a última missão, o veículo estava pronto a partir para a estação espacial internacional. A resolução da falha de um controlador eléctrico no vaivém espacial, que obrigou à sua substituição, foi a única dificuldade na qual que os técnicos estavam a trabalhar, e esperava-se que a análise posterior, examinada a 23 de Agosto, confirmasse a autorização para o lançamento. Durante a missão de 13 dias para o complexo orbital seriam transportados vários pequenos módulos científicos e de armazenamento, um congelador para armazenar amostras, um compartimento para dormir, um sistema de purificação de ar e um tapete rolante chamado COLBERT.

Os astronautas chegaram à Florida a 19 de Agosto, em Houston, para a preparação final. Com a previsão de um clima favorável de a cerca de 80 por cento, foi iniciada no dia 23 de Agosto a contagem decrescente para o lançamento do Discovery para a missão STS-128. A contagem começou na posição T-44 horas, às 0300UTC e durou até ao momento da descolagem, programada para 25 de Agosto. Durante esse tempo, o relógio iria parar várias vezes para dar a oportunidade para resolver os problemas técnicos que poderiam surgir. Até então, a equipa não tinha encontrado nenhuma dificuldade, além do que o mau tempo poderia prejudicar o trabalho de enchimento dos tanques de combustível na Segunda-feira. O Discovery disporia de quatro oportunidades durante a janela de lançamento que se estendeu de 25 a 30 de Agosto. Os astronautas, por sua vez, estavam na Florida, a rever o plano de voo e de preparação para a partida.

Apesar das boas previsões, que foi precisamente o tempo que impediu o lançamento da Discovery à hora previsão, forçando a um atraso de 24 horas. Com os tanques de combustível cheios e os astronautas nos seus lugares na cabine, o mau tempo ultrapassou os limites da janela de lançamento disponível a 25 de Agosto. Durante a espera a T-9 minutos, os técnicos não encontraram nenhum problema técnico, mas a direcção do programa decidiu adiar o lançamento, tendo em conta as tempestades e a chuva. O horário do lançamento foi agendado para o dia 26 de Agosto, às 0510UTC. Os astronautas saíram do Discovery e voltaram aos seus aposentos, aguardando outra oportunidade. Um problema técnico e não atmosférico, adiaria novamente o lançamento, de 26 de Agosto.

Terminado o abastecimento de combustível (hidrogénio) no tanque externo, o centro de controlo não recebeu o sinal esperado que a válvula correspondente foi fechada. Confrontado com a possibilidade de que a válvula poderia estar aberta na totalidade ou parcialmente, foi decidido interromper a contagem decrescente. Agora, os técnicos têm de investigar a situação e ver se é uma falha do sensor, ou da própria válvula. No primeiro caso, a NASA teria de decidir se deverá lançar Discovery, sem essa informação, o que poderia ocorrer em 28 de Agosto, partindo do princípio de que há confiança de que a válvula funcionou normalmente. No segundo caso, se a válvula não actuou como deve fazê-lo, isto exigiria que o acesso à zona do motor e, consequentemente, o atraso que pode durar até 17 de Outubro e que o Discovery não poderia descolar até 30 de Agosto. Após essa data, há outras missões que têm de voar no espaço da Florida e de outros veículos que também estão preparados para ir para a estação, incluindo o primeiro japonês HTV.

A revisão da válvula de hidrogénio que causou o último adiamento, não revelou qualquer anormalidade no seu funcionamento. Os engenheiros abriram e fecharam cinco vezes, sem encontrar qualquer problema no seu sistema ou a circulação ou o indicador de posição. Tudo parecia indicar que era a falha no sensor e não deveria ser necessário acesso à válvula directamente, o que teria causado um atraso no lançamento do Discovery. Contudo, a direcção da NASA decidiu adiar o voo 24 horas e ter mais tempo para se analisar os dados obtidos.

O lançamento foi agendado para 23:59, hora em Florida, 28 de Agosto, aguardando a luz verde final. Durante o tempo extra, a NASA tentaria encontrar formas alternativas para certificar a posição fechada da válvula após o abastecimento dos tanques, mesmo que o sensor não funcionasse. A última reunião definitiva da direcção do programa do vaivém espacial deu luz verde para o lançamento da Discovery, considerando que a válvula afectada pelos problemas recentes realmente não possui falhas. Assim, às 0359UTC em 29 de Agosto, partiu do Centro Espacial Kennedy a missão STS-128 com sete astronautas a bordo. Oito minutos e meio depois, o veículo atingiu a altitude prevista e libertou-se de seu tanque externo, em que a equipa se apressou para fotografar e filmar procurando por eventuais danos durante a subida. Em seguida, as comportas do vaivém abriram-se e ajustou-se a órbita. Durante as próximas horas foi verificado o estado do braço robótico, que seria utilizado para a revisão usual da superfície do Discovery.

