A ESA adquire a primeira missão mundial de remoção de detritos de uma start-up

A ESA está assinou um contrato de 86 milhões de euros com uma equipa industrial liderada pela start-up suíça ClearSpace SA para adquirir um serviço único: a primeira remoção de um item de detritos espaciais da órbita.

Como resultado, em 2025, a ClearSpace SA lançará a primeira missão ativa de remoção de detritos, ClearSpace-1, que se irá encontrar, capturar e reduzir para reentrada um adaptador de carga útil Vespa. Este objeto foi deixado numa órbita de eliminação gradual de aproximadamente 801 km por 664 km de altitude, em conformidade com os regulamentos de mitigação de detritos espaciais, após o segundo voo do Vega em 2013.

ClearSpace-1 captures Vespa

Pagar por este contrato de serviço, em vez de adquirir diretamente e gerir toda a missão, representa uma nova forma de a ESA fazer negócios – concebida como o primeiro passo para estabelecer um novo setor comercial no espaço.

Junto com a compra parcial desta missão inicial – a própria ClearSpace irá angariar o restante custo da missão através de investidores comerciais – a ESA também está a contribuir com tecnologias essenciais para o voo, desenvolvidas como parte da iniciativa Clean Space da Agência através do projeto Active Debris Removal/In-Orbit Servicing, ADRIOS.

Isto inclui sistemas avançados de orientação, navegação e controlo e IA baseada em visão, permitindo que o satélite caçador se aproxime com segurança do alvo de forma autónoma, bem como braços robóticos para realizar a captura.

Target: the upper part of this Vespa adapter

Conquistas futuras desafiadoras

“Pense em todas as capturas orbitais que ocorreram até este ponto e todas elas ocorreram com objetos-alvo cooperativos e totalmente controlados,” explica o Diretor-Geral da ESA, Jan Wörner. “Com detritos espaciais, por definição, esse controlo não é possível: em vez disso, os objetos ficam à deriva, muitas vezes a cair aleatoriamente.

“Portanto, esta primeira captura e descarte de um objeto espacial não cooperativo representa uma conquista extremamente desafiadora. Mas, com o número geral de satélites a crescer rapidamente na próxima década, as remoções regulares estão a tornar-se essenciais para manter os níveis de detritos sob controlo, para evitar uma cascata de colisões que ameaçam tornar o problema dos detritos muito pior.”

Luc Piguet, fundador e CEO da ClearSpace comenta: “Em velocidades orbitais, até mesmo um parafuso pode atingir uma força explosiva, que não pode ser protegida por designers de missão; em vez disso, a ameaça precisa ser gerida por meio da remoção ativa de itens de detritos.”

“O nosso projeto de ‘reboque’ estará disponível para limpar as órbitas principais de detritos que poderiam torná-las inutilizáveis para missões futuras, eliminando os riscos e responsabilidades crescentes para os seus proprietários e beneficiando a indústria espacial como um todo. O nosso objetivo é construir serviços em órbita acessíveis e sustentáveis.”

$video.data_map.short_description.content

Luisa Innocenti, Chefe do Gabinete Clean Space da ESA, acrescenta: “O plano é que esta captura pioneira forme a base de uma atividade comercial recorrente, não apenas para remoção de detritos por atores espaciais responsáveis em todo o mundo, mas também para manutenção em órbita: estas mesmas tecnologias também permitirão o reabastecimento em órbita e a manutenção de satélites, estendendo a sua vida útil. Eventualmente, prevemos que esta tendência se estenda à montagem, fabricação e reciclagem em órbita.”

Indústria europeia lidera remoção de detritos

ClearSpace – uma empresa spin-off estabelecida por uma equipa experiente de investigadores de detritos espaciais do EPFL, o Instituto Federal Suíço de Tecnologia em Lausanne – está a liderar uma equipa industrial que inclui empresas de vários países europeus, e as contribuições virão de empresas na Suíça, a República Checa, Alemanha, Suécia, Polónia, Reino Unido, Portugal e Roménia.

ClearSpace-1 prepares to reenter with Vespa

Com uma massa de 112 kg, o alvo Vespa do ClearSpace-1 tem quase o tamanho de um pequeno satélite, a sua forma relativamente simples e construção robusta tornam-no um primeiro objetivo adequado, antes de progredir para capturas maiores e mais desafiadoras por missões de acompanhamento – eventualmente incluindo a captura de vários objetos.

A missão ClearSpace-1 será inicialmente lançada numa órbita inferior de 500 km para comissionamento e testes críticos, antes de ser elevada à órbita do alvo para encontro e captura usando um quarteto de braços robóticos, a voar sob supervisão da ESA. O caçador ‘robot espacial’ juntamente com o alvo Vespa serão então removidos de órbita para combustão na atmosfera.

Notícia e imagens: ESA

Os artigos da ESA são escritos segundo o novo AO90



O Boletim Em Órbita não tem fins lucrativos e é mantido pelos anúncios exibidos aos nossos visitantes. Por favor, considere nos apoiar desativando seu bloqueador de anúncios em www.orbita.zenite.nu

Comente este post