Após o período de sono, os astronautas foram informados das novidades, nomeadamente a detecção de falha de um pequeno motor auxiliar na área do nariz devido a uma fuga. Não era esperado que isto afectasse de modo algum as manobras de acoplamento com a ISS. No entanto, foi isolado o motor acima referido e outros relacionados, desactivando-os, para evitar problemas futuros. A rota para a ISS foi refinada utilizando várias vezes os motores de manobra orbital, OMS. Enquanto isso, Pat Forrester, José Hernandez e Kevin Ford dedicaram-se a verificar escudo térmico do Discovery, com o braço robótico do veículo. Uniram o OBSS que lhes permite ter acesso a áreas mais remotas, e usaram as suas câmaras para explorar as bordas das asas e do nariz. As imagens foram transmitidas para a Terra para estudo. Paralelamente a estas actividades, Danny Olivas, Nicole Stott e Christer Fuglesang verificaram os trajes espaciais para serem utilizados durante as três actividades extraveículares previstas. Também se instalou uma câmara na área de acoplamento, a fim de lhe proporcionar uma visão adequada durante a manobra de aproximação para a ISS. Na ISS, os seis ocupantes estavam a preparar chegada do Discovery preparando também o material fotográfico que usariam para observar escudo térmico do Discovery.

O Domingo, 30 de Agosto seria completamente dedicado à união entre a nave e a ISS. Assim, Ford e Sturckow guiaram com precisão o Discovery em direcção ao ponto de encontro. A cerca de 200 metros de distância, o Discovery deu uma volta sobre si mesmo, oferecendo a oportunidade de fotografar todos os seus escudos térmicos a partir da estação. Depois, continuou a abordagem, para promover o acoplamento com a ISS, às 0054UTC de 31 de Agosto. Tendo assegurado o acoplamento, as escotilhas foram abertas às 0259UTC, e houve uma reunião entre as duas tripulações. Após a tradicional cerimónia de boas vindas, Nicole Stott e Tim Kopra trocaram lugares na Soyuz, de modo que Stott se tornasse oficialmente um membro da Expedição 20 da Estação Espacial Internacional. Durante as próximas horas iria começar a transferência de material e preparação para a ligação do complexo orbital o módulo Leonardo.

O primeiro de oito dias de actividades conjuntas desenvolveu-se normalmente na estação espacial internacional. Com 13 astronautas a bordo, o complexo orbital voltou novamente a ficar lotado.

A tarefa principal do dia, 31 de Agosto, envolveu a transferência do módulo de logística, de construção italiano Leonardo, desde o porão do vaivém Discovery para o seu ponto de ancoragem provisória junto ao Harmony. Kevin Ford e Mike Barratt usaram o braço robótico da estação para levantá-lo desde a sua posição de lançamento e trazê-lo para o local apropriado (2156UTC). Uma vez garantido, verificou-se a pressurização do Leonardo e as escotilhas foram abertas, permitindo a entrada em primeiro lugar, Christer Fuglesang e Frank de Winne. As próximas horas serão destinadas a prepará-lo para iniciar a transferência de 7,5 toneladas de material transportado, uma tarefa que iria continuar durante os próximos seis dias. Dentro dele estavam, entre outros, dois “racks” científicos (o Fluid Integrated Rack e o Materials Science Research Rack), uma nova cabine de descanso para a tripulação, o congelador MELFI-2 (Minus Eighty-degree Laboratory Freezer for ISS), o sistema ambiental Air Revitalization System Rack e a passadeira rolante COLBERT. Os astronautas continuaram também a movimentar ferramentas armazenadas na ponte do Discovery, trabalho iniciado no dia anterior. Entre o material transferido para dentro do complexo estavam alguns dos instrumentos que se utilizariam durante as três actividades extraveículares programadas, a primeira das quais teria início na Terça-feira 1 de Setembro. Olivas e Stott, protagonistas desta viagem, passaram a noite dentro do módulo Quest, onde seus corpos se adaptariam a uma atmosfera de pressão reduzida.

Na Terra, os engenheiros tinham revisto as imagens e outros dados sobre o estado do escudo térmico do Discovery e descobriu que ele estava em boas condições sendo desnecessário continuar a avaliação prevista para 2 de Setembro.

O dia 1 de Setembro foi dedicado para os astronautas do Discovery e da estação internacional na realização da primeira caminhada espacial. Danny Olivas e Nicole Stott foram para o exterior da ISS através do módulo Quest, e permaneceram 6 horas e 35 minutos realizando numerosas tarefas. Começaram cerca das 21:49 UTC e imediatamente começaram a mover um tanque vazio de refrigerante (amoníaco) a partir do segmento P1 até ao porão do Discovery, com a ajuda do braço robótico Canadarm-2. Isso abriu caminho para apontar para a instalação de um novo depósito. Então, os astronautas dirigiram-se ao exterior do módulo europeu Columbus, onde desmontaram as duas plataformas científicas (EuTEF, e o sexto MISSE) também foram transportados para o porão do vaivém para seu retorno à Terra. O primeiro, esteve a funcionar desde Outubro de 2007 com nove experimentos que recolheram informações sobre o ambiente espacial. O MISSE-6, por sua vez, tinha dois recipientes para avaliar os efeitos do meio ambiente em várias amostras de material. Durante a saída extraveícular, Olivas relatou à Terra em um possível mau funcionamento em uma das suas luvas. Engenheiros compararam as imagens recebidas com as tomadas antes do lançamento, e determinaram que estavam iguais. Além disso, o mau tempo em White Sands cortou as comunicações com um dos satélites TDRS e astronautas ficaram sem contacto directo com o centro de controlo cerca de meia hora. Durante esse tempo, seria Patrick Forrester que falaria com eles, e teve de rever a agenda. Concluído o corte nas comunicações, continuou com a lista de tarefas agendadas, que foi concluída sem qualquer dificuldade. A EVA terminou às 0424UTC de 2 de Setembro.

Enquanto Olivas e Stott estavam fora da ISS, os seus companheiros de equipa dentro da ISS continuaram a transferência de material e equipamento do módulo Leonardo. O tapete rolante COLBERT (Combined Operational Bearing External Resistance Treadmill), por exemplo, foi levado ao seu destino, assim como o novo rack de purificação do ar e o compartimento para os tripulantes. Após a caminhada do dia anterior, em 2 de Setembro, os astronautas do Discovery continuaram a transferir o material e equipamentos do módulo de Leonardo para o seu local de armazenamento ou instalação. Struckow, Ford, Forrester, Hernandez e Fuglesang, com a ajuda de Padalka e De Winne, ocuparam-se de retirar os dois novos racks científicos (Fluid Integrated Rack e Materials Science Research Rack-1) e o congelador Minus Eighty-degree Laboratory Freezer-2 para o módulo Destiny, onde foram instalados. Enquanto isso, Barratt dedicou-se a preparar o novo habitáculo (o terceiro dos quatro planeados pela NASA), para ser utilizado por um dos astronautas, neste caso, o canadiano Robert Thirsk. Este último também contribuiu para transportar alimentos e outros materiais do Leonardo para a estação. Enquanto isso, Stott continuou seu processo de aclimatação e familiarização daquela que vai ser sua casa por várias semanas. Juntamente com De Winne treinou durante um par de horas nos procedimentos a utilizar durante a próxima chegada e acoplagem da nave de logística HTV do Japão, que seria lançada em 10 de Setembro. Hernandez e Olivas mais tarde participaram numa entrevista com jornalistas espanhóis em Terra. E, finalmente, Olivas e Fuglesang foram dormir para o módulo Quest, a uma pressão inferior para preparar a sua saída extraveícular no dia seguinte.

Na Terra, os engenheiros durante algumas horas estudaram a possibilidade de antecipar ou retardar a EVA, por causa da passagem próxima de um estágio superior de um Ariane-5, o que poderia causar algum perigo. No entanto, foi decidido que não seria necessário executar qualquer manobra, uma vez que não passaria a menos de 3 km de distância. A NASA confirmou que iria continuar a acompanhar lixo espacial e teria de elaborar um plano de mudança orbital, se necessário.

A EVA da segunda missão teve lugar durante 6 horas e 39 minutos e serviu para instalar o novo tanque de amoníaco, cujo conteúdo vai ajudar a arrefecer os sistemas do segmento americano da estação. A caminhada extraveícular começou às 2212UTC de 3 de Setembro. Danny Olivas e Christer Fuglesang colocaram no seu novo lugar o contentor com cerca de 250 kg de amoníaco. Esteve armazenado no porão do Discovery, coberto com uma manta térmica que teve de se retirar. Fuglesang, no final do braço robótico, levou-o ao seu destino final no segmento P1. Junto a Olivas prendeu-o com os quatro parafusos e ligou as condutas. Para concluir a operação, fechou o antigo tanque no porão do Discovery, prendendo-o para o seu regresso à Terra. O sistema de arrefecimento serve para extrair, através de condutas, o calor gerado pelos sistemas da ISS. Uma vez que estas duas tarefas antes da hora marcada, os astronautas vão adiantaram outros trabalhos. Por exemplo, instalaram uma capa protectora para as lentes da câmara do braço robótico da estação. Isso irá evitar a contaminação, quando o braço for usado para capturar e anexar o HTV Japonês, dentro de poucas semanas. Também instalaram o suporte portátil para os pés num ponto da viga central. Finalmente, de volta ao interior do módulo Quest, deram por terminada a sua tournée às 0451UTC de 4 de Setembro.

Dentro da ISS, os astronautas continuaram movendo a carga armazenada no módulo Leonardo. Aproveitaram o espaço vazio deste último para colocar os elementos que deveriam ser devolvidos à Terra. A tarefa de transferir fornecimentos atingiu seu ponto intermediário neste dia, com tempo ainda até segunda-feira 7 de Setembro para ser concluída. Após a jornada protagonizada pela segunda saída extraveícular, e atingindo o ponto médio da sua missão, a tripulação do Discovery pode finalmente desfrutar de um merecido descanso durante várias horas. Na tarde de 4 de Setembro, e depois de uma conferência de impressa colectiva de 40 minutos, regressaram às suas actividades juntando-se aos colegas da estação no processo de mover os mantimentos e materiais. Também começaram os preparativos para a terceira e última EVA, preparando os fatos espaciais e a escotilha de saída. Olivas e Fuglesang, protagonistas da EVA, passariam a noite dentro do módulo Quest. O seu trabalho no exterior, no entanto, seria algo diferente do que o plano de voo previsto. Durante a segunda EVA, Olivas e Fuglesang descobriram que alguns cabos no sistema de ancoragem PMA-3, pertencente ao sistema de aquecimento, estavam numa configuração incorrecta, a configuração que impediria o seu reposicionamento como planeado durante a terceira saída.

Enquanto os engenheiros estudavam a situação, esta tarefa foi eliminada do plano de trabalho dos dois astronautas. Especialistas encontraram mais tarde que havia uma discrepância entre a orientação real da PMA-3 e referidos anteriormente, algo que não se supõe criar algum problema mas vai forçar a alterações.

Danny Olivas e Christer Fuglesang saíram para o exterior da ISS a 5 de Setembro, ficando 7 horas e 1 minuto e realizaram a maior parte dos trabalhos previstos. Instalaram um sistema de união para cargas sobre a estrutura da viga central, que será utilizado no futuro, substituíram um dispositivo que mede a orientação da estação, que é essencial para os giroscópios, trocaram um módulo de controlo de energia, instalaram duas antenas de GPS e retiraram um cabo auxiliar no módulo Unity. No entanto, não puderam ligar dois cabos de aviónicos que terão de ser ligados ao módulo Tranquility quando este for enviado para a ISS. Os conectores correspondentes não encaixavam e a tarefa ficou para outra altura. Nos momentos finais da EVA, Fuglesang sentiu que a câmara e as luzes do seu capacete se soltaram, e Olivas ajudou-o a prender um cabo ao equipamento para não ser perdido ou danificado. De regresso ao interior do Quest, os pontos de ancoragem foram revistos para verificar seu estado. Os outros astronautas, entretanto, continuaram o processo de drenagem e recarga do módulo Leonardo, além de rever um dos 16 parafusos que asseguravam a sua ligação com a estação, que não funcionou correctamente. Por outro lado, abriu-se o filtro no sistema de geração de oxigénio, substituído pouco antes da chegada do Discovery, e descobriu-se que estava bloqueada por quase 80 por cento, sendo por isso foi alterado. A tripulação teve mais tempo livre no domingo, tendo completado a maior parte dos objectivos da missão. Após a transferência de materiais e resultados entre a estação e o módulo Leonardo, tudo estava pronto para fechar a escotilha e transferi-lo para o porão do Discovery. Houve também várias entrevistas com jornalistas e representantes políticos sobre a Terra.

Segunda-feira, 7 de Setembro foi o último dia de actividades conjuntas entre a tripulação do Discovery e a estação espacial. Após o período de sono, terminaram as últimas transferências, fecharam a escotilha do módulo Leonardo e usando o braço robótico Canadarm-2 do vaivém transferiram o módulo para o porão onde será retornado para a Terra. No seu interior iriam viajar mais de uma tonelada de resultados e equipamentos a serem examinados após o desembarque.

Às 0229UTC do dia 8 de Setembro, os astronautas realizaram uma cerimónia de despedida e poucos minutos depois, às 0341UTC, fecharam-se as escotilhas entre a ISS e o Discovery. Tudo estava pronto para a separação da nave. Nicole Stott permaneceu no complexo orbital, e Tim Kopra preparou-se para o regresso a casa. Discovery deixou a sua posição com a estação espacial internacional às 1926UTC de 8 Setembro. O piloto Kevin Ford foi responsável pela manobra do Discovery e fazendo o tradicional anel ao redor do complexo, com a dificuldade acrescida, nesta ocasião, para usar apenas o sistema motores auxiliares. O sistema secundário de motores foi desligado no início da missão quando se encontrou uma fuga de combustível num deles. Durante o sobrevoo, tiraram-se fotos da ISS e gravou-se a operação. Logo depois, iniciaram-se os motores e para que a nave se afastasse da estação e iniciou a sua própria rota em direcção à Terra. Antes a equipa usou o braço robótico a bordo para uma revisão final do estado do escudo térmico do Discovery. Na estação, os astronautas iriam desfrutar de um dia de folga após a partida dos seus companheiros. Deste modo estariam descansados para enfrentar a próxima visita importante: o veículo Japonês HTV, cujo lançamento estava programado para 11 de Setembro.

As imagens enviadas à Terra do escudo térmico do Discovery, não detectaram qualquer anormalidade, de modo a NASA deu sinal verde para o regresso da nave no dia 10 de Setembro. A tripulação passou o dia anterior à descida a preparar a manobra do veículo. Efectuou-se uma verificação completa do sistema de controlo aerodinâmico e motores auxiliares. Tudo o que não seria utilizado durante a descida foi devidamente preso e armazenado. Além disso, instalou-se a poltrona reclinável que iria ajudar Tim Kopra para melhor resistir a aterragem, no seu regresso após mais de 50 dias sem gravidade. Por fim, os sete astronautas realizaram uma conferência de imprensa final com as grandes redes de notícias dos Estados Unidos. A primeira oportunidade de aterragem na Florida, foi marcada para 2305UTC 10 de Setembro. A segunda estaria disponível para 0042UTC de 11 de Setembro. Meteorologistas previram possíveis trovoadas na península durante o fim de semana e por isso não era possível aterrar de acordo com a programação, obrigando a NASA a considerar o desvio do Discovery para a base da força aérea Edwards, na Califórnia, na sexta-feira ou sábado. Finalmente, o tempo foi o protagonista nas primeiras tentativas do Discovery no regresso à Terra. Enquanto esperam por indicações a partir do centro de controlo, os astronautas prepararam a nave para a descida, mas a ordem nunca chegou. Em vez disso, o veículo teria de efectuar uma manobra para evitar detritos espaciais cuja trajectória era demasiado próxima do Discovery. Fecharam o porão, enquanto aguardavam a hora marcada para a ignição dos motores de manobra, para iniciar a reentrada. No entanto, a NASA informou a tripulação que a mudança seria adiada, pelo menos, uma órbita devido ao mau tempo na Florida. Na sequência desta órbita, informaram os astronautas que a aterragem teria lugar na quinta-feira conforme planeado.

A NASA remarcou o regresso para Sexta-feira 11 de Setembro, oferecendo duas oportunidades de descida para a Florida e duas na Califórnia. As previsões de mau tempo na sexta-feira sugeriam que apenas se focasse na primeira oportunidade, na Florida. Se não fosse possível, o Discovery iria directamente para a base de Edwards. Como se esperava, o tempo não colaborou na Florida na sexta-feira 11 de Setembro o que levou a NASA a decidir finalmente que o vaivém Discovery aterraria na base Edwards, da Califórnia. Os astronautas prepararam o veículo para a reentrada e poucos minutos depois, às 0053UTC a 12 de Setembro, pousou na pista 22 de Edwards. Estava terminada assim uma viagem de 219 órbitas e 13 dias, 20 horas, 54 minutos e 55 segundos. Tim Kopra, que regressou da sua estadia de 58 dias no espaço, dos quais 53 foram passados na estação espacial, foi tratado pelos médicos, que comprovaram a sua boa saúde. No sábado, a equipa regressou a Houston, onde se ocupou da tradicional cerimónia de boas vindas. Em relação ao Discovery, seria enviado em breve ao Centro Espacial Kennedy, no Boeing 747 modificado. Depois seria preparado para sua próxima missão, prevista para Março de 2010.

Texto Manuel Pontes
Tradução de Hugo André Costa

Edição de Rui C. Barbosa

%d blogueiros gostam disto